Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Setembro, 2019

VarandasO Sporting viaja novamente numa daquelas espirais de auto-destruição que lhe são frequentes, e cujos sinais já vinham de longe, ainda que o mais tolerante (ou mais varandista) dos adeptos tentava ignorar, como que esperando por um daqueles milagres que jamais surge no clube verde-e-branco.

Uma vez mais, cometeu-se o típico erro tão sportinguista de se querer cortar radicalmente com o passado recente como se tudo o que viesse da direcção anterior estivesse errado. A novidade, desta vez, é que nem sequer se criou um novo paradigma, mesmo que errado.

Não, o que esta direcção conseguiu, isso sim, foi pegar nos erros das administrações de Filipe Soares Franco, José Eduardo Bettencourt e Godinho Lopes, e prescrever uma receita global para o desastre, pautada pelo autismo comunicacional, desvalorização negligente dos seus próprios activos, e uma política de contratações que parece um misto entre uma shortlist do FM 2015 e uma bolorenta base de dados do Carlos Freitas.

Voltou-se, rapidamente, àquele costume tão leonino de achar que se deve contratar aqueles jogadores que ainda ninguém reparou, mas que são certamente craques. Ou aqueles gajos que já falharam em toda a via-láctea mas que certamente vão explodir neste contexto de enorme tranquilidade e estabilidade que é o Sporting Clube de Portugal.

Surreal é também perceber-se que se passou toda a pré-temporada a contratar por catálogo, sem sequer se questionar o treinador sobre qual o perfil dos atletas que pretendia para o seu estilo de jogo. Depois, vende-se o principal ponta de lança sem lhe dar qualquer cavaco por sete milhões de euros e fica-se no plantel com um único “nove”, um ex-jogador de uma equipa da Segunda Liga.

O importante é poupar! Mas gastou-se cinco milhões de euros em Rafael Camacho (quando havia Matheus Pereira) ou três milhões de euros em Eduardo (quando se podia assegurar a continuidade de Gudelj a custo zero).

E quando até se compreendem as contratações, como é o caso de Rosier (7,5 milhões de euros) ou Vietto (7,5 milhões por 50% do passe) estas são feitas por valores completamente exagerados, entrando completamente em choque com o seu real valor de mercado e o próprio discurso da administração.

O último dia do mercado, então, foi uma verdadeira tragicomédia, com Varandas e Hugo Viana a mostrarem todo o seu know-how de scouting, desenterrando da pré-reforma Jesé Rodríguez e Bolasie, e juntando-lhes um brasileiro que apenas é popular no bairro brasileiro onde nasceu e na República Popular de Donetsk.

Entretanto, vendeu-se à pressa o melhor extremo do plantel e ainda se tapa os caminhos do onze principal aos três miúdos que cá ficaram e que verão a sua ascensão completamente bloqueada por três emprestados que, mesmo que se valorizem, serão para ganhos alheios. O mais irónico de tudo, é que dois desses jogadores até foram comprados por esta direcção (Plata e Camacho). Sem palavras.

Esqueceram-se, ao mesmo tempo, de reforços para as três principais lacunas do Sporting: A posição “seis”, onde apenas há o imberbe Doumbia e um Battaglia que vem daquelas lesões que nem sempre garante recuperação plena; a já supra-citada posição “nove”, onde resta Luiz Philippe; e a baliza, onde um bom “scouting” poderia ter facilmente identificado Rajkovic, um dos melhores guarda-redes da actualidade e que saiu para o modesto Reims por menos de meio Rosier.

Impressionante para quem dizia que tinha sempre plano A, B e C para tudo e que só vendia quando já tinha substituto alinhavado. Intrigante, principalmente depois de se ter ouvido tantas vezes que não havia necessidade extrema de vender os melhores activos.

A verdade é que o Sporting termina o mercado de Verão em liquidação total e sem gastar um euro na aquisição de um reforço que seja, quanto mais não fosse o ponta de lança, isto depois de terem despachado um futebolista que marcou 93 golos em 127 jogos por menos dois milhões de euros do que o FC Porto vendeu o seu defesa-central excedentário Osório.

Era engraçado perceber-se onde anda o dinheiro da “Apolo”, do empréstimo obrigacionista e do superavit entre compras e vendas de jogadores. Bem, ao menos agora o excel deve andar porreiro.

O problema vai ser quando as receitas caírem a pique com o mais do que certo divórcio crescente entre os sportinguistas e a sua equipa de futebol. É que ninguém pode sair motivado quando percebe que o plantel do Sporting é talvez ainda pior do que o plantel construído o ano passado pela comissão de gestão.

Mas eles querem lá saber. Primeiro meteu-se a culpa no “Brunão”, agora todo o mal tem o selo: Keizer e, brevemente, outro será o bode expiatório. E olhem que o leão é mesmo uma caixinha de surpresas.

Entretanto um gajo vai tentando rir para não chorar com tanta incompetência de quem pensa que comandar um clube de futebol é ignorar todo o factor emoção e focar-se na racionalidade cientifica da gestão de uma mercearia de esquina.

Afinal, já dizia José Maria Ricciardi que “isto não estava para amadores”, mas sinceramente é uma frase que me ofende ligeiramente.

É que amador sou eu e não conseguia fazer tanta merda.

Read Full Post »