Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Mundial 1990’

van Breukelen é uma lenda holandesa

Hans van Breukelen foi um guarda-redes holandês de grande qualidade e que criará sempre um travo amargo na boca dos portugueses, nomeadamente dos benfiquistas, pois foi ele que defendeu o penalti de Veloso, que havia de entregar a Taça dos Campeões, em 1988, ao PSV Eindhoven. Contudo, falar do internacional holandês e apenas nos lembrarmos desse momento fatídico para os encarnados é extremamente redutor e injusto. 73 vezes internacional pela Holanda, selecção pela qual venceu o campeonato da Europa em 1988, vencedor do campeonato holandês por seis vezes e da Taça da Holanda por três ocasiões, van Breukelen marcou uma era do futebol holandês, sendo, claramente, um dos melhores guarda-redes holandeses de todos os tempos.

Destacou-se no FC Utrecht

Johannes Franciscus “Hans” van Breukelen nasceu a 4 de Outubro de 1956 em Utrecht e iniciou a sua carreira profissional vinte anos depois no clube mais representativo da sua cidade natal, o FC Utrecht.

Entre 1976 e 1982, o lendário guarda-redes holandês efectuou 142 jogos pelo FC Utrecht, tendo sido titular absoluto entre 1978/79 e 1981/82. Ainda assim, durante esse período, van Breukelen não conquistou qualquer título, tendo como momento mais alto a final da Taça da Holanda em 1981/82, competição que o FC Utrecht acabou por perder para o AZ.

Substituiu Peter Shilton na terra de Robin Hood

Já com a época de 1982/83 em andamento, o internacional holandês acabou por trocar a liga holandesa pela inglesa, transferindo-se para o Nottingham Forest, onde teria a difícil missão de fazer esquecer Peter Shilton.

No clube da cidade popularizada por Robin Hood, van Breukelen haveria de fazer duas temporadas de bom nível em termos individuais, mas voltaria a não conquistar qualquer título colectivo, ainda que em 1983/84 a época tenha sido de muito boa qualidade, pois o Nottingham Forest foi terceiro no campeonato e alcançou as meias-finais da Taça UEFA.

Eternizou-se no PSV

Em 1984, van Breukelen regressou ao campeonato holandês e, desta feita, para actuar por um dos clubes mais representativos dos Países Baixos, o PSV.

No gigante de Eindhoven, o internacional holandês haveria de permanecer por dez temporadas, ou seja, até ao final da sua carreira desportiva, tendo sido sempre titular e tendo conseguido, finalmente, alcançar os tão ambicionados títulos colectivos.

De facto, no PSV, van Breukelen fez 308 jogos e conquistou seis campeonatos holandeses, três taças da Holanda e, acima de tudo, a Taça dos Campeões em 1987/88, quando o clube de Eindhoven superou o Benfica na final (0-0, 6-5 g.p.) após o guarda-redes holandês ter defendido o penalti decisivo do lateral Veloso.

Para além disso, o internacional holandês conquistou o título de melhor guarda-redes da Holanda por quatro ocasiões (1987, 88, 91 e 92).

Esteve numa fase dourada da Laranja Mecânica

van Breukelen actuou na selecção holandesa entre 1980 e 1992, tendo alcançado 73 internacionalizações e participado nos campeonatos da Europa de 1980, 88 e 92 e no Mundial de 1990.

O momento mais alto da sua carreira na Laranja Mecânica, foi, claramente, a conquista do Campeonato da Europa em 1988, em casa, quando a Holanda entrou mal (derrota com a União Soviética por 1-0), mas depois superou Inglaterra (3-1), Rep. Irlanda (1-0), Alemanha Ocidental (2-1) e União Soviética (2-0) para conquistar o ambicionado título continental.

Guarda-redes frio e muito seguro

van Breukelen era um guarda-redes que parecia ocupar toda a baliza, tal era a qualidade do seu posicionamento e a inteligência de movimentos entre os postes.

Líder dentro de campo, não se cansava de dar indicações aos companheiros de equipa, parecendo comandar todo o sector defensivo com um rigor inacreditável.

Apesar de toda a segurança e sobriedade, van Breukelen era muito elástico e conseguia, de quando em vez, efectuar defesas espectaculares, no entanto, foi na segurança e na eficácia de processos que o internacional holandês mais se destacou e, assim, garantiu um lugar na história do futebol.

Anúncios

Read Full Post »

A defesa do penalti de Daniel Timofte

Após ter sido o herói irlandês, ao defender um penalti do romeno Daniel Timofte no Mundial Itália 90, que garantiu, à República da Irlanda, o apuramento para os quartos de final desse campeonato do mundo, Pat Bonner tornou-se uma lenda e até o Papa resolveu-lhe prestar uma homenagem. Quando o guarda-redes irlandês, profundamente católico, se abeirou de João Paulo II, a única coisa que lhe saiu foi: “Santidade, eu sou guarda-redes.” A chorar, viu o Papa sorrir e dizer-lhe: “Eu sei, meu filho, em Cracóvia, quando era moço, também joguei nessa posição…” Pat Bonner era assim, uma figura mítica e que cativava todos os que o conheceram e/ou tiveram o prazer de o ver jogar.

Patrick Bonner nasceu em Burtonport, na Rep. Irlanda, a 24 de Maio de 1960 e, depois de ter jogado até aos quinze anos no Eire, foi descoberto, em 1975, pelo Leicester City, que o levou para as suas camadas jovens.

No clube inglês, permaneceu por três temporadas, até que, em 1978, o Celtic viu-o em acção na Taça de Inglaterra em Juniores e não perdeu tempo a contratá-lo. Foi a última aquisição do mítico treinador escocês Jock Stein e viria a tornar-se numa lenda dos “bhoys”

Ao chegar ao bastião dos irlandeses em Glasgow, Pat Bonner disse que não queria ser mais um guarda-redes do Celtic, mas, ao invés, ser “O” guarda-redes do Celtic e assim foi! O irlandês esteve nos “bhoys” durante 20 temporadas (78-98), fazendo 642 jogos em todas as competições oficiais e conquistando cinco campeonatos da Escócia (1979, 81, 82, 86 e 88), quatro Taças da Escócia (1980, 88, 89 e 95) e uma Taça da Liga (1983), assumindo-se como um líder incontestado dentro e fora do relvado.

Por outro lado, na selecção irlandesa, Pat Bonner também fez uma carreira de respeito, obtendo 80 internacionalizações e participando nas fases finais do Euro 88, Mundial 90 e Mundial 94. Durante esse percurso, há que destacar uma genial exibição na vitória sobre a Inglaterra (1-0) na fase de grupos do Euro 88 e uma conjunto de grandes exibições no Itália 90, que ajudaram a República da Irlanda a atingir os quartos de final da prova.

Corajoso, com excelentes reflexos, bom a sair-se da baliza e fantástico a lançar o ataque com os seus longos pontapés, Bonner, foi, na sua época, um dos melhores guarda-redes do futebol mundial. Um número 1 lendário que deixou muitas saudades aos adeptos do Celtic e da República da Irlanda.

Read Full Post »

Eriksson ajudou a criar o fantasma de Baía

A 30 de Abril de 1996, FC Porto e Sporting disputam a finalíssima da Supertaça Cândido de Oliveira no Parque dos Príncipes em Paris. Ambas as equipas colocam toda a carne no assador. o Sporting de Octávio Machado apresentava Amunike, Sá Pinto, Pedro Barbosa e Naybet, enquanto o FC Porto de Robson, por sua vez, apresentava Aloísio, Edmilson, Drulovic e Domingos. O encontro tinha tudo para ser equilibrado, mas, para sorte dos leões, o desiquilíbrio começou na baliza portista, onde os portistas, órfãos de Vítor Baía, tinham um sueco, que até era internacional A e segunda opção da selecção atrás de Ravelli: Lars Eriksson. Esse guarda-redes escandinavo, apesar das boas referências, nunca se encontrou nos dragões, tendo como momento mais “alto” ter entregue, de bandeja, à Supertaça aos verde e brancos. 

Lars Eriksson iniciou a sua carreira no Hammarby em 1986, onde se destacou e, até, chegou à selecção sueca. Essas boas exibições chamaram a atenção de clubes suecos de maior nomeada e, em 1989, o guarda-redes escandinavo assinou pelo IFK Norrköping. 

Nesse clube sueco viveu os melhores cinco anos da sua carreira, pois além de ter sido o dono da baliza do IFK Norrköping, participou em três grandes competições de selecções (Mundial 1990, Euro 1992 e Mundial 1994), ainda que sempre como suplente de Thomas Ravelli. 

No rescaldo do Mundial dos Estados Unidos, Eriksson saltou para o campeonato da Bélgica, jogando a época de 1994/95 no Charleroi. Apesar de se tratar de um clube bastante modesto, o guarda-redes sueco não se conseguiu impor e terminou a época com apenas nove jogos efectuados. 

Ainda assim, na época seguinte, o FC Porto, que havia transferido Vítor Baía para o Barcelona, pensou que Lars Eriksson podia ser um bom substituto e não hesitou em contratá-lo. O guarda-redes sueco foi apresentado como um internacional pelo seu país e um jogador de renome que iria fazer esquecer Baía. Puro engano. 

Três foram as temporadas do pobre Eriksson no FC Porto e, apesar de apenas ter feito nove jogos para o campeonato, representou perdas de pontos para os azuis e brancos, que só não foram mais graves pois os dragões, nessas temporadas, dominavam totalmente o futebol português. No entanto, aquela Supertaça em Paris, perdida diante do Sporting (0-3) teve grande quota de culpa do guarda-redes sueco, que está às aranhas no primeiro golo, é mal batido no segundo e faz um penalti desnecessário no lance que daria o terceiro tento. 

No final da época (1997/98) os portistas perceberam, enfim, que o guarda-redes escandinavo nunca poderia ser o substituto de Baía e recambiaram-no para a Suécia e para o Hammarby, o clube onde tinha iniciado a carreira. Lars Eriksson fez mais três épocas e, em 2001, retirou-se dos relvados, passando, posteriormente, a treinador de guarda-redes desse mesmo clube sueco. 

Ainda hoje, quando revê a sua carreira, deve dizer, orgulhoso, que um dia jogou no FC Porto. Esperemos que, quando mostre imagens dessa passagem, não mostre o vídeo da sua exibição diante do Sporting, na Supertaça de 1996 no Parque dos Príncipes. 

Read Full Post »

Rojas no relvado após a queda do petardo

A 3 de Setembro de 1989, brasileiros e chilenos jogavam, no Rio de Janeiro, uma partida decisiva para o apuramento para o Itália 90. Quem vencesse essa partida estaria apurado para o campeonato do mundo e quem perdesse estaria definitivamente afastado do certame. Num encontro intenso, tudo ia correndo bem para os canarinhos, que venciam por 1-0 (golo de Careca aos 48 minutos) e viam o tempo jogar a seu favor, até que, ao minuto 68, Roberto Rojas, caiu no relvado, presumivelmente atingido por um petardo lançado da bancada. O jogo seria interrompido e esperava-se que o Brasil acabasse excluído do campeonato do mundo devido ao acontecimento, mas… havia outra história por trás da lesão.

 

Integrados num grupo onde também estava a Venezuela, canarinhos e chilenos dominaram, desde o início, o agrupamento. Os brasileiros empataram com o Chile (1-1) mas golearam a Venezuela nas duas partidas (4-0 e 6-0), enquanto os chilenos não ficaram atrás, pois além do empate com os brasileiros, também não facilitaram diante da Venezuela (3-1 e 5-0).

Assim sendo, com as duas equipas com os mesmos pontos, o último jogo do agrupamento: Brasil-Chile era uma autêntica final, ainda que, devido à diferença de golos, bastasse um empate aos canarinhos e os chilenos eram obrigados a vencer.

Foi um jogo intenso, com muitas picardias à mistura, mas, globalmente dominado pelo Brasil. Depois de uma primeira parte sem golos, o reeinicio da partida trouxe, rapidamente, o golo de Careca (48′) e aproximou o Brasil do objectivo: Itália 90.

Com o encontro a caminhar para o seu final, os chilenos começaram a perder discernimento e era cada vez mais improvável que pudessem fazer dois golos. Nas bancadas já se fazia a festa, quando, aos 68 minutos, Roberto Rojas, guarda-redes chileno, caiu no relvado presumivelmente atingido por um petardo.

Rojas abandonou o relvado com a cara ensanguentada e os jogadores chilenos recusaram-se a continuar o desafio, alegando não estarem asseguradas as condições mínimas de segurança.

Pensou-se que, devido ao incidente, os chilenos pudessem ganhar o jogo na secretaria, todavia, imagens de vídeo desmascararam Rojas.

Essas gravações, mostravam que o guarda-redes não tinha sido atingido pelo petardo e, mais tarde, soube-se que o sangue era resultado de uma ferida que o próprio Rojas fez com uma lâmina que tinha guardada na luva.

A FIFA chocada com o acontecimento, excluiu automaticamente o Chile do Mundial 1990 e, também, das qualificações para o Mundial 1994. Roberto Rojas, por outro lado, foi banido definitivamente do futebol, sendo, posteriormente, perdoado em 2001, quando pouco lhe valia, pois já tinha 43 anos.

Reveja ou descubra as imagens de um dos maiores escândalos de sempre do futebol…

Read Full Post »

Owairan festeja o seu golo magnífico

Estava quente, muito quente como aquelas tardes do deserto a que Owairan costumava estar habituado e o relógio marcava cinco minutos do encontro: Arábia Saudita-Bélgica a contar para o Mundial 94. Os europeus, já apurados, estavam mais tranquilos e ainda estudavam o adversário quando Saeed Al-Owairan decidiu iniciar a sua corrida imparável no seu próprio meio campo. Passou um belga, passou dois, passou três e o quarto, bem o quarto foi recuando e recuando na expectativa de lhe tirar a bola, mas também foi ultrapassado. Por fim, à saída de Preud’Homme, o saudita sabia que não podia falhar, atirou forte e não falhou. Owairan tornava-se, instantaneamente, no novo Maradona e todos lhe auguravam o grande futuro, porém, a história acabaria por ser-lhe cruel.

Nunca uma equipa do golfo pérsico havia ultrapassado a fase de grupos. Tanto o Kuwait (1982) como o Iraque (1986) e os Emirados Árabes Unidos (1990) haviam sido eliminados precocemente, sendo que apenas o Kuwait havia conseguido fazer um ponto.

Assim sendo, ninguém esperava muito dos sauditas que estavam integrados num grupo com Holanda, Bélgica e Marrocos, pedindo-se apenas dignidade na sua participação.

No primeiro encontro, a Arábia Saudita defrontou a Holanda e criou o primeiro impacto no campeonato do mundo dos Estados Unidos. Após abrir o activo por Amin (19′), os sauditas chegaram ao intervalo a vencer e, mesmo depois de consentirem o empate (Jonk, 50′), foram aguentando a igualdade até ao minuto 86, quando Taument fez o 1-2 final.

Este resultado era um aviso que esta Arábia Saudita era diferente das outras equipas do golfo pérsico. Tratava-se de uma equipa com maior disciplina táctica e, acima de tudo, mais talentosa.

No segundo jogo, os sauditas defrontaram os marroquinos. Como ambas as equipas haviam perdido a primeira partida, era uma espécie de final em que quem vencesse continuava a lutar pelo apuramento e quem perdesse começaria a fazer as malas. Tratou-se de um desafio intenso, mas os Falcões Verdes venceram por 2-1 e, assim, iriam defrontar os belgas com possibilidades reais de chegarem aos oitavos de final.

Nessa partida, os sauditas precisavam de apenas um empate para se apurarem para os oitavos e esse era o mesmo resultado que os europeus necessitavam para garantirem o primeiro lugar no grupo.

Aos cinco minutos, surgiu o momento mágico de Owairan que passou por quatro jogadores belgas e fez o golo inaugural da partida. Os sauditas rejubilaram, mas ao mesmo tempo pensaram que ainda faltavam muitos minutos para o final da partida, temendo que os belgas dessem, facilmente, a volta ao resultado.

No entanto, os sauditas foram heroicos e, inclusivamente, seguraram o triunfo, conquistando o segundo lugar no grupo e consequente apuramento para a 2ª Fase.

Não passaram dos oitavos de final (perderam com a Suécia, 1-3), mas o seu lugar na história estava garantido. Haviam sido a primeira equipa do golfo pérsico a atingir a 2ª Fase do campeonato do mundo. Além disso, Saeed Al-Owairan, graças ao golo “à Maradona”, havia garantido a atenção do mundo do futebol, falando-se, inclusivamente, de uma transferência para um grande clube europeu.

No entanto, existia uma lei na Arábia Saudita que impedia os jogadores locais de actuarem no estrangeiro e, como tal, Owairan via-se privado do sonho de jogar num clube europeu. Ainda assim, o azar do saudita não ficou por aqui.

No ano seguinte, o internacional da Arábia Saudita cometeu adultério, crime grave naquele país. Por isso, esteve um ano preso e levou 60 chicotadas na praça pública.

Depois de cumprir a pena, o “Maradona das Arábias” voltou a jogar futebol e, até, esteve presente no Mundial 1998, todavia, nunca mais foi o mesmo. Aquele grande golo, mais do que o ter catapultado para um plano superior do futebol mundial, acabou por diluir-se na história do futebol e, para Owairan, acabou por ser o início do declínio da sua carreira como jogador de futebol.

Uma crueldade que se agrava quando revemos esse grande golo apontado pelo internacional saudita.

Read Full Post »

As duas primeiras participações dos Camarões em campeonatos do mundo foram inesquecíveis. No Mundial 1982, apesar de terem sido eliminados na primeira fase, não perderam qualquer desafio, empatando com as selecções italiana (1-1), peruana (0-0) e polaca (0-0). Depois, no Mundial 1990, os camaroneses fizeram uma campanha excepcional que passou por vencerem Argentina, Roménia e Colômbia, apenas caindo, nos quartos de final, diante da Inglaterra. No entanto, os últimos campeonatos mundiais não têm sido particularmente agradáveis para os africanos, que ficaram pela fase de grupos em três ocasiões (94, 98 e 2002) e, em 2006, nem sequer se apuraram para o Mundial da Alemanha. Agora, de volta ao campeonato do mundo e integrados num agrupamento com Holanda, Dinamarca e Japão, cabe a Paul Le Guen tentar levar o barco camaronês a bom porto, que é como quem diz, tentar o apuramento para a segunda fase.

A Qualificação

O apuramento dos leões indomáveis para o Mundial 2010 foi feito de forma simples e sem grandes sobressaltos.

Na 2ª Fase, os camaroneses tiveram um grupo bastante acessível com Cabo Verde, Tanzânia e Maurícias e, verdade seja dita, não deram quaisquer hipóteses aos seus adversários. Ao longo de seis jogos, venceram cinco e apenas empataram um, na Tanzânia (0-0), terminando o agrupamento com sete pontos de avanço sobre o segundo classificado: Cabo Verde.

Depois, na 3ª Fase, num grupo complicado com selecções como o Togo (esteve no Alemanha 2006), Marrocos ou Gabão, os camaroneses, demonstraram ser a melhor equipa do agrupamento, apenas deixando de vencer dois dos seis encontros realizados. Ainda assim, mesmo empatando, em casa, com Marrocos (0-0) e perdendo no Togo (0-1), os leões indomáveis conseguiram vencer esta fase de apuramento com quatro pontos de avanço sobre o Gabão (2º).

2ª Fase: Grupo 1 – Classificação

  1. Camarões 16 pts 
  2. Cabo Verde 9 pts
  3. Tanzânia 8 pts
  4. Ilhas Maurícias 1 pt

3ª Fase: Grupo A – Classificação

  1. Camarões 13 pts
  2. Gabão 9 pts
  3. Togo 8 pts
  4. Marrocos 3 pts

O que vale a selecção camaronesa?

A equipa camaronesa não tem falta de talento individual. Aqui, a missão do treinador Paul Le Guen passa por agarrar em elementos como Alex Song, Assou-Ekoto, Emana ou Eto’o e transformar todos esses grandes talentos num conjunto forte.  Trata-se de uma missão difícil, mas, se o treinador francês conseguir concretizá-la, estes leões indomáveis podem tornar-se um caso sério.

A baliza dos camaroneses está muito bem entregue, pois o seu guarda-redes é o bem conhecido e extremamente seguro: Kameni. Depois, a lateral esquerda vai ser entregue ao extremamente veloz e ofensivo: Assou-Ekoto e a lateral direita ao experiente Geremi. Este último, é um jogador mais defensivo e que permite maior liberdade ao defesa-esquerdo, sem que a defesa saia comprometida. Por fim, no centro da defesa teremos uma mescla de experiência (Song) e jovialidade (N’ Koulou), sendo que Rigobert Song será o central de marcação e o jovem atleta do Mónaco usará a sua velocidade, tanto para dobrar o companheiro como para subir no terreno e iniciar jogadas de ataque. Trata-se de uma dupla que, bem trabalhada por Le Guen, poderá ser uma excelente surpresa no Mundial.

Passando para o meio campo, os camaroneses deverão utilizar um trio de elementos no centro: Alex Song, Mandjek e Makoun. O atleta do Arsenal é importantíssimo no esquema africano, pois além de ser um trinco recuperador de bolas, também recua bem no terreno usando, sempre que necessário, a sua altura (1,85 metros) e força para ajudar a dupla de centrais. Depois, tanto Mandjek como Makoun, mais talentosos, jogarão ambos como box to box, sendo que Makoun deverá aparecer mais vezes junto do ponta de lança e Mandjek deverá ficar numa posição intermédia entre Alex Song e o jogador do Lyon.

Por fim, o ataque, deverá ser entregue a Emana, Webó e Eto’o. Neste esquema, Emana deverá ser um extremo direito puro, pois como o lateral direito Geremi é muito defensivo, isso permite-lhe maior liberdade de movimentos podendo limitar-se, praticamente, a atacar. Depois, no outro flanco, Pierre Webó será uma espécie de falso extremo que, muitas vezes, irá aparecer lado a lado com o ponta de lança (Eto’o) na zona de finalização. Esta situação é potenciada pelo facto do lateral esquerdo (Assou-Ekoto) fazer todo o corredor. Por fim, Samuel Eto’o jogará preferencialmente no centro, mas, sabendo da enorme qualidade do jogador do Inter, será usual vê-lo a deambular por todo o ataque, procurando espaços para fazer aquilo em que é mais perigoso: embalar em velocidade para a baliza adversária.

Em suma, trata-se de uma equipa com um enorme talento, que deverá ter condições para um confronto de estilos com uma mais fria e mecânica Dinamarca.

O Onze Base

Jogando em 4-3-3, os camaroneses deverão actuar com Kameni (Espanhol) na baliza; Assou-Ekoto (Tottenham), Rigobert Song (Trabzonspor), N’Koulou (Mónaco) e Geremi (Ankaraguçu) na defesa; Alex Song (Arsenal), Mandjek (Kaiserslautern) e Makoun (Lyon) no meio campo; Emana (Betis), Webó (Maiorca) e Eto’o (Internazionale) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Os camaroneses têm, em termos de talento, todas as condições para terminarem em segundo lugar, logo a seguir à selecção holandesa. Todavia, a habitual indisciplina táctica dos leões indomáveis, aliada à, por vezes, difícil coabitação das diversas estrelas, poderá empurrar os africanos para o terceiro ou, até, quarto lugar do grupo.

Ainda assim, é provável que a enorme qualidade do seleccionador Paul Le Guen crie uma equipa forte que dispute o segundo lugar com a Dinamarca e que deixe o Japão na última posição do Grupo E.

Calendário – Grupo E (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Camarões vs Japão
  • 19 de Junho: Camarões vs Dinamarca
  • 24 de Junho: Camarões vs Holanda

Read Full Post »

Vice-campeã do Mundo em 1974 e 1978, a Holanda costuma ter selecções de alto nível nos mundiais mas, por vezes, acaba por desiludir nas fases finais. Um exemplo foi o Itália 90, em que depois de ser campeã da Europa e tendo jogadores como Gullit, Rijkaard e Van Basten não venceu um único jogo. Ainda assim, os adeptos da Laranja Mecânica acreditam que desta vez, na África do Sul, será a vez da Holanda. Com uma equipa com jogadores como Robben, Sneijder, Van der Vaart e Van Persie, a turma holandesa tem condições de fazer um excelente mundial e, quiçá, alcançar uma posição entre as quatro melhores equipas do mundo. No entanto, para que não se repitam as desilusões do passado, há que pensar jogo a jogo e, como tal, primeiro há que eliminar Dinamarca, Japão e Camarões.

A Qualificação

O grupo não era particularmente difícil, mas a campanha holandesa no grupo 9 da zona europeia de qualificação foi impressionante. A Laranja Mecânica, que defrontou Noruega, Escócia, Macedónia e Islândia, venceu todos os jogos, marcou 17 golos e sofreu apenas dois.

Apesar da relativa facilidade do agrupamento, vencer na Noruega (1-0) ou na Escócia (1-0) nunca é fácil e só prova o enorme poderio da equipa holandesa, que terminou o Grupo 9 com uma vantagem de catorze pontos sobre a Noruega (2º).

Assim sendo, foi sem dar hipóteses aos seus adversários que a Holanda se qualificou para o Mundial 2010.

Grupo 9 – Classificação

  1. Holanda 24 pts
  2. Noruega 10 pts
  3. Escócia 10 pts
  4. Macedónia 7 pts
  5. Islândia 5 pts

O que vale a selecção holandesa?

A equipa holandesa é, do meio campo para frente, provavelmente das melhores selecções presentes no campeonato do mundo, mas, por outro lado, a defesa, sem ser má, é apenas mediana, com alguns veteranos já em fase descendente da carreira (Van Bronckhorst e Ooijer) e outros com pouca experiência internacional (Van der Wiel).

O seleccionador Van Marwijk deverá jogar com o guarda-redes: Stekelenburg, que não sendo espectacular, também não compromete e um quarteto defensivo com Van Bronckhorst à esquerda, Van der Wiel à direita e a dupla de centrais: Ooijer-Mathijsen. O lateral direito é muito ofensivo e, assim, a presença do experiente Van Bronckhort, na esquerda, é muito importante para equilibrar o esquema da selecção holandesa. Depois, a dupla de centrais, composta por dois trintões, ganha em experiência e em posicionamento táctico, mas, principalmente no caso de Ooijer, poderá ter alguns problemas com avançados velozes e fortes no um contra um.

Por outro lado, o meio campo é um sonho para qualquer amante de futebol. O experiente Van Bommel deverá ser o trinco e a seu lado jogará Van der Vaart como médio centro, ou seja, com maior liberdade ofensiva e com capacidade para fazer a ligação com o nº10, o fantástico jogador do Inter, Wesley Sneijder. Depois, nas alas, deverão aparecer Robben (à esquerda) e Van Persie (à direita). Dois alas que tanto procuram a linha como fazem diagonais para o centro para procurarem uma tabelinha ou um remate de longe.

Por fim, no ataque, deverá jogar sozinho o atacante do Liverpool: Kuyt. Curiosamente, este jogador costuma jogar como ala no clube inglês e, assim, mais que um ponta de lança fixo, vai ser um elemento muito móvel que trocará várias vezes de posição tanto com os alas como com o próprio Sneijder, confundindo as marcações e permitindo à Holanda fazer o seu tão famoso futebol total.

Em suma, e apesar da defesa holandesa não estar ao nível do meio campo e do ataque, é bem provável que, num grupo com a Dinamarca, Japão e Camarões, a Holanda termine facilmente no primeiro lugar.

O Onze Base

A Holanda deverá apresentar um esquema: 4-2-3-1 com Stekelenburg (Ajax) na baliza; Um quarteto defensivo com Van Bronckhorst (Feyenoord), Ooijer (PSV), Mathijsen (Hamburgo) e Van der Wiel (Ajax); Um meio campo com o duplo pivot: Van Bommel (Bayern)/Van der Vaart (Real Madrid), os alas: Robben (Bayern)/Van Persie (Arsenal) e o médio ofensivo: Sneijder (Inter); E, no ataque, jogará o muito móvel Dirk Kuyt (Liverpool).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Tendo em conta que tem um conjunto superior a qualquer dos seus adversários, é provável que a Holanda vença sem dificuldade o Grupo E do Mundial 2010. Ainda assim, a Laranja Mecânica deve encarar os seus oponentes com respeito e dar tudo de si, pois, grandes selecções holandesas fracassaram no passado com equipas tão boas ou melhores que esta.

Calendário – Grupo E (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Holanda vs Dinamarca
  • 19 de Junho: Holanda vs Japão
  • 24 de Junho: Holanda vs Camarões

 

Read Full Post »