Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Mundial 1970’

Sandro Mazzola no Inter

O seu pai, Valentino Mazzola, foi um dos melhores jogadores italianos de sempre, acabando por falecer precocemente, no desastre de avião de Superga, quando vinha de Portugal, onde havia participado na homenagem a um jogador do Benfica: Francisco Ferreira. Mas, se o pai foi grande, o filho não foi inferior, tornando-se num dos grandes símbolos do Inter de Milão e da “squadra azzurra”. Interior-direito de grande qualidade técnica e capacidade finalizadora, foi, durante toda a sua carreira, jogador de uma equipa só, sinal de uns tempos que, infelizmente, já lá vão.

Alessandro (Sandro) Mazzola nasceu a 8 de Novembro de 1942 em Turim e, durante a sua carreira desportiva de dezassete anos (1960-77), só conheceu um clube, o Inter de Milão.

Nesse longo percurso, Sandro Mazzola fez 417 jogos e marcou 116 golos, demonstrando ser um interior-direito muito criativo, com grande controlo de bola, superior visão de jogo e uma fantástica capacidade finalizadora.

Participando numa equipa que, na altura, foi baptizada de “La Grande Inter”, conquistou quatro campeonatos da Série A (1963, 65, 66 e 71), duas taças dos campeões (1964 e 65) e duas taças intercontinentais (1964 e 65).

E, em termos de taças dos campeões, além dos títulos de 1964 (venceu na final o Real Madrid por 3-1) e de 1965 (venceu o Benfica por 1-0), podia ter conquistado a terceira taça em 1967, mas, no Estádio Nacional em Lisboa, acabou derrotado pelo Celtic Glasgow (1-2).

Além de ter brilhado e conquistado muitos títulos nos “nerazzurri”, Sandro Mazzola também construiu uma carreira de sucesso ao serviço da selecção italiana, tendo realizado 70 jogos (22 golos) pela “squadra azzurra” e conquistado o título de campeão da Europa em 1968. Participando em três campeonatos do Mundo (1966, 70 e 74), Mazzola alcançou mesmo a final em 1970, todavia, acabou derrotado pelo super-Brasil de Pelé e companhia (1-4).

Uma carreira longa e recheada de títulos em que Sandro Mazzola conseguiu, por direito próprio, deixar de ser apenas o filho de Valentino para ser, ele próprio, um símbolo do futebol italiano.

Read Full Post »


Monumento à “Guerra do Futebol” nas Honduras

Estávamos em Junho de 1969 e El Salvador e as Honduras disputavam uma eliminatória de tudo ou nada na zona de apuramento da CONCACAF para o México 1970. As Honduras venceram o primeiro jogo (1-0), enquanto os salvadorenhos venceram o segundo (3-0) e o desempate (1-0) na cidade do México. Durante todos os encontros, houve confrontos graves, principalmente na partida em El Salvador, confrontos que derivavam de problemas já antigos que geraram perseguições, expulsões e, imagine-se, uma guerra, que ficaria conhecida para sempre como: “A Guerra do Futebol”.

Com o México automaticamente apurado como país organizador do Mundial 1970, abria-se uma vaga para uma selecção de segunda linha da CONCACAF.  Honduras, El Salvador, Haiti e EUA superaram a primeira fase e apuraram-se para as meias finais que designou os seguintes jogos: EUA vs Haiti e El Salvador vs Guatemala.

Naquela altura, El Salvador e as Honduras tinham bastantes e graves problemas sociais e etnicos, pois os salvadorenhos, apesar de terem o dobro da população das Honduras, tinham um país cinco vezes mais pequeno que os hondurenhos e, assim, criaram uma grande vaga de emigração para as Honduras em busca de terrenos agícolas onde pudessem trabalhar.

Nessa época, os terrenos agrícolas hondurenhos eram, na sua quase totalidade, controlados por grandes latifundiários e por grandes empresas internacionais. Cansados dessa situação, os hondurenhos fizeram uma reforma agríciola que protegia o agricultor local e começou a desapropriar os salvadorenhos que trabalhavam nas Honduras. Essa situação tornou-se mais fácil, pois a maior parte dos emigrantes de El Salvador estavam nas Honduras de forma ilegal e a trabalharem terrenos que não lhes pertenciam.

Esta situação era muito delicada e, na verdade, apenas precisava de um rastilho para despoletar algo de muito grave. Um jogo de futebol, ainda para mais de apuramento para um Mundial, tornava-se a desculpa perfeita.

A primeira partida, disputada nas Honduras, foi vencida pela equipa local (1-0) e, a segunda, jogada em El Salvador, foi vencida pelos salvadorenhos (3-0). Em ambos os jogos, houve confrontos graves entre pessoas das duas nacionalidades, além de perseguições de hondurenhos em El Salvador e, principalmente, de salvadorenhos nas Honduras.

O desempate (na altura o que contavam eram as vitórias e não as margens de golo das mesmas) disputou-se no México e foi ganho por El Salvador (1-0), que assim iria avançar para jogar a final com o Haiti, mas, naquela altura, pouco interessou, pois todos já esperavam algo de muito grave.

A prova de que esse medo tinha razão de ser foi uma guerra, que se iniciou no mês seguinte aos jogos de apuramento, ou seja em Julho (dia 14 para sermos mais exactos). Os salvadorenhos invadiram e controlaram territorio hondurenho, até que, no dia 20 de Julho, foi decretado o cessar fogo, ainda que os militares de El Salvador só tenham começado a abandonar as Honduras nos primeiros dias de Agosto. Morreram 3000 (900 salvadorenhos e 2100 hondurenhos) no decurso da “Guerra do Futebol”.

Em Setembro, a selecção de El Salvador disputou mesmo a eliminatória com o Haiti e venceu-a (2-1, 0-3 e 1-0), apurando-se para um Mundial de má memória, pelos jogos de apuramento terem ajudado a gerar a “Guerra do Futebol” e, também, porque, no Mundial própriamente dito, os salvadorenhos foram eliminados logo na primeira fase devido às derrotas com Bélgica (0-3), México (0-4) e União Soviética (0-2).

Read Full Post »

A Itália dispensa apresentações. Campeã do mundo por quatro ocasiões (1934, 38, 82 e 2006) e vice campeã por duas vezes (1970 e 1994), a selecção azzurra é sempre uma equipa a ter em conta. Com a habitual e quase sempre perfeita mistura entre experiência (Cannavaro, Pirlo, Camoranesi…) e jovens talentos (Marchisio, Criscito, Chiellini…), a equipa transalpina não teve dificuldades em apurar-se para o Mundial sul-africano e também não deverá ter problemas em conquistar o primeiro lugar no Grupo F. Se tudo correr pelo normal, com adversários como a Eslováquia, o Paraguai e a Nova Zelândia, o verdadeiro mundial dos italianos apenas começará nos oitavos de final.

A Qualificação

O apuramento dos italianos para o campeonato do mundo foi um autêntico passeio. Integrados no Grupo 8, com República da Irlanda, Bulgária, Chipre, Montenegro e Geórgia, os azzurri garantiram o primeiro lugar com sete vitórias e três empates, ou seja sem concederem qualquer derrota.

No entanto, há que destacar o facto dos italianos terem sido incapazes de surpreender a Irlanda de… Trapattoni, pois empataram em casa (1-1) e fora (2-2).

Ainda assim, o facto de terem terminado o agrupamento com seis pontos de avanço sobre os irlandeses (2º) é a prova cabal da superioridade italiana neste grupo da zona europeia de qualificação.

Grupo 8 – Classificação

  1. Itália 24 pts
  2. República da Irlanda 18 pts
  3. Bulgária 14 pts
  4. Chipre 9 pts
  5. Montenegro 9 pts
  6. Geórgia 3 pts

O que vale a selecção italiana?

A selecção italiana apresenta, neste campeonato do mundo, os seus habituais pontos fortes. Experiência, organização, talento e, acima de tudo, a sua habitual eficácia e frieza no momento da verdade.

A baliza transalpina será entregue aquele que, provavelmente, é o melhor guarda-redes do Mundo: Buffon. Trata-se de um jogador experiente, elástico e que é uma voz de comando para toda a defesa.

No sector recuado, a squadra azzurra deverá apresentar um quarteto com dois centrais: Cannavaro-Chiellini, sendo que o experiente Fabio Cannavaro será o patrão do centro da defesa, um jogador forte no um contra um e imbatível pelo chão, enquanto Chiellini será um central mais posicional, mais de choque e importante na segurança aérea do último reduto italiano. Por outro lado, nas alas, os azzurri deverão apresentar Criscito (à esquerda) e Zambrotta (à direita). Neste esquema, o atleta do Milan deverá ser um lateral que fará todo o corredor, enquanto Criscito será um verdadeiro defesa-esquerdo, mais defensivo e com a obrigação de encostar aos centrais sempre que necessário.

No meio campo, a Itália deverá apresentar o duplo-pivot: Marchisio-De Rossi. Tratam-se de dois elementos de enorme pulmão e com condições tanto para assegurar a segurança defensiva como a construção ofensiva. Depois, à frente deles, deverá actuar Pirlo. Mais que um médio ofensivo puro, Pirlo aparecerá um pouco mais recuado que um número 10, mas essa será uma estratégia para o libertar das marcações e criar condições para os seus magníficos passes de ruptura. Por fim, nas alas do meio campo, deverão aparecer Di Natale (à esquerda) e Camoranesi (à direita). Tratam-se de dois elementos com missões bastante diferentes, pois enquanto Di Natale funcionará como falso extremo, aproveitando o facto de Criscito ser um lateral muito defensivo para praticamente só atacar e fazer imensas diagonais para o centro, Camoranesi será um ala direito que irá aparecer muitas vezes no ataque, mas também irá fechar ao centro e compensar as subidas de Zambrotta pelo flanco destro.

Por fim, no ataque, a Itália deve optar por actuar apenas com Gilardino, um avançado rápido, com muita mobilidade e com excelente capacidade de finalização. Ainda assim, não será de colocar de parte a hipótese de Lippi abdicar de Marchisio, recuar Pirlo para o duplo-pivot e lançar Iaquinta ou Quagliarella ao lado de Gilardino.

Em suma, trata-se de uma equipa experiente e talentosa, que não deverá dar hipóteses aos seus adversários no Grupo F do Mundial 2010.

O Onze Base

A Itália deverá usar o esquema: 4-2-3-1 com Buffon (Juventus) na baliza; Criscito (Génova), Cannavaro (Al Ahli), Chiellini (Juventus) e Zambrotta (Milan) na defesa; Marchisio (Juventus), De Rossi (Roma), Pirlo (Milan), Camoranesi (Juventus) e Di Natale (Udinese) no meio campo; Gilardino (Fiorentina) será o ponta de lança.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

A equipa italiana é muito mais experiente que os seus adversários. Para além disso, a squadra azzurra é muito evoluída tacticamente e, mesmo em termos de talento puro, superioriza-se a Paraguai e Eslováquia e está anos luz acima da Nova Zelândia. Assim sendo, se os italianos não terminarem o Grupo F no primeiro lugar, será uma enorme surpresa.

Calendário – Grupo F (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Itália vs Paraguai
  • 20 de Junho: Itália vs Nova Zelândia
  • 24 de Junho: Itália vs Eslováquia

Read Full Post »