Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Rolando’

Em Anfield a festa foi bracarense

Pela primeira vez na sua longa história de competições europeias, Portugal conseguiu a assinalável marca de colocar três equipas nos quartos finais da mesma prova europeia, neste caso, a Liga Europa. Em 1993/94, o nosso país havia colocado três equipas nos quartos de final das provas europeias, mas, nesse caso, em competições diferentes. Assim sendo, há que destacar o enorme feito de Benfica, FC Porto e Sporting de Braga, que, além do sucesso desportivo e do prestígio que granjearam por ultrapassarem mais um degrau, também garantiram, praticamente, o sexto lugar no ranking UEFA, que nos garantirá três equipas na “Champions” de 2012/13.

Paris SG 1-1 Benfica (Os encarnados apuraram-se com 3-2 no agregado)

O Benfica sabia de antemão que o 2-1 que trazia de Lisboa era curto e que teria de sofrer na cidade luz. Ainda assim, o Benfica entrou personalizado e até foi a primeira equipa a marcar, por intermédio de Nico Gaitán (27′) a concluir bonita jogada de contra-ataque.

No entanto, os gauleses não baixaram os braços e, até final da primeira metade, foram capazes de igualar o jogo, graças a um grande golo de Bodmer (35′) e, inclusivamente, tiveram algumas oportunidades para empatarem a eliminatória, valendo, aí, a falta de pontaria dos atacantes parisienses e a boa exibição do guarda-redes Roberto.

Após o intervalo, os encarnados apareceram novamente em melhor plano e até tiveram boas oportunidades para fazerem um segundo tento que sentenciasse a eliminatória, contudo, foram infelizes na finalização, acabando por ser obrigados a sofrer até ao final do encontro.

De facto, o Paris Saint-Germain teve algumas ocasiões para empatar a eliminatória, todavia, uma defesa milagrosa de Roberto a remate de Hoarou (79′) e uma escorregadela de Maurice (90+5′), quando tinha tudo para marcar, acabou por impedir que o marcador sofresse alterações e permitiu que a equipa portuguesa alcançasse o apuramento para os quartos de final.

FC Porto 2-1 CSKA Moscovo (os azuis-e-brancos apuraram-se com 3-1 no agregado)

Os dragões traziam uma magra vantagem da capital russa (1-0), mas não se encostaram à sombra dela, tendo chegado ao um a zero logo no primeiro minuto, na sequência de um livre de Hulk em que Akinfeev ficou muito mal na fotografia.

Na resposta, Wagner Love ainda tirou à barra, mas seria o FC Porto a aproveitar mais um disparate do guarda-redes do CSKA, para, aos 24 minutos, ampliar para 2-0, graças a um golo de Freddy Guarín.

A perderem por 2-0 neste encontro e 3-0 no cômputo da eliminatória, a equipa moscovita ainda reagiu de pronto, tendo reduzido aos 29 minutos com um golo de Tosic. Contudo, quando se esperava que esse golo tornasse a eliminatória mais emocionante, isso não se veio a verificar.

De facto, até final do jogo, o FC Porto teve sempre o controlo do mesmo, contando, inclusivamente, com um golo anulado a Rolando, num lance em que o internacional português ajeitou a bola com a mão antes de atirar para a baliza. Em suma, uma vitória inteiramente justa da equipa portuguesa que provou, nos dois jogos, que era superior ao CSKA Moscovo.

Liverpool 0-0 Sp. Braga (os arsenalistas apuraram-se com 1-0 no agregado)

O 1-0 que os bracarenses traziam da Pedreira era curto, mas dava direito de sonhar com a passagem à fase seguinte, até porque os arsenalistas já tinham ido vencer a Sevilha (4-3), depois de terem vencido os andaluzes, em casa, pelo mesmo um a zero.

Ainda assim, esperava-se uma grande pressão do Liverpool desde o primeiro minuto, uma pressão que deveria vir tanto de dentro de campo como de fora dele, todavia, para bem da equipa portuguesa, nada disso se verificou.

O Liverpool foi sempre uma equipa amorfa, sem criatividade e sem ideias, permitindo que o Sporting de Braga fosse sustendo os frágeis intentos dos ingleses sem grandes problemas.

De facto, durante todo o jogo, o principal momento de pânico para a defesa arsenalista, surgiu num lance em que o árbitro deixou que Skrtel, em claro fora de jogo, tivesse uma oportunidade para se isolar perante Artur Moraes. Aí, o guarda-redes brasileiro foi enorme e negou o golo ao defesa-central eslovaco.

Assim sendo, o Sporting de Braga garantiu o zero a zero final e alcançou um feito histórico, eliminando um Liverpool que, mesmo longe dos melhores tempos, será sempre o Liverpool

Anúncios

Read Full Post »

Rudnevs evitou quinta-feira sem derrotas

Numa quinta-feira de grandes emoções, o futebol português tem razões para sorrir, pois todas as quatro equipas envolvidas nos dezasseis avos de final da Liga Europa garantiram resultados que lhes permitem sonhar com a passagem aos oitavos de final da prova. Os dragões, pela vitória em Sevilha (2-1), são os que se encontram mais perto desse objectivo, contudo, o Benfica, que venceu o Estugarda (2-1) na Luz, o Sporting que empatou em Glasgow diante do Rangers (1-1) e, até, o Sporting de Braga que perdeu num enorme manto de neve, diante do Lech Poznan (0-1), têm grandes hipóteses de seguirem em frente.

Benfica 2-1 Estugarda

A primeira parte dos encarnados foi má demais para ser verdade. Uma equipa desligada, sem alma e, até, a parecer que olhava o seu adversário do alto de uma pseudo-superioridade que não se verificava no relvado. Assim sendo, foi sem surpresa que os germânicos alcançaram a vantagem no marcador graças a um golo de Harnik (21′).

Veio o intervalo, provavelmente uma dose de gritos de Jorge Jesus, e o Benfica surgiu transfigurado na segunda metade. De facto, os encarnados passaram a pressionar e a empurrar o seu adversário às cordas, reduzindo-o a uma mediocridade que esteve longe de aparentar no primeiro tempo.

Dois golos foram marcados, um por Cardozo (70′) e outro por Jara (81′), mas muitos outros ficaram por concretizar, devido à falta de pontaria dos avançados encarnados e, também, graças à boa exibição do guarda-redes Ulreich.

Ainda assim, este 2-1, aliado ao facto do Estugarda estar longe de ter uma equipa que possa meter grande medo, abre excelentes perspectivas do Benfica superar esta ronda e passar aos oitavos de final da Liga Europa.

Lech Poznan 1-0 Sp. Braga

O frio e a neve assustavam, mas a verdade é que o Sp. Braga, durante toda a primeira parte, foi uma equipa adulta, segura e pressionante, controlando totalmente o jogo, mesmo que não tenha criado grande perigo para a baliza da equipa polaca.

No entanto, após o descanso, a equipa minhota perdeu a frieza do primeiro tempo, parecendo ficar amedrontada com o passar dos minutos. Foi recuando, recuando e apostando quase todas as suas fichas na segurança da sua defesa e, acima de tudo, do guarda-redes Artur Moraes.

Infelizmente para o conjunto português e apesar da excelente exibição do guarda-redes brasileiro, este foi incapaz de suster o remate de Rudnevs (72′) que garantiu uma preciosa mas magra vitória do Lech Poznan por uma bola a zero. Em suma, tudo em aberto para a segunda mão, em Braga.

Sevilha 1-2 FC Porto

Deve estar escrito em algum manual celestial, mas o certo é que o FC Porto costuma ter estrelinha em Sevilha. Ontem, no Sanchez Pizjuan, os azuis e brancos fizeram uma primeira parte sóbria, sem grandes rasgos, mas a suficiente para controlar uma equipa andaluza extremamente dependente do jogo pelas alas para criar perigo. Assim sendo, quando o árbitro apitou para o intervalo, o zero a zero justificava-se plenamente pelo que as equipas fizeram dentro do terreno de jogo.

Após o descanso, todavia, o Sevilha apareceu mais pressionante do que nos primeiros quarenta e cinco minutos, ainda que, curiosamente, acabou por ser o FC Porto a abrir o activo, naquele que foi o seu primeiro lance de perigo do segundo tempo. Livre de James Rodríguez e Rolando, com um toque subtil, a desviar de Palop e a fazer o 0-1.

A perder, os andaluzes arregaçaram as mangas e foram para cima do conjunto português, que passou um mau bocado. Kanouté, aos 65 minutos, empatou a partida e, aos 77 minutos, falhou inacreditavelmente a reviravolta. Luís Fabiano, de cabeça, também esteve perto do 2-1.

Contudo, no meio do vendaval ofensivo dos sevilhanos, quando já poucos acreditavam nessa possibilidade, Cristian Rodríguez aproveitou um erro crasso de Fazio, avançou, chocou com Palop e, na recarga, Freddy Guarín atirou para o 2-1, garantindo aos azuis-e-brancos um excelente resultado para a segunda mão a disputar no Estádio do Dragão.

Glasgow Rangers 1-1 Sporting

O Sporting é, neste momento, uma equipa que por vezes quebra à menor dificuldade, mas ontem, no inferno do Ibrox, foi uma equipa generosa que, mesmo sem fazer uma grande exibição, alcançou um resultado que lhe abre excelentes perspectivas para o jogo da segunda mão.

Durante a primeira parte, assistiu-se a um pacto de não agressão entre portugueses e escoceses, com os lances de perigo a serem muito escassos, salvo as excepções de um remate cruzado de Hélder Postiga (39′), um remate ao lado de Whittaker (40′) e um lance em que Yannick (43′), isolado perante McGregor, desperdiçou.

Contudo, na segunda metade, os protestantes perceberam que o zero a zero não seria um bom resultado para levarem para o Alvalade XXI e aumentaram ligeiramente o ritmo de jogo para tentarem chegar ao golo. Ainda assim, a sua fraca qualidade técnica limitava-os de sobremaneira, percebendo-se que só seriam realmente perigosos em lances de bola parada e/ou cruzamentos para a área.

Sem surpresa, foi assim que chegaram ao 1-0. Aos 68 minutos, na sequência de um pontapé de canto de Weiss, Whittaker, de cabeça, não perdoou e colocou o Glasgow Rangers em vantagem.

Apesar da desvantagem, Paulo Sérgio sabia que esta equipa escocesa está longe de ser um colosso do futebol europeu e, assim, apesar de algo tardiamente, decidiu fazer alguma coisa, lançando Matías Fernandez e Saleiro. Curiosamente, foi na sequência de uma abertura de Saleiro para o cruzamento de João Pereira que surgiu o golo do chileno Matías, que, solto de marcação, atirou de cabeça para o empate (1-1).

Estávamos no minuto 89, mas este Sporting é uma equipa extremamente intranquila e, até ao apito final, ainda sofreu um bocado, ainda que, aí, Rui Patrício tenha estado em grande nível, segurando este 1-1, que dá todas as condições do Sporting, em Alvalade, confirmar o apuramento.

Read Full Post »

Moisés e Braga por terra após mais um golo sofrido

O percurso dos clubes portugueses nas provas da UEFA continua bastante bom e a prova disso é que, neste momento, Portugal lidera o ranking UEFA desta temporada com 5.200 pontos. Essa situação faz com que no combinado dos cinco últimos anos estejamos num sexto lugar que, a ser mantido até ao final da época, colocará Portugal com três equipas na Liga dos Campeões 2012/13. Nesta última ronda europeia, tirando o desastre bracarense (goleados no terreno do Arsenal por seis a zero), tudo correu pelo melhor, com o Benfica a vencer o Hapoel Telavive (2-0) na Luz, o FC Porto a vencer o Rapid Viena (3-0) no Dragão e o Sporting, mesmo com uma equipa de segunda linha, a vencer no sempre complicado terreno do Lille (2-1).

Benfica 2-0 Hapoel Telavive

Como se esperava, não foi fácil a estreia encarnada na Liga dos Campeões desta temporada. No Estádio da Luz, diante de uma aguerrida equipa israelita, o Benfica começou mesmo por beneficiar da não marcação de um penalti sobre Schechter, com o resultado a zero. Ainda assim, a equipa encarnada nunca se desuniu e soube ser paciente, acabando por embalar numa exibição segura e que resultou numa vitória justíssima por 2-0, graças aos golos de Luisão (21′) e Cardozo (67′).

Arsenal 6-0 Sp. Braga

O desastre dos bracarenses na sua estreia oficial na fase de grupos da “Champions” foi algo que, para quem está habituado a ver o Braga jogar, carece de explicação simples. Os arsenalistas entraram muito nervosos no jogo e pareceram nunca se adaptar às rápidas trocas de bola da equipa inglesa, uma das melhores da Europa nesse aspecto. Assim sendo, o avolumar do resultado acabou por ser uma consequência lógica desse factor, terminando o duelo com uma vitória do Arsenal por seis bolas a zero, graças aos golos de Fábregas (9′ e 53′), Arshavin (30′), Chamakh (33′) e Carlos Vela (69′ e 84′). Um resultado pesado, mas que acabou por ser justo, tal a superioridade da equipa londrina.

Lille 1-2 Sporting

Com a deslocação à Luz no horizonte, os leões preferiram usar uma equipa de segunda linha em França, talvez por entenderem que, neste acessível grupo da Liga Europa, uma derrota em Lille seria facilmente recuperável. Curiosamente, numa equipa com vários estreantes como Torsoglieri e Diogo Salomão e com alguns jogadores com poucos minutos como Zapater, o Sporting soube fazer uma exibição segura em que, na primeira parte, o contra-ataque foi letal, resultando nos golos de Vukcevic (11′) e Postiga (34′) e que, na segunda metade, foi de grande segurança defensiva, apenas resultando num golo sofrido (Frau, aos 57 minutos), num lance em que Tiago teve algumas culpas. Assim sendo, mesmo com uma espécie de equipa B, os leões entraram da melhor forma na Liga Europa e abriram excelentes prespectivas, tando de alcançarem o apuramento como de vencerem este agrupamento.

FC Porto 3-0 Rapid Viena

A equipa portista não teve qualquer dificuldade de vencer o frágil Rapid Viena na sua estreia na fase de grupos da Liga Europa. Diante de uma equipa que havia surpreendido o Aston Villa no playoff de acesso a esta competição, o FC Porto não deu quaisquer veleidades e acabou por alcançar uma vitória gorda, mas que até peca por escassa, tal a superioridade evidenciada pelos dragões durante todo o encontro. Rolando (26′), Falcão (65′) e Rúben Micael (77′) fizeram os golos de uma justíssima e seguríssima vitória azul e branca.

Read Full Post »

Dragões festejam vitória na Supertaça

O FC Porto entrou da melhor maneira na época 2010/11, após vencer o Benfica (2-0) e conquistar, em Aveiro, a primeira competição oficial da temporada, a Supertaça Cândido de Oliveira. A equipa nortenha, tirando a parte final da primeira metade, foi sempre superior, imprimindo uma pressão alta e tendo em Varela, que esteve endiabrado, o seu elemento de destaque, colocando a defesa do Benfica em perigo constante. Os encarnados, por sua vez, estiveram irreconhecíveis e ontem, na verdade, a única coisa que lembrou o Benfica (2009/10) foi mesmo o esquema táctico de Jorge Jesus porque o resto foi completamente diferente e para bem pior…

 

 Azuis e brancos entram praticamente a ganhar

A equipa portista entrou muito forte no desafio e colocou-se em vantagem logo ao minuto quatro, quando na sequência de um pontapé de canto de João Moutinho, Rolando, no centro da pequena área encarnada, cabeceou sem oposição e fez o 1-0.

Apesar de terem chegado rapidamente à vantagem, os dragões mantiveram o ascendente e, até aos últimos dez minutos da primeira parte, os portistas tiveram as melhores oportunidades de golo, com destaque para um excelente remate de Sapunaru (23′). A excepção foi um livre de Carlos Martins (20′), negado superiormente por Helton com uma defesa junto à relva.

Nesta fase, o Benfica tinha dificuldade em lidar com a pressão alta dos portistas e, ao mesmo tempo, sofria com a velocidade de Varela que ia colocando constantemente a defesa das águias em sentido.

Ainda assim, na última dezena de minutos da primeira metade, o Benfica esboçou uma reacção, todavia, a melhor oportunidade desse período até pertenceu ao FC Porto, que viu Luisão negar, com as pernas, um golo certo de João Moutinho.

Domínio portista intensificou-se na segunda parte

Os últimos minutos dos encarnados na primeira parte davam, aos seus adeptos, esperança na reviravolta, todavia, o Benfica voltou a entrar mal na segunda metade.

O FC Porto entrou personalizado, foi controlando o desafio e começou a dispor de algumas oportunidades, com destaque para um cabeceamento de Falcao, que saiu ligeiramente ao lado.

Apesar de estar irreconhecível, o Benfica até teve uma grande oportunidade para igualar o desafio, no entanto, Saviola, na recarga a um remate de Carlos Martins, enviou a bola por cima da trave.

Este lance até podia ter servido de catalisador para o resto da partida, pois, na verdade, faltavam 24 minutos e ainda muita coisa podia acontecer. No entanto, no minuto seguinte à perdida de Saviola, o FC Porto haveria de dar uma machadada final no desafio, quando Varela, após jogada fenomenal pelo flanco esquerdo, serviu, na área, Falcao e este, antecipando-se aos centrais do Benfica, fez o 2-0.

A partir deste momento, o FC Porto controlou o jogo até final, mantendo a sua superioridade e sofrendo apenas um susto, quando Saviola, aos 85 minutos, se isolou, mas permitiu uma excelente defesa a Helton.

Em suma, vitória justa dos dragões, que foram sempre a melhor equipa e deram excelentes indicações para a época que começou. O Benfica, por sua vez, pareceu longe da forma ideal e demasiado órfão de Ramires e Di Maria.

Read Full Post »

Rolando Portugal

Rolando, uma alternativa para o centro da defesa

Rolando Jorge Pires da Fonseca, conhecido simplesmente por Rolando, é um central de 24 anos que actua no FC Porto. Apesar de ser presença regular nas convocatórias de Carlos Queirós, o seu espaço na equipa é reduzido e a sua utilização passará por circunstâncias muito especiais.

Rolando começou nas camadas jovens do S.C. Campomaiorense, mas chegou ao Belenenses antes de completar a sua formação. Na equipa do Restelo, estreou-se na primeira divisão na temporada 2004/05, onde jogou os 30 jogos da liga, ajudando a equipa a chegar ao 8º lugar. Durante quatro épocas jogou em Belém, como titular até se transferir para o FC Porto (2008/09), com o objectivo de ser o substituto de Pepe. Agarrou de imediato a titularidade, onde, à dois anos, joga com regularidade.

Rolando é um central alto (1,89m) e rápido, jogando bem na antecipação e fazendo exibições regulares. No entanto, peca por ser um defesa demasiado “mole” e com um fraco sentido posicional, acabando por ser demasiado passivo em alguns lances. A sua utilidade passa por jogar ao lado de um defesa duro e forte na marcação, como acontece no FC Porto, onde faz dupla com Bruno Alves.

Na selecção, conta com menos de dez jogos, mas muitas presenças em convocatórias, o que dá a entender que para Queirós, Rolando pode ser uma aposta de futuro. No entanto, a sua utilidade neste mundial acabará por estar reduzida à necessidade de povoar a grande área na defesa de um resultado, ou na eventualidade de dois dos seus colegas que jogam centro da defesa estiverem indisponíveis.

Read Full Post »

Um golo feliz de Luisão já nos descontos do primeiro tempo permitiu ao Benfica vencer o Braga e ficar com seis pontos de avanço em relação aos bracarenses. Ainda assim, os encarnados não conseguiram o seu segundo objectivo, a vantagem no confronto directo. A correr (muito) por fora, mas cheio de dignidade, o FC Porto foi ao Restelo vencer (3-0) e continua a onze pontos das águias.

 

Benfica 1-0 Sp. Braga

Encarnados e bracarenses sentiram a importância do encontro e notou-se que, no início do jogo, ninguém ia arriscar. Como tal, as equipas expunham-se pouco e, apesar do Benfica, ter mais posse de bola e algum domínio territorial, os ataques eram sempre pela certa. Assim sendo, a primeira parte resume-se a um falhanço de Saviola isolado perante Eduardo e a um golo de Luisão, pleno de felicidade, após um ressalto da grande área.

Na segunda parte, o teor do jogo não se alterou e o Benfica foi sempre mais perigoso. Nesse capítulo, destaque negativo para Cardozo que, desinspirado, falhou várias vezes o que raramente falha. Ainda assim, o Braga também teve uma excelente oportunidade quando Moisés, de cabeça, errou o alvo por centímetros.

No cômputo geral, a vitória do Benfica é justa perante um Sp. Braga que se bateu muito bem e provou que o segundo lugar não é obra do acaso. Excelente arbitragem de Pedro Proença.

Belenenses 0-3 FC Porto

No rescaldo da redução da pena de Hulk, o avançado brasileiro jogou de raiva e esteve nos três golos do FC Porto na deslocação ao Restelo. Aos 40 minutos, cruzou para a cabeça de Rolando, para o 1-0; Dez minutos mais tarde, em lance individual concluído com remate poderoso fez o segundo tento; E, aos 83 minutos, fez passe milimétrico para Falcao fechar a contagem (3-0). Vitória justíssima dos dragões que, neste momento, estão a apenas cinco pontos do Braga (2º). O Belenenses, esse, caminha a passos largos para a Liga Vitalis.

Marítimo 3-2 Sporting

Os leões, desfalcados e com um onze muito questionável de Carlos Carvalhal, foram à Madeira perder (2-3) com o Marítimo. A equipa leonina com João Pereira a meio campo e, até, em bom plano, chegou ao intervalo com uma igualdade a um tento com golo do ex-bracarense. Ainda assim, na segunda metade o Marítimo foi superior e venceu, com toda a justiça, por três bolas a duas. Destaque para o francês Sinama-Pongolle que se estreou a marcar…nas duas balizas.

V. Guimarães 1-0 Académica

Um golo de Rui Miguel, já perto do final do encontro, permitiu aos vimarenenses vencerem a Académica e continuarem a lutar pelo quarto lugar. Tratou-se de um jogo difícil para o V. Guimarães, mas os minhotos foram sempre mais perigosos e a sua vitória não merece contestação. Os vimaranenses estão, agora, a apenas dois pontos do Sporting (4º).

 

Nos outros jogos, destaque para a goleada que o Olhanense aplicou ao Rio Ave (5-1) em Vila do Conde. Um resultado que aproxima os algarvios da manutenção; Por outro lado, nessa mesma luta, o Leixões venceu a Naval (1-0) e o V. Setúbal venceu o Nacional (2-1). Assim sendo, os sadinos e algarvios têm uma vantagem de cinco pontos sobre a primeira equipa abaixo da linha de água, precisamente o Leixões.

Por fim, no outro jogo da ronda 24, o U. Leiria recebeu e venceu o Paços de Ferreira (2-1) e continua a acalentar o sonho europeu. 

Read Full Post »

Formado no Sporting Clube de Portugal, Nuno Assis foi daqueles jogadores que subiu a pulso na carreira e que nunca se encostou fosse onde fosse. Teve um percurso onde passou por clubes como o Lourinhanense, Alverca, Gil Vicente, Benfica ou V. Guimarães demonstrando sempre a mesma qualidade (que é grande) e, acima de tudo, o seu maior dom, conseguir usar todo o seu talento em função do colectivo.

Durante toda a sua carreira, Nuno Assis foi sempre esquecido pelos seleccionadores nacionais e só isso pode explicar o facto de apenas ter cinco internacionalizações. No entanto, o atleta sempre trabalhou da mesma forma e nunca me recordo de o ver criticar fosse quem fosse por ver, consecutivamente, as grandes competições internacionais no sofá.

Poderão dizer que Portugal tem muitas opções para o seu lugar, todavia, eu tenho de discordar. Na minha opinião, com as características específicas do Nuno Assis, o único jogador que se aproxima dele é o Rúben Micael e, esse, só apareceu na ribalta esta época. Assim sendo, será que o Nuno Assis não merecia ter sido convocado mais vezes para a selecção? Será que ele não servia nem que fosse para suplente do Deco?

Neste momento, o atleta vimarenense tem 32 anos e está no ocaso da carreira. Ainda assim, continua, jornada após jornada, a mostrar a mesma qualidade e o mesmo talento. Na verdade, a bola quando sai dos seus pés sai, normalmente, mais redonda e mais jogável. Assim sendo, com o Mundial 2010 à porta, será que no meio de Edinhos, Rolandos, Meireles e outros que tais não se arranja um lugar para o Nuno? Infelizmente, quem vai responder a essa pergunta chama-se Carlos Queirós…

Read Full Post »

Older Posts »