Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Cruz Azul’

Edcarlos com a camisola do Sport Recife

Foram tempos muito complicados para o Benfica. Alturas em que mesmo o segundo lugar era um sonho distante para os encarnados no campeonato nacional, sendo um bom exemplo esta época de 2007/08, temporada em que os encarnados terminaram a Liga Portuguesa em quarto lugar, atrás de FC Porto, Sporting e… V. Guimarães. Nessa fase, muitos jogadores de qualidade duvidosa representaram as águias, sendo um excelente exemplo o defesa-central brasileiro Edcarlos, atleta que teve uma passagem curta e pouco proveitosa ao serviço do Sport Lisboa e Benfica.

Chegou ao Benfica oriundo do São Paulo

Edcarlos Conceição Santos nasceu a 10 de Maio de 1985 em Salvador, Brasil, e iniciou a sua carreira no São Paulo, clube onde permaneceu até 2007, efectuando 67 jogos (2 golos).

No defeso de Verão de 2007/08, transferiu-se para o Benfica, clube que esperava que Edcarlos se assumisse como um reforço de peso para o centro da defesa encarnada.

Todavia, apesar da boa utilização (actuou em 27 jogos oficiais), o brasileiro nunca convenceu verdadeiramente o “terceiro anel”, acabando por não continuar no Benfica na temporada seguinte, mudando-se por empréstimo para o Fluminense.

Fluminense, Cruz Azul, Cruzeiro e Grémio foram passagens do defesa-central

De regresso ao Brasil, o internacional sub-20 canarinho foi utilizado com regularidade no Fluminense (46 jogos), mas, se começou bem no início do empréstimo, acabou por ter actuações desastrosas em 2009, que fizeram com que não continuasse no Rio de Janeiro e se transferisse, de forma definitiva, para o México e para o Cruz Azul.

No México, todavia, não se fez velho, acabando por ser emprestado a clubes como o Cruzeiro, Grémio e, desde Fevereiro deste ano, ao Sport Recife, clube que representa de momento e onde tem feito boas actuações.

Read Full Post »

Kikin a festejar o golo ao Belenenses

No defeso de 2006/07, chegava ao Benfica um atacante mexicano que se pensava que pudesse ser uma enorme mais valia para o plantel encarnado: Kikin Fonseca. Com bastante crédito na América Central e tendo marcado um golo a Portugal no Mundial 2006, o internacional mexicano parecia ter tudo para vingar no Estádio da Luz, entusiasmando os adeptos das águias, que já sonhavam com muitos golos e grandes exibições. No entanto, apesar de ter deixado excelente impressão pela capacidade de luta e pela entrega no terreno de jogo, o trajecto do avançado mexicano no Benfica acabou por ser demasiado curto, pois Kikin limitou-se a marcar 3 golos em 13 jogos, regressando ao México, menos de seis meses depois.

Apareceu no La Piedad e explodiu no Pumas

Nascido a 2 de Outubro de 1979, José Francisco “Kikin” Fonseca Guzmán iniciou a sua carreira no La Piedad em 2001, onde fez 28 partidas, sendo que a maior parte delas tenham sido como suplente. No ano seguinte, trocou o La Piedad pelo Pumas, brilhando até ao final de 2004, com 24 golos em 80 jogos e excelentes exibições individuais.

Posteriormente, no início de 2005, Kikin transferiu-se para o Cruz Azul, numa das mais caras transferências de sempre do futebol mexicano. Durante época e meia, o avançado raçudo provou que o histórico clube mexicano tinha acertado na sua contratação, marcando 25 golos em 48 jogos.

Passagem fugaz pelo Benfica

O sucesso ao serviço do Cruz Azul, aliado a um bom campeonato do Mundo de 2006 ao serviço do México, levaram os responsáveis encarnados a avançarem para a sua contratação no defeso de 2006/07. Chegado ao Benfica, esperava-se muito de Kikin Fonseca, mas o certo é que o atacante mexicano apesar de demonstrar ser um atacante com qualidades, como a enorme entrega, a raça e a mobilidade, nunca foi capaz de se revelar aquilo que os benfiquistas mais esperavam dele, um goleador.

De facto, em época e meia, Kikin Fonseca marcou 3 golos em 13 jogos, sendo dois deles num desafio para a Taça de Portugal diante do Oliveira do Bairro. Curiosamente, os três golos que marcou (o outro foi diante do Belenenses para o campeonato) surgiram nos dois últimos jogos que fez pelo Benfica, dando a ideia que talvez se tenha ido embora quando se começava a adaptar ao futebol português.

Regresso ao México

Após a curta experiência encarnada, o internacional mexicano regressou ao seu país natal, tendo se transferido para o Tigres. Nesse clube, haveria de permanecer até 2011, sendo um habitual titular, mas não revelando uma média de golos por aí além, pois apenas marcou 15 em 109 jogos.

Este ano, trocou o Tigres pelo Atlante, onde soma 5 golos em 8 jogos e mantém-se como um dos bons avançados do futebol mexicano.

Read Full Post »

O Paraguai já esteve presente em sete campeonatos do mundo, todavia, nunca conseguiu passar dos oitavos de final. Apesar de se tratar de uma das boas equipas sul-americanas, continua a viver na sombra dos gigantes de sempre (Argentina e Brasil) e, também, de uma equipa que não passa uma das melhores fases, mas que terá sempre dois títulos mundiais para se orgulhar (Uruguai). Ainda assim, a última fase de qualificação pode ser um sinal de que o Paraguai está a dar o salto para o patamar superior, pois a equipa guarani qualificou-se sem problemas de maior para a fase final, ficando mesmo à frente de equipas como a Argentina e o Uruguai. Assim sendo, veremos se, na África do Sul, o Paraguai reforça a ideia de que está, realmente, a evoluir.

A Qualificação

O Paraguai não teve quaisquer problemas em apurar-se para o campeonato do mundo, terminando a zona sul-americana de qualificação na terceira posição com uma vantagem de nove pontos sobre a primeira equipa que não se apurava directamente (Uruguai).

Durante o seu percurso, os guaranis obtiveram resultados vistosos como a vitória no Chile (3-0) e na Colômbia (1-0) e o facto de não terem perdido um único jogo diante dos argentinos (1-1 e 1-0).

Assim sendo, tratou-se de uma qualificação justíssima e, até, surpreendentemente fácil para a selecção paraguaia.

Zona sul-americana – Classificação

  1. Brasil 34 pts
  2. Chile 33 pts
  3. Paraguai 33 pts
  4. Argentina 28 pts
  5. Uruguai 24 pts
  6. Equador 23 pts
  7. Colômbia 23 pts
  8. Venezuela 22 pts
  9. Bolívia 15 pts
  10. Peru 13 pts

O que vale a selecção paraguaia?

Apesar de terem perdido um dos maiores obreiros da qualificação, Cabañas, um atleta que foi baleado na cabeça e que, apesar de sobreviver, teve de terminar a sua carreira futebolística, os paraguaios têm uma equipa de qualidade e com talento suficiente para discutir o apuramento para os oitavos de final.

Mais do que uma equipa cheia de estrelas, o Paraguai tem no colectivo a sua principal arma, pois é um conjunto muito unido e homógeneo, em que todos os elementos sabem muito bem o que têm de fazer dentro de campo.

No último reduto, o Paraguai conta com um guarda-redes seguro e experiente: Villar. Depois, apresenta um quarteto defensivo com uma dupla de centrais muito competente e quase insuperável nos lances de um contra um (Paulo da Silva-Júlio Cáceres) e dois defesas laterais com missões preferencialmente defensivas, que garantem o equilíbrio táctico do Paraguai, Cañiza, à esquerda, e Darío Verón, à direita.

No meio campo, a equipa guarani costuma actuar com um duplo-pivot composto por Ortigoza e Santana. Tratam-se de dois box to box, que atacam e defendem com a mesma competência, tendo, ambos, uma curiosidade, nasceram na Argentina. Depois, nas alas, o Paraguai deverá utilizar Riveros, na esquerda, e Barreto na direita. Apesar de não serem alas puros, adaptam-se muito bem a essa posição, tendo ainda a capacidade de fazerem muito bem as diagonais para o centro de forma a criarem situações de desequilíbrio nas defesas contrárias.

Por fim, as principais estrelas da equipa estão no ataque e são, claramente, a dupla Óscar Cardozo-Valdez. Estes dois atletas são o complemento um do outro, pois Valdez é um atacante móvel, rápido e desequilibrador, enquanto o Tacuara é um elemento mais fixo e que serve de referência atacante no esquema guarani. No entanto, a equipa paraguaia não fica por aqui em termos de poder ofensivo, pois, no banco, conta ainda com o atacante do Dortmund: Barrios e o experiente avançado do Manchester City: Roque Santa Cruz.

O Onze Base

Partindo do princípio que o Paraguai deverá apresentar um 4-4-2 conservador com laterais defensivos e falsos alas, o onze deverá ser o seguinte: Villar (Valladolid) na baliza; Cañiza (Léon), Paulo da Silva (Sunderland), Júlio Cáceres (Atl. Mineiro) e Darío Véron (Pumas) na defesa; Riveros (Cruz Azul), Santana (Wolfsburgo), Ortigoza (Argentinos Juniors) e Barreto (Atalanta) no meio campo; Cardozo (Benfica) e Valdez (Dortmund) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Inferior à selecção azzurra e bastante superior à Nova Zelândia, o Paraguai deverá discutir o segundo posto e consequente apuramento para os oitavos de final com a Eslováquia. Tratam-se de duas equipas de qualidade muito similar e será, por certo, um duelo muito intenso.

Calendário – Grupo F (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Paraguai vs Itália
  • 20 de Junho: Paraguai vs Eslováquia
  • 24 de Junho: Paraguai vs Nova Zelândia

Read Full Post »

A selecção azteca dá sempre a ideia de chegar ao fim da competição com a sensação de dever cumprido sem nunca superar ou defraudar as expectativas. Em 1970 e 1986, a jogar em casa, ainda atingiu os quartos de final, mas, desde 1994, ficou-se sempre pelos “serviços mínimos”, apurando-se na fase de grupos, mas sendo logo eliminado nos oitavos de final. Cronicamente apurados na frágil zona de apuramento da CONCACAF (os mexicanos nunca foram eliminados num apuramento para o Mundial), os aztecas deverão disputar com os uruguaios a classificação para os oitavos de final da competição. Ainda assim, quando falamos do aguerrido futebol mexicano, nunca poderemos por em causa a possibilidade do México ser capaz de surpreender o grande favorito do Grupo A, a França.

A Qualificação

Para uma selecção como o México, a zona de apuramento da CONCACAF é pouco mais que um passeio. Ainda assim, os mexicanos acabaram por fazer uma das fases de qualificação mais fraquinhas de que há memória.

Na 2ª fase, “esmagaram” o Belize (2-0 e 7-0), mas na 3ª fase, agrupados com Honduras, Jamaica e Canadá, acabaram em segundo lugar a dois pontos dos hondurenhos. Contudo, essa classificação explica-se pelo facto de, após terem vencido todos os jogos na primeira volta, limitaram-se a gerir os jogos da segunda volta, pois estavam seguros que o apuramento não fugiria. De facto, não fugiu.

Na 4º e última fase, os aztecas disputaram o grupo final com Estados Unidos, Honduras, Costa-Rica, El Salvador e T. Tobago. Sabendo que os três primeiros se apuravam para o Mundial e que o quarto ainda disputaria um playoff com uma equipa da América do Sul, os mexicanos sabiam que dificilmente falhariam a qualificação para o Mundial.

De facto, conseguiram-no com relativa tranquilidade, terminando em segundo lugar a um ponto dos EUA, mas passaram por algumas pequenas humilhações como a derrota em El Salvador (1-2) e o empate em Trinidad e Tobago (2-2).

2ª Fase – Eliminatória

Belize 0-2 México / México 7-0 Belize

3º Fase – Grupo 2

  1. Honduras 12 pts
  2. México 10 pts
  3. Jamaica 10 pts
  4. Canadá 2 pts

4º Fase – Grupo Final

  1. Estados Unidos 20 pts
  2. México 19 pts
  3. Honduras 16 pts
  4. Costa-Rica 16 pts
  5. El Salvador 8 pts
  6. T. Tobago 6 pts

O que vale a selecção mexicana?

A equipa azteca pode não ser um colosso do futebol mundial, mas tem um conjunto de qualidade e que mistura jogadores consagrados com jovens promessas.

A dupla de centrais é experiente e tem rotinas de futebol europeu, juntando Rafael Márquez (Barcelona) e Ricardo Osório (Estugarda). Na defesa, destaque ainda para o excelente lateral-esquerdo do PSV, Carlos Salcido.

No meio campo, apesar da equipa revelar experiência e segurança defensiva, falta alguma criatividade. Guardado (Deportivo), Torrado (Cruz Azul) e Israel Castro (UNAM) deverão ser os titulares, mas a equipa talvez ganhasse magia com a inclusão da jovem promessa do Barça: Jonathan dos Santos.

Por outro lado, no ataque, os aztecas contam com a enorme qualidade do extremo Giovani dos Santos e, também, do veteraníssimo Blanco, restando a dúvida se apostarão no experiente Franco (33 anos) ou, ao invés, arriscarão no jovem Hernandez ou na jovem promessa do Arsenal, Carlos Vela. De qualquer maneira, os mexicanos têm bastante qualidade nas opções atacantes e, aí, a equipa da América Central não terá problemas.

Integrada no Grupo A com França, Uruguai e África do Sul, podemos, à partida, colocá-los imediatamente como favoritos a alcançarem o segundo posto. No entanto, estará na gerência do plantel do seleccionador Javier Aguirre a fronteira entre disputar o primeiro lugar com os franceses ou, ao invés, ter dificuldades para se superiorizar ao Uruguai na luta pelo segundo posto.

O Onze Base

A equipa mexicana deve jogar com Ochoa (América) na baliza; Um quarteto defensivo composto por Salcido (PSV) à esquerda, Juárez (UNAM) à direita e Rafael Marquez (Barcelona) e Osório (Estugarda) no centro; Depois, no meio campo, deverá jogar Torrado (Cruz Azul) como trinco, ficando Israel Castro (UNAM) e Guardado (Deportivo) como uma dupla de box to box; Por fim, no ataque, o México deverá optar por três avançados: Giovanni (Galatasaray), na esquerda, o veterano Blanco (Vera Cruz), na direita, e, ao meio, um destes dois avançados: Franco (West Ham) ou Hernandez (Guadalajara).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Num grupo em que a França é favorita, a equipa mexicana deverá disputar o segundo lugar com os uruguaios, todavia, se as coisas correrem bem e os seus jogadores se apresentarem inspirados, poderão, inclusivamente, colocar em causa o favoritismo dos franceses para o primeiro posto.

Calendário – Grupo A (Mundial 2010)

  • 11 de Junho – México vs África do Sul
  • 17 de Junho – México vs França
  • 22 de Junho – México vs Uruguai

Read Full Post »