Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Dínamo de Kiev’

FC-Dynamo-Kyiv-Logo-3DNum agrupamento com um grande favorito ao primeiro lugar (Chelsea) e outro grande favorito ao último posto (Maccabi Telavive), deverá ser diante dos ucranianos do Dínamo de Kiev que o FC Porto disputará a segunda posição deste Grupo G, numa corrida pelo prestígio e dinheiro que advirá de um eventual apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões. Um adversário forte, é certo, mas ainda assim ao alcance de uma equipa azul-e-branca com uma superior qualidade individual e colectiva.

O líndissimo Olímpico de Kiev

O líndissimo Estádio Olímpico de Kiev

Quem é o Dínamo de Kiev

O Dínamo de Kiev foi fundado a 13 de Maio de 1927, ainda nos tempos da União Soviética, e sempre se assumiu como um dos grandes emblemas da antiga URSS, ou não tivesse conquistado 11 campeonatos soviéticos, nove taças da URSS e três supertaças.

Nesse mesmo período de tempo, há ainda que destacar o facto do Dínamo de Kiev ter triunfado em três competições continentais, vencendo a Taça das Taças em 1974/75 e 1985/86, assim como a Supertaça Europeia em 1975.

Posteriormente, desde que a Ucrânia se assumiu como um país independente, o Dínamo de Kiev continuou o seu percurso vitorioso, sendo desde aí o emblema com mais títulos do país, com 16 campeonatos, 11 taças e cinco supertaças.

Aliás, o clube da capital ucraniana é mesmo o actual campeão em título, isto mesmo que tenha sofrido nos últimos tempos com o crescimento exponencial do seu grande rival, Shakhtar Donetsk, equipa que venceu oito dos últimos 11 campeonatos.

Rebrov é o treinador do Dínamo

Rebrov é o treinador do Dínamo

Como joga o Dínamo de Kiev?

Prevendo-se que receba o FC Porto com uma abordagem prudente e de risco sempre muito calculado, é igualmente expectável que o Dínamo de Kiev se apresente neste duelo com o seu esquema habitual de 4x2x3x1/4x3x3 e precisamente com o mesmo onze que actuou no último jogo do campeonato ucraniano, diante do FK Oleksandria (3-0).

Nesse seguimento, o emblema orientado pelo antigo ponta de lança, Sergei Rebrov, deverá subir para o relvado do Estádio Olímpico de Kiev com o veteraníssimo guarda-redes: Shovkovskiy, seguindo-se um quarteto defensivo composto por Danilo Silva (lateral-direito); Antunes (lateral-esquerdo); Domagoj Vida e Khcheridi (defesas-centrais). Sendo um sector muito competente, e que tem sofrido poucos golos, restará ao FC Porto tentar explorar a dureza de rins de Khcheridi (actua em substituição do lesionado Dragovic), que não é especialmente forte junto ao relvado, e os momentos em que os laterais possam dar algum espaço nas suas costas.

Quanto ao meio-campo, este dá mais ênfase ao equilíbrio do sector do que propriamente em desequilibrar criativamente a equipa adversária, sendo composto por Rybalka e Miguel Veloso, que formam um duplo-pivot de tracção defensiva, e por Garmash, que, jogando um pouco mais adiantado, está longe de ser um jogador fantasista.

O perigo ofensivo deste Dínamo de Kiev, valha a verdade, parte quase sempre dos seus extremos, e principalmente por intermédio do internacional ucraniano Yarmolenko, futebolista que é letal nas venenosas diagonais que faz a partir do lado direito do ataque. A acompanhá-lo, muita atenção igualmente ao criativo e veloz ex-benfiquista Derlis González, que actua no flanco oposto, mas também ao ponta de lança brasileiro Junior Moraes, cuja mobilidade pode causar alguns problemas aos azuis-e-brancos.

Yarmolenko é a estrela do Dínamo

Yarmolenko é a estrela do Dínamo

Quem é que o FC Porto deve ter debaixo de olho? Yarmolenko

Quanto ao jogador que deverá ser visto como o perigo público deste Dínamo de Kiev, penso que não há dúvidas em apontar o dedo a Andriy Yarmolenko, avançado que soma seis golos e seis assistências nos seus primeiros nove jogos oficiais da época.

Trata-se de um futebolista nascido a 23 de Outubro de 1989 em São Petersburgo, Rússia, ainda que seja de origem ucraniana, somando mesmo 51 internacionalizações A (20 golos) por esse país. Quanto ao nível clubístico, foi no Dínamo de Kiev que evoluiu na maior parte da sua carreira, representando esse clube profissionalmente desde 2007 e somando um total de 270 jogos, 101 golos e 70 assistências.

Muito inteligente nas movimentações, é um esquerdino que actua preferencialmente pelo lado direito, isto por forma a facilitar um dos aspectos em que é mais forte, nomeadamente as venenosas diagonais que faz para criar desequilíbrios em zonas centrais, sector onde é letal tanto no capítulo da criação como da finalização.

Possante (189 cm e 82 kg), o internacional ucraniano não é propriamente lento, sabendo igualmente oferecer verticalidade no flanco direito sempre que necessário. Ou seja, mesmo que especialmente talhado para ser um falso-ala, a verdade é que Yarmolenko também sabe quando deve assumir o papel de extremo puro.

ChampsQuais são as perspectivas do FC Porto?

O duplo-confronto com o Dínamo de Kiev terá tudo para se assumir como decisivo para um eventual apuramento do FC Porto para os oitavos de final da “Champions”, sendo que um resultado positivo no jogo de hoje, no Estádio Olímpico, seria meio-caminho andado para esse desiderato.

Sendo um conjunto forte, e algo cínico, o Dínamo Kiev é, ainda assim, uma equipa ao alcance do vice-campeão nacional, conjunto que é mais forte colectivamente e, acima de tudo, mais forte em termos individuais.

Nesse seguimento, e partindo do princípio que apresentará nos jogos com os ucranianos a sua melhor face, penso que o FC Porto terá todas as condições para pontuar na Ucrânia e vencer tranquilamente no Estádio do Dragão. Ainda assim, os azuis-e-brancos deverão ser pacientes e prudentes na abordagem a este Dínamo de Kiev, que é um conjunto que é muito perigoso na exploração dos erros do adversário.

Read Full Post »

Belanov apenas brilhou no habitat certo

Belanov apenas brilhou no habitat certo

Existem jogadores que apenas parecem desenvolver todas as suas capacidades num certo e determinado habitat, acabando depois por desaparecer assim que são colocados noutro espectro futebolístico, afastado daquele que sabia tirar o máximo das suas capacidades. Um exemplo emblemático, aliás, é Igor Belanov, médio-ofensivo/extremo que chegou a ser Bola de Ouro enquanto brilhava com a camisola do Dínamo de Kiev, mas, depois, acabou por eclipsar-se assim que trocou o campeonato soviético pela Bundesliga…

Sucesso gigantesco no Dínamo de Kiev

Igor Ivanovich Belanov nasceu a 25 de Setembro de 1960 em Odessa, Ucrânia, isto numa altura em que este país da Europa de Leste fazia parte da gigantesca União Soviética. Aí, na sua cidade natal, começou a sua carreira no Chernomorets, passando também pelo SKA Odessa, isto antes de chegar ao Dínamo de Kiev em 1985.

No gigante da capital ucraniana, haveria de permanecer entre 1985 e 1989, somando 161 jogos (53 golos) e conquistando inúmeros títulos, desde colectivos (dois Campeonatos Soviéticos, duas Taças da URSS e uma Taça das Taças), assim como individuais, com absoluto destaque para a Bola de Ouro de 1986.

Ao mesmo tempo, ao serviço da selecção da URSS, pela qual haveria de somar 33 internacionalizações (oito golos), participou na brilhante campanha de 1988, quando os soviéticos foram vice-campeões europeus, baqueando apenas na final diante da Holanda (0-2).

Sem sucesso na Alemanha

Perante este impacto, foi sem surpresa que Igor Belanov, aproveitando a “perestroika”, emigrou para o futebol da Europa Ocidental em 1989, primeiro pela porta do Borussia Moenchengladbach (27 jogos e cinco golos entre 1989/90 e 1990/91) e depois no modesto Braunschweig, da segunda divisão alemã, onde somou 73 jogos e 22 golos entre a segunda metade de 1990/91 e 1993/94.

Ali, contudo, no completamente distinto futebol germânico, o outrora veloz e tecnicista Igor Belanov, que brilhava com a camisola do Dínamo de Kiev e da URSS, jamais conseguiu replicar esse talento, acabando por regressar sem glória à sua Ucrânia natal, em 1995, para acabar a carreira no Chernomorets e Metalurh Mariupol.

Mas Belanov, na verdade, esteve longe de ser caso virgem nesta transição da ex-URSS para o futebol ocidental, uma vez que também poderíamos falar de Zavarov ou Aleinikov, mas isso, certamente, ficará para outra ocasião.

Read Full Post »