Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Alemão’

Cannigia passou Taffarel e vai facturar

A 24 de Junho de 1990, Brasil e Argentina defrontavam-se, em Turim, para os oitavos de final do campeonato do mundo. As duas equipas haviam tido percursos bastante diferentes na primeira fase, pois se os brasileiros haviam vencido os seus três desafios diante de Suécia, Costa-Rica e Escócia, os argentinos haviam passado à justa na terceira posição do grupo, com apenas uma vitória (URSS) e um empate (Roménia) conquistados. Assim sendo, a selecção canarinha era favorita à vitória diante da equipa de Maradona. O jogo foi intenso, mas, com o passar do tempo, alguns jogadores brasileiros começaram a parecer sonolentos em campo. Nesse seguimento, a nove minutos do fim, Cláudio Cannigia fez o golo decisivo e eliminou o Brasil. O porquê da derrota? Maradona? Cannigia? Não, segundo os brasileiros, foi a água que os argentinos lhes deram…

O Brasil que participou no campeonato do mundo de Itália era uma equipa pouco espectacular, mas era fria e calculista. Apesar de não parecer uma normal equipa canarinha, os brasileiros convenceram durante a primeira fase, pois ganharam todos os jogos, ainda que sempre pela margem mínima. No Grupo C do Mundial, os canarinhos venceram Suécia (2-1), Costa-Rica (1-0) e Escócia (1-0).

Por outro lado, os argentinos haviam vivido uma fase de grupos que quase se tornou um pesadelo. No jogo de estreia, perderam com os Camarões (0-1), mesmo com a equipa africana a terminar a partida com menos duas unidades. Depois, venceram a União Soviética (2-0), num jogo em que voltaram a beneficiar de uma expulsão (Bessonov 46′). E por fim, empataram com a Roménia (1-1) num jogo sofrido, mas que acabou por resultar no apuramento das duas selecções para os oitavos de final.

Assim sendo, quase todos os analistas davam o favoritismo aos brasileiros no confronto com os argentinos para os oitavos de final do campeonato do mundo.

Como se esperava, o jogo foi muito táctico, mas os brasileiros tiveram mais iniciativa de jogo. Ricardo Rocha falhou por milímetros, Dunga atirou ao poste e Alemão à trave, sendo que o seguimento de oportunidades falhadas pelos brasileiros faziam prever um golo canarinho.

No entanto, como estava muito calor, os jogadores de ambas as equipas tinham o hábito de se deslocarem aos bancos para beberem água, sempre que o jogo tinha alguma paragem. No entanto, nem sempre se dirigiam ao próprio banco e, assim, algumas vezes os brasileiros beberam água no banco argentino.

Com a chegada do final do desafio, os brasileiros começaram a aparentar estar perdidos no campo, denotando falta de reacção em alguns lances. Quem os conhecia, percebia que não era cansaço, eram os oitavos de final do Mundial, tinha ser algo mais.

Aos 81 minutos, Maradona furou no meio de uma defesa sonolenta e desmarcou Caniggia para este fazer o golo decisivo para a eliminação canarinha. O jogo terminou pouco depois com a vitória argentina e rapidamente se tentou perceber, junto dos jogadores brasileiros, a razão para tão pronunciada quebra exibicional.

Branco, revoltado, afirmou que havia ficado sonolento após ter bebido água dada pelo massagista argentino e aumentou o teor das suspeitas. Ainda assim, ninguém deu seguimento a essa acusação. Durante vários anos, falou-se, nos bastidores, da possibilidade da água ter sido envenenada, porém, apenas em 1993 tivemos a confirmação das suspeitas.

Miguel di Lorenzo, massagista argentino, confirmou ao jornal “El Clarín” que tinha dois tipos de água na mala: uma para os seus e outra para os brasileiros. Segundo ele, a ideia tinha sido do próprio seleccionador celeste, Carlos Bilardo.

Assim sendo, pode-se dizer que, desta vez, para além dos golos falhados, os brasileiros acabaram por ser eliminados com o amargo sabor de água envenenada. 

Reveja o golo de Cannigia que eliminou o Brasil do Mundial 1990

Read Full Post »