Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Metz’

Cisowski brilhou no RC Paris

Um dos grandes goleadores de sempre do futebol gaulês foi um ponta de lança de origem polaca que se assumiu como grande matador ao serviço de clubes como o Metz e Racing Club de Paris: Thadée Cisowski. Três vezes melhor marcador da primeira divisão francesa e uma vez melhor marcador do segundo escalão, Cisowski era um goleador nato, que se movimentava muito bem entre os defesas e que se assumia como um verdadeiro oportunista na hora de atirar à baliza. Depois de se naturalizar francês, o Mundial 1958 podia ter sido o bonito palco da sua consagração internacional, todavia, as lesões já tinham deixado uma fatal marca no avançado-centro…

Destacou-se no Metz e explodiu no Racing Club de Paris

Thadée Cisowski nasceu a 16 de Fevereiro de 1927 em Lazki, Polónia, mas viajou para a França em 1947 para representar o Metz. Nesse clube, o atacante assumiu-se como grande goleador, marcando 69 golos em 119 jogos e tendo se consagrado melhor marcador da segunda divisão francesa em 1951 com 23 tentos.

Em 1952, transferiu-se para o Racing Club de Paris, clube que pagou a verba recorde de 13 milhões de francos para contar o seu concurso. Perante as pressão dos números envolvidos, Cisowski não tremeu, marcando 186 golos em 206 jogos pelo clube da capital francesa. No período em que representou o Racing (1952-1960), o avançado-centro foi três vezes melhor marcador do campeonato francês, mas nunca conquistou qualquer título colectivo de realce.

Lesões apressaram o final da carreira

Quando se transferiu para o Valenciennes em 1960, a carreira de Cisowski já estava em declínio devido às inúmeras lesões, tendo o atleta naturalizado francês falhado o Mundial 1958 devido a essa mesma situação.

Ainda assim, tanto no Valenciennes na época de 1960/61 (28 jogos, 9 golos), como no Nantes na temporada seguinte (19 jogos, 8 golos), o ponta de lança de origem polaca efectuou épocas dignas, terminando assim a sua carreira sem espectacular fulgor, mas com o respeito que o seu passado futebolístico exigia.

Anúncios

Read Full Post »

Frechaut com a camisola das quinas

Presente no histórico e inédito título boavisteiro e peça importante na ascensão do Sporting de Braga no espectro futebolístico português, Frechaut chegou mesmo a representar a selecção nacional por dezassete vezes, tendo estado presente no Mundial 2002 e nos Jogos Olímpicos 2004, duas provas de má memória para a equipa das quinas. Defesa-direito ou médio-defensivo, Frechaut era um jogador rápido e raçudo mas também mostrava excelente posicionamento e uma técnica apreciável, cotando-se como uma mais valia significativa para qualquer clube que representou.

Campeão no Bessa é um produto das escolas sadinas

Nuno Miguel Frechaut Barreto nasceu a 24 de Setembro de 1977 em Lisboa, tendo iniciado a sua carreira futebolística no V. Setúbal, clube pelo qual se estreou profissionalmente em 1996/97. No Vitória, Frechaut havia de permanecer até 1999/00, tendo efectuado 76 jogos e dois golos pelo clube sadino.

Em 2000/01, transferiu-se para o Boavista, clube onde se sagrou campeão nacional logo na primeira temporada. Nos axadrezados, havia de se manter até 2004/05, tendo passado no Porto os melhores momentos da sua carreira desportiva, pois, além de campeão nacional, foi também no Bessa que iria garantir o direito a chegar à selecção nacional.

Peça importante na ascensão bracarense 

Em 2005, trocou o Boavista pelo Dínamo Moscovo, mas não foi muito feliz na experiência russa, tendo regressado a Portugal a meio de 2005/06 para representar o Sp. Braga.

Nos arsenalistas, impôs se rapidamente, tendo-se assumido como peça regular do onze bracarense durante a segunda metade dessa época e nas três temporadas seguintes. Ao todo, fez 76 jogos (4 golos) pelo Sp. Braga.

Já no decorrer da temporada 2009/10, Frechaut trocou a equipa minhota pelos franceses do Metz, clube da Ligue II que representou nas últimas duas temporadas, mas sem se conseguir assumir como titular absoluto.

No último dia de mercado do defeso de Verão, Frechaut, então com 33 anos, transferiu-se sem custos para a Naval, clube que tem representado com dignidade, mas onde demonstra estar bastante longe dos seus tempos áureos.

Read Full Post »

Mario Mutsch é um jogador raçudo

No Metz da Ligue II (segundo escalão do futebol francês) actua um trinco/lateral-direito luxemburguês de grande raça e inteligência posicional: Mario Mutsch.

Apesar de ter nascido a 3 de Setembro de 1984 em St. Vith, Bélgica, o médio defensivo optou pela nacionalidade luxemburguesa pelo facto do seu pai ter nascido naquele país. Apesar disso, a sua carreira nunca passou pelo Luxemburgo, dado que Mario Mutsch iniciou-se no futebol juvenil em modestas equipas belgas como o RFC St. Vith e o Olympique Recht, tendo depois actuado profissionalmente noutros dois clubes da Bélgica: entre 2002 e 2005 no modestíssimo Spa, onde efectuou 78 jogos (12 golos); e em 2005/06 no não menos modesto Union La Calamine, onde realizou 27 jogos.

Passagem pela Alemanha e Suíça, antes de chegar ao Metz

Em 2006/2007, Mario Mutsch abandonou o futebol belga e transferiu-se para o Alemannia Achen, onde, ainda assim, apenas conseguiu actuar pela equipa secundária. Assim sendo, na temporada seguinte, o internacional luxemburguês mudou de clube e de país, transferindo-se para a Suíça e para o Aarau, onde, em duas épocas, efectuou 56 jogos (3 golos).

As boas exibições ao serviço do clube da primeira divisão helvética valeram-lhe, em 2009/10, nova mudança de campeonato, tendo Mario Mutsch se transferido para a Ligue II e para o Metz. No histórico clube francês, agora no escalão secundário, o internacional luxemburguês assumiu-se como um dos principais elementos do Metz, somando 57 jogos (1 golo) e já tendo assegurado uma transferência para o FC Sion para a temporada 2011/12.

A trinco ou lateral revela sempre as mesmas qualidades

Mario Mutsch é um internacional luxemburguês (33 jogos, 1 golo) que não se destaca por ser um portento de técnica, mas por revelar uma enorme raça e generosidade na forma como se exibe dentro das quatro linhas.

Rápido e com um excelente sentido posicional, é um jogador de perfil defensivo, funcionando na perfeição na posição “seis”. Polivalente, também pode ser deslocado para o lado direito da defesa, onde se revela um atleta extremamente competente como lateral, garantindo grande segurança defensiva.

Neste momento, com 26 anos, é um elemento que ainda daria muito jeito a um clube de perfil médio/médio-baixo do principal escalão do futebol português.

Read Full Post »