Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Lichtsteiner’

Mexès parece criticar Totti pelo seu mau início de época

Como tiffosi fervoroso da Roma, já devia estar habituado a um comportamento estranho e muitas vezes incompreensível por parte da equipa romana, uma reviravolta cliché que não deixa de ser saborosa e comemorada efusivamente, mas deixa-me a questionar ” Porque é que isto está sempre a acontecer?”.

A Roma, nos últimos anos, começa o campeonato mal, mas, depois, num súbito despertar, as vitórias surgem e por consequente, acaba a Serie A quase sempre nos lugares de topo, ameaçando até à ultima o poderio do Inter de Milão.

Este ano, não tem sido excepção, derrotas atrás de derrotas marcaram o início da Roma, deixando-a nos últimos lugares da tabela, mas, no tal “súbito despertar” as vitórias começaram só agora a surgir e nos últimos 6 jogos, só por uma vez, a giallorossa sentiu o sabor da derrota.

Nesta temporada, é com muita tristeza que afirmo sem qualquer complexo, que a culpa da atitude derrotista é somente dos jogadores romanos! Ora vejamos, Francesco Totti, já no fim da carreira,  comporta-se de maneira inadmissível dentro de campo, ganhar ou perder um lance para ele é irrelevante, pois, não se vê garra, nem ambição num jogador que é aclamado como sendo um dos maiores símbolos do clube. Para não falar, das birras quando é substituído, na demonstração do mau carácter  contra o adversário, prejudicando claramente a equipa e os seus colegas de profissão.

Hoje, contra a Lazio e sem Totti em campo, vi uma Roma unida, forte e sem birras, no final, o resultado esteve à vista, dois golos, um de Mirko Vucinic, outro de Marco Borriello deram mais uma vitória num derby italiano sempre especial.

Outro jogador, que eu aponto como culpado, é Adriano, claramente foi uma má aposta por parte dos dirigentes romanos, o brasileiro está longe de outros tempos, pois, a droga, o álcool e as mulheres continuam a ser os companheiros predilectos de um Imperador sem honra, nem glória. Por um lado, ainda bem que aconteceu a continuação do declínio de Adriano, visto que a bela surpresa da época tem sido Marco Borriello, um avançado de garra, humilde, que não dá nenhum lance como perdido e que tem relevado um faro apurado para o golo, sendo até agora o goleador máximo da equipa.

” Lazio VS Roma “

Claramente, a Lazio era considerada como a favorita para o derby da cidade eterna, mas, a Roma provou que nos derbies quem manda é a Loba e quem marca é Mirko Vucinic, pois, nos últimos anos, o avançado montenegrino tem conseguido bater as redes de Muslera.

A Roma dominou na primeira parte, e teve algumas boas oportunidades para inaugurar o marcador, numa defesa da Lazio que revelou uma estranha amabilidade em deixar que os avançados romanos pudessem trocar a bola e rematar com perigo.

A Lazio, líder da Serie A, acusou a pressão e no início da segunda parte, viu-se em desvantagem num penalty bem assinalado cobrado por Marco Borriello, a castigar uma mão do defesa da lazio. Após, o golo da Roma, a Lázio reagiu e poderia ter chegado ao empate por diversas ocasiões e digamos que teria sido justo, visto que a equipa romana acabou por defender o resultado e abdicou de atacar, numa atitude que é normal observar em Itália.

No final do encontro, Júlio Baptista foi derrubado na área de Muslera, ao qual prontamente, o árbitro assinalou o segundo penalty do jogo, que Mirko Vucinic converteu e dedicou ao seu filho Alex.

A Roma, sobretudo pelo que fez na primeira parte mereceu ganhar e sem dúvida, que será a alavanca que os jogadores e Ranieri precisavam para continuarem na senda das vitórias.

De referir, que Lichtsteiner, lateral direito da Lázio revelou ser um jogador interessante, com bons pormenores e conseguiu sempre superiorizar-se ao norueguês Riise.

Do lado romano, Greco, poderá ser o candidato a substituto de Totti, visto que o jovem de 24 anos, assumiu-se como o criativo e revelou uma maturidade que me deixou bastante impressionado. Continuarei, atentamente a seguir a evolução deste pequeno romano.

Read Full Post »

Os helvéticos já participaram em oito campeonatos do mundo, todavia, nunca passaram dos quartos de final e, a última vez que alcançaram essa fase da prova, foi há 56 anos (1954). Nas últimas duas participações (1994 e 2006), a selecção suíça cumpriu com os serviços mínimos, passando a fase de grupos e caindo, logo a seguir, nos oitavos de final. Agora, na África do Sul, com uma selecção mediana e num agrupamento com espanhóis, chilenos e hondurenhos, a dúvida é se conseguem voltar a cumprir os serviços mínimos (oitavos de final), ou se, ao invés, não passam da primeira fase da prova.

A Qualificação

Inseridos num grupo acessível com Grécia, Letónia, Israel, Luxemburgo e Moldávia, os suíços começaram muito mal a fase de apuramento com um empate em Israel (2-2) e, bem pior, com uma derrota caseira com o Luxemburgo (1-2).

Temeu-se o pior, mas os helvéticos, até final da fase de qualificação, estiveram bem melhor e apenas concederam dois empates (Letónia, fora, 2-2 e Israel, casa, 0-0), vencendo todas as restantes partidas.

Nesse percurso vitorioso, temos de destacar a dupla vitória diante da selecção helénica (2-0 e 2-1), decisiva para alcançarem o primeiro lugar do Grupo 2 e consequente apuramento directo para o Mundial sul-africano.

Grupo 2 – Classificação

  1. Suíça 21 pts
  2. Grécia 20 pts
  3. Letónia 17 pts
  4. Israel 16 pts
  5. Luxemburgo 5 pts
  6. Moldávia 3 pts

O que vale a selecção helvética?

A equipa suíça vale, essencialmente, por ter um colectivo forte e, acima de tudo, muito experiente. Sem grandes estrelas, os helvéticos colocam todas as suas fichas na boa organização táctica e na eficácia.

O sector mais recuado da equipa de Ottmar Hitzfeld é composto por um grande guarda-redes, bem conhecido dos portugueses (Diego Benaglio) e por um quarteto defensivo muito sólido e seguro. Nessa defesa, a dupla de centrais será formada por Senderos e Grichting, dois jogadores que se completam, pois o jogador do Auxerre é muito forte pelo chão e o antigo defesa do Arsenal é poderoso no jogo aéreo. Por outro lado, nas laterais, deverão aparecer Zygler (à esquerda) e Lichtsteiner (à direita), dois defesas que correm o campo todo, defendendo e atacando com a mesma competência.

Depois, num meio campo típico do 4-4-2 clássico, deverão jogar Huggel e Inler como duplo pivot. Neste esquema, Huggel será um trinco puro, muito forte fisicamente e com a capacidade de encostar aos centrais sempre que necessário, enquanto Inler será um box to box, muito criativo, que sabe aparecer com perigo nas zonas mais adiantadas do terreno. Por outro lado, nas alas, deverão jogar Barnetta (à esquerda) e Padalino (à direita), dois jogadores criativos (principalmente Barnetta), mas que sabem defender, dando, assim, muita consistência à equipa helvética.

Por fim, no ataque, deverão jogar os veteranos: Nkufo e Frei. Tratam-se dois elementos bem diferentes, pois Nkufo é um avançado muito forte fisicamente, que desgasta muito os defesas e serve de elemento de referência ofensiva, enquanto Frei, é mais leve e móvel, ainda que se trata de um finalizador nato, que raramente falha no momento de definição. Ainda assim, se Hitzfeld pretender um ataque com dois elementos móveis, pode sempre abdicar de Nkufo e lançar o também veterano jogador do Lucerna: Hakan Yakin.

O Onze Base

A equipa helvética deve apresentar um 4-4-2 clássico com Diego Benaglio (Wolfsburgo) na baliza; Zygler (Sampdória), Senderos (Everton), Grichting (Auxerre) e Lichtsteiner (Lázio) na defesa; Barnetta (Leverkusen), Huggel (Basileia), Inler (Udinese) e Padalino (Sampdória) no meio campo; Nkufo (Twente) e Frei (Basileia) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Num grupo com Espanha, Chile e Honduras, o primeiro lugar estará, desde logo, totalmente de parte, pois salvo um escândalo, esse irá pertencer à pátria de Cervantes. Assim sendo, tendo em conta que as Honduras deverão ficar na última posição, caberá aos suíços disputar o segundo lugar com os chilenos, num duelo que se advinha muito equilibrado e intenso.

Calendário – Grupo H (Mundial 2010)

  • 16 de Junho: Suíça vs Espanha
  • 21 de Junho: Suíça vs Chile
  • 25 de Junho: Suíça vs Honduras

Read Full Post »