Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Basileia’

Embolo tem tudo para ser uma estrela mundial

Embolo tem tudo para ser uma estrela mundial

A actual grande promessa do sempre multi-étnico futebol suíço é claramente Breel Embolo, jovem atacante de 18 anos que é oriundo dos Camarões, mas tem evoluído no Basileia e nas selecções helvéticas.

Trata-se de um talento nascido a 14 de Fevereiro de 1997 em Yaoundé, Camarões, ainda que cedo se tenha mudado para a Suíça, onde representou os modestos: Nordstern e Old Boys, isto antes de se transferir para o Basileia em 2010.

No pentacampeão helvético, estreou-se profissionalmente em 2013/14, somando 11 jogos (um golo), ainda que a sua explosão definitiva tenha acontecido apenas na actual temporada, campanha onde já soma 16 golos e 12 assistências em 38 jogos oficiais.

Uma verdadeira pérola

Breel Embolo é dono de um gigantesco talento individual, tendo todas as condições para ser um dos grandes avançados-centro do futebol mundial, uma vez que e rápido, explosivo, tecnicamente evoluído, forte fisicamente e um finalizador de excelência.

Perante este cocktail de valências, aliás, o internacional suíço adapta-se a inúmeras posições do ataque, nomeadamente ponta de lança, segundo avançado ou extremo, ainda que seja claramente em zonas centrais, como “nove” de perfil móvel, que atinge a plenitude das suas capacidades.

Natural, aos 18 anos, é que ainda tenha de melhorar no capítulo da decisão e da consistência exibicional, mas é inegável que só algo de muito inesperado impedirá este menino de se afirmar como um dos próximos craques do futebol mundial.

Read Full Post »

FC_BaselEm primeira instância, teremos todos a tendência de pensar que, ao FC Porto, terá saído o principal brinde deste sorteio dos oitavos de final da Liga dos Campeões, mas a verdade é que existiam equipas bem mais acessíveis neste pote de não cabeças de série, nomeadamente o Shakhtar Donetsk, que não poderia sair aos azuis-e-brancos, ou o Schalke 04, que não mostrou ser superior ao Sporting no Grupo G. Afinal, o Basileia, muito bem orientado por Paulo Sousa, é uma equipa que sabe o que quer, não tendo deixado o Liverpool para trás por acaso. Baseando o seu jogo num 4x2x3x1 muito dinâmico e aguerrido, certamente obrigará os pupilos de Julen Lopetegui a estarem no seu melhor nível para superarem esta eliminatória e passarem aos quartos de final da prova.

O FC Porto jogará no St. Jakob-Park

O FC Porto jogará no St. Jakob-Park

Quem é o Basileia?

Fundado a 15 de Novembro de 1893, o Basileia é um histórico clube suíço que, ainda assim, viveu essencialmente dois períodos dourados no seu percurso, sendo o primeiro entre a segunda metade dos anos 60 e os anos 70, quando conquistou sete dos seus 17 campeonatos, e outro desde o início do século XXI, quando reafirmou-se como o principal gigante helvético, somando, desde aí, mais nove campeonatos.

Aliás, o Basileia apenas conquistou uma Liga Suíça fora desse espaço temporal, mais concretamente em 1952/53, sendo ainda relevante lembrar que tem 11 Taças da Suíça na sua sala de troféus. Já ao nível das competições europeias, o melhor que conseguiu foi atingir os quartos de final da Taça dos Campeões em 1973/74 e as meias-finais da Liga Europa em 2012/13.

Actual pentacampeão suíço, o Basileia encontra-se em muito boa posição para alcançar o hexa, uma vez que já é lider isolado do actual campeonato local, somando mais oito pontos que o segundo classificado, o FC Zurique.

Paulo Sousa colocou o Basileia a praticar excelente futebol

Paulo Sousa impôs futebol positivo e dominador

Como joga?

O Basileia aposta essencialmente num 4x2x3x1 com claras dinâmicas posicionais, embora Paulo Sousa tenha a capacidade de alterar esse sistema, seja no início ou no decorrer do jogo, caso o perfil do adversário a isso obrigue.

Ainda assim, mais relevante do que a forma como as peças são colocadas no relvado, é falar do ADN deste Basileia, que passa por uma equipa que pratica um futebol com elevada nota artística, que prefere construir o jogo de trás e que impõe muita dinâmica e acutilância de processos no seu jogo, parecendo encontrar sempre soluções, mesmo perante adversários mais complicados.

Gostando de fazer pressão alta, poderá estar aqui um dos calcanhares de Aquiles do conjunto helvético, uma vez que esse factor, aliado a alguma tendência para perder o esférico na zona média de construção, expõe em demasia o seu sector defensivo, que não é propriamente rápido e sofre com as bolas colocadas nas suas costas.

De sublinhar, por fim, que o onze tipo deste Basileia de Paulo Sousa, esquematizado em 4x2x3x1, é o seguinte: Vaclik; Xhaka, Schar, Suchy e Safari; Fabian Frei, Elneny e Zuffi; Derlis González, Streller e Gashi.

Derlis é o desequilibrador do Basileia

Derlis é o principal desequilibrador do Basileia

Quem é que o FC Porto deve ter debaixo de olho? Derlis González

O Basileia tem inúmeros jogadores claramente acima da média, como os internacionais suíços: Schar (defesa-central), Fabian Frei (médio-centro) e Streller (ponta de lança), assim como o muito promissor atacante e recentemente naturalizado suíço, Embolo, de apenas 17 anos, mas a verdade é que o jogador que começa a assumir-se como estrela mais cintilante é o internacional paraguaio Derlis González.

Contratado este Verão ao Benfica, onde apenas jogou pelos juniores, o atacante de 20 anos havia passado as últimas duas temporadas emprestado ao Guaraní (36 jogos, 15 golos, em 2013) e Olímpia (20 jogos, nove golos, em 2014) do seu país natal, não tendo tido quaisquer problemas de adaptação ao principal campeonato helvético, onde soma 21 jogos, quatro golos e quatro assistências desde o início de 2014/15.

Partindo essencialmente do lado direito do ataque, Derlis González é, afinal, um desequilibrador nato, que se destaca pela sua velocidade e capacidade de drible, sendo um autêntico terror para os defesas em lances de um contra um. Para além disso, pela sua mobilidade, consegue ser híbrido na forma como executa o seu jogo, uma vez que tanto pode ser vertical num contexto de extremo mais puro, como mais diagonal, procurando desequilibrar em zonas centrais num contexto de falso-ala.

Como é que o Basileia chegou aos oitavos de final da Liga dos Campeões

O conjunto orientado por Paulo Sousa foi 2.º classificado no Grupo B com sete pontos, fruto de duas vitórias (1-0 ao Liverpool e 4-0 ao Ludogorets), um empate (1-1 com o Liverpool) e três derrotas (1-5 e 0-1 com o Real Madrid e 0-1 com o Ludogorets)

LCAs possibilidades do FC Porto

Apesar do Basileia ser uma equipa com maior qualidade do que pode aparentar à primeira vista, a verdade é que o FC Porto não deixa de ser favorito a ultrapassar esta eliminatória, uma vez que tem muito maior talento individual do que este conjunto suíço, podendo isso ser fulcral no desequilíbrio do duelo.

Ainda assim, todo o cuidado é pouco por parte da turma azul-e-branca, uma vez que o Basileia é uma equipa colectivamente muito forte e homogénea, estando aqui num patamar superior aos comandados de Julen Lopetegui, cujo colectivo ainda parece estar longe daquilo que a soma das suas individualidades parecia prometer.

Read Full Post »

Quando pensamos no futebol do Liechtenstein, lembramo-nos de uma selecção que outrora foi fraquíssima, mas que já começa a dar algum ar da sua graça no futebol internacional (quem não se lembra do 2-2 diante da selecção portuguesa) e, acima de tudo, do clube mais representativo do minísculo país dos Alpes, o FC Vaduz. Todavia, o futebol do principado não se esgota na selecção nacional e na equipa que já actuou no primeiro escalão do futebol suíço, sendo que hoje vamos falar do FC Balzers, onze vezes vencedor da Taça do Liechtenstein e, neste momento, a disputar o terceiro escalão do futebol helvético.

Onze títulos em quase oitenta anos de história

O FC Balzers foi fundado em 1932 e sempre actuou nos escalões secundários do futebol suíço, pois o Liechtenstein jamais teve um campeonato nacional.

Desde a sua fundação, os momentos de glória do clube do principado resumem-se às vitórias na Taça do Liechtenstein, sendo que o clube já venceu esse título por onze vezes (1964, 1973, 1979, 1981, 1982, 1983, 1984, 1989, 1991, 1993 e 1997). Para além dos onze triunfos, o clube também já foi finalista vencido da prova mais importante do Liechtenstein por treze ocasiões.

Neste momento a disputar a 1. Liga (terceiro escalão do futebol suíço), o FC Balzers é o segundo clube mais importante do Liechtenstein, sendo que apenas o FC Vaduz, se encontra a sua frente, pois soma 40 taças do Liechtenstein e disputa a Challenge League, ou seja, o segundo escalão do futebol helvético.

Duas participações nas competições europeias

A conquista das taças nacionais de 1993 e 1997 garantiu ao FC Balzers duas históricas participações nas competições europeias, sendo que se trata apenas de um dos únicos três clubes do Liechtenstein a disputarem uma prova europeia para além do FC Vaduz (17 vezes) e FC Schaan (1 vez).

Na primeira participação, 1993/94, o clube fez logo história, pois foi a primeira equipa do Liechtenstein a superar uma eliminatória europeia, ultrapassando o Albpetrol Patos da Albânia (3-1 e 0-0) na fase de qualificação da Taça das Taças. Infelizmente para o clube do principado, a eliminatória seguinte foi bem menos agradável, com o FC Balzers a ser esmagado pelos búlgaros do CSKA Sófia (0-8 e 1-3).

Em 1997/98, o clube do Liechtenstein haveria de regressar à Taça das Taças, contudo, desta feita, nem sequer passou da fase de qualificação, vergado a uma dupla derrota (1-3 e 0-2), diante do BVSC Budapeste húngaro.

Mario Frick com a camisola do Liechtenstein

O clube que revelou Mario Frick

A maior estrela do futebol do principado é claramente o agora veterano ponta de lança Mario Frick, jogador que representou clubes como o Verona, Basileia, FC Zurique, Grasshoppers ou Siena, além de já somar 104 internacionalizações e 16 golos pela selecção do Liechtenstein.

O que poucos sabem é que o atacante iniciou a carreira em 1990, precisamente no FC Balzers, onde somou 49 golos e chamou a atenção do St. Gallen, que o contratou e permitiu-lhe iniciar uma interessante carreira internacional que o fez percorrer vários clubes estrangeiros e tornar-se o primeiro jogador do Liechtenstein a actuar em Itália.

Curiosamente, em 2011, após dezassete anos a jogar fora do seu país, Mario Frick regressou ao ponto de partida, ou seja, ao FC Balzers, onde, mesmo aos 37 anos, tenta ajudar o clube onde iniciou a sua carreira a, quem sabe, subir mais um degrau na sua ascensão futebolística.

Read Full Post »

Xhaka é uma pérola do Basileia

Um dos jogadores que mais me agradou ver nesta primeira fase da Liga dos Campeões foi um médio-centro do Basileia, o kosovar naturalizado suíço: Granit Xhaka.

Nascido a 27 de Setembro de 1992 no Kosovo, Granit Xhaka é o irmão mais novo de Taulant Xhaka (também ele futebolista) e encontra-se na Suíça desde muito novo, tendo iniciado a sua carreira em 2000 nas escolas de formação do Concordia Basileia.

Em 2002, transferiu-se para o Basileia, clube que representa até este momento, tendo se estreado profissionalmente na temporada 2010/11, mais concretamente a 4 de Agosto de 2010, num jogo diante dos húngaros do Debrecen (3-1) a contar para as eliminatórias da Liga dos Campeões.

Até este momento, o médio-centro já soma 45 jogos (3 golos) pelo Basileia, assumindo-se como peça fundamental do conjunto suíço e tendo inclusivamente conquistado o título nacional helvético em 2010/11.

Peça importante na selecção suíça

Internacional por todos os escalões de formação pela Suíça, o jovem jogador do Basileia teve o seu momento mais alto em 2009, quando se sagrou campeão mundial de sub-17 ao serviço da selecção helvética.

Com apenas 18 anos, em Junho de 2011, o médio-centro haveria de garantir a primeira internacionalização A pela Suíça, estreando-se em Wembley num empate (2-2) com a Inglaterra. Desde essa partida, Xhaka haveria de fazer mais cinco partidas pela equipa helvética, assumindo-se como peça muito importante do meio-campo suíço e marcando o seu primeiro golo pela “Nati” numa vitória diante do Luxemburgo (1-0).

Médio-centro de grande inteligência posicional

Granit Xhaka é um médio-centro de 1,83 metros, que faz da sua grande capacidade posicional e inteligência a ler o jogo os seus grandes recursos. Forte fisicamente e com bons recursos técnicos, trata-se de um jogador que garante segurança à frente da defesa, tanto pela forma como cobre bem os espaços como pela fácil recuperação de bola.

No último jogo diante do Manchester United, formando com Cabral o duplo-pivot defensivo, foi o elemento do duo com mais responsabilidades ofensivas, percebendo-se facilmente que tem boa capacidade de construção e é efectivo nas transições defesa/ataque.

Pelas suas caractéristicas, é ideal para actuar ao lado de um trinco de tracção mais defensiva num 4x2x3x1, mas também pode actuar como “seis” puro ou “oito” num 4x3x3.

Neste momento, com apenas 19 anos, trata-se de um jovem muito talentoso e que merece que qualquer clube português interessado num bom médio-centro esteja de olho nele.

Read Full Post »

Shaqiri é uma promessa do Basileia

A polivalência de um jogador é sempre algo apreciado por qualquer treinador e, quando a essa polivalência se pode aliar um enorme talento e margem de progressão, estamos, certamente, a falar do suíço Xherdan Shaqiri.

O jovem de apenas 18 anos nasceu no Kosovo, mas foi para a Suíça ainda criança, onde cresceu nas camadas jovens do SV Augst e, posteriormente, do Basileia.

Nesse importante clube suíço, sagrou-se, em 2007, o melhor jogador do Torneio Nike Sub-15, motivando o interesse de vários clubes de topo no seu concurso. Ainda assim, Shaqiri preferiu manter-se no Basileia, pois entendeu que era melhor para o seu crescimento como jogador de futebol.

Estreando-se pela equipa principal do Basileia a 12 de Julho de 2009, o jogador de ascendência kosovar fez uma grande época de estreia (2009/10) com 32 jogos efectuados e quatro golos apontados. Essa excelente temporada, fez com que Shaqiri chegasse à selecção helvética e, inclusivamente, a estar presente no Mundial 2010, disputado na África do Sul.

Capaz de jogar a lateral (ofensivo) ou a ala/extremo, tanto no flanco esquerdo como no flanco direito, o internacional suíço é um jogador competente a defender, rápido, de boa técnica, que é forte no um contra um e também finaliza muito bem.

Um jogador a descobrir melhor num jogo do Basileia ou da Suíça.

Read Full Post »

Ouattara na selecção marfinense

O Sporting estava no defeso da época 1995/96 e havia perdido jogadores como Balakov, Figo ou Juskowiak, precisando de reforçar vários sectores para ter uma equipa competitiva. A equipa leonina fez uma prospecção longa e entendeu que, no FC Sion, estavam os substitutos de Balakov (Assis) e de Juskowiak (Ouattara). Ambos vinham com as melhores referências e, logo na primeira jornada do campeonato, Ouattara brilhou, fazendo um grande golo após uma grande cavalgada pelo meio campo portista. Os adeptos empolgaram-se, pensando estar ali uma grande pérola negra, um novo Weah, no entanto, rapidamente se desiludiram, pois o tempo ia passando e os golos, esses, eram tão raros como água no deserto. 

Ahmed Ouattara iniciou a carreira no Africa Sports, aos 19 anos, e esteve nesse clube marfinense durante seis temporadas, mostrando ser um avançado possante e com boa relação com o golo. As boas exibições e os muitos tentos apontados pelo jovem jogador chamaram a atenção do FC Sion que o contratou para a época 1994/95. 

Na Suíça, Ouattara esteve apenas uma temporada, mas, juntamente com Assis, brilhou bastante, marcando diversos golos e sendo muito importante da boa época que a equipa helvética fez (conquistou a Taça da Suíça e terminou o campeonato na sexta posição). 

Essas exibições chamaram a atenção do Sporting que viu em Ouattara um substituto de qualidade para o polaco Juskowiak. Os primeiros jogos foram promissores com Ouattara a marcar um excelente golo ao FC Porto, na primeira jornada do campeonato, num lance em que a sua força foi fundamental para passar Jorge Costa e Vítor Baía. 

Os adeptos empolgaram-se mas Ouattara nunca conseguiu cumprir com as expectativas. A sua passagem pelo Sporting de cerca de temporada e meia apenas rendeu seis golos em 27 partidas, ficando a ideia de um avançado lutador, simpático, mas, acima de tudo, desengonçado e trapalhão. 

Após a passagem pelos leões, Ouattara voltou ao FC Sion, passando depois por Basileia e Extremadura, sempre perseguido pelas lesões e sem ser capaz de mostrar as qualidades que, um dia, o fizeram jogar no Sporting. 

Em 2000, o marfinense regressou a Portugal para uma época no Salgueiros. Pensou-se que, numa equipa mais pequena, Ouattara pudesse brilhar mas foi puro engano. O internacional pela Costa do Marfim passou a maior parte da época no banco e apenas fez um golo, curiosamente na última jornada da temporada 2000/01. 

Terminada essa época, Ouattara regressou ao África Sports, terminando a carreira em 2002. Uma carreira longa, mas recheada de lesões e promessas que, infelizmente para o marfinense, nunca se vieram a cumprir. 

Ainda assim, hoje, enquanto trabalha para a federação marfinense, Ouattara deve-se lembrar de quando pisava o relvado do antigo Estádio de Alvalade e os adeptos leoninos cantavam, a plenos pulmões, o célebre: “Uh-Ah-Ouattara! 

Reveja o célebre golo de Ouattara, nas Antas, no primeiro jogo da época 1995/96. 

Read Full Post »

Os helvéticos já participaram em oito campeonatos do mundo, todavia, nunca passaram dos quartos de final e, a última vez que alcançaram essa fase da prova, foi há 56 anos (1954). Nas últimas duas participações (1994 e 2006), a selecção suíça cumpriu com os serviços mínimos, passando a fase de grupos e caindo, logo a seguir, nos oitavos de final. Agora, na África do Sul, com uma selecção mediana e num agrupamento com espanhóis, chilenos e hondurenhos, a dúvida é se conseguem voltar a cumprir os serviços mínimos (oitavos de final), ou se, ao invés, não passam da primeira fase da prova.

A Qualificação

Inseridos num grupo acessível com Grécia, Letónia, Israel, Luxemburgo e Moldávia, os suíços começaram muito mal a fase de apuramento com um empate em Israel (2-2) e, bem pior, com uma derrota caseira com o Luxemburgo (1-2).

Temeu-se o pior, mas os helvéticos, até final da fase de qualificação, estiveram bem melhor e apenas concederam dois empates (Letónia, fora, 2-2 e Israel, casa, 0-0), vencendo todas as restantes partidas.

Nesse percurso vitorioso, temos de destacar a dupla vitória diante da selecção helénica (2-0 e 2-1), decisiva para alcançarem o primeiro lugar do Grupo 2 e consequente apuramento directo para o Mundial sul-africano.

Grupo 2 – Classificação

  1. Suíça 21 pts
  2. Grécia 20 pts
  3. Letónia 17 pts
  4. Israel 16 pts
  5. Luxemburgo 5 pts
  6. Moldávia 3 pts

O que vale a selecção helvética?

A equipa suíça vale, essencialmente, por ter um colectivo forte e, acima de tudo, muito experiente. Sem grandes estrelas, os helvéticos colocam todas as suas fichas na boa organização táctica e na eficácia.

O sector mais recuado da equipa de Ottmar Hitzfeld é composto por um grande guarda-redes, bem conhecido dos portugueses (Diego Benaglio) e por um quarteto defensivo muito sólido e seguro. Nessa defesa, a dupla de centrais será formada por Senderos e Grichting, dois jogadores que se completam, pois o jogador do Auxerre é muito forte pelo chão e o antigo defesa do Arsenal é poderoso no jogo aéreo. Por outro lado, nas laterais, deverão aparecer Zygler (à esquerda) e Lichtsteiner (à direita), dois defesas que correm o campo todo, defendendo e atacando com a mesma competência.

Depois, num meio campo típico do 4-4-2 clássico, deverão jogar Huggel e Inler como duplo pivot. Neste esquema, Huggel será um trinco puro, muito forte fisicamente e com a capacidade de encostar aos centrais sempre que necessário, enquanto Inler será um box to box, muito criativo, que sabe aparecer com perigo nas zonas mais adiantadas do terreno. Por outro lado, nas alas, deverão jogar Barnetta (à esquerda) e Padalino (à direita), dois jogadores criativos (principalmente Barnetta), mas que sabem defender, dando, assim, muita consistência à equipa helvética.

Por fim, no ataque, deverão jogar os veteranos: Nkufo e Frei. Tratam-se dois elementos bem diferentes, pois Nkufo é um avançado muito forte fisicamente, que desgasta muito os defesas e serve de elemento de referência ofensiva, enquanto Frei, é mais leve e móvel, ainda que se trata de um finalizador nato, que raramente falha no momento de definição. Ainda assim, se Hitzfeld pretender um ataque com dois elementos móveis, pode sempre abdicar de Nkufo e lançar o também veterano jogador do Lucerna: Hakan Yakin.

O Onze Base

A equipa helvética deve apresentar um 4-4-2 clássico com Diego Benaglio (Wolfsburgo) na baliza; Zygler (Sampdória), Senderos (Everton), Grichting (Auxerre) e Lichtsteiner (Lázio) na defesa; Barnetta (Leverkusen), Huggel (Basileia), Inler (Udinese) e Padalino (Sampdória) no meio campo; Nkufo (Twente) e Frei (Basileia) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Num grupo com Espanha, Chile e Honduras, o primeiro lugar estará, desde logo, totalmente de parte, pois salvo um escândalo, esse irá pertencer à pátria de Cervantes. Assim sendo, tendo em conta que as Honduras deverão ficar na última posição, caberá aos suíços disputar o segundo lugar com os chilenos, num duelo que se advinha muito equilibrado e intenso.

Calendário – Grupo H (Mundial 2010)

  • 16 de Junho: Suíça vs Espanha
  • 21 de Junho: Suíça vs Chile
  • 25 de Junho: Suíça vs Honduras

Read Full Post »

Older Posts »