Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Maccabi Haifa’

Lior Refaelov é um talento do FC Brugge

No futebol belga actua um médio-ofensivo israelita de enorme talento individual e que se tem revelado como uma peça bastante importante do FC Brugge desde 2011/12: Lior Refaelov.

Nascido a 26 de Abril de 1986 em Or Akiva, Israel, Lior Refaelov é um produto das escolas do Maccabi Haifa, tendo se estreado a nível sénior pelo clube israelita em 2004.

No Maccabi Haifa, haveria de permanecer até 2011, tendo efectuado 161 jogos (30 golos) e conquistado três campeonatos de Israel e uma taça israelita, antes de se transferir para a Bélgica em 2011.

A actuar no FC Brugge desde essa data, o médio-ofensivo já soma 35 jogos (9 golos) e assume-se, cada vez mais, como peça fundamental do conjunto belga, tanto a nível interno como na Liga Europa.

Como joga?

Lior Refaelov é um médio-ofensivo de grande talento e mobilidade, que actua preferencialmente atrás do ponta de lança, mas tem a capacidade de deambular por todo o terreno para criar desequilíbrios.

Rápido e tecnicamente evoluído, trata-se de um jogador muito forte num um contra um, sendo muito difícil de parar, pois é perigosíssimo tanto quando embalado como no capítulo do drible curto.

Para além disso, como actua bem perto da área adversária, o internacional israelita tem muitas oportunidades para alvejar a baliza adversária e, aí, mostra-se um jogador frio e eficaz, assumindo-se como um finalizador nato.

Em suma, trata-se de um grande talento de 26 anos que convido-os a procurar num dos próximos duelos do FC Brugge com o Marítimo a contar para a Liga Europa.

Anúncios

Read Full Post »

Golasa é uma promessa de Israel

Em Haifa, no mesmo clube onde jogam os portugueses Adrien Silva e Alex Zahavi (Maccabi Haifa), actua um dos médios criativos mais entusiasmantes do actual futebol europeu: Eyal Golasa.

Criado nas escolas do Beitar Nes Tubruk, para onde entrou aos nove anos e permaneceu até aos dezasseis, o médio ofensivo israelita rapidamente chamou à atenção de um dos gigantes do futebol de Israel, assinando, em 2008, pelo Maccabi Haifa.

Apesar de ser um jogador muito jovem (neste momento tem 18 anos), Eyal Golasa conseguiu, conquistar, devagarinho, os corações dos exigentes adeptos do Maccabi, tornando-se rapidamente no menino bonito dos “verdes”. Ao longo de duas temporadas, o médio de ataque fez seis golos em 43 jogos da Ligat Winner, o principal escalão do futebol israelita.

Médio ofensivo com grande capacidade de drible, trata-se de um jogador muito rápido e criativo, tendo, também, uma excelente capacidade de desmarcação, aparecendo inúmeras vezes na zona de finalização.

Com apenas dezoito anos, já esteve, em Fevereiro, pertíssimo de se transferir para a Lázio, mas problemas burocráticos impediram a sua transferência, sendo, neste momento, uma pérola a ser observada por grandes clubes do futebol internacional.

Deixo, aqui, um vídeo com algumas qualidades do médio ofensivo israelita, à atenção de clubes portugueses interessados num grande talento.

Read Full Post »

Apesar de apenas ter sido fundado em 1988, resultado da fusão do Waterschei Thor e do Winterslag, o Racing Genk já conquistou uma posição de destaque no panorama futebolístico da Bélgica. Campeão por duas ocasiões e vencedor da Taça da Bélgica por três vezes, o Genk é um clube com experiência de competições europeias, tendo, inclusivamente, disputado a fase de grupos da Liga dos Campeões na temporada de 2002/03. Ainda assim, tendo em conta que terminou o último campeonato belga na décima primeira posição e sabendo que o seu plantel é, no seu global, bastante inferior ao plantel dos dragões, o favoritismo azul e branco é bastante grande para esta eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga Europa.

Quem é o Racing Genk 

Não se pode falar do Racing Genk sem falar dos dois clubes que se fundiram em 1988 para lhe darem origem: Waterschei Thor e Winterslag.

O Waterschei foi fundado em 1919 e, depois de bastantes décadas na sombra do futebol belga, teve o seu momento de glória no início da década de 80, quando venceu duas Taças da Bélgica (80 e 82) e esteve presente na meia final da Taça das Taças de 1982/83, perdida diante do Aberdeen (1-0 e 1-5). O Winterslag, por sua vez, nunca conquistou qualquer título, mas, tal como o Waterschei, esteve presente algumas vezes no primeiro escalão do futebol belga, com destaque para um quinto lugar na época 1980/81.

Em 1988, Waterschei e Winterslag fundiram-se e formaram o Racing Genk que aproveitou a presença do Winterslag na primeira divisão para começar nesse escalão o campeonato de 1988/89. Ainda assim, não foi uma boa estreia, pois o Genk desceu logo na sua estreia. Apesar de ter regressado à primeira divisão logo na temporada seguinte, o Genk haveria de descer novamente à segunda divisão no ano de 1993/94, regressando, para nunca mais descer, ao principal escalão na época de 1996/97.

Desde que se cimentou na primeira divisão, o Genk tornou-se num dos principais clubes belgas, conquistando o campeonato da Bélgica em 1999 e 2002 e terminando na segunda posição em 1998 e 2007. Além dos títulos nacionais, o Genk conquistou a Taça da Bélgica por três vezes (1998, 2000 e 2009) e ainda esteve presente na fase de grupos da Liga dos Campeões 2002/03, ainda que, num agrupamento com AEK, Milan e AS Roma, tenha terminado na última posição.

Na última temporada, as coisas não correram particularmente bem ao Genk, que não foi além do 11º posto no campeonato. Ainda assim, a equipa belga venceu o playoff de acesso à Liga Europa e, assim, garantiu a presença numa prova onde já eliminou, na terceira pré-eliminatória, o Inter Turku da Finlândia (3-2 e 5-1).

Como joga  

A equipa belga costuma actuar num 4-4-2 losango e joga um futebol de passe curto, até porque a baixa estatura dos elementos do ataque desencoraja o Genk a utilizar um futebol mais directo. Não jogando deliberadamente ao ataque, a equipa treinada por Frank Vercauteren é moderadamente ofensiva e defende mal, cabendo ao FC Porto utilizar a rapidez no processo ofensivo, pois a defesa do Genk tem muita dificuldade em lidar com equipas que joguem em velocidade

O Genk tem uma dupla de avançados de excelente qualidade: Barda e Vossen, uma dupla muito rápida e móvel, que, por certo, terá de merecer atenção cuidada por parte dos responsáveis portistas. A equipa azul e branca terá, também, que ter bastante atenção ao médio ofensivo De Bruyne, um elemento que também pode jogar a avançado e, aos 18 anos, é considerado uma grande promessa do futebol belga. 

Diante do FC Porto, o onze do Genk não deve andar muito longe do que vamos apresentar abaixo.

  

Barda festeja golo por Israel

Quem é que o FC Porto deve ter debaixo de olho – Elyaniv Barda

Aos 29 anos, Elyaniv Barda é um avançado experiente e com capacidade para criar muitas dificuldades à defesa azul e branca.

Depois de ter tido grande destaque no seu país natal, actuando por clubes como o Hapoel Be’er Sheva (78 jogos, 19 golos), Maccabi Haifa (57 jogos, 12 golos) e Hapoel Telavive (61 jogos, 17 golos), conquistando dois campeonatos de Israel no clube de Haifa e duas Taças de Israel no Hapoel Telavive.

Desde 2007, encontra-se no Genk, onde se tornou, rapidamente, em um dos ídolos dos adeptos do clube belga. Muito rápido e tecnicista, Barda não é o típico finalizador que apenas se encontra na área para marcar golos, sendo, ao invés, um jogador que gosta de jogar com um atacante ao lado, com quem possa combinar e servir. Apesar de não ser um goleador nato, Barda, tem, no Genk, o interessante registo de 28 golos em 86 jogos.

As hipóteses azuis e brancas 

A equipa do Genk tem bastante qualidade e a forma fácil como se livrou do Inter Turku (8-3 no agregado) na última eliminatória da Liga Europa e a facilidade como goleou (4-0) no campo do vice-campeão belga (Gent) na última jornada do campeonato da Bélgica é a prova disso mesmo.

Ainda assim, a equipa belga tem bastantes fragilidades no sector defensivo e, diante de uma equipa com muito mais experiência como o FC Porto, dificilmente poderá colocar o apuramento português em risco. 

Assim sendo, se os dragões jogarem concentrados e souberem explorar os habituais erros defensivos do Genk, facilmente seguirão para a fase de grupos da Liga Europa.

Read Full Post »

Campeã de África em 1996, numa célebre competição disputada no seu próprio país e que serviu para unir brancos e negros, a África do Sul não atravessa um grande momento em termos futebolísticos. Presente no Mundial 1998 e 2002, ainda que, em ambos os casos, tenha sido eliminada na primeira fase, os Bafana Bafana nem sequer se apuraram para o Mundial 2006 e, mais grave do que isso, falharam, inclusivamente, o apuramento para a Taça de África 2010, disputada em Angola. Assim sendo, este Mundial, disputado no seu próprio solo, será uma oportunidade para fazer renascer a qualidade do futebol sul-africano ou, ao invés, demonstrar que os Bafana Bafana estão longe da elite do futebol mundial…

A Qualificação

Curiosamente, apesar de estar automaticamente qualificada como país organizador, a África do Sul disputou a fase de qualificação para o Mundial 2010. Confusos? A explicação é simples e passa pelo facto da qualificação para a Taça de África e para o Mundial serem as mesmas e, assim, mesmo apurados para o Campeonato do Mundo, os Bafana Bafana acabaram por disputar a fase de classificação.

Colocados no Grupo 4 com Nigéria, Serra Leoa e Guiné Equatorial, os sul-africanos fizeram uma péssima qualificação, vencendo apenas os dois jogos diante da Guiné Equatorial (4-1 e 1-0) e empatando um desafio, em casa, diante da Serra Leoa (0-0). Assim sendo, os Bafana Bafana terminaram na segunda posição, atrás da Nigéria, e falharam o apuramento para a Taça de África.

Grupo 4 – Classificação:

  1. Nigéria 18 pts
  2. África do Sul 7 pts
  3. Serra Leoa 7 pts
  4. Guiné Equatorial 3 pts

O que vale a selecção sul-africana?

Nunca nenhuma equipa organizadora foi eliminada na primeira fase de um campeonato do mundo, porém, existem grandes probabilidades de ser a primeira vez que isso vai acontecer.

Integrada no Grupo A, juntamente com França, México e Uruguai, a África do Sul terá de demonstrar uma enorme evolução para conseguir o apuramento para os oitavos de final. Uma equipa que termina a onze pontos da Nigéria e que é incapaz de vencer a Serra Leoa, dificilmente conseguirá ultrapassar franceses, mexicanos ou uruguaios.

Ainda assim, jogando em casa e tendo alguns valores como o avançado, ex-FC Porto, Benny McCarthy, o médio do Everton, Pienaar e o defesa Mokoena, os sul-africanos tentarão surpreender, se bem que, tudo o que não seja terminar na última posição do grupo, terá de ser considerado como uma vitória para os sul-africanos.

O Onze Base

A equipa sul-africana deverá jogar com Fernandez (Arminia Bielefeld) na baliza; uma defesa de quatro elementos composta pelo defesa-esquerdo Masilela (Maccabi Haifa), pelo defesa direito Gaxa (Sundowns) e pela dupla de centrais: Sangweni (G. Arrows) e Mokoena (Portsmouth); um meio campo composto pelo trinco Dikgacoi (Fulham), o box to box Sibaya (Rubin Kazan) e os alas Pienaar (Everton) e Modise (Orlando Pirates); e um ataque composto pela dupla de avançados: McCarthy (West Ham) e Mphela (Sundowns).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Terá de trabalhar muito para escapar ao último lugar, ainda assim, poderá ser crucial no desenrolar do grupo A, dependendo dos pontos que conseguir roubar aos seus adversários.

Calendário – Grupo A (Mundial 2010)

  • 11 de Junho: África do Sul vs México
  • 16 de Junho: África do Sul vs Uruguai
  • 22 de Junho: África do Sul vs França 

Read Full Post »