Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Gana’

Bernard estará na mira do Benfica

Bernard estará na mira do Benfica

Uma das revelações da edição 2014/15 do campeonato nacional foi claramente o médio-ofensivo ganês Bernard Mensah, figura preponderante no quinto lugar e consequente apuramento para a Liga Europa do Vitória de Guimarães.

Aliás, esse excelente desempenho do jovem de 20 anos até já o está a colocar na rota de uma grande transferência, sublinhando hoje o jornal “A Bola” que Bernard Mensah poderá vir a reforçar o Benfica, clube que é agora orientado pelo seu ex-treinador, Rui Vitória.

Crescimento no Minho

Bernard Mensah nasceu a 17 de Outubro de 1994, em Acra, Gana, tendo representado o Feyenoord Acra, do seu país natal, antes de rumar a Portugal e ao Vitória de Guimarães em 2012. Nos vimaranenses, começou por representar os juniores, saltando posteriormente para o futebol sénior, pela porta da equipa B, em 2013/14.

Essa, aliás, foi uma excelente temporada para Bernard Mensah, que somou 26 jogos e nove golos no Campeonato Nacional de Seniores, contribuindo de forma decisiva para a subida do Vitória de Guimarães B à Segunda Liga e para a sua própria promoção à equipa principal dos vimaranenses.

Impacto imediato na equipa principal

Um salto do Campeonato Nacional de Seniores para a Primeira Liga é sempre acentuado, mas a verdade é que o ganês não sentiu minimamente o impacto do escalão principal, tendo arrancado para uma temporada de 2014/15 em que foi mesmo uma das principais figuras do Vitória de Guimarães.

Ao todo, Bernard Mensah somou 34 jogos oficiais e cinco golos pelos vimaranenses, num percurso em que acumulou algumas exibições de gala e assumiu-se como o maestro do meio-campo ofensivo.

Diamante que ainda precisa de lapidação

Bernard Mensah é um médio-ofensivo central que se destaca pela sua velocidade, visão de jogo e qualidade técnica e de passe, características que o transformam, automaticamente, num verdadeiro desbloqueador e desequilibrador no último terço.

Apesar dessa tracção ofensiva, o jovem africano mostra igualmente generosidade dentro do terreno de jogo, jamais se furtando de ajudar nas missões defensivas, sendo usual vermos o criativo a pressionar e a somar desarmes ao longo das partidas.

Certo, de qualquer maneira, é que, aos 20 anos, Bernard Mensah ainda terá algumas arestas para limar, sendo necessário que atinja uma maior consistência nas suas exibições, uma vez que ainda tem alguma indesejável tendência para alternar grandes exibições com duelos menos conseguidos.

Read Full Post »

Kwarasey é um talentoso guarda-redes ganês

Kwarasey é um talentoso guarda-redes ganês

Uma das actuais grandes promessas de futuro do futebol mundial é um guarda-redes ganês que ainda está perdido no modesto futebol norueguês: Adam Kwarasey.

Nascido a 12 de Dezembro de 1987 em Oslo, Noruega, Adambathia Larsen Kwarasey é filho de pai ganês e mãe norueguesa, mas optou por representar à selecção ganesa, pela qual já soma 18 internacionalizações.

Em termos de clube, o talentoso guarda-redes representa o Strømsgodset IF da Noruega desde 2007, somando 95 jogos pelo clube da Tippeligaen e tendo conquistado uma Taça da Noruega.

Guarda-redes de defesas impossíveis

O facto de Adam Kwarasey ainda estar escondido no modesto futebol norueguês é uma enorme surpresa, pois o guarda-redes tem talento para voos muito mais altos que o Strømsgodset IF.

Elástico, nenhuma defesa parece impossível para o ganês, que coloca-se com mestria entre os postes e mostra-se sempre capaz de ir buscar as bolas mais difíceis e colocadas. Talvez pela mistura de sangue africano e europeu, o guarda-redes de 25 anos parece aliar a segurança e frieza dos jogadores do Velho Continente com a espectacularidade e magia dos africanos, num cocktail explosivo de grande qualidade.

Rápido a sair-se aos adversários e forte nos cruzamentos, Adam Kwarasey é, aos 25 anos, um guarda-redes a merecer uma atenta observação por parte de clubes europeus de nomeada, sendo, certamente, um bom reforço para clubes de topo em Portugal.

Read Full Post »

Atsu a receber um prémio de Karembeu

Uma das revelações do FC Porto para esta temporada de 2011/12 pode ser um jovem ganês que, na época transacta, representou o Rio Ave por empréstimo dos dragões: Christian Atsu.

Christian Atsu Twasam nasceu a 10 de Janeiro de 1992 em Ada Foah, Gana, e chegou ao FC Porto em 2009, depois de ter passado pelos ganeses do Cheetah FC. Nos dragões, actuou dois anos nos juniores até que, na temporada transacta, acabou emprestado ao Rio Ave.

Nos vilacondenses, o extremo-esquerdo africano fez uma extraordinária época, acabando 2011/12 com 31 jogos realizados e 6 golos marcados, sendo, dessa forma, uma das figuras de um Rio Ave que acabou a temporada no décimo quarto lugar.

Nesta temporada que agora se irá iniciar, Atsu deverá ter a oportunidade de integrar o plantel principal do FC Porto, até porque, com um ano de adaptação ao futebol sénior português e já com uma internacionalização pelo Gana, o extremo-esquerdo deverá estar mais que preparado por lutar por um lugar no onze azul-e-branco.

Como joga?

Atsu é um extremo que gosta de actuar colado à linha, preferencialmente a canhota, mostrando-se rápido, incisivo e com boa qualidade técnica e de passe. Inteligente e com bom pulmão, trata-se de um elemento incansável, que consegue dar o mesmo rendimento do primeiro ao último minuto do desafio.

Apesar de ser um extremo de características mais “puras”, o ganês também sabe efectuar diagonais para o centro, mostrando-se, quando o faz, um jogador bastante perigoso, até porque se trata de um bom finalizador.

Neste momento, com 20 anos, trata-se de uma das grandes pérolas do futebol ganês e será, com certeza, bem aproveitado pelos responsáveis azuis-e-brancos.

Read Full Post »

Zeferino era a estrela da selecção

De regresso a um Mundial de sub-17 após o terceiro lugar de 1989, Portugal surgia neste campeonato do Mundo com algumas figuras de proa como o goleador Vargas, o defesa-central Marco Caneira, o médio Pedro Hipólito e o atacante Zeferino, então jogador do Real Madrid. Ainda assim, apesar das elevadas expectativas que rodeavam a equipa das quinas, Portugal haveria de não fazer um grande mundial, tendo mesmo muita sorte na forma como superou a fase de grupos e  acabando por não passar pelo Gana nos quartos de final da prova equatoriana.

Dois primeiros jogos foram um desastre

Portugal foi integrado no Grupo B, juntamente com Argentina, República da Guiné e Costa-Rica, pensando-se que a equipa lusa passaria facilmente à segunda fase.

Contudo, os dois primeiros jogos não correram nada bem a Portugal, pois no primeiro, diante da Argentina, a equipa lusitana foi atropelada pelo conjunto sul-americano por 3-0, enquanto no segundo desafio, diante da supostamente frágil Guiné, Portugal até esteve a ganhar por 2-0, mas acabou por perder por 3-2 com a formação africana.

Milagre na última jornada garantiu passagem aos quartos

Assim sendo, à partida para o último jogo do grupo, Portugal precisava de um pequeno milagre para se apurar para os quartos de final: ganhar à Costa-Rica por pelo menos dois golos de diferença e esperar que a Guiné perdesse com a Argentina.

Ao minuto 87 do jogo com os costa-riquenhos, tudo parecia perdido, pois o 0-0 teimava em não sofrer alterações, contudo, um final de jogo electrizante com dois golos de Vargas e outro de Adolfo garantiu aos lusos uma vitória por 3-0, beneficiando ainda a equipa portuguesa do triunfo da Argentina diante da Guiné (2-0) para se apurar para os quartos de final.

Contudo, a alegria da equipa portuguesa acabou por não durar muito. Nos quartos de final, diante da forte selecção ganesa, Portugal acabou derrotado por 2-0, restando a consolação da equipa das quinas ter perdido com a equipa que se haveria de sagrar campeã mundial.

Read Full Post »

Agostinho Oliveira era o seleccionador

Após a nossa selecção ter conquistado o bicampeonato mundial de sub-20, a ideia era atacar o tricampeonato na longínqua Austrália, esperando, no mínimo dos mínimos, que Portugal superasse a primeira fase da prova. Contudo, a equipa treinada por Agostinho Oliveira e que contava com jogadores como Costinha, Litos, Andrade, Porfírio ou Bambo acabou por fazer uma prova deplorável, perdendo todos os jogos que disputou e abandonando a competição sem honra nem glória. Podemos sempre dizer que o grupo era complicado (Gana, Alemanha e Uruguai) e que nunca nos adaptámos ao facto dos jogos se disputarem nas manhãs portuguesas, todavia, para a história fica a pior participação portuguesa de sempre num Mundial sub-20.

A equipa portuguesa que esteve na Austrália

Três jogos, três derrotas

Portugal estreou-se no Mundial de sub-20 diante da poderosa Alemanha, que contava com jogadores como Jancker, Hamann ou Ramelow. Num jogo extremamente disputado e equilibrado, a equipa lusitana haveria de sucumbir perto do final do jogo, graças a um tento do inevitável Carsten Jancker, iniciando a prova de forma negativa.

No segundo duelo, diante do Uruguai, Portugal estava obrigado a não perder para continuar a sonhar com o apuramento para os quartos de final. Entrando a perder com um golo madrugador de Fabián O’Neill (esse mesmo que chegou a jogar na Juventus), a equipa portuguesa conseguiu igualar a contenda, graças a um golo de Bambo, que havia de ser o único golo que Portugal marcaria na competição. Perto do fim, quando já todos pareciam resignados à igualdade, o mesmo O’Neill haveria de bisar e dar a vitória à equipa sul-americana, levando a que o jogo de Portugal, na última jornada, diante do Gana, fosse meramente para cumprir calendário.

Desmotivada e sem nenhum objectivo desportivo, a equipa das quinas rapidamente sucumbiu à equipa africana, sofrendo dois golos na primeira parte e deixando o jogo escoar até final na segunda sem qualquer intensidade competitiva. A derrota (0-2) fez com que os portugueses abandonassem a competição sem qualquer ponto e garantiu o apuramento aos ganeses para a fase seguinte.

Jardel pouco jogou na prova

Brasil campeão com Marcelinho Paulista e… Mário Jardel

O Brasil conquistou o campeonato do Mundo graças às grandes exibições de Adriano um avançado que, na altura, representava os suíços do Neuchatel Xamax, marcou quatro golos na prova e foi considerado o melhor jogador do Mundial sub-20. Nessa equipa, também brilhava Marcelinho Paulista  e estava presente Mário Jardel que, porém, apenas fez 12 minutos durante toda a competição.

Na fase de grupos, o Brasil venceu o agrupamento D, empatando com a Arábia Saudita (0-0) e vencendo México (2-1) e Noruega (2-0). Depois, nos quartos de final, os canarinhos superaram os Estados Unidos (3-0) e, nas meias finais, foi a vez da equipa anfitriã (Austrália) sucumbir por duas bolas a zero.

Por fim, na final, a equipa brasileira defrontou a poderosa selecção do Gana, que contava com autênticas promessas como Samuel Kuffour, Nii Lamptey, Charles Akonnor ou o nosso bem conhecido Emmanuel Duah. Nesse duelo, o Brasil até esteve a perder graças a um golo de Duah (15′), todavia, Yan (50′) e Gian (88′) deram a volta ao marcador e garantiram o título mundial à equipa verde-e-amarela. Foi o terceiro título do Brasil no Mundial sub-20.

Read Full Post »

Coulibaly é uma força da natureza

A Costa do Marfim já foi eliminada do campeonato do Mundo de sub-17, mas saltou à vista a magnífica performance do atacante Souleymane Coulibaly que, em apenas quatro jogos, fez nove golos, já sendo considerado o novo Didier Drogba.

Nascido a 26 de Dezembro de 1994 na Costa do Marfim, Souleymane Coulibaly cedo viajou até é Itália, onde representa o Siena nas camadas jovens do clube transalpino.

No campeonato italiano, só se deve estrear na temporada de 2011/12, ainda que seja provável que abandone o Siena, após o magnífico campeonato do Mundo de sub-17 que fez, apontando nove golos e fazendo exibições fantásticas nos quatro jogos que efectuou pelos marfinenses.

Avançado possante e goleador

Souleymane Coulibaly é um ponta de lança com um sentido de baliza impressionante, situação que pode ser facilmente detectada pelo facto de ter realizado uma média superior a dois golos por jogo no último campeonato do Mundo de sub-17.

Com um remate extremamente forte e colocado, uma técnica bastante apreciável, grande velocidade e um enorme poder físico, o atacante marfinense é um avançado que tanto pode jogar sozinho na frente omo ao lado de outro ponta de lança sem qualquer problema. Ainda assim, tendo apenas 1,72 metros, e se se pretender dar poder no jogo aéreo é preferível colocar um atacante mais posicional perto dele.

Neste momento, com apenas 16 anos, é um pérola que tem tudo para atingir o topo do futebol mundial, ainda que haja sempre o risco de tal como o fenómeno ganês Lamptey, se perder no sinuoso percurso do futebol sénior.

Read Full Post »

Esta vai ser a estreia da Sérvia, como país independente, num campeonato do mundo de futebol. Ainda assim, como herdeira natural da antiga selecção jugoslava, podemos dizer que a Sérvia tem uma história rica nos mundiais, pois a Jugoslávia participou em nove certames e conseguiu atingir as meias-finais em duas ocasiões (1930 e 1962). Ainda assim, e porque a última imagem é a que fica, a derradeira presença num campeonato do mundo foi em 2006, como Sérvia e Montenegro, resumindo-se a três jogos, três derrotas e uma viagem rápida para casa. Assim sendo, cabe agora aos sérvios, na África do Sul, tentarem corrigir essa má imagem e arrancarem para um bom Mundial. Num grupo com Austrália, Gana e Alemanha, os eslavos têm boas hipóteses de o fazer.

A Qualificação

Integrada no Grupo 7 da zona europeia de qualificação com França, Roménia, Áustria, Lituânia e Ilhas Faroé, a Sérvia teve um percurso brilhante. A equipa eslava venceu sete jogos, empatou um e perdeu dois, vencendo o agrupamento à frente da vice-campeã mundial, França.

Apesar de terem perdido no campo dos “bleus” (1-2) e na Lituânia (1-2), os sérvios fizeram resultados impressionantes como ganharem duas vezes à Roménia (3-2 e 5-0) e triunfarem no sempre difícil terreno da Áustria (3-1).

Assim sendo, foi de forma brilhante e justa que os sérvios conquistaram o direito em participarem no campeonato do mundo 2010 na África do Sul.

Grupo 7 – Classificação

  1. Sérvia 22 pts
  2. França 21 pts
  3. Áustria 14 pts
  4. Lituânia 12 pts
  5. Roménia 12 pts
  6. Ilhas Faroé 4 pts

O que vale a selecção sérvia?

A equipa sérvia é muito forte e tem qualidade em todos os sectores. A turma de Radomir Antic tem uma mistura muito positiva entre juventude e experiência, pois se, por um lado, apresentam atletas com muitos anos de alta roda do futebol como Stankovic, Pantelic ou Vidic, também apresentam jovens de pouca experiência mas muito talento como Kolarov, Kacar, Radosav Petrovic ou Kuzmanovic.

Na defesa, a equipa conta com um excelente guarda-redes, que não teve muita sorte no Sporting, mas que tem um enorme talento: Stojkovic. Depois, o quarteto defensivo é muito forte com o lateral esquerdo: Kolarov, que diz-se pretendido por Mourinho para o Real Madrid, a excelente dupla de centrais: Vidic-Lukovic e o lateral direito: Ivanovic. Trata-se de uma defesa com uma média de altura muito alta, com centrais quase intransponíveis e com dois laterais que são exímios a defender e que, principalmente no caso de Kolarov, atacam muito bem.

Depois, no meio campo, A equipa deve actuar com um duplo pivot de box to box: Milijas-Stankovic. Estes jogadores são muito importantes no esquema sérvio, pois atacam e defendem com a mesma intensidade, são muito inteligentes tacticamente e dão grande equilíbrio ao onze das águias brancas. Por outro lado, nas alas, devem jogar Jovanovic (na esquerda) e Krasic (na direita). Dois elementos que sabem procurar a linha, mas também fazem bem as diagonais para o centro para procurarem o remate. Nesta situação, Jovanovic é exímio.

Por fim, no ataque, é normal que Radomir Antic use a dupla: Zigic-Pantelic. Um duo que encaixa muito bem, pois Zigic é um atacante muito alto (2,02 metros), que joga fixo na área e é muito difícil de marcar, principalmente nas bolas áreas e Pantelic é um atacante mais móvel e desequilibrador que cai muito nas alas, sem descurar a procura do golo. Depois, a equipa, no banco, tem Lazovic, que pode substituir Zigic, em ocasiões que Antic prefira dois atacantes móveis em vez de um fixo e outro com maior mobilidade.

Assim sendo, com estes jogadores e num grupo com Alemanha, Austrália e Gana, a Sérvia tem boas perspectivas de alcançar a segunda fase.

O Onze Base

Partindo do principio que Radomir Antic irá apresentar um 4-4-2 clássico, a Sérvia deve actuar com Stojkovic (Wigan) na baliza; Um quarteto defensivo com: Kolarov (Lázio), Vidic (Manchester United), Lukovic (Udinese) e Ivanovic (Chelsea); Um meio campo com: Jovanovic (Liverpool), Milijas (Wolverhampton), Stankovic (Inter) e Krasic (CSKA Moscovo); E um ataque com a dupla: Zigic (Valência) e Pantelic (Ajax)

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

O grande problema da Sérvia é a sua instabilidade competitiva, que a leva, muitas vezes, a falhar nos momentos chave, pois em termos de qualidade de jogadores esta equipa está quase ao nível da Alemanha. Se conseguir aliar capacidade táctica à qualidade técnica e se conseguir por todos estes jogadores a funcionar como equipa, a Sérvia tem grandes condições de alcançar o segundo lugar e, até, poderá surpreender a Alemanha no primeiro lugar. No entanto, se falhar nesse pressuposto, pode mesmo terminar abaixo do segundo lugar e voltar mais cedo para casa.

Calendário – Grupo D (Mundial 2010)

  • 13 de Junho: Sérvia vs Gana
  • 18 de Junho: Sérvia vs Alemanha
  • 23 de Junho: Sérvia vs Austrália

Read Full Post »

Older Posts »