Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘CSKA Moscovo’

CSKASPode dizer-se que, no que diz respeito ao sorteio do playoff da Liga dos Campeões, o Sporting poderia ter melhor fortuna (Rapid Viena ou Club Brugge), mas também poderia ter apanhado adversários mais espinhosos (Mónaco ou Lazio), acabando por surgir em sorte um meio-termo, mais concretamente o CSKA Moscovo, vice-campeão russo que, lembre-se, até já cometeu a proeza de ganhar uma Taça UEFA aos leões em pleno Alvalade XXI. Ora, apresentando muitos predicados mas também algumas lacunas, este emblema orientado por Leonid Slutsky será sempre um osso duro de roer, ainda que ao alcance da esperada melhor face do Sporting de Jorge Jesus.

O CSKA joga no Arena Khimki

O CSKA joga no Arena Khimki

Quem é o CSKA Moscovo?

O CSKA Moscovo foi fundado em 1911, isto quando a sociedade do desporto amador do exército russo decidiu criar uma secção de futebol, sendo que o novo emblema haveria de assumir-se como uma das boas formações do campeonato da União Soviética, tendo somado, entre o primeiro campeonato da URSS (1936) e o último (1991), sete títulos, e sendo ainda de destacar a conquista de cinco Taças da URSS.

A partir de 1992, com a dissolução da União Soviética, o CSKA Moscovo passou a participar naturalmente no campeonato russo, prova que já conquistou por cinco vezes, tendo o último título surgido na temporada de 2013/14. Para além disso, há ainda que destacar a conquista de sete Taças da Rússia; cinco Supertaças da Rússia; e obviamente a Taça UEFA conquistada em Alvalade, diante do Sporting (3-1), em 2004/05.

Ainda assim, na temporada transacta, a equipa de Leonid Slutsky acabou por ganhar apenas a Supertaça da Rússia, tendo terminado a Liga Russa na segunda posição, e sendo eliminada da Liga dos Campeões na fase de grupos e da Taça da Rússia nas meias-finais.

Eremenko é muito talentoso

Eremenko é muito talentoso

Um ataque de impor respeito

O CSKA Moscovo costuma apresentar um onze num sistema de 4x3x3, mais concretamente na variante de 4x2x3x1, isto com: Akinfeev; Mário Fernandes, A. Berezutski, V. Berezutski e Nababkin; Wernbloom e Natcho; Tosic, Eremenko e Dzagoev; Musa.

Quanto ao principal perigo deste conjunto da capital russa, esse surge essencialmente no ataque, uma vez que o trio de médios-ofensivos (Tosic, Eremenko e Dzagoev) é muito móvel e criativo, havendo que estar especialmente atento à visão de jogo e qualidade de passe do internacional finlandês Eremenko, que actua pelo centro, e às diagonais de os falsos-alas Dzagoev e Tosic, que procuram constantemente o eixo para desequilibrarem e abrirem espaço aos muito ofensivos laterais: Mário Fernandes (direita) e Nababkin (esquerda).

Sozinho na frente, por outro lado, costuma actuar o perigosíssimo ponta de lança nigeriano Ahmed Musa, um futebolista baixinho que apresenta como principais valências a sua velocidade, explosividade e capacidade de finalização, sendo pródigo em ganhar as costas às defesas contrárias.

Os irmãos Berezutski estão na fase descendente da carreira

Os irmãos Berezutski estão na fase descendente

Uma defesa permeável

Mas se muitos são os elogios a apontar ao ataque do CSKA Moscovo, imensas são igualmente as críticas que podem ser rotuladas ao seu sector recuado, devendo estar inclusivamente aqui o segredo para que o Sporting supere este playoff de acesso à Liga dos Campeões.

Apresentando normalmente um duplo-pivot à frente da defesa, composto pelo internacional sueco Wernbloom (mais fixo e defensivo) e pelo internacional israelita Natcho (mais móvel e ofensivo), a verdade é que falta dinâmica ao mesmo para se assumir como uma verdadeira garantia de segurança para o CSKA Moscovo, isto sem esquecer o contributo que Natcho se preocupa em dar no início do processo ofensivo dos russos e o esforço que Wernbloom tem para tentar minimizar os problemas sentidos pelos muitas vezes abandonados à sua sorte irmãos Berezutski.

É que a juntar ao facto deste duplo-pivot não ser propriamente pródigo a defender, nomeadamente no já referido capítulo da dinâmica de jogo, mas também do controlo de profundidade, há ainda que sublinhar as subidas desenfreadas dos dois laterais, muitas vezes em simultâneo, algo que deixa demasiado vulnerável a dupla de centrais, composta pelos irmãos Berezutski, assim como o trinco Wernbloom, ainda para mais quando este trio está muito longe de apresentar uma boa qualidade técnica e é lento e duro de rins.

Musa é uma seta venenosa

Musa é uma seta venenosa

Quem é que o Sporting deve ter debaixo de olho? Ahmed Musa

Qualidade não falta no meio-campo e ataque do CSKA Moscovo, ainda que uma menção especial deve ser feita ao nigeriano Ahmed Musa, futebolista nascido a 14 de Outubro de 1992 em Jos, Nigéria, e que já actua no clube russo desde Janeiro de 2012, sendo proveniente dos holandeses do VVV Venlo, clube pelo qual somou 42 jogos e 10 golos em temporada e meia.

Em cerca de três temporadas e meia ao serviço do CSKA Moscovo, o internacional nigeriano soma 39 tentos em 130 jogos oficiais, mas não nos podemos centrar apenas no seu registo goleador, que nem sequer é brilhante, mas por tudo o resto que Musa oferece à equipa, nomeadamente os buracos que causa nas defesas contrárias em função da sua velocidade e capacidade técnica.

É que essas suas características, aliadas à elevada criatividade do trio Tosic-Eremenko-Dzagoev, e sem esquecer a brilhante visão de jogo e qualidade de passe de Natcho, tornam-se merecedoras da total atenção de Jorge Jesus e restante equipa equipa técnica leonina, que terá de trabalhar muito bem a equipa verde-e-branca para responder da melhor forma às complicações que certamente irão surgir.

CSKAAs possibilidades do Sporting

Se o Sporting estivesse com o campeonato português relativamente adiantado, tal como acontece com o russo, era até legítimo colocar a equipa portuguesa com um ligeiro favoritismo em relação ao CSKA Moscovo, mas o facto do emblema que eliminou o Sparta Praga (2-2 e 3-2) atingir este playoff já com alguns jogos nas pernas permitir-lhe-á pelo menos colocar as suas chances em 50%.

Por outro lado, e ao contrário do que muitos defendem, até acredito que o Sporting poderá beneficiar de ter a primeira mão em Alvalade, nomeadamente se conseguir vencer esse encontro, uma vez que o CSKA Moscovo é muito permeável a contra-ataques, podendo então os verde-e-brancos, se se deslocarem à Rússia com vantagem na eliminatória, aproveitarem essas lacunas para “matarem” rapidamente e definitivamente o CSKA.

Ainda assim, e antes de mais, é preciso começar por ganhar em Lisboa, o que não será nada fácil…

Anúncios

Read Full Post »

Em Anfield a festa foi bracarense

Pela primeira vez na sua longa história de competições europeias, Portugal conseguiu a assinalável marca de colocar três equipas nos quartos finais da mesma prova europeia, neste caso, a Liga Europa. Em 1993/94, o nosso país havia colocado três equipas nos quartos de final das provas europeias, mas, nesse caso, em competições diferentes. Assim sendo, há que destacar o enorme feito de Benfica, FC Porto e Sporting de Braga, que, além do sucesso desportivo e do prestígio que granjearam por ultrapassarem mais um degrau, também garantiram, praticamente, o sexto lugar no ranking UEFA, que nos garantirá três equipas na “Champions” de 2012/13.

Paris SG 1-1 Benfica (Os encarnados apuraram-se com 3-2 no agregado)

O Benfica sabia de antemão que o 2-1 que trazia de Lisboa era curto e que teria de sofrer na cidade luz. Ainda assim, o Benfica entrou personalizado e até foi a primeira equipa a marcar, por intermédio de Nico Gaitán (27′) a concluir bonita jogada de contra-ataque.

No entanto, os gauleses não baixaram os braços e, até final da primeira metade, foram capazes de igualar o jogo, graças a um grande golo de Bodmer (35′) e, inclusivamente, tiveram algumas oportunidades para empatarem a eliminatória, valendo, aí, a falta de pontaria dos atacantes parisienses e a boa exibição do guarda-redes Roberto.

Após o intervalo, os encarnados apareceram novamente em melhor plano e até tiveram boas oportunidades para fazerem um segundo tento que sentenciasse a eliminatória, contudo, foram infelizes na finalização, acabando por ser obrigados a sofrer até ao final do encontro.

De facto, o Paris Saint-Germain teve algumas ocasiões para empatar a eliminatória, todavia, uma defesa milagrosa de Roberto a remate de Hoarou (79′) e uma escorregadela de Maurice (90+5′), quando tinha tudo para marcar, acabou por impedir que o marcador sofresse alterações e permitiu que a equipa portuguesa alcançasse o apuramento para os quartos de final.

FC Porto 2-1 CSKA Moscovo (os azuis-e-brancos apuraram-se com 3-1 no agregado)

Os dragões traziam uma magra vantagem da capital russa (1-0), mas não se encostaram à sombra dela, tendo chegado ao um a zero logo no primeiro minuto, na sequência de um livre de Hulk em que Akinfeev ficou muito mal na fotografia.

Na resposta, Wagner Love ainda tirou à barra, mas seria o FC Porto a aproveitar mais um disparate do guarda-redes do CSKA, para, aos 24 minutos, ampliar para 2-0, graças a um golo de Freddy Guarín.

A perderem por 2-0 neste encontro e 3-0 no cômputo da eliminatória, a equipa moscovita ainda reagiu de pronto, tendo reduzido aos 29 minutos com um golo de Tosic. Contudo, quando se esperava que esse golo tornasse a eliminatória mais emocionante, isso não se veio a verificar.

De facto, até final do jogo, o FC Porto teve sempre o controlo do mesmo, contando, inclusivamente, com um golo anulado a Rolando, num lance em que o internacional português ajeitou a bola com a mão antes de atirar para a baliza. Em suma, uma vitória inteiramente justa da equipa portuguesa que provou, nos dois jogos, que era superior ao CSKA Moscovo.

Liverpool 0-0 Sp. Braga (os arsenalistas apuraram-se com 1-0 no agregado)

O 1-0 que os bracarenses traziam da Pedreira era curto, mas dava direito de sonhar com a passagem à fase seguinte, até porque os arsenalistas já tinham ido vencer a Sevilha (4-3), depois de terem vencido os andaluzes, em casa, pelo mesmo um a zero.

Ainda assim, esperava-se uma grande pressão do Liverpool desde o primeiro minuto, uma pressão que deveria vir tanto de dentro de campo como de fora dele, todavia, para bem da equipa portuguesa, nada disso se verificou.

O Liverpool foi sempre uma equipa amorfa, sem criatividade e sem ideias, permitindo que o Sporting de Braga fosse sustendo os frágeis intentos dos ingleses sem grandes problemas.

De facto, durante todo o jogo, o principal momento de pânico para a defesa arsenalista, surgiu num lance em que o árbitro deixou que Skrtel, em claro fora de jogo, tivesse uma oportunidade para se isolar perante Artur Moraes. Aí, o guarda-redes brasileiro foi enorme e negou o golo ao defesa-central eslovaco.

Assim sendo, o Sporting de Braga garantiu o zero a zero final e alcançou um feito histórico, eliminando um Liverpool que, mesmo longe dos melhores tempos, será sempre o Liverpool

Read Full Post »

Mandzukic podia ter sido o "pinheiro" do Sporting

Quando me lembrei de criar a rubrica “Olho Clínico”, pensei que pudesse ter dupla função no panorama desportivo português. Em primeiro lugar, pensei no normal adepto de futebol, que gosta de conhecer mais e melhor e que, certamente, teria todo o interesse em descobrir novos valores das paragens mais distantes do planeta futebol, mas, por outro lado, também acreditei que pudesse ser uma boa plataforma para que os clubes portugueses, muitas vezes presos a clichés de mercado, pudessem alargar horizontes e abandonar, de vez, o mesmo mercado saturado que já não lhes permite trazer “peixe graúdo”.

Desde dia 30 de Dezembro de 2009, apresentei, neste blog, 53 jogadores, sendo que nenhum deles actuava nas principais ligas europeias e, mesmo de campeonatos de média dimensão, como o francês, o grego, o belga ou o escocês, foram muitos poucos os jogadores que referenciei, limitando-me a mostrar talentos de primeiro plano como o Eden Hazard, o Sotiris Ninis, o Lukaku ou o Aiden McGeady.

Nesta rubrica, o meu interesse foi sempre viajar para países sul-americanos, do leste europeu e até países em grande expansão futebolística como o Japão ou, numa escala inferior, Chipre e Israel. Na verdade, fiz isso porque sei que aí os atletas ainda são acessíveis aos clubes portugueses, tendo, inclusivamente, o cuidado de mostrar jogadores para a bolsa dos três grandes, mas sem descurar outros que pudessem estar ao alcance de clubes médios do nosso futebol.

Infelizmente, verifiquei que dos 53 jogadores que apresentei, apenas um se transferiu para Portugal, curiosamente um dos mais badalados pela imprensa nos últimos tempos, ainda que tenha sido apresentado no “A Outra Visão” bem antes do início do Mundial 2010 (Otamendi). Assim sendo, fui fazer um pequeno estudo à rubrica e verificar quais os jogadores que permaneciam nos clubes desde que o “A Outra Visão” havia falado deles e, dos que se tinham transferido, quais o haviam feito para um clube superior ao clube onde jogavam.

Assim sendo, dos 53 jogadores referenciados, 19 trocaram de clube, sendo que destes, dezoito se transferiram para um clube e/ou campeonato superior. A única excepção foi o arménio: Edgar Manucharyan, que, perseguido por lesões, regressou à Arménia para jogar no Pyunik Erevan.

As dezanove transferências pós “Olho Clínico”

Jackson Martinez (COL): do Independiente Medellín (COL) para o Jaguares (MEX)

Eliran Atar (ISR): do Bnei Yehuda (ISR) para o Maccabi Telavive (ISR)

Emad Moteab (EGI): do Al-Ahly (EGI) para o Standard Liège (BEL)

Emilio Izaguirre (HON): do Motagua (HON) para o Celtic (ESC)

Aiden McGeady (IRL): do Celtic (ESC) para o Spartak Moscovo (RUS)

Mario Mandzukic (CRO): do Dinamo Zagreb (CRO) para o Wolfsburgo (ALE)

Robert Lewandowski (POL): do Lech Poznan (POL) para o Borussia Dortmund (ALE)

Nicolás Otamendi (ARG): do Velez Sarsfield (ARG) para o FC Porto (POR)

Georgios Tzavelas (GRE): do Panionios (GRE) para o E. Frankfurt (ALE)

Atsuto Uchida (JAP): do Kashima Antlers (JAP) para o Schalke 04 (ALE)

Seydou Doumbia (CMA): do Young Boys (SUI) para o CSKA Moscovo (RUS)*

Aleksandr Bukharov (RUS): do Rubin Kazan (RUS) para o Zenit (RUS)

Giovanni Moreno (COL): do Atlético Nacional (COL) para o Racing Club (ARG)

Domagoj Vida (CRO): do Osijek (CRO) para o Bayer Leverkusen (ALE)

Andreas Avraam (CHI): do Apollon Limassol (CHI) para o Omónia Nicósia (CHI)

Jong Tae-Se (COR): do Kashima Antlers (JAP) para o Bochum (ALE)

Artur Sobiech (POL): do Ruch Chorzow (POL) para o Polónia Varsóvia (POL)

Pablo Armero (COL): do Palmeiras (BRA) para a Udinese (ITA)

Edgar Manucharyan (ARM): do Ajax (HOL) para o Pyunik Erevan (ARM)

*Quando fizemos o “Olho Clínico” dedicado ao Seydou Doumbia, este já tinha acordado uma transferência futura para o CSKA Moscovo.

Estas transferências mostram que, mais do que mostrar bons valores aos adeptos do futebol e fazer com que estes possam alargar, cada vez mais, os seus horizontes futebolísticos, o “Olho Clínico” pode funcionar como plataforma de descoberta de valores para os nossos clubes e para que estes possam, igualmente, alargar horizontes e desprenderem-se dos clichés que, muitas vezes, apenas lhes dão prejuízo financeiro e desportivo.

Da minha parte, irei continuar a fazer o meu melhor para vos mostrar as melhores promessas que caminham pelo mundo do futebol, mesmo que tenha de vasculhar pelos cantos mais recônditos do planeta, esperando que, um dia, a maior parte desses talentos apareça, aqui, no nosso campeonato, ao invés de tantos estrangeiros sem qualidade que, época após época, inundam as nossas ligas profissionais.

Read Full Post »

Trata-se apenas da segunda participação dos marfinenses no campeonato do mundo e, na primeira (Alemanha 2006), a Costa do Marfim nem sequer passou da primeira fase. Ainda assim, se bem se lembram, os africanos foram colocados no grupo da morte com Argentina, Holanda e Sérvia, acabando por ser eliminados com uma vitória (diante da Sérvia e Montenegro) e duas derrotas pela margem mínima. Quatro anos depois, os marfinenses regressam a um campeonato do mundo com muita qualidade e mais experiência internacional. Novamente num grupo complicado, atletas como Drogba, Yaya Touré, Kalou ou Kolo Touré têm qualidade suficiente para surpreender portugueses, norte-coreanos e brasileiros no Grupo G.

A Qualificação

A campanha marfinense nas duas fases de apuramento da zona africana de qualificação para o campeonato do mundo foi brilhante. A equipa africana fez, ao todo, doze jogos: venceu oito e empatou quatro, apurando-se facilmente para o Mundial da África do Sul.

Na segunda fase, integrada num grupo com Moçambique, Madagáscar e Botswana, a Costa do Marfim apurou-se vencendo os seus adversários em casa e empatando fora, terminando o agrupamento com quatro pontos de vantagem sobre Moçambique (2º).

Depois, na terceira e última fase, os marfinenses foram ainda mais impressionantes, pois tendo como adversários: Guiné-Conacri, Burkina Faso e Malawi, venceram cinco encontros e apenas empataram um (Malawi, fora, 1-1), terminando, novamente, com quatro pontos de avanço em relação ao segundo classificado (Burkina Faso).

2ª Fase: Grupo 7 – Classificação

  1. Costa do Marfim 12 pts
  2. Moçambique 8 pts
  3. Madagáscar 6 pts
  4. Botswana 5 pts

3ª Fase: Grupo E – Classificação

  1. Costa do Marfim 16 pts
  2. Burkina Faso 12 pts
  3. Malawi 4 pts
  4. Guiné-Conacri 3 pts

O que vale a selecção marfinense?

A Costa do Marfim é, neste momento, a mesma equipa talentosa que se deslocou à Alemanha para disputar o Mundial 2006, mas tem uma vantagem: muito mais experiência internacional.

Os marfinenses costumam apresentar um esquema 4-3-3 com tracção ofensiva, típica das selecções africanas. Apesar de ser uma equipa equilibrada em termos de soluções, o ponto mais forte dos elefantes é, claramente, o ataque.

Na baliza, está claramente o elemento mais frágil da Costa do Marfim: Barry. O guarda-redes do Lokeren é muito inseguro e tem um nível muito inferior ao restante onze marfinense. Depois, o quarteto defensivo é composto por uma dupla de centrais com qualidade tanto pelo ar como pelo chão: Kolo Touré-Bamba e por dois laterais de motivações opostas. Boka, lateral esquerdo, é um elemento mais defensivo e que cola muitas vezes aos centrais para ajudar nos lances de bola parada. Por outro lado, o lateral direito Eboué é muito mais ofensivo e, apesar de defender com competência, será no capítulo atacante que o jogador do Arsenal será mais importante.

Depois, no meio campo, os marfinenses devem apresentar um duplo pivot defensivo: Zokora-Yaya Touré. São dois excelentes médios de contenção, que terão como principal missão dar consistência defensiva aos elefantes, libertando para as missões ofensivas,  o nº 10: Romaric, um atleta muito inteligente tacticamente e que saberá ser uma ajuda na defesa sempre que necessário.

Por fim, no ataque, os elefantes deverão apresentar dois extremos (Gervinho-Kalou) e um ponta de lança fixo (Drogba). Os extremos são atletas muito versáteis que podem jogar tanto à esquerda como à direita e que são exímios nas diagonais para o centro, procurando criar desequilíbrios nos últimos redutos contrários. Por outro lado, Drogba dispensa apresentações, pois trata-se de um dos melhores pontas de lança da actualidade, um jogador letal, que se movimenta como ninguém na área. Ainda assim, como tem estado lesionado, não é de colocar de parte a hipótese de não poder jogar e, assim, deverá avançar no seu lugar o goleador: Doumbia. Um jogador que, nas últimas épocas, brilhou ao serviço do Young Boys.

Integrada no Grupo G com Brasil, Portugal e Coreia do Norte, a Costa do Marfim aparenta ser muito superior aos norte-coreanos, mas, ao mesmo tempo, parece ainda estar abaixo do nível luso e canarinho.

O Onze Base

Esquematizada num 4-3-3, a Costa do Marfim deverá apresentar Barry (Lokeren) na baliza; Boka (Estugarda), Kolo Touré (Manchester City), Bamba (Hibernian) e Eboué (Arsenal) na defesa; Zokora (Sevilha), Yaya Touré (Barcelona) e Romaric (Sevilha) no meio campo; Kalou (Chelsea), Gervinho (Lille) e Drogba (Chelsea) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Superior aos norte-coreanos e aparentemente inferior a portugueses e brasileiros, os marfinenses seriam os favoritos a terminarem na terceira posição. Ainda assim, jogando no seu continente e sabendo que Portugal, costuma, muitas vezes, jogar abaixo das suas capacidades, os elefantes poderão surpreender e assegurar o apuramento para os oitavos de final do campeonato do mundo.

Calendário – Grupo G (Mundial 2010)

  • 15 de Junho: Costa do Marfim vs Portugal
  • 20 de Junho: Costa do Marfim vs Brasil
  • 25 de Junho: Costa do Marfim vs Coreia do Norte

Read Full Post »

Trata-se apenas da quarta presença do Japão num campeonato do mundo. Nas três anteriores, a equipa ficou pela fase de grupos em duas ocasiões (1998 e 2006) e chegou aos oitavos de final em 2002, ainda que, nessa ocasião, o factor casa foi crucial. Apesar de ser a quarta presença consecutiva da selecção nipónica no Mundial, faltam sinais de evolução à equipa do sol nascente. O Japão demonstra ser uma equipa que trata bem a bola, que tem um ou outro bom jogador, mas falta-lhe sempre algo para dar o passo para o nível seguinte. Este ano, na África do Sul, num grupo com Holanda, Dinamarca e Camarões, veremos se os japoneses dão o passo em frente, ou se, ao invés, veremos mais do mesmo, que é como quem diz, uma eliminação precoce na primeira fase.

A Qualificação

Os japoneses não tiveram dificuldades para se apurarem na zona asiática de apuramento para o Mundial 2010, todavia, fizeram-no sem grande brilho.

Na 3ª Fase, integrados no Grupo 2 com Bahrain, Omã e Tailândia, os nipónicos terminaram na primeira posição, mas sofreram uma derrota inesperada no Bahrain (0-1) e ainda empataram na deslocação a Omã (1-1). Ainda assim, os japoneses foram claramente superiores e venceram o grupo com três pontos de avanço sobre o Bahrain (2º).

Depois, na última fase, apesar de se terem apurado sem dificuldades, foram incapazes de vencer a Austrália (0-0 e 1-2) e ainda tiveram empates comprometedores em casa com selecções como a do Uzbequistão (1-1) e Qatar (1-1).

Ainda assim, o país do sol nascente terminou na segunda posição (última que dava acesso directo ao Mundial) com cinco pontos de vantagem sobre o Bahrain (3º).

3ª Fase: Grupo 2 – Classificação

  1. Japão 13 pts
  2. Bahrain 11 pts
  3. Omã 8 pts
  4. Tailândia 1 pt

4ª Fase: Grupo A – Classificação

  1. Austrália 20 pts
  2. Japão 15 pts
  3. Bahrain 10 pts
  4. Qatar 6 pts
  5. Uzbequistão 4 pts

O que vale a selecção nipónica?

A equipa japonesa é uma selecção de topo no panorama futebolístico da Ásia, ainda assim, em provas como o campeonato do mundo, denota alguma inexperiência e falta de talento para ombrear com as boas e, até, razoáveis selecções europeias e sul-americanas.

O país do sol nascente tem alguns talentos como o excelente lateral direito: Atsuto Uchida, o experiente médio: Shunsuke Nakamura ou os atacantes: Honda e Okazaki, mas, se pensarmos na equipa em termos globais, é provável que termine o seu grupo mundialista na última posição.

Não se pode dizer que a defesa não tenha qualidade, mas esta é composta na sua totalidade por jogadores que actuam na J-League e que têm pouca experiência na alta roda do futebol mundial. Ainda assim, temos de destacar o lateral direito Uchida. Um jogador de apenas 22 anos, muito rápido, excelente no capítulo do cruzamento e que ataca e defende com a mesma competência.

Depois, no meio campo, a equipa nipónica sobe tanto em termos de qualidade como de experiência internacional. Actuando com os quatro médios em linha, o Japão coloca Endo e Hasebe como duplo pivot. Endo é um jogador experiente, mais defensivo e excelente recuperador de bolas, enquanto Hasebe é polivalente e funciona como box to box. Por outro lado, nas alas, aparecem os dois Nakamura. Shunsuke, na direita, dispensa apresentações, pois trata-se de um criativo com experiência europeia (jogou no Reggina, Celtic e Espanhol), que vai procurar tanto a linha como as diagonais para o centro para criar desequilíbrios no um contra um. Kengo, por sua vez, actua na esquerda e é um atleta que é mais interior, fechando muito no centro do terreno. No banco, a equipa ainda conta com a qualidade do experiente Inamoto, um jogador talentoso e com anos de futebol europeu.

Por fim, no ataque, o Japão deve utilizar Honda como avançado de suporte. Trata-se de um jogador talentoso, muito veloz e tecnicista, que cria desequilíbrios e gosta de flectir para as alas, nomeadamente a esquerda, para compensar o facto de Kengo Nakamura ser um atleta mais interior. Depois, na frente de Keisuke Honda, surge o finalizador: Okazaki, um atleta frio, rápido e que marca muitos golos. O ataque também tem opções de qualidade no banco, sendo um bom exemplo: Okubo, outro avançado móvel e com experiência de futebol europeu.

O Onze Base

O Japão deverá apresentar uma espécie de 4-4-1-1 com Narazaki (Nagoya Grampus Eight) na baliza; Uma defesa com Nagamoto (FC Tokyo) a lateral esquerdo, Uchida (Kashima Antlers) a lateral direito e a dupla de centrais: Marcos Tanaka (Nagoya Grampus Eight) e Nakazawa (Yokohama Marinos); Depois, no meio campo, surge o duplo pivot: Endo (Gamba Osaka) e Hasebe (Wolfsburgo) e os alas: K. Nakamura (Kawasaki Frontale) e S. Nakamura (Yokohama Marinos); Por fim, no ataque, Honda (CSKA Moscovo) será o atacante mais móvel e jogará nas costas do ponta de lança: Okazaki (Shimizu S-Pulse).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

A equipa nipónica não parece apresentar condições suficientes para se apurar para a próxima fase, pois, na sua globalidade, é inferior à Holanda e, até, à Dinamarca. Ainda assim, diante dos Camarões, poderá ser capaz de surpreender, pois a equipa africana é capaz do oito e do oitenta e se, no Mundial, apresentar a sua pior face, os nipónicos podem aproveitar para se superiorizarem.

Em suma, no Grupo E, tanto o quarto como o terceiro lugar serão lugares naturais, mas um segundo lugar terá de ser sempre encarado como uma grande surpresa e um grande feito da equipa do seleccionador: Takeshi Okada.

Calendário – Grupo E (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Japão vs Camarões
  • 19 de Junho: Japão vs Holanda
  • 24 de Junho: Japão vs Dinamarca

Read Full Post »

Esta vai ser a estreia da Sérvia, como país independente, num campeonato do mundo de futebol. Ainda assim, como herdeira natural da antiga selecção jugoslava, podemos dizer que a Sérvia tem uma história rica nos mundiais, pois a Jugoslávia participou em nove certames e conseguiu atingir as meias-finais em duas ocasiões (1930 e 1962). Ainda assim, e porque a última imagem é a que fica, a derradeira presença num campeonato do mundo foi em 2006, como Sérvia e Montenegro, resumindo-se a três jogos, três derrotas e uma viagem rápida para casa. Assim sendo, cabe agora aos sérvios, na África do Sul, tentarem corrigir essa má imagem e arrancarem para um bom Mundial. Num grupo com Austrália, Gana e Alemanha, os eslavos têm boas hipóteses de o fazer.

A Qualificação

Integrada no Grupo 7 da zona europeia de qualificação com França, Roménia, Áustria, Lituânia e Ilhas Faroé, a Sérvia teve um percurso brilhante. A equipa eslava venceu sete jogos, empatou um e perdeu dois, vencendo o agrupamento à frente da vice-campeã mundial, França.

Apesar de terem perdido no campo dos “bleus” (1-2) e na Lituânia (1-2), os sérvios fizeram resultados impressionantes como ganharem duas vezes à Roménia (3-2 e 5-0) e triunfarem no sempre difícil terreno da Áustria (3-1).

Assim sendo, foi de forma brilhante e justa que os sérvios conquistaram o direito em participarem no campeonato do mundo 2010 na África do Sul.

Grupo 7 – Classificação

  1. Sérvia 22 pts
  2. França 21 pts
  3. Áustria 14 pts
  4. Lituânia 12 pts
  5. Roménia 12 pts
  6. Ilhas Faroé 4 pts

O que vale a selecção sérvia?

A equipa sérvia é muito forte e tem qualidade em todos os sectores. A turma de Radomir Antic tem uma mistura muito positiva entre juventude e experiência, pois se, por um lado, apresentam atletas com muitos anos de alta roda do futebol como Stankovic, Pantelic ou Vidic, também apresentam jovens de pouca experiência mas muito talento como Kolarov, Kacar, Radosav Petrovic ou Kuzmanovic.

Na defesa, a equipa conta com um excelente guarda-redes, que não teve muita sorte no Sporting, mas que tem um enorme talento: Stojkovic. Depois, o quarteto defensivo é muito forte com o lateral esquerdo: Kolarov, que diz-se pretendido por Mourinho para o Real Madrid, a excelente dupla de centrais: Vidic-Lukovic e o lateral direito: Ivanovic. Trata-se de uma defesa com uma média de altura muito alta, com centrais quase intransponíveis e com dois laterais que são exímios a defender e que, principalmente no caso de Kolarov, atacam muito bem.

Depois, no meio campo, A equipa deve actuar com um duplo pivot de box to box: Milijas-Stankovic. Estes jogadores são muito importantes no esquema sérvio, pois atacam e defendem com a mesma intensidade, são muito inteligentes tacticamente e dão grande equilíbrio ao onze das águias brancas. Por outro lado, nas alas, devem jogar Jovanovic (na esquerda) e Krasic (na direita). Dois elementos que sabem procurar a linha, mas também fazem bem as diagonais para o centro para procurarem o remate. Nesta situação, Jovanovic é exímio.

Por fim, no ataque, é normal que Radomir Antic use a dupla: Zigic-Pantelic. Um duo que encaixa muito bem, pois Zigic é um atacante muito alto (2,02 metros), que joga fixo na área e é muito difícil de marcar, principalmente nas bolas áreas e Pantelic é um atacante mais móvel e desequilibrador que cai muito nas alas, sem descurar a procura do golo. Depois, a equipa, no banco, tem Lazovic, que pode substituir Zigic, em ocasiões que Antic prefira dois atacantes móveis em vez de um fixo e outro com maior mobilidade.

Assim sendo, com estes jogadores e num grupo com Alemanha, Austrália e Gana, a Sérvia tem boas perspectivas de alcançar a segunda fase.

O Onze Base

Partindo do principio que Radomir Antic irá apresentar um 4-4-2 clássico, a Sérvia deve actuar com Stojkovic (Wigan) na baliza; Um quarteto defensivo com: Kolarov (Lázio), Vidic (Manchester United), Lukovic (Udinese) e Ivanovic (Chelsea); Um meio campo com: Jovanovic (Liverpool), Milijas (Wolverhampton), Stankovic (Inter) e Krasic (CSKA Moscovo); E um ataque com a dupla: Zigic (Valência) e Pantelic (Ajax)

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

O grande problema da Sérvia é a sua instabilidade competitiva, que a leva, muitas vezes, a falhar nos momentos chave, pois em termos de qualidade de jogadores esta equipa está quase ao nível da Alemanha. Se conseguir aliar capacidade táctica à qualidade técnica e se conseguir por todos estes jogadores a funcionar como equipa, a Sérvia tem grandes condições de alcançar o segundo lugar e, até, poderá surpreender a Alemanha no primeiro lugar. No entanto, se falhar nesse pressuposto, pode mesmo terminar abaixo do segundo lugar e voltar mais cedo para casa.

Calendário – Grupo D (Mundial 2010)

  • 13 de Junho: Sérvia vs Gana
  • 18 de Junho: Sérvia vs Alemanha
  • 23 de Junho: Sérvia vs Austrália

Read Full Post »

A Nigéria apresentou-se ao mundo do futebol no campeonato do mundo de 1994, disputado nos Estados Unidos. As super-águias tinham, então, uma selecção fantástica com Finidi, Amunike e Okocha e atingiram os oitavos de final, sendo apenas eliminadas, no prolongamento, diante da Itália. Quatro anos depois, com uma selecção mais madura, voltaram a cair nos oitavos de final, mas, dessa vez, com estrondo, pois perderam com a Dinamarca (1-4). A partir daqui, as super-águias entraram em declínio e, se em 2002 não passaram da 1ª fase, em 2006 nem sequer se apuraram para o Mundial. Assim sendo, de regresso ao campeonato do mundo, resta saber se a Nigéria regressa aos tempos de glória ou se, ao invés, prova que a geração de 1994/98 foi um fogacho sem continuidade. Jogadores como Martins, Odemwingie e Utaka irão dar a resposta nos relvados sul-africanos.

A Qualificação

Sendo surpreendida por Angola na qualificação para o Mundial 2006, os nigerianos, querendo prever outro dissabor do género, encararam todos os seus adversários na zona africana de qualificação com respeito. A prova disso é que, ao longo de duas fases de apuramento, conseguiram nove vitórias e três empates.

A primeira fase foi a mais impressionante, pois os nigerianos venceram todos os jogos de um grupo onde estavam África do Sul, Serra Leoa e Guiné Equatorial, terminando com mais onze pontos! que o segundo classificado.

Por outro lado, a segunda fase foi mais equilibrada, ainda assim, mesmo empatando os dois desafios com o grande rival do grupo (Tunísia) e empatando em Moçambique, as super-águias venceram o agrupamento com um ponto de avanço sobre os magrebinos.

Assim, sem qualquer derrota, os nigerianos qualificaram-se para o Mundial 2010.

2ª Fase: Grupo 4 – Classificação

  1. Nigéria 18 pts
  2. África do Sul 7 pts
  3. Serra Leoa 7 pts
  4. Guiné Equatorial 3 pts

3ª Fase: Grupo B – Classificação

  1. Nigéria 12 pts
  2. Tunísia 11 pts
  3. Moçambique 7 pts
  4. Quénia 3 pts

O que vale a selecção nigeriana?

A equipa nigeriana tem um conjunto com qualidade e com alguns bons valores individuais, todavia, globalmente, estão longe da qualidade das selecções de 94 e 98.

No baliza, têm um excelente guarda-redes: Enyeama. Um jogador com reflexos fantásticos e extremamente seguro que brilha nos relvados israelitas.

A defesa conta com um lateral mais ofensivo (Odiah) e um lateral mais defensivo (Taiwo), sendo que a dupla de centrais (Shittu e Yobo) é forte, mas, principalmente Joseph Yobo, é muito fraco quando apanha avançados rápidos pela frente. Na generalidade, é uma defesa que terá muitas dificuldades perante adversários matreiros e/ou com avançados de grande técnica individual.

Depois, no miolo, têm dois médios defensivos, muito fortes e que permitem aos avançados terem mais liberdade ofensiva: Etuhu e Kaita, ficando, posteriormente, Obi Mikel como médio mais ofensivo. Porém, o jogador do Chelsea, box to box por natureza, acaba por ser uma adaptação do seleccionador para o facto da Nigéria, neste momento, não ter nenhum 10 de eleição.

Por fim, no ataque, os nigerianos têm o seu ponto mais forte, pois têm um enorme leque de opções, tanto nas alas: Uche, Martins, Ogbuke e Odemwingie, como no centro: Yakubu, Utaka e Kanu. No entanto, o seleccionador deverá optar por Obasi Ogbuke na esquerda e Odemwingie na direita, ficando, no centro: Yakubu.

Integrados no Grupo B, com Argentina, Grécia e Coreia do Sul, as super-águias têm equipa para disputar o segundo lugar com asiáticos e europeus, tendo, inclusivamente, melhores individualidades que estes adversários. Todavia, a sua habitual indisciplina táctica e alguma fragilidade defensiva poderá ser fatal, nomeadamente no desafio com os helénicos.

O Onze Base

Os nigerianos deverão actuar num esquema de 4-2-1-3 com um duplo-pivot muito defensivo, dois extremos bem abertos e um ponta de lança muito forte fisicamente.

Na baliza, Enyeama (Hapoel Telavive) é indiscutível, ficando, depois, o quarteto defensivo entregue a Taiwo (Marselha), à esquerda, Odiah (CSKA Moscovo), à direita, e à dupla de centrais: Yobo (Everton) e Shittu (Bolton); No meio campo, Etuhu (Fulham) e Kaita (Alania) serão os trincos, enquanto Obi Mikel (Chelsea) será o médio ofensivo;  Por fim, no ataque, Obasi Ogbuke (Hoffenheim) deverá ser o extremo esquerdo, Odemwingie (Lokomotiv Moscovo) o extremo direito e Yakubu (Everton) deverá jogar no centro.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Em termos de qualidade pura, seria a principal candidata ao segundo lugar do grupo B. Ainda assim, terá de corrigir alguma indisciplina táctica e tentar disfarçar algumas deficiências do seus centrais, pois, caso contrário, poderá ser surpreendida, nomeadamente pela matreira selecção grega.

 Calendário – Grupo B (Mundial 2010)

  •  12 de Junho – Nigéria vs Argentina
  •  17 de Junho – Nigéria vs Grécia
  •  23 de Junho – Nigéria vs Coreia do Sul

Read Full Post »

Older Posts »