Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Marselha’

Imbula é um grande talento

Imbula é um grande talento

Hoje o país futebolístico despertou com a surpreendente notícia de que o FC Porto estará prestes a assegurar a contratação do promissor médio-defensivo francês Giannelli Imbula, futebolista do Marselha que poderá merecer um investimento recorde de 25 milhões de euros por parte dos azuis-e-brancos.

Trata-se de um jovem nascido a 12 de Setembro de 1992 em Vilvoorde, Bélgica, mas que é filho de pais congoleses e que cresceu essencialmente em França, sendo mesmo internacional pelos gauleses nos escalões de sub-20 e sub-21.

Explodiu no Guingamp

Tendo passado pelas camadas jovens do US Argenteuil, Racing Club, Paris Saint Germain e Guingamp, foi precisamente ao serviço deste último clube que haveria de se estrear no futebol profissional em 2009/10.

Nessa temporada, valha a verdade, o “seis” pouco actuou, mas haveria de se assumir como titular logo na campanha seguinte, tendo, entre 2010 e 2013, somado um total de 99 jogos (quatro golos) pelo Guingamp e merecido um salto para o gigante Marselha.

Impôs-se imediatamente no Marselha

Ao serviço do Guingamp, Giannelli Imbula havia actuado apenas no National e na Ligue 2, ou seja, no terceiro e segundo escalão do futebol gaulês, mas a verdade é que o médio-defensivo não sentiu o salto para a Ligue 1, tendo impacto imediato na degrau mais alto do futebol francês.

Os números, afinal, não enganam, com o internacional sub-21 francês a somar um total de 76 jogos (três golos) pelo Marselha ao longo das últimas duas temporadas, num registo que é sintomático da sua importância.

Uma verdadeira parede

Giannelli Imbula é um médio-defensivo que destaca-se imediatamente pela sua capacidade física (1,86 metros e 78 quilos), assumindo-se como uma “parede” quase intransponível à frente do sector recuado.

Inteligente em termos posicionais e muito forte no capítulo do desarme e antecipação, o jovem de 22 anos destaca-se igualmente pela sua velocidade e pulmão, sendo capaz de estar em constante rotação durante os 90 minutos do jogo.

Não sendo tecnicamente fraco, a verdade é que o internacional sub-21 francês também não é propriamente um prodígio nesse capítulo, ainda que seja capaz de se integrar positivamente no processo ofensivo, até porque é um jogador que consegue embalar em velocidade, característica que, aliada à sua potência física e boa capacidade finalizadora, o torna especialmente perigoso.

Read Full Post »

Alef tem potencial

Alef tem potencial

Um dos jogadores que vai evoluindo no Mundial de sub-20 e que está a ser apontado a clubes portugueses é o medio-defensivo brasileiro Alef dos Santos Saldanha, futebolista que começou por ser colocado na rota do Sporting de Braga, mas, agora, também estará na mira do Benfica.

Trata-se de um talento nascido a 28 de Janeiro de 1995 em Nova Odessa, Brasil, e que começou a sua carreira no Ponte Preta, emblema que representou profissionalmente entre 2013 e 2014, somando um total de 43 jogos oficiais.

Na temporada que agora termina, contudo, esteve emprestado aos franceses do Marselha, ainda que, nesse emblema orientado pelo argentino Marcelo Bielsa, apenas tenha actuado pelas reservas.

Força física e qualidade técnica

Alef é um jogador que se destaca imediatamente pela sua dimensão física, ou não medisse 186 cm, sendo por isso bastante eficaz no jogo aéreo e, também, nos duelos individuais, onde dificilmente é batido

Competente nas transições, destaca-se essencialmente na fase de construção, onde a sua boa técnica e visão de jogo permitem-lhe criar inúmeros lances de perigo. Ou seja, podemos dizer que estamos perante um “seis” que não se limita apenas a equilibrar a equipa, mas também é fundamental na criação de desequilíbrios no adversário.

Aos 20 anos, ainda assim, é natural que ainda tenha algumas questões para resolver, nomeadamente no capítulo do posicionamento e, acima de tudo, na intensidade de jogo, que terá de aumentar num eventual salto para o futebol europeu.

Read Full Post »

Keita foi um fenómeno do Mali

Foi garantidamente o melhor jogador maliano de sempre, figurando, também, entre os melhores executantes que África já ofereceu ao Mundo do futebol. O estilo gingão e por vezes excessivamente individualista era sempre perdoado, pois o avançado rapidamente oferecia rasgos individuais assombrosos e golos de outro Mundo, o que deixava todos os adeptos num misto de espanto e perplexidade. Aos 29 anos, perto do final da carreira, viajou até Alvalade, onde durante três épocas maravilhou os sportinguistas e os portugueses em geral com o perfume do seu futebol, garantindo, com todo o merecimento, um lugar importante na história do Sporting Clube de Portugal.

Chegou ao Saint-Etienne com 20 anos

Salif Keïta Traoré nasceu a 8 de Dezembro de 1946 em Bamako, Mali, tendo chegado a França com 20 anos, após quatro épocas a actuar no seu país natal em clubes como o Stade Malien e o Real Bamako.

Em terras gaulesas, o seu destino foi o Saint-Etienne, onde permaneceu entre 1967 e 1972, sagrando-se tri-campeão francês (1968 a 1970) e vencedor da Taça de França em 1967/68 e 1969/70. Em “Les Verts”, o avançado maliano marcou 125 golos em 149 jogos, destacando-se a época de 1970/71, onde o ponta de lança marcou 41 golos no campeonato gaulês.

Saiu de França por não querer assumir nacionalidade gaulesa

No Verão de 1972, Salif Keita trocou o St. Etienne pelo Marselha, onde actuou durante a temporada de 1972/73, marcando 10 golos em 18 partidas. No final da época, os responsáveis do clube do sul de França pretendiam que o atacante se naturalizasse francês, todavia, o maliano rejeitou e preferiu abandonar o Marselha no final da temporada.

Além de abandonar Marselha, Keita também abandonou França, transferindo-se para os espanhóis do Valência. Na chegada ao clube “ché”, o atacante maliano foi brindado com manchetes algo racistas, pois um jornal espanhol brindou-o com o seguinte título: “El Valencia va a por alemanes y vuelve con un negro”, ou seja, “O Valência tenta ir comprar germânicos e volta com um negro.”

Apesar disso, o internacional pelo Mali haveria de permanecer três temporadas em Valência, sendo sempre adorado pelos adeptos valencianos e recebendo, inclusivamente, a alcunha de “Pérola Negra.” No período em que actuou em Espanha, Keita apontou 23 golos em 74 jogos, todavia, sempre se queixou que jogou fora da posição natural, o que o impediu de números ainda mais “gordos.”

Keita com a camisola do Sporting

Chegou ao Sporting ainda a tempo de maravilhar tudo e todos

Depois da experiência no futebol espanhol, Keita viajou ainda mais a oeste, transferindo-se para Lisboa e para o Sporting Clube de Portugal. No clube verde-e-branco, o atacante maliano haveria de permanecer entre 1976 e 1979, tendo a ingrata missão de esquecer Yazalde.

Por um lado, cedo se percebeu que o africano não tinha a mesma capacidade goleadora do argentino, todavia, todos ficaram maravilhados com a capacidade técnica e genialidade do internacional pelo Mali. De facto, nas três temporadas que esteve em Alvalade, Keita marcou aquilo que Yazalde costumava fazer numa época (32 golos), todavia, a classe e o perfume do seu futebol jamais serão esquecidos pelos adeptos sportinguistas, mesmo que, nesse período, Salif Keita só tenha conseguido conquistar uma Taça de Portugal.

Em 1979, após abandonar o Sporting, o atacante maliano transferiu-se para o campeonato norte-americano, onde terminou a carreira ao serviço do New England Tea Men, marcando 17 golos em 39 desafios.

Vice-campeão africano pelo Mali

Salif Keita foi internacional maliano entre 1963 e 1972, marcando 11 golos em 13 internacionalizações. Nesse percurso, o seu momento mais alto foi o vice-campeonato africano de 1972, quando o Mali chegou à final após empates com o Togo (3-3), Quénia (1-1) e Camarões (1-1) na fase de grupos e novo empate diante do Zaire (agora República Democrática do Congo) a um golo nas meias-finais.

Nesse desafio diante do Zaire, a equipa maliana teve a sorte de superar o seu adversário nas grandes penalidades (4-3), mas teve o azar de perder Salif Keita, por lesão, para o jogo decisivo com a República do Congo. Nessa final, sem a sua grande estrela, o Mali haveria de perder por 3-2, privando o país e a sua pérola negra de um grande título internacional…

Read Full Post »

Marvin Martin é um talento do futebol gaulês

Na Liga Francesa, no atraente Sochaux, actua um médio criativo de grande talento e qualidade individual que poderá estar a um passo da selecção gaulesa: Marvin Martin.

Nascido a 10 de Janeiro de 1988 em Paris, Marvin Martin iniciou a sua carreira futebolística em 1994 no Paris-Charenton, tendo passado depois pelo Mountrouge, antes de estabilizar no Sochaux, clube que representa desde 2002.

No Sochaux, estreou-se na equipa principal a 30 de Agosto de 2008, num confronto com o Marselha, em que “Les Lionceaux” perderam por 1-2, tendo se estabilizado como importante jogador do Sochaux desde esse momento.

De facto, desde a temporada 2008/09, Marvin Martin já efectuou 83 jogos (6 golos), sendo claramente um dos atletas mais importantes do Sochaux e caminhando a passos largos para obter uma oportunidade ao serviço da selecção francesa.

Criatividade e alegria no jogo

Marvin Martin é daqueles jogadores que se divertem realmente a jogar, actuando sempre com um sorriso e com um enorme prazer em fazer parte do jogo. Médio criativo puro, sabe pautar o jogo como ninguém, acelerando e reduzindo a velocidade do mesmo com enorme mestria e inteligência.

Tecnicamente evoluído, é o jogador ideal para actuar no vértice mais avançado do meio-campo num 4-4-2 losango ou 4-3-3, sendo que a possibilidade de actuar como “box to box” também possa ser colocada, pois é um jogador com elevada resistência e pulmão.

Com apenas 23 anos, e internacional sub-21 por França, ainda é um talento ao alcance das bolsas dos nossos principais clubes.

Read Full Post »


Wass pode chegar a custo zero

Já dizem os populares que “Ano novo, vida nova”. E a direcção do Benfica parece que quis ouvir o povo e com o novo ano veio também uma nova política de contratações para o futebol profissional.

Depois de alguns anos a apostar em jogadores reconhecidos internacionalmente e caros, como Saviola e Aimar, e em jovens promessas, mas com passes valorizados em mais de 5 milhões de Euros, como Jara, Di Maria, Roberto, entre outros, parece que o Benfica mudou de política.

Neste mercado de Inverno vemos uma mudança mesmo analisando os pequenos ajustes feitos no plantel. As únicas contratações de Inverno foram o José Luiz Fernandez, médio-esquerdo vindo do Racing de Avellaneda, que custou cerca de 2 milhões de Euros (barato comparando com Jaras, entre outros) e Jardel, defesa-central ex-Olhanense, que custou quase 400 mil.

Mas o início do ano fica também marcado pela preparação da época 2011/2012, que está a ser pensada de forma completamente diferente do que fazia num passado recente.

Para a próxima época fala-se de muitas contratações (até demais). Fala-se do Nuno Coelho da Académica de Coimbra, Nolito do Barcelona B, Rodrigo Mora do Defensor Sporting, Carole do Nantes, Wendt do Copenhaga, Taiwo do Marselha, entre muitos outros.

Nestas contratações e possíveis contratações vemos algumas grandes diferenças em relação à política de contratações dos últimos anos: são jogadores jovens, em fim de contrato (estratégia muito utilizada pelo Sporting de Braga) e alvos apetecíveis a nível financeiro (apesar de jogadores como Nolito ou Taiwo exigirem grandes prémios de assinatura).

Outro sinal positivo é que o Benfica voltou a apostar timidamente no mercado português (Jardel e Nuno Coelho) e nas camadas jovens (Luís Filipe Vieira falou da hipótese de termos 4 a 5 jogadores formados no clube no plantel principal na próxima época).

Analisando então esta mudança repentina de política, penso que esta justifica-se por 2 motivos:

•  a direcção do Benfica percebeu que a situação económica que atravessa o futebol coloca novos desafios e os clubes portugueses só podem cometer loucuras se venderem muito ou se fizerem boas campanhas na Champions League (e a do Benfica foi péssima);
• a UEFA começa a apertar o cerco e “vai” implementar o fair-play financeiro a partir da época 2013/2014: vai proibir clubes que tenham dívidas de participar nas competições europeias.

Sejam quais forem os motivos, considero esta notícia bastante positiva para o Benfica, desde que o trabalho de prospecção seja feito com qualidade. Acredito que com um bom trabalho de prospecção é possível formar uma equipa forte, com capacidade para lutar pelo título nacional e fazer boa figura nas competições europeias sem gastar muito dinheiro.

Read Full Post »

Koke é o capitão e principal figura do Aris

Chegou a Alvalade a meio da temporada 2005/06 com o objectivo de ser uma opção importante para o ataque leonino. Oriundo do Marselha, onde até tinha sido utilizado com alguma regularidade, o avançado espanhol tinha algum cartel e deu alguma esperança aos adeptos verde-e-brancos que acreditavam que podia estar ali um verdadeiro reforço. Contudo, apesar de ter mostrado alguns pormenores, o dianteiro nascido na Andaluzia não convenceu os leões a manterem-no para a época seguinte e, dessa forma, o ponta de lança espanhol partiu de Lisboa quase tão rápido como chegou.

Um produto das escolas do Málaga

Sérgio Contreras Pardo “Koke” nasceu a 27 de Abril de 1983 em Málaga e fez todo o seu percurso como jogador juvenil nas categorias de base do clube da sua cidade local, o Málaga CF.

Em 2002/03, o avançado espanhol foi integrado na equipa B do Málaga, ainda que, esporadicamente, já jogasse pela equipa principal dos andaluzes, terminando a temporada com 25 jogos (3 golos) efectuados pela equipa secundária e seis jogos (um golo) pela equipa A do Málaga.

Contratado pelo Marselha acabou emprestado ao Sporting

Na temporada seguinte, o ponta de lança andaluz encontrava-se na equipa B do Málaga, quando, a meio da temporada e de forma inesperada, foi contratado pelos franceses do Marselha. No clube francês, foi utilizado com alguma regularidade durante dois anos, com destaque para a única temporada que completou no Marselha (2004/05) em que fez cinco golos em vinte e quatro partidas, formando um ataque marcado pela grande velocidade com Luyindula e Marlet.

Ainda assim, a meio de 2005/06, já com Niang e Maoulida no plantel, Koke perdeu espaço na equipa francesa e, como tal, acabou emprestado ao Sporting, onde se estreou da melhor maneira, com um golo diante do Paredes (2-1) num encontro a contar para os oitavos de final da Taça de Portugal.

Apesar da estreia promissora, o avançado espanhol apenas marcou mais dois golos pelo Sporting e curiosamente no mesmo jogo (diante do Gil Vicente (2-0) para o campeonato), terminando a época de 2005/06 sem honra nem glória com sete jogos e três golos.

Um ídolo do Aris desde 2006/07

Regressado a França, mas sem espaço no Marselha, Koke transferiu-se no início de 2006/07 e de forma definitiva para o Aris Salónica, clube que representa até hoje.

No Aris, o irrequieto atacante rapidamente se assumiu como uma peça fulcral do processo ofensivo da equipa helénica, marcando golos e fazendo imensas assistências e ganhando muito carinho dos fanáticos e exigentes adeptos do clube de Salónica.

Capitão do Aris desde 2009/10, Koke tem sido quase sempre titular e já leva quase quarenta tentos pelo clube grego, mostrando que o seu futebol de mobilidade e raça encontrou, em terras helénicas, o seu habitat natural.

Read Full Post »

Giresse com a camisola francesa

Durante 16 anos, foi um dos símbolos do Bordéus onde era um ídolo e jogava como um verdadeiro número dez. Baixote (1,63), dizia-se que esse factor, ao correr, causava a ilusão de que o esférico fazia parte do seu corpo, mas apesar de ser muito talentoso com a bola nos pés, jogou sempre em prol do colectivo, procurando sempre servir a equipa com critério e qualidade. Infelizmente, o final do seu percurso desportivo, no Olympique de Marselha, não foi tão brilhante como a longa passagem pelo Bordéus, todavia, a lenda de Giresse manteve-se até aos dias de hoje.

Alain Giresse nasceu a 2 de Agosto de 1952 em Langoiran e iniciou a sua carreira de futebolista profissional em 1970 no Bordéus. Durante dezasseis anos, o “dez” foi titularíssimo nos “girondinos”, alcançando os impressionantes números de 519 jogos e 168 golos por esse clube francês.

Jogador de grande talento, era o principal pólo de criatividade do Bordéus, que muito ganhava com o seu futebol fantasista e com a sua capacidade finalizadora.

Apesar do enorme sucesso individual, o sucesso colectivo não foi imediato, pois o primeiro título pelo Bordéus apenas surgiu em 1983/84, quando se sagrou campeão francês. Ainda assim, o internacional gaulês, nos dois anos seguintes, ainda conseguiu ganhar outro campeonato (1984/85) e uma Taça de França (1985/86), recuperando, assim, algum do tempo perdido.

No defeso de 1986, transferiu-se para o Marselha, onde foi opção regular durante dois anos, mas mostrou-se um pouco longe da sua melhor forma. Os adeptos do Bordéus, que o tratavam por Gigi, nunca compreenderam a decisão do criativo gaulês de terminar a carreira no Olympique.

Em termos de selecção francesa, Giresse cumpriu 47 internacionalizações (6 golos) e esteve presente nos campeonatos do Mundo de 1982 e 1986, assim como no Europeu de 1984, onde se sagrou campeão da Europa.

Uma carreira longa, intensa e cheia de bom futebol, à qual apenas faltaram mais alguns títulos para que mais pessoas se lembrassem do enorme talento de Alain Giresse.

Read Full Post »

Depois de ter regressado à Ligue 1 em 2000, após um duro percurso de três temporadas no segundo escalão do futebol francês, o Lille tem conseguido cimentar-se como um dos bons clubes franceses da actualidade, conseguindo ficar seis vezes do quinto lugar para cima e participando por três vezes na Liga dos Campeões. Apesar da retoma, o Lille continua longe dos tempos de glória vividos nas décadas de 40 e 50, quando a equipa do norte de França conquistou 2 campeonatos e cinco taças de França, sendo, neste momento, uma equipa de qualidade, mas que se mantém abaixo de gigantes gauleses como o Marselha, Bordéus ou Lyon.

Quem é o Lille

O Lille foi fundado em 1944, resultado da fusão entre o SC Fives e Olympique Lillois, tendo sucesso imediato, pois, na primeira vez que participou no campeonato francês de futebol (1945/46), sagrou-se campeão nacional. Nesse mesmo ano, conquistou, igualmente, a Taça de França e iniciou um percurso que, durante cerca de dez anos, transformou o Lille num dos maiores clubes gauleses, pois, entre 1946 e 1954, a equipa do norte de França conquistou 2 campeonatos (46 e 54) e cinco taças de França (46, 47, 48, 53 e 54).

No entanto, se o sucesso surgiu rapidamente, o declínio também não se fez esperar, com a equipa, após o último título nacional, a entrar num rápido declínio que teve como ponto mais negro a descida à terceira divisão e, em 1969, o abandono do estatuto de clube profissional.

Em 1970, a equipa regressou à segunda divisão e recuperou o estatuto de clube profissional, mas, apesar das melhorias financeiras, a equipa manteve-se com resultados modestos, transformando-se, primeiro, num clube que mais parecia um elevador entre a primeira e segunda divisão e, posteriormente, num clube estável no primeiro escalão, mas que apenas somava classificações modestas.

Posteriormente, em 1997, a equipa voltou a descer à Ligue 2, permanecendo lá por três temporadas, contudo, em 2000, quando o Lille regressou ao primeiro escalão, conseguiu cimentar-se e atingir boas classificações, terminando a maior parte dos campeonatos do quinto lugar para cima. Na década de 2000, o Lille também foi capaz de se estrear na Liga dos Campeões, participando por três vezes na mais importante prova de clubes da UEFA.

O ano passado, o Lille terminou o campeonato francês na quarta posição e qualificou-se para a fase de grupos da Liga Europa após afastar os romenos do Vaslui (0-0 e 2-0).

Como joga

O Lille costuma actuar num 4-3-3 de perfil ofensivo, que explora a grande velocidade das suas duas grandes estrelas: os extremos Gervinho e Eden Hazard.

Apesar de ser muito perigosa no ataque, a equipa gaulesa também é bastante segura na defesa, onde conta com o guarda-redes internacional francês Landreau e dois centrais muito altos e fortes: Rozehnal e Rami. No meio-campo, o Lille conta com três jogadores que garantem grande solidez táctica que são o trinco Mavuba e dois box to box de grande qualidade e disciplina táctica: Balmont e Cabaye.

Assim sendo, graças a grande segurança que a defesa e o meio-campo asseguram, o Lille garante enorme liberdade aos dois extremos (Gervinho e Hazard), dois jogadores de enorme talento, sendo que o belga é um ala de perfil mais puro, que procura a linha e os lances de um contra um e o marfinense, ao invés, é um jogador que gosta de forçar as diagonais para o centro, de forma a encontrar espaço para o remate ou para a combinação com o perigoso e móvel goleador francês: Pierre-Alain Frau.

Em príncipio, esta será a equipa que o Lille irá apresentar, hoje, para o duelo com os verde e brancos:

Gervinho é um avançado perigoso

Quem é que os leões devem ter debaixo de olho – Gervinho

O polivalente avançado de 23 anos é, claramente, um dos grandes destaques deste Lille, sendo um jogador que alia a velocidade à criatividade para colocar em sentido as defesas contrárias.

Criado nas escolas de dois clubes do seu país (Mimosas e Tomoudi), Gervinho entrou na Europa, em 2004, pela porta do Beveren, onde se destacou pela sua velocidade e imprevisibilidade. Após 61 jogos e 13 golos pelo clube belga, o internacional marfinense mudou-se, em 2007, para o Le Mans da liga francesa, onde, durante duas temporadas, assumiu-se como um avançado versátil e de grande intensidade competitiva.

Desde 2009, encontra-se no Lille, onde tem refinado todas as suas qualidades e variado entre a posição de extremo ou de segundo avançado. No clube do norte de França, Gervinho efectuou 32 jogos e marcou 13 golos, o que dá uma média muito interessante de quase um golo a cada dois jogos. No entanto, o internacional marfinense não se resume, simplesmente, aos golos que marca, sendo também um excelente jogador de equipa que sabe criar espaços e combina muito bem com o ponta de lança.

Em suma, trata-se de um jogador de grande qualidade que terá de merecer a máxima atenção da equipa técnica leonina.

As hipóteses leoninas

Em termos de plantel, pensamos que Sporting e Lille têm equipas muito semelhantes em termos de qualidade individual e colectiva.

Assim sendo, serão, por certo, dois duelos muito equilibrados e que vão exigir enorme concentração por parte das duas equipas intervenientes. Depois, a equipa que conseguir ter maior sangue frio e frieza competitiva irá, por certo, conseguir os melhores resultados e, aí, esperamos que a equipa mais concentrada seja o Sporting Clube de Portugal.

Read Full Post »

A célebre mão de Vata

O Benfica havia perdido, em Marselha, por 2-1 na primeira mão da meia final da Taça dos Campeões (89/90) e, assim, tudo estava em aberto para a segunda mão a disputar em Lisboa. Num Estádio da Luz com 120000 espectadores, com aqueles ambientes que, dizia-se, faziam qualquer adversário encolher-se, o Benfica, ainda assim, via o tempo passar sem surgir o golo que lhes garantiria o apuramento para a final de Viena. Do outro lado, a equipa gaulesa havia chegado pleno de confiança, com o seu presidente Bernard Tapie a afirmar que, caso fosse eliminado, até lhe podiam chamar “Bernardette”. Pois bem, tudo correu bem a Tapie até ao minuto 83, quando, após um canto de Valdo, Vata, no centro da área e na ânsia de marcar o golo, meteu à bola o que estava mais à mão e, com a mão direita, fez o 1-0. Esse tento, além de colocar os encarnados na final europeia, eternizou-o como uma das figuras mais míticas de sempre do Sport Lisboa e Benfica. 

Vata iniciou a sua carreira no Progresso Sambizanga em 1980, quando tinha apenas 19 anos, permanecendo no clube angolano por três temporadas, destacando-se o suficiente para, em 1983, assinar contracto com o Recreio de Águeda, recém-promovido à primeira divisão portuguesa. 

Na estreia na primeira divisão, o internacional angolano jogou pouco e foi incapaz de evitar a descida do Águeda. Ainda assim, no final da época, os responsáveis do Varzim entenderam que o seu talento merecia permanecer na primeira divisão e, como tal, Vata foi adquirido pelo clube da Póvoa. 

No Varzim, Vata destacou-se durante quatro temporadas e tornou-se num dos jogadores mais importantes do clube poveiro. Essas exibições, chamaram a atenção do Benfica que o contratou para a época 88/89, convencido que o angolano podia ter um grande impacto na sua equipa. 

Três épocas durou a estadia de Vata no Benfica. Uma estadia que lhe rendeu 2 campeonatos portugueses, 1 final da Taça dos Campeões e um título de melhor marcador (logo na primeira época, com 16 golos), além de lhe ter garantido o estatuto de lenda após o célebre golo, marcado com a mão, que valeu ao Benfica a presença na final da Taça dos Campeões de 1990. 

Trabalhador, raçudo e com algum faro de golo, Vata não era um portento de técnica, mas era um daqueles avançados que, mesmo quando se atrapalhava, era complicado de marcar. Um jogador útil e que provava que, muitas vezes, não é preciso ser-se um génio da bola para se ser importante, mesmo num clube de topo. 

Após sair do Benfica, Vata passou, sem sucesso, por E. Amadora e Torreense, seguindo depois para Malta, onde teve relativo sucesso nos poucos meses que passou no Floriana. 

De Malta seguiu para a Indonésia, onde voltou a encontrar-se com o sucesso e, mesmo numa idade avançada, (jogou até aos 38 anos) fez imensos golos pelo Gelora Dewata, onde até foi o melhor marcador do campeonato indonésio em 1995/96. 

Após retirar-se em 1999, Vata treinou várias equipas da Indonésia e, neste momento, tem um projecto nesse mesmo país chamado: Bali Beach Soccer (um projecto de futebol de praia na Ilha de Bali), tendo outro na Austrália, onde treina jogadores das camadas jovens. 

Ainda hoje, o internacional angolano continua na dúvida se marcou ou não com a mão… “Eu digo que não marquei com a mão, mas o lance foi tão rápido, estava tanto vento, que é melhor ficar o ponto de interrogação.” Revejam esse mítico lance no vídeo abaixo e tirem todas as dúvidas. 

Read Full Post »

A Nigéria apresentou-se ao mundo do futebol no campeonato do mundo de 1994, disputado nos Estados Unidos. As super-águias tinham, então, uma selecção fantástica com Finidi, Amunike e Okocha e atingiram os oitavos de final, sendo apenas eliminadas, no prolongamento, diante da Itália. Quatro anos depois, com uma selecção mais madura, voltaram a cair nos oitavos de final, mas, dessa vez, com estrondo, pois perderam com a Dinamarca (1-4). A partir daqui, as super-águias entraram em declínio e, se em 2002 não passaram da 1ª fase, em 2006 nem sequer se apuraram para o Mundial. Assim sendo, de regresso ao campeonato do mundo, resta saber se a Nigéria regressa aos tempos de glória ou se, ao invés, prova que a geração de 1994/98 foi um fogacho sem continuidade. Jogadores como Martins, Odemwingie e Utaka irão dar a resposta nos relvados sul-africanos.

A Qualificação

Sendo surpreendida por Angola na qualificação para o Mundial 2006, os nigerianos, querendo prever outro dissabor do género, encararam todos os seus adversários na zona africana de qualificação com respeito. A prova disso é que, ao longo de duas fases de apuramento, conseguiram nove vitórias e três empates.

A primeira fase foi a mais impressionante, pois os nigerianos venceram todos os jogos de um grupo onde estavam África do Sul, Serra Leoa e Guiné Equatorial, terminando com mais onze pontos! que o segundo classificado.

Por outro lado, a segunda fase foi mais equilibrada, ainda assim, mesmo empatando os dois desafios com o grande rival do grupo (Tunísia) e empatando em Moçambique, as super-águias venceram o agrupamento com um ponto de avanço sobre os magrebinos.

Assim, sem qualquer derrota, os nigerianos qualificaram-se para o Mundial 2010.

2ª Fase: Grupo 4 – Classificação

  1. Nigéria 18 pts
  2. África do Sul 7 pts
  3. Serra Leoa 7 pts
  4. Guiné Equatorial 3 pts

3ª Fase: Grupo B – Classificação

  1. Nigéria 12 pts
  2. Tunísia 11 pts
  3. Moçambique 7 pts
  4. Quénia 3 pts

O que vale a selecção nigeriana?

A equipa nigeriana tem um conjunto com qualidade e com alguns bons valores individuais, todavia, globalmente, estão longe da qualidade das selecções de 94 e 98.

No baliza, têm um excelente guarda-redes: Enyeama. Um jogador com reflexos fantásticos e extremamente seguro que brilha nos relvados israelitas.

A defesa conta com um lateral mais ofensivo (Odiah) e um lateral mais defensivo (Taiwo), sendo que a dupla de centrais (Shittu e Yobo) é forte, mas, principalmente Joseph Yobo, é muito fraco quando apanha avançados rápidos pela frente. Na generalidade, é uma defesa que terá muitas dificuldades perante adversários matreiros e/ou com avançados de grande técnica individual.

Depois, no miolo, têm dois médios defensivos, muito fortes e que permitem aos avançados terem mais liberdade ofensiva: Etuhu e Kaita, ficando, posteriormente, Obi Mikel como médio mais ofensivo. Porém, o jogador do Chelsea, box to box por natureza, acaba por ser uma adaptação do seleccionador para o facto da Nigéria, neste momento, não ter nenhum 10 de eleição.

Por fim, no ataque, os nigerianos têm o seu ponto mais forte, pois têm um enorme leque de opções, tanto nas alas: Uche, Martins, Ogbuke e Odemwingie, como no centro: Yakubu, Utaka e Kanu. No entanto, o seleccionador deverá optar por Obasi Ogbuke na esquerda e Odemwingie na direita, ficando, no centro: Yakubu.

Integrados no Grupo B, com Argentina, Grécia e Coreia do Sul, as super-águias têm equipa para disputar o segundo lugar com asiáticos e europeus, tendo, inclusivamente, melhores individualidades que estes adversários. Todavia, a sua habitual indisciplina táctica e alguma fragilidade defensiva poderá ser fatal, nomeadamente no desafio com os helénicos.

O Onze Base

Os nigerianos deverão actuar num esquema de 4-2-1-3 com um duplo-pivot muito defensivo, dois extremos bem abertos e um ponta de lança muito forte fisicamente.

Na baliza, Enyeama (Hapoel Telavive) é indiscutível, ficando, depois, o quarteto defensivo entregue a Taiwo (Marselha), à esquerda, Odiah (CSKA Moscovo), à direita, e à dupla de centrais: Yobo (Everton) e Shittu (Bolton); No meio campo, Etuhu (Fulham) e Kaita (Alania) serão os trincos, enquanto Obi Mikel (Chelsea) será o médio ofensivo;  Por fim, no ataque, Obasi Ogbuke (Hoffenheim) deverá ser o extremo esquerdo, Odemwingie (Lokomotiv Moscovo) o extremo direito e Yakubu (Everton) deverá jogar no centro.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Em termos de qualidade pura, seria a principal candidata ao segundo lugar do grupo B. Ainda assim, terá de corrigir alguma indisciplina táctica e tentar disfarçar algumas deficiências do seus centrais, pois, caso contrário, poderá ser surpreendida, nomeadamente pela matreira selecção grega.

 Calendário – Grupo B (Mundial 2010)

  •  12 de Junho – Nigéria vs Argentina
  •  17 de Junho – Nigéria vs Grécia
  •  23 de Junho – Nigéria vs Coreia do Sul

Read Full Post »

Older Posts »