Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Brehme’

Augenthaler levanta mais um título

Defesa-central alto, forte e imponente, foi um grande símbolo do único clube que conheceu ao longo da sua carreira sénior: Bayern de Munique e, também, da selecção da Alemanha Ocidental. Durante dezasseis anos, Klaus Augenthaler brilhou com essas duas camisolas mostrando ser um jogador que jamais virava a cara à luta e que dificultava ao máximo a vida aos avançados contrários que, muitas vezes, desesperavam na incapacidade de o ultrapassar. Versátil, terminou a carreira como líbero, mantendo todas as qualidades que, valha a verdade, não se resumiam ao plano defensivo, pois Augenthaler marcou mais de cinquenta golos ao longo da sua longa carreira.

Uma lenda do Bayern de Munique

Klaus Augenthaler nasceu a 26 de Setembro de 1957 em Fürstenzell, na Baviera, tendo feito quase todo o seu percurso juvenil ao serviço do modesto FC Vilshofen. Depois, em 1975, transferiu-se para o Bayern, onde começou nas camadas jovens, mas rapidamente chegou à equipa sénior.

Entre 1975 e o final da sua carreira em 1991, Klaus Augenthaler jogou sempre no Bayern. Efectuou 404 jogos (52 golos) pelo gigante bávaro e conquistou nove campeonatos alemães e três taças da Alemanha. Durante esse longo percurso, Augenthaler jogou uma final da Taça dos Campeões (perdeu, em 1982, 0-1 com o Aston Villa) e, ausente por castigo, viu os seus colegas perderem a final da Taça dos Campeões de 1987, por 2-1, com o FC Porto.

Campeão do Mundo pela Alemanha Ocidental

O defesa germânico fez, ao longo da carreira, 27 jogos pela selecção da Alemanha Ocidental, tendo participado no Mundial 1986 e no Mundial 1990.

No campeonato do Mundo do México, Augenthaler começou por ser titular nos dois primeiros jogos da Alemanha, ainda que depois tenha sido preterido nos restantes cinco, vendo, do banco, a equipa germânica perder a final do Mundial 1986 diante da Argentina de Diego Maradona (2-3).

Por outro lado, quatro anos mais tarde, no Mundial de Itália, Klaus Augenthaler foi titular durante os sete jogos da equipa alemã e, dessa forma, contribuiu de forma decisiva para um percurso imaculado dos germânicos que se sagraram campeões do Mundo após vencerem a Argentina, na final, por 1-0, graças a um golo de Andreas Brehme.

Um defesa duro e que marcava golos com regularidade

Não sendo muito alto (1,82 metros), Klaus Augenthaler era muito forte no jogo aéreo, sendo, também, quase intransponível com a bola junto à relva. Sempre disponível para lutar pela posse de bola, era implacável com os adversários que tinham imensa dificuldade em batê-lo.

Defesa-central de origem, foi, com o avançar da carreira, recuando para libero, sendo o percursor de grandes jogadores germânicos da posição como Mathias Sammer e Lothar Matthäus.

Dono de um forte pontapé, marcou 52 golos ao longo da sua carreira, nomeadamente através de remates de meia distância, fosse em jogo corrido ou em lances de bola parada.

Anúncios

Read Full Post »

Gomes era uma estrela deste Sporting

O FC Politehnica Timişoara tinha eliminado o Atlético de Madrid na primeira ronda da Taça UEFA (2-0 e 0-1) e, assim, os adeptos e responsáveis leoninos ficaram desconfiados do oponente romeno. Assim sendo, o Sporting, que vinha de uma eliminatória difícil diante dos belgas do Malines (1-0 e 2-2), encarou este compromisso com o Timisoara com o máximo respeito, colocando toda a carne no assador, logo na primeira mão, em Alvalade. Com essa atitude, esperava-se que os verde e brancos resolvessem logo a eliminatória com um triunfo de dois ou três a zero, mas, o que aconteceu nessa partida, foi muito melhor do que os leões alguma vez sonharam.

O Sporting, na primeira eliminatória dessa Taça UEFA 1990/91, defrontou o Malines, cuja estrela, nessa temporada, era o guarda-redes Preud’Homme e venceu por 1-0 em Alvalade (golo de Cadete), num jogo em que o ex-guarda-redes do Benfica defendeu um penalti. Depois, na segunda mão, os leões souberam sofrer em Malines, estando a perder por 1-0 e 2-1, mas conseguindo sempre a igualdade, primeiro por Gomes e depois por Cadete.

Assim sendo, os verde e brancos conseguiram o passaporte para defrontarem o Timisoara, uma equipa romena que tinha se celebrizado na primeira eliminatória por ter eliminado o Atlético de Madrid de Futre. Encarando o jogo com a máxima atenção e respeito, a primeira mão foi um jogo de sonho para os leões, que haveriam de vencer por 7-0, numa magnífica exibição de futebol de ataque, em que os leões viram Cadete fazer um hat-trick, Gomes bisar e, até, Careca e Bozinowski molharem a sopa diante de uma perdida equipa romena.

Graças a esse resultado gordo, a segunda mão foi um mero cumprir de calendário e os leões, curiosamente, até perderam (0-2) no campo da equipa onde jogava Ion Timofte.

Esta época dos verde e brancos na Taça UEFA, haveria de ser lendária, pois, após terem superado o Malines e o P. Timisoara, os leões eliminaram os holandeses do Vitesse (2-0 e 2-1) e os italianos do Bolonha (1-1 e 2-0), apenas parando nas meias-finais, numa eliminatória diante do Inter de Milão (0-0 e 0-2), tristemente célebre pelos falhanços de Oceano na primeira mão e pelos erros defensivos do jogo decisivo, fatais diante de um super Inter que contava com jogadores como Zenga, Brehme, Matthaus e Klinsmann.

Ainda assim, tratou-se de um percurso épico e prestigiante para o Sporting que teve, como momento alto, esta goleada, diante do Timisoara, perante um antigo Estádio de Alvalade cheio e exultante.


Read Full Post »