Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Janeiro, 2011

O Benfica apenas formou a sua secção de Futsal em 2001, mas rapidamente se assumiu como um dos dominadores desse desporto em Portugal. Desde a fundação do sector, os encarnados já venceram cinco campeonatos nacionais, quatro taças de Portugal e o mais importante título de todos, a UEFA Futsal Cup, conquistada na temporada transacta. Único clube português a triunfar na principal competição de clubes do futsal europeu, o Benfica tentará, agora, conquistar o segundo título consecutivo na prova. Veremos se Sporting, Montesilvano e Kairat estão pelos ajustes.

Quem é o Benfica?

A secção de futsal do Sport Lisboa e Benfica foi fundada em 2001 e a equipa encarnada apenas demorou uma temporada a sagrar-se campeão nacional, pois triunfou logo no campeonato de 2002/03.

Desde essa data, as águias assumiram-se como uma das principais equipas portuguesas de futsal, tendo conquistado, a nível interno, cinco campeonatos nacionais, quatro taças de Portugal e quatro supertaças.

Internacionalmente, o palmarés do Benfica também é bastante rico, pois o Benfica já conquistou uma Taça UEFA em 2009/10 (3-2 na final diante dos espanhóis do Interviú) e foi finalista vencido da Taça UEFA em 2003/04 (1-4 e 4-3).

Treinada por Paulo Fernandes, a equipa do Benfica conta com grandes jogadores como Joel Queirós, Diece, Gonçalo Alves, Davi ou Arnaldo.

Equipa Tipo:

Bebé (GR); Joel Queirós, Arnaldo, Gonçalo Alves e Davi

Como se apurou?

Como campeão em título, o Benfica saltou directamente para a Ronda de Elite, onde foi sorteado com os sérvios do Ekonomac (equipa anfitriã), os ucranianos do FC Time Lviv e os croatas do Nacional Zagreb.

Nesse agrupamento, os encarnados não tiveram quaisquer dificuldades em assegurar o apuramento, terminando o Grupo 1 destacados na primeira posição após vencerem o Nacional (1-0), Time Lviv (2-1) e Ekonomac (5-2).

Classificação do Grupo 1 da Ronda de Elite

  1. Benfica 9 pts (apurado)
  2. Ekonomac 6 pts
  3. Time Lviv 3 pts
  4. Nacional Zagreb 0 pts

As hipóteses do Sport Lisboa e Benfica

Pela qualidade do seu plantel, experiência internacional e, também, pelo facto de ser o campeão em título, o Benfica terá de ser considerado como um dos principais favoritos à conquista da competição.

Perante a ausência de equipas espanholas e russas, normalmente as mais fortes nesta competição, o principal adversário do Benfica nesta fase decisiva da prova a disputar no Cazaquistão até deverá ser o Sporting, equipa que, na época transacta, roubou o tetracampeonato aos encarnados.

Read Full Post »

Na equipa de Iniciados do Sporting actua um médio-ofensivo de grande talento e com um futuro bastante risonho à sua frente: Fábio Martins.

Nascido em Lisboa a 10 de Fevereiro de 1996, Fábio Alexandre Cruz Martins iniciou-se no Alverca, tendo-se transferido para o Sporting na época transacta e permanecendo nos leões até hoje.

Médio-ofensivo muito evoluído técnicamente

Fábio Martins é um atleta rápido, evoluído tecnicamente e com boa resistência ao choque, sendo ideal para actuar numa posição adiantada do meio-campo.

Além desses predicados, a sua alargada visão de jogo pode fazer com que rapidamente o associemos, exclusivamente, à posição “dez”, contudo, o seu grande pulmão e capacidade física também lhe permitem fazer, com qualidade, a posição “oito”.

À beira de fazer 15 anos, trata-se de um grande talento que se espera que o Sporting saiba fazer crescer.

Read Full Post »


Serdar Kesimal é uma promessa turca

Na liga turca, mais concretamente no Kayserispor, actua um defesa-central que nasceu na Alemanha, mas já é internacional pela Turquia: Serdar Kesimal.

Nascido a 24 de Janeiro de 1989 em Colónia, Serdar Kesimal fez todo o seu percurso como jogador juvenil em clubes germânicos como  o FC Dönberg, o Wuppertaler e o FC Colónia.

Em 2009, transferiu-se para o Kayserispor, clube pelo qual ainda joga e onde já soma 41 partidas, assumindo-se, neste momento, como um dos jogadores mas importantes do clube turco e tendo, inclusivamente, chegado à selecção turca, pela qual já soma uma internacionalização.

Defesa-central de origem, actua a lateral-direito no Kayserispor

Kesimal é um atleta muito evoluído em termos técnicos e tácticos, tendo uma grande capacidade de passe e um excelente posicionamento no terreno de jogo.

Na selecção sub-21 turca, actuava como defesa-central, a sua posição de origem, contudo, os seus bons recursos técnicos fazem com que, no Kayserispor, jogue mais vezes como lateral-direito.

Ainda assim, é como defesa-central que penso que Kesimal encaixa melhor, pois é dono de uma boa capacidade de desarme e, numa dupla de centrais, é excelente para ficar mais solto e dobrar tanto o companheiro de sector como os laterais.

Read Full Post »


Matić é um médio-centro de futuro

Agora que David Luiz parece estar prestes a transferir-se para o Chelsea, falou-se que uma das contrapartidas para o Benfica poderia ser um médio-centro sérvio muito alto e forte: Nemanja Matić.

Nascido a 1 de Agosto de 1988 em Sabac, Nemanja Matić iniciou a sua carreira profissional em 2005/06, ao serviço dos sérvios do Kolubara, onde terminou a temporada com 16 jogos.

Explodiu no Kosice antes de chegar ao Chelsea

Na temporada 2006/07, o médio sérvio transferiu-se para o Kosice, onde permaneceu nessa e nas duas épocas seguintes. Durante esses anos, somou 67 jogos (4 golos) pelo clube eslovaco, assumindo-se como peça fundamental do meio-campo do Kosice e ajudando-o a conquistar a Taça da Eslováquia em 2008/09.

As suas exibições na Liga Eslovaca chamaram a atenção dos responsáveis do Chelsea que o contrataram para a temporada 2009/10. Ainda assim, o passo para os londrinos acabou por revelar-se grande demais, com o internacional sérvio a apenas fazer quatro jogos pelos “blues” durante toda a época.

Assim sendo, foi sem surpresa que Matić, na actual temporada, acabou emprestado ao Vitesse, onde voltou a jogar com regularidade, somando, em meia-época, dezanove jogos pela equipa holandesa.

Alto, forte, mas nada tosco

Nemanja Matić é um médio-centro que, apesar da altura (1,94 metros) é bastante competente com a bola nos pés, tendo boa qualidade de passe. Excelente em termos posicionais, é um bom recuperador de bolas e que dá muito músculo ao meio-campo, sendo, pela sua grande altura, importante na ajuda dos centrais em lances de bola parada.

Ideal para a posição “seis”, adapta-se a qualquer táctica, podendo jogar tanto sozinho como ser o elemento mais fixo de um duplo-pivot de meio-campo.

Um jogador interessante, mas que, ainda assim, teria dificuldades em ganhar a titularidade no Benfica, dada a forte concorrência de Javi García.

Read Full Post »


Vítor Vinha é internacional sub-21

Um dos bons valores da Liga de Honra é um defesa-esquerdo raçudo formado na Académica e que até já teve uma experiência no estrangeiro: Vítor Vinha.

Nascido a 11 de Novembro de 1986, Vítor Simões da Vinha foi formado na Académica e estreou-se na equipa principal dos estudantes na temporada de 2004/05. Todavia, nessa e nas três épocas seguintes, o lateral-esquerdo foi incapaz de jogar com regularidade na Académica, acabando por sair, no ínicio de 2008/09, para o Estrela da Amadora.

Ao serviço dos tricolores, o internacional sub-21 voltou a não se impor (apenas fez oito jogos) e, assim, na temporada seguinte, emigrou para Chipre onde representou o Nea Salamis, clube onde fez 28 jogos e assumiu-se pela primeira vez na sua curta carreira como titular indiscutível.

Após a experiência cipriota, Vítor Vinha regressou ao futebol português no início desta temporada para representar o Desportivo das Aves e, até este momento, tem sido um dos habituais titulares do conjunto da Vila das Aves, somando 20 jogos (1 golo) em todas as competições oficiais.

Lateral raçudo e com boa capacidade ofensiva

Vítor Vinha é um lateral-esquerdo que defende com critério e raça, ainda que, por vezes, cometa alguns erros comprometedores e que têm de ser corrigidos. Por outro lado, em termos ofensivos, é um jogador muito incisivo, subindo bem no terreno e criando bastantes dificuldades aos adversários.

Pelas suas características, trata-se de um jogador que encaixava na perfeição num 5-3-2 de laterais com liberdade para atacar ou num 4-4-2 em que, no outro flanco, estivesse um lateral mais defensivo que compensasse o perfil atacante do internacional sub-21.

Neste momento, com 24 anos, mas apenas a fazer a segunda temporada a jogar com regularidade, é, claramente, um jogador que merece ser observado por clubes de outra dimensão e interessados num lateral ofensivo.

Read Full Post »

Krpan festeja golo no Hajduk

Chegou ao Sporting já com a temporada 1998/99 em andamento e tinha como cartão de visita o facto de ter marcado dez golos pelo Osijek na temporada anterior. Para além disso, tinha estado com a Croácia no Mundial 1998, ainda que, nesse certame, pouco tivesse jogado. Com essas boas indicações, os adeptos leoninos rapidamente pensaram que podiam estar na presença de um jogador que resolvesse os seus problemas de finalização e confiaram no croata. Infelizmente, rapidamente se percebeu que, para além de ser um jogador rápido, Krpan ficava muito a dever ao talento em todos os outros aspectos que caracterizam um ponta de lança. Golos, então, eram quase tabu…

Boas exibições no Osijek valeram-lhe presença no Mundial 98

Petar Krpan nasceu a 1 de Julho de 1974 em Osijek, fazendo todo o seu percurso como jogador juvenil no clube da sua cidade natal. No Osijek, também se estreou no futebol profissional, na temporada de 1994/95, tendo, nessa época, feito 3 golos em 9 jogos.

Posteriormente, entre 1995 e 1998, o croata haveria de fazer 87 jogos (23 golos) pelo Osijek, assumindo-se como um dos bons valores do emergente futebol croata e chegando, inclusivamente, à selecção da Croácia.

Nessa selecção, haveria de disputar o Mundial 1998, ainda que, nessa competição em que a Croácia conquistou o terceiro lugar, apenas tenha feito quinze minutos no jogo dos oitavos de final diante da Roménia (1-0).

Pouco sucesso no Sporting

No rescaldo da presença no Mundial de França e já com a época 1998/99 em andamento, Petar Krpan transferiu-se para o Sporting, onde se esperava que resolvesse os problemas ofensivos leoninos. Contudo, em Alvalade, apesar da utilização regular (27 jogos), apenas fez três golos, mostrando ser um avançado rápido e esforçado, mas muito trapalhão e com um sentido de baliza muito duvidoso.

Assim sendo, foi sem surpresa que acabou por sair do Sporting na temporada seguinte, seguindo para Leiria, onde, durante duas épocas, voltou a ser bastante utilizado (46 jogos), mas onde os golos, esses, voltaram a ser escassos (5 golos).

De volta ao sucesso na sua Croácia natal

Após a experiência na União de Leiria, Krpan transferiu-se, em 2001/02, para o Osijek, onde fez 11 jogos (6 golos) em meia-época, transferindo-se depois para o NK Zagreb, onde terminou a temporada com quatro golos em doze jogos e ajudou o clube da capital croata a sagrar-se campeão.

Após ainda iniciar a temporada de 2002/03 no NK Zagreb, o internacional croata rapidamente se transferiu para o Hajduk Split, onde acabou por fazer as duas melhores épocas da sua carreira com excelentes exibições e uma média de golos nunca antes vista (55 jogos, 21 golos). No Hajduk, Krpan também teve a felicidade de conquistar um campeonato e uma Taça da Croácia.

Regresso ao Leiria e declínio da carreira

Em 2004/05, Krpan regressou ao Leiria e foi importante em ajudar o clube do Lis a manter-se na primeira divisão, marcando cinco golos em 26 jogos, sendo um deles importantíssimo, pois valeu um empate diante do FC Porto.

Contudo, o retorno à União e ao futebol português apenas durou uma temporada, pois o avançado croata, na temporada seguinte, seguiu novamente para a Cróacia, onde permaneceu uma época no Osijek, antes de ter uma experiência na China ao serviço do Jiangsu Sainty.

Após uma rápida estadia no futebol chinês, o internacional croata regressou ao seu país, actuando uma temporada (2006/07) no secundário Inter Zapresic. Depois, na época seguinte, desceu ainda outro escalão, terminando a sua carreira ao serviço do frágil Graficar Vodovoc.

Desde que terminou a carreira, não se sabe nada do avançado croata, presumindo-se que tenha voltado a ser um anónimo cidadão de Osijek.

Read Full Post »


Papadopoulos é uma promessa grega

Na liga grega, mais concretamente no Olympiakos, actua um médio ofensivo de grande qualidade e que se assume como uma grande promessa do futebol helénico: Ioannis Papadopoulos.

Nascido a 9 de Março de 1989 em Salónica, o jovem internacional grego fez toda a sua formação no Iraklis, clube pelo qual se estreou ao mais alto nível em 2006/07. Após se destacar na época seguinte, acabou por se transferir para o Olympiakos no Verão de 2008, mantendo-se no clube de Pireu até hoje.

No Olympiakos tem conquistado lentamente o seu espaço, tendo já feito 31 jogos pelo gigante grego. Podendo jogar tanto a ala-esquerdo como a “dez”, revela-se um jogador bastante criativo, evoluído tecnicamente e com excelente remate de meia-distância.

Com apenas 21 anos e já internacional grego (1 ocasião), trata-se de um jogador para seguirem num dos próximos jogos do Olympiakos ou da selecção grega.

Read Full Post »


Rasmus Jönsson brilha no Helsingborgs

Na liga sueca, mais concretamente no Helsingborgs, actua um ponta de lança alto, forte e com grande sentido de baliza, que, por certo, seria uma excelente aquisição para um clube alto/médio-alto português: Rasmus Jönsson.

Nascido a 27 de Janeiro de 1990 em Viken (Suécia), Rasmus Jönsson é um produto das camadas jovens do Helsingborgs, clube que representa até aos dias de hoje. A sua primeira época como profissional foi em 2008 e, desde essa temporada, já fez 79 jogos (22 golos) pelo clube da primeira divisão sueca, tendo, inclusivamente, ajudado o Helsingborgs a conquistar a Taça da Suécia em 2010.

Ponta de lança com poder de choque e sentido de baliza

Jönsson é um ponta de lança de 1,92 metros, muito forte fisicamente e com grande poder de choque. Contudo, apesar de ser muito alto, não é um daqueles avançados que ficam parados à espera da bola, pois movimenta-se muito bem na frente de ataque, revelando uma grande capacidade de desmarcação e instinto de baliza. Para além disso e apesar de  não ser um portento de técnica, é competente com a bola nos pés, sabendo combinar com os colegas com critério.

O avançado sueco, pelas suas características, tanto pode jogar sozinho na frente num 4-3-3, mas também se adapta a um 4-4-2, sendo o ponta de lança mais posicional do duo.

Quase com 21 anos, trata-se, claramente, de um jogador a ser seguido com atenção por qualquer clube português interessado num bom ponta de lança.

Read Full Post »


Ricardo Sousa nos tempos do Boavista

Pode ter acabado de fazer 32 anos, mas ainda acredito que podia ser um número dez de primeira divisão e não andar a actuar no segundo escalão do futebol nacional na Oliveirense. Falo de Ricardo Sousa, filho de António Sousa e antigo jogador de clubes como o FC Porto, Boavista e Hannover.

Nascido a 11 de Janeiro de 1979 em São João da Madeira, Ricardo André de Pinho Sousa iniciou-se na Sanjoanenense, passando depois para as camadas jovens do FC Porto e estreando-se na primeira divisão ao serviço do Beira-Mar em 1998/99. Apesar de apenas ter feito a segunda metade da temporada, contabilizou 14 jogos (5 golos) e, mesmo não tendo evitado a descida dos aveirenses, foi peça fundamental na conquista da Taça de Portugal, pois marcou o golo decisivo com que o Beira-Mar venceu o Campomaiorense (1-0) na final do Jamor.

Empréstimos sucessivos até fazer grandes épocas em Aveiro e no Bessa

Apesar de estar ligado contratualmente ao FC Porto, Ricardo Sousa foi, nas temporadas seguintes, sendo sucessivamente emprestado a clubes como o Santa Clara, Beira-Mar (um regresso) e Belenenses, tendo-se destacando principalmente nos aurinegros, onde, em 2000/01, fez 11 golos em 27 jogos.

No Verão de 2002, terminou o seu vínculo aos dragões, seguindo para um clube que foi sempre o seu porto de abrigo (Beira-Mar) e onde fez grande época, marcando 11 golos em 33 jogos.

Essas grandes exibições valeram-lhe o salto para o Boavista, onde, em 2003/04, fez nova grande temporada, marcando 14 golos em 32 jogos e destacando-se como um dos grandes jogadores da liga portuguesa. No final da época, o eco do seu talento havia chegado à Bundesliga e o médio-ofensivo transferiu-se para o Hannover.

Perdeu gás com a emigração

A partir do momento em que emigrou para a Alemanha, o “dez” começou a perder gás, não se destacando nem no Hannover, nem em clubes como o de Graafschap (Holanda), Kickers Offenbach (Alemanha), Omónia (Chipre) e Drava Ptuj (Eslovénia).

Pelo meio, esteve novamente em Portugal na temporada 2006/07, mas, nessa temporada, ao serviço do Boavista, não esteve particularmente brilhante, fazendo dezoito jogos (três golos) em todas as competições que disputou pelos axadrezados.

Renasceu esta temporada na Oliveirense

Após a última má experiência internacional (na Eslovénia ao serviço do Drava Ptuj), Ricardo Sousa regressou ao futebol português para vestir a camisola da Oliveirense, clube onde se tem revelado como uma das principais figuras.

Médio-ofensivo de boa técnica, evoluída visão de jogo e letal nas bolas paradas, Ricardo Sousa já fez 15 jogos (2 golos) pelos nortenhos e é um dos principais responsáveis pelo primeiro lugar da equipa de Oliveira de Azeméis.

Aos 32 anos, acredito que ainda podia ser bastante útil a um clube médio ou médio-baixo da Liga Zon Sagres. Veremos se alguma dessas equipas arrisca contratar um jogador cerebral e de grande talento individual.

Read Full Post »


Wass pode chegar a custo zero

Já dizem os populares que “Ano novo, vida nova”. E a direcção do Benfica parece que quis ouvir o povo e com o novo ano veio também uma nova política de contratações para o futebol profissional.

Depois de alguns anos a apostar em jogadores reconhecidos internacionalmente e caros, como Saviola e Aimar, e em jovens promessas, mas com passes valorizados em mais de 5 milhões de Euros, como Jara, Di Maria, Roberto, entre outros, parece que o Benfica mudou de política.

Neste mercado de Inverno vemos uma mudança mesmo analisando os pequenos ajustes feitos no plantel. As únicas contratações de Inverno foram o José Luiz Fernandez, médio-esquerdo vindo do Racing de Avellaneda, que custou cerca de 2 milhões de Euros (barato comparando com Jaras, entre outros) e Jardel, defesa-central ex-Olhanense, que custou quase 400 mil.

Mas o início do ano fica também marcado pela preparação da época 2011/2012, que está a ser pensada de forma completamente diferente do que fazia num passado recente.

Para a próxima época fala-se de muitas contratações (até demais). Fala-se do Nuno Coelho da Académica de Coimbra, Nolito do Barcelona B, Rodrigo Mora do Defensor Sporting, Carole do Nantes, Wendt do Copenhaga, Taiwo do Marselha, entre muitos outros.

Nestas contratações e possíveis contratações vemos algumas grandes diferenças em relação à política de contratações dos últimos anos: são jogadores jovens, em fim de contrato (estratégia muito utilizada pelo Sporting de Braga) e alvos apetecíveis a nível financeiro (apesar de jogadores como Nolito ou Taiwo exigirem grandes prémios de assinatura).

Outro sinal positivo é que o Benfica voltou a apostar timidamente no mercado português (Jardel e Nuno Coelho) e nas camadas jovens (Luís Filipe Vieira falou da hipótese de termos 4 a 5 jogadores formados no clube no plantel principal na próxima época).

Analisando então esta mudança repentina de política, penso que esta justifica-se por 2 motivos:

•  a direcção do Benfica percebeu que a situação económica que atravessa o futebol coloca novos desafios e os clubes portugueses só podem cometer loucuras se venderem muito ou se fizerem boas campanhas na Champions League (e a do Benfica foi péssima);
• a UEFA começa a apertar o cerco e “vai” implementar o fair-play financeiro a partir da época 2013/2014: vai proibir clubes que tenham dívidas de participar nas competições europeias.

Sejam quais forem os motivos, considero esta notícia bastante positiva para o Benfica, desde que o trabalho de prospecção seja feito com qualidade. Acredito que com um bom trabalho de prospecção é possível formar uma equipa forte, com capacidade para lutar pelo título nacional e fazer boa figura nas competições europeias sem gastar muito dinheiro.

Read Full Post »

Older Posts »