Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Rússia’

O percurso polaco em fases finais de campeonatos da Europa conta-se em poucas palavras ou, mais concretamente, em poucos desafios realizados, pois a Polónia apenas participou no Euro 2008, competição onde não passou da fase de grupos, tendo somado um empate com a Áustria (1-1) e derrotas com Alemanha (0-2) e Croácia (0-1). Agora, em 2012, o conjunto treinado por Franciszek Smuda regressa ao mais importante certame do futebol europeu com a responsabilidade de ser equipa anfitriã e a esperança de pelo menos superar a primeira fase, até porque, valha a verdade, o Grupo A é claramente o mais acessível deste Euro 2012.

Qualificação

Como país organizador em conjunto com a Ucrânia, a Polónia não foi obrigada a passar por nenhuma fase de qualificação, limitando-se, nessa fase, a disputar inúmeros jogos particulares.

Nesse período, a equipa polaca disputou 22 particulares, defrontando equipas modestas como a Moldávia, Lituânia ou Geórgia, mas também grandes colossos do futebol mundial como Argentina, França, Alemanha, Itália ou Portugal.

Nesses cinco super-testes, todos realizados em casa, a Polónia teve, todavia, um saldo negativo, pois apenas venceu os sul-americanos (2-1), tendo empatado com Portugal (0-0) e Alemanha (2-2) e perdido com França (0-1) e Itália (0-2).

Franciszek Smuda é o treinador da Polónia

O que vale a selecção polaca?

A Polónia é uma equipa que tem noção dos seus pontos fortes e fracos, percebendo que, no contexto actual do futebol europeu, é um conjunto modesto que terá de optar por uma abordagem algo conservadora para atingir os seus objectivos. Assim sendo, é esperado que o conjunto da Europa de Leste opte por um equilibrado 4x2x3x1 que procurará, acima de tudo, explorar o instinto matador do seu ponta de lança Lewandowski, para ultrapassar a fase de grupos.

Nesse seguimento, a Polónia deve entregar a baliza ao jovem mas muito talentoso Szczesny, guarda-redes do Arsenal, optando depois por um quarteto defensivo forte, com dois gigantes no centro (Glik e Jodlowiec) e dois laterais que também servirão principalmente para dar segurança defensiva ao sector: Wasilewski (à direita) e Boenisch (à esquerda). Para terem uma ideia do poderio físico do sector recuado polaco, temos que registar que o jogador mais baixo é Wasilewski e mede… 1,86 metros.

No meio-campo, a equipa treinada por Franciszek Smuda deve optar por um duplo-pivot, composto por Murawski e Blaszczykowski. Tratam-se de dois jogadores de boa qualidade, nomeadamente o segundo, conhecido no Borussia Dortmund por “Kuba” e que é um autêntico motor do meio-campo, sendo importantíssimo nas transições. Na frente deste duo, actuarão os extremos Grosicki e Rybus e o “dez” Obraniak, destacando-se a inteligência e criatividade do médio-ofensivo do Bordéus e, também, a imprevisibilidade de Rybus, jogador que actua bem colado ao flanco canhoto e que tivemos a possibilidade de comprovar o seu talento nos dois duelos que o Légia de Varsóvia fez diante do Sporting para a Liga Europa.

Por fim, no ataque, actuará solto Lewandowski, que é, nada mais, nada menos, que o maior talento da actual geração do futebol polaco. Goleador do Dortmund, pelo qual marcou 30 g0los em 2011/12, chega ao Euro 2012 com a satisfação de ter feito a dobradinha na Alemanha, podendo, quiçá, ser a chave de um hipotético apuramento da Polónia para os quartos de final.

O Onze Base

Assim sendo, o onze base da Polónia, escalado em 4x2x3x1 será composto por Szczesny (Arsenal) na baliza; um sector defensivo com Boenisch (Werder Bremen) à esquerda, Wasilewski (Anderlecht), à direita, e a dupla de centrais: Glik (Torino) e Jodlowiec (Polónia Varsóvia); depois, no meio-campo, “Kuba” (Borussia Dortmund) e Murawski (Lech Poznan) formarão o duplo-pivot, enquanto Grosicki (Sivasspor), Obraniak (Bordéus) e Rybus (Terek Grozny) jogarão na frente desse duo; por fim, no ataque, Lewandowski (Borussia Dortmund) será o perigo à solta.

Lewandowski é o principal talento polaco

A Estrela – Robert Lewandowski

Com 23 anos, Robert Lewandowski é o grande talento do futebol polaco, tendo despontado no Lech Poznan (41 golos entre 2008 e 2010) e que, desde 2010/11, se encontra no Borussia Dortmund, clube onde apontou 30 golos esta temporada e nove na transacta.

Internacional polaco por 40 ocasiões (13 golos), trata-se de um jogador em rápida ascensão no contexto futebolístico europeu, assumindo-se como um ponta de lança extremamente perigoso pelo seu evoluído sentido de baliza.Possante e com um excelente jogo de cabeça, o atacante polaco também demonstra boa qualidade técnica, resolvendo bem os lances de um contra um, antes da finalização.

Em suma, trata-se de um jogador que todos os adversários da Polónia neste campeonato da Europa devem vigiar com a máxima atenção.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

A conquista do título europeu é, obviamente, uma utopia (quase) irrealizável, pois a diferença de qualidade entre a Polónia e os principais candidatos à conquista do Euro 2012 é gigantesca. Ainda assim, perante o mais acessível agrupamento do Euro 2012 (Grécia, Rep. Checa e Rússia), a Polónia pode sonhar com o apuramento para os quartos de final, pois, quanto mais não seja, terá o factor casa a seu favor.

Assim sendo, veremos se os adversários vacilam e a Polónia consegue uma inédita qualificação para os quartos de final de um campeonato da Europa.

Calendário – Grupo A (Euro 2012)

  • Polónia x Grécia (8 de Junho – 17h00)
  • Polónia x Rússia (12 de Junho – 19h45)
  • Polónia x República Checa (16 de Junho – 19h45)

Read Full Post »

Actual líder do campeonato russo, o Zenit São Petersburgo chega a este duelo dos oitavos de final da Liga dos Campeões diante do Benfica após ter ficado em segundo lugar no seu grupo, curiosamente, à frente de outra equipa portuguesa, o FC Porto. Clube milionário graças ao patrocínio da Gazprom (maior empresa de gás do Mundo), o Zenit tem conhecido um passado recente cheio de títulos, tendo conquistado inclusivamente a Taça UEFA em 2007/08 e procurando agora, pela primeira vez na sua história, o acesso aos quartos de final da prova mais importante do continente europeu.

O Zenit actua no Estádio Petrovsky

Quem é o Zenit?

O Zenit São Petersburgo foi fundado em 1925, mas nunca foi um gigante no futebol soviético, tendo apenas ganho uma Taça da União Soviética (1944) e um campeonato soviético (1984), numa fase em que o futebol da URSS era dominado pelos clubes moscovitas e pelo Dínamo Kiev.

No entanto, já depois da dissolução da União Soviética, o clube de São Petersburgo chegou mesmo a cair na nova segunda divisão da Federação Russa, tendo regressado em 1996 e recebido um grande incremento de qualidade quando beneficiou do patrocínio da Gazprom.

Esse enriquecimento haveria de garantir frutos em 2007 com o primeiro título russo, tendo ainda o Zenit conquistado a Taça UEFA em 2007/08, a Supertaça Europeia em 2008 e novo campeonato russo em 2010, assumindo-se, neste momento, como um dos grandes clubes da Rússia, tendo grandes jogadores como Bruno Alves, Danny, Kerzhakov e Criscito.

Luciano Spalletti é o treinador do Zenit

Como joga?

Treinado pelo italiano Luciano Spalletti, o Zenit é um conjunto que sabe praticar bom futebol, mas também é conservador quando necessário, podendo actuar com o bloco demasiado baixo em inúmeras partidas como foi exemplo o duelo diante do FC Porto na última jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

Defensivamente é uma equipa bastante segura, destacando-se Bruno Alves como chave da boa qualidade do sector, tendo depois no ataque elementos rápidos e perigosíssimos como Lazovic ou Faizulin, ainda que esteja orfã por lesão daquele que é a grande estrela da companhia, o internacional português Danny.

No duelo diante do Benfica e apesar das ausências de Danny e Criscito, o clube russo deverá manter o 4x3x3, actuando com um onze que não deve andar longe do seguinte: Zhevnov; Anyukov, Bruno Alves, Hubocan e Lombaerts; Zyrianov, Shirokova e Denisov; Faizulin, Kerzhakov e Lazovic.

Kerzhakov é um avançado de qualidade

Quem é que o Benfica deve ter debaixo de olho? Kerzhakov

Na ausência de Danny, a grande estrela do Zenit é o ponta de lança internacional russo Kerzhakov, jogador que tem grande experiência internacional ao serviço de clubes como o de São Petersburgo, mas também o Sevilha e o Dínamo Moscovo. Produto das escolas do Zenit, o avançado-centro marcou 95 golos em 205 jogos entre 2001 e 2006 com a camisola do clube patrocinado pela Gazprom, tendo garantido depois uma transferência para Espanha e para o Sevilha.

No futebol espanhol, nunca brilhou ao nível que havia feito no Zenit e, assim, regressou à Rússia em 2008, transferindo-se para o Dínamo Moscovo onde, em duas épocas, efectuou excelente registo (59 jogos, 23 golos). De regresso ao Zenit desde 2010, o internacional russo já marcou 33 golos em 59 jogos, tendo sido peça importante na conquista do título russo no ano em que regressou a São Petersburgo.

Pelas suas características: mobilidade, capacidade técnica e enorme frieza na hora de atirar à baliza, trata-se de um jogador que os benfiquistas não deverão deixar respirar neste duelo dos oitavos de final, obrigando a dupla Garay-Luisão a atenções redobradas na marcação ao internacional russo.

Como chegou aos 8/final?

Fase de Grupos:

  • Zenit vs Apoel Nicósia (CHI) 0-0 e 1-2
  • Zenit vs FC Porto (POR) 3-1 e 0-0
  • Zenit vs Shakhtar Donetsk (UCR) 1-0 e 2-2
Classificação:
  1. Apoel Nicósia (CHI) 9 pontos
  2. Zenit 9 pontos
  3. FC Porto (POR) 8 pontos
  4. Shakhtar Donetsk (UCR) 5 pontos

Confrontos com equipas portuguesas em provas da UEFA

Taça UEFA (2005/06): Zenit vs V. Guimarães 2-1

Liga Europa (2009/10): Zenit vs Nacional 1-1 e 3-4

Liga dos Campeões (2011/12): Zenit vs FC Porto 3-1 e 0-0

As possibilidades do Sport Lisboa e Benfica

Por várias razões, entendo que o Benfica é superior ao clube russo, tanto a nível de plantel como das condicionantes que envolvem esta partida: o campeonato russo está parado e a grande estrela do Zenit (Danny) está impedido de actuar por lesão.

Ainda assim, os encarnados terão de ser uma equipa muito inteligente na forma como abordarão a eliminatória, pois o clube russo é uma equipa muito fria e eficaz e, se conseguir um bom resultado em São Petersburgo, não terá qualquer problema de “estacionar o autocarro” no Estádio da Luz para defender a vantagem.

Assim sendo, o Benfica terá de ser uma equipa muito concentrada e matreira o quanto baste, para que possa superar com naturalidade este adversário russo.

Read Full Post »

Karyaka não foi feliz no Benfica

Nem todos os insucessos desportivos de certos jogadores que chegaram a Portugal derivam de problemas de falta de talento ou de indisciplina. Existem casos de jogadores talentosos e que até são dignos profissionais, mas que depois, por uma razão ou outra, nunca conseguem vingar verdadeiramente no clube para onde se transferiram, acabando por deixá-lo rapidamente e sem grande honra ou glória. Um desses exemplos actuou no Benfica durante ano e meio e apesar de ter demonstrado alguma qualidade, pouco ou nada jogou, acabando por deixar os encarnados quase em anonimato na pausa invernal de 2006/07

Fez a formação futebolística em Dnipropetrovsk

Andrei Karyaka nasceu a 1 de Abril de 1978 em Dnipropetrovsk, Ucrânia, ainda que tenha assumido a nacionalidade russa e tenha mesmo representado a equipa principal da Rússia por 27 ocasiões (6 golos).

O percurso como jogador juvenil foi efectuado na sua cidade natal, tendo o médio de origem ucraniana actuado nas escolas de formação de Dnipropetrovsk até 1995, ano em que se transferiu para o Metalurh Donetsk. Nesse clube, Karyaka haveria de permanecer até 1997, efectuando 41 jogos e 6 golos.

Passagens pelo CSKA Kiev e Krylya Sovetov antes de chegar à Luz

Após a experiência em Donetsk, o médio russo continuou na Ucrânia, mas transferiu-se para o CSKA Kiev, onde permaneceu durante dois anos com relativo sucesso, tendo depois se transferido para o futebol russo em 2000, trocando o clube da capital ucraniana pelo Krylya Sovetov.

No clube russo, o médio haveria de finalmente se impor verdadeiramente, permanecendo na equipa de Samara até 2005, somando 130 jogos e 49 golos e conseguindo inclusivamente chegar à selecção russa, nação que representou no Euro 2004 disputado em Portugal.

Passagem sem glória pelo Benfica

No defeso de 2005/06, Karyaka era um internacional russo bastante pretendido por vários clubes de nomeada da Europa, acabando por se transferir para Portugal e para o Benfica. Conhecido por ser um médio-centro ou ala-esquerdo de boa qualidade técnica, o russo chegou com vontade de conquistar o seu espaço no clube encarnado, todavia, acabou por só fazer 16 jogos (3 golos) durante a época e meia em que esteve em Lisboa.

Nesse período, o internacional russo também foi prejudicado por uma pseudo-entrevista que teria dado a um jornal russo e em que dizia que Portugal era um país retrógada e que não gostava do seu papel no Benfica. Karyaka acabou por processar esse orgão de comunicação social e chegou-se à conclusão que essa entrevista havia sido fabricada.

Jogador livre após passagens pelo Saturn e Dínamo de Moscovo

Após sair dos encarnados, o médio transferiu-se para o Saturn, clube onde permaneceu até 2010, sendo sempre titular e somando um total de 108 jogos e 18 golos. Em 2011/12, todavia, o internacional russo voltou a mudar de ares, mudando-se para a capital russa e para o Dínamo Moscovo, clube onde não foi especialmente feliz, tendo actuado em apenas 11 jogos oficiais até ter rescindido o contrato recentemente.

Neste momento, o internacional russo tem 33 anos, mas continua há procura de um clube onde possa terminar, dignamente, a longa carreira desportiva.

Read Full Post »

Shunin é uma promessa russa

No histórico Dínamo de Moscovo do campeonato russo desponta um jovem guarda-redes internacional russo que tem um futuro muito promissor à sua frente: Anton Shunin.

Nascido a 27 de Janeiro de 1987 em Moscovo, Rússia, Anton Shunin é um produto das escolas do Dínamo Moscovo, clube pelo qual se estreou profissionalmente a 21 de Abril de 2007 num desafio diante do Khimki que o Dínamo venceu por 2-1.

Nessa temporada de 2007, o jovem guarda-redes acabou a época com 25 jogos realizados e pensou-se que teria pegado de estaca na baliza do clube da capital russa, todavia não foi isso que aconteceu.

Entre 2008 e 2010, Shunin nunca foi titular absoluto no Dínamo Moscovo, somando um total de 26 jogos realizados ao longo dessas três temporadas. Contudo, na actual temporada de 2011/12, época em que o campeonato russo faz uma transição para um calendário de Outono-Primavera, o guarda-redes russo voltou a assumir-se como principal dono da baliza do clube moscovita, somando 33 jogos pelo Dínamo Moscovo e conseguindo, inclusivamente, regressar à selecção russa.

Guarda-redes frio e elástico

Anton Shunin é um guarda-redes típico da escola russa, revelando-se bastante frio e seguro entre os postes, jamais inventando ou arriscando em demasia.

Com 1,91 metros, trata-se de um elemento muito seguro no jogo aéreo, sendo bastante forte nos cruzamentos para a área, ainda que apesar da elevada estatura, também seja um jogador bastante seguro junto à relva.

Elástico e corajoso a sair-se aos pés dos avançados, trata-se de um guarda-redes completo e promissor ao qual os clubes portugueses deviam estar de olho.

Read Full Post »

Paulo Bento levou Portugal ao Euro 2012

Após uma campanha sinuosa que começou pelo escândalo do empate caseiro com Chipre (4-4) e uma derrota pela margem mínima na Noruega (0-1), Portugal conseguiu finalmente o apuramento para o Euro 2012, após golear a Bósnia (6-2) no Estádio da Luz, no decisivo duelo do playoff. Tratou-se de uma vitória inequívoca, perante uma selecção que está em franca evolução, mas que, valha a verdade, ainda não está no nível da equipa portuguesa, que apesar de não ter um conjunto ao mesmo nível do passado recente, conta com alguns jogadores de classe mundial como Pepe, Fábio Coentrão e Nani, e um verdadeiro fora de série como é Cristiano Ronaldo. Ainda assim, após a ligeira euforia do quinto apuramento consecutivo para o campeonato da Europa, importa analisar os possíveis adversários portugueses no certame.

Subida ao Pote 3 poderá não ter trazido vantagens

Com a vitória diante da Bósnia, Portugal subiu do Pote 4 ao pote 3, o que, curiosamente, pode não ter trazido quaisquer vantagens à equipa das quinas. No Pote 3, Portugal fica automaticamente impedido de defrontar as  selecções da Suécia, Grécia e Croácia, mas passa a poder defrontar as equipas do Pote 4, onde existem três selecções equivalentes às anteriores: Dinamarca, República da Irlanda e República Checa e uma quarta, que, valha a verdade, os lusos quererão por todos os meios evitar: França.

Honestamente, deste último pote, Portugal deverá preferir os irlandeses ou os checos, pois são claramente as equipas mais frágeis, enquanto a Dinamarca, apesar da recente vitória em Copenhaga, também não poderá assustar a equipa das quinas. Por outro lado, a França, apesar da má forma recente, é uma equipa que tradicionalmente não vacila diante de Portugal e a sua colocação no mesmo grupo que o lusitano, criaria, quase de certeza, um grupo da morte no Euro 2012.

Parecem cabeças de série mas é apenas o Pote 2

O segundo pote poderia ser, claramente, um pote de cabeças de série. De facto, neste Pote 2 estão as selecções da Alemanha, Itália e Inglaterra, que perfazem oito títulos mundiais e uma Rússia, que, não sendo uma equipa frágil, será claramente a que todas as outras doze selecções vão desejar defrontar deste pote.

Tradicionalmente, Portugal dá-se melhor com a Inglaterra do que com Itália e Alemanha e, sendo assim, a equipa portuguesa deverá desejar os ingleses logo a seguir aos russos (de longe o fruto apetecido). Entre italianos e alemães, apesar do nome fortíssimo de ambos, temos que realçar que actualmente os germânicos estão bem mais fortes que os transalpinos e, a ter de escolher, seria mais “benéfico” a Portugal que lhe saísse a “squadra azzurra” que a “mannschaft”…

Pote 1: o pote dos desequilíbrios 

Apesar de tudo, o pote mais desequilibrado deste campeonato da Europa é claramente  o Pote 1, que tem as duas equipas mais fortes presentes na competição: Espanha e Holanda e, também, duas das mais frágeis: Ucrânia e Polónia.

Ainda assim, tirando a óbvia divisão “dois-dois”, há que realçar que entre espanhóis e holandeses, a preferência tem de ir para a selecção laranja, com quem nos damos tradicionalmente bem, enquanto entre ucranianos e polacos, a preferência acaba por ser indiferente, pois são ambos países organizadores e têm uma selecção de qualidade equivalente.

Haverá algum grupo de sonho ou de pesadelo?

Numa fase final de um campeonato da Europa nunca se pode falar em grupos de sonho, todavia, existem agrupamentos bem mais fáceis que outros e o melhor grupo para Portugal seria claramente algo parecido com isto:

Ucrânia/Polónia
Rússia
Portugal
República da Irlanda/República Checa/Dinamarca

Por outro lado, o oposto também existe, e existem combinações que poderão criar imensas dificuldades a que Portugal supere esta primeira fase do Euro 2012. Num caso de extrema falta de sorte, Portugal poderá encontrar algo semelhante a isto:

Espanha/Holanda
Alemanha/Itália/Inglaterra
Portugal
França

Taça Latina dentro do campeonato da Europa?

Curiosa a possibilidade da existência de uma mini Taça Latina na fase de grupos do campeonato da Europa, com Espanha, Itália, Portugal e França no mesmo agrupamento. Uma ideia interessante, mas que dificultaria e bastante a primeira missão portuguesa para este certame: apuramento para os quartos de final.

Apesar de tudo o que foi dito, só poderemos avançar com uma melhor análise aquela que vai ser a participação portuguesa após os resultados do sorteio da fase de grupos e, para isso, teremos de aguardar pelo dia 2 de Dezembro, onde tudo será decidido. Esperemos que, nesse dia, os deuses da fortuna estejam connosco e nos afastem dos maiores tubarões do futebol europeu.

Read Full Post »

O seleccionador Jorge Braz colocou Portugal no Euro

Portugal apurou-se com distinção para o campeonato da Europa de 2012 a disputar na Croácia. Integrado num grupo de qualificação com Polónia (equipa anfitriã), Bielorússia e Macedónia, a equipa das quinas não deu quaisquer hipóteses aos seus adversários, vencendo todas as partidas e deixando o segundo classificado (Bielorússia) a cinco pontos de distância. Este é o quinto apuramento de Portugal para um campeonato da Europa (quarto consecutivo) e será uma nova oportunidade para que a selecção nacional tente alcançar o título europeu, situação que ficou perto de se verificar no Euro 2010, quando Portugal perdeu na final com a Espanha por quatro bolas a duas.

Uma qualificação sem precalços

Portugal disputou o apuramento para o Euro 2012 na Polónia entre 24 e 27 de Fevereiro, pensando, desde o primeiro momento, que a equipa anfitriã seria o seu adversário mais complicado.

A estreia, porém, foi diante da Macedónia, que, no papel, era o adversário mais acessível, mas que, no campo, se revelou a equipa mais complicada, com Portugal a vencer por apenas 3-1.

Esse resultado levou muitos adeptos a pensarem que Portugal poderia ter problemas no apuramento, até porque os dois jogos que se seguiam seriam com Bielorússia e Polónia, duas equipas de respeito, sendo que a Bielorússia até havia empatado (5-5) com Portugal na última edição do campeonato da Europa.

No entanto, a equipa das quinas revelou estar num excelente momento de forma e não deu hipóteses à Bielorússia (5-1), conseguindo, imediatamente, o apuramento para o Euro 2012, pois as combinações de resultados à segunda jornada deixavam Portugal com o primeiro lugar garantido.

Assim sendo, no último jogo, Portugal apenas cumpria calendário, enquanto a Polónia jogava as suas hipóteses de ainda ser um dos melhores segundos classificados e qualificar-se para o Europeu da Cróacia. Nesse jogo, diante daquela que se pensavas ser a equipa mais difícil do grupo, os lusos despacharam os polacos por 6-0, terminaram a qualificação em estilo e empurraram a Polónia para fora da competição.

Grupo 3 de Qualificação

  1. Portugal 9 pts. (Apurado)
  2. Bielorússia 4 pts.
  3. Polónia 2 pts.
  4. Macedónia 1 pt.

Os apurados para o Euro 2012

Apuraram-se para o campeonato da Europa: Croácia (equipa anfitriã), Espanha (vencedora do Grupo 1 de Qualificação), Azerbaijão (segundo classificado do Grupo 1), Rússia (vencedora do Grupo 2), Sérvia (segunda classificada do Grupo 2), Portugal (vencedor do Grupo 3), República Checa (vencedora do Grupo 4), Roménia (segunda classificada do Grupo 4), Ucrânia (vencedora do Grupo 5), Turquia (segunda classificada do Grupo 5), Itália (vencedora do Grupo 6) e Eslovénia (segunda classificada do Grupo 6).

Read Full Post »

Dembelé deu trabalho aos defesas leoninos

Em dois jogos sem grande importância que não fosse a honra desportiva e os 120 mil euros em disputa, dragões e leões tiveram sortes diferentes nos seus duelos diante  adversários búlgaros. No Dragão, o FC Porto, mesmo com vários jogadores poupados, venceu o CSKA Sófia por 3-1 e terminou o Grupo L com impressionantes 16 pontos, ou seja, apenas concedeu um empate em seis jogos. Por outro lado, os verde-e-brancos, na neve de Sófia, não evitaram o desaire e perderam com o Levski (0-1). Este resultado, apesar de, aparentemente ser pouco importante, fez com que a Rússia se aproximasse de Portugal no Ranking UEFA, na luta pelo sexto lugar e consequente acesso de três equipas à “Champions” 2012/13.

FC Porto 3-1 CSKA Sófia

Mesmo poupando alguns jogadores, o FC Porto provou a força do seu plantel, vencendo, sem problemas, o CSKA Sófia (3-1) num jogo em que até podia ter goleado.

Na primeira parte, o golo de Otamendi (21′), na sequência de um canto, foi um magro pecúlio para o imenso domínio do FC Porto que não deu grandes hipóteses a um adversário muito modesto para estas andanças europeias.

Após o descanso, a equipa búlgara, ainda chegou ao empate, quando na sequência de um lançamento longo do seu guarda-redes, Delev (49′) empatou a partida.

No entanto, esse golo não abalou minimamente a equipa portuguesa que continuou a dominar totalmente o jogo, marcando dois tentos por Rúben Micael (54′) e James Rodríguez (90′) e vendo, inclusivamente, Falcao falhar um penalti.

Em suma, vitória tranquila de um FC Porto que provou, uma vez mais, que é muito mais do que apenas onze jogadores.

Levski 1-0 Sporting

Na neve de Sófia, o Sporting voltou a desiludir, acabando por não ser capaz de conseguir um resultado positivo diante do último classificado do Grupo C e que, na primeira volta, havia perdido cinco a zero em Alvalade.

Num jogo com poucos motivos de interesse, o Levski acabou por marcar o único golo do jogo em cima do intervalo e por intermédio de Mladenov, num lance em que Dembelé fez gato sapato de Nuno André Coelho.

Na segunda parte, os leões tentaram reagir à desvantagem, mas foram incapazes de ultrapassar a muito bem organizada linha defensiva do Levski que, assim, garantiu a pequena consolação de ter terminado invencível em casa neste Grupo C.

Com este desaire (0-1), os leões terminaram este agrupamento da Liga Europa com 12 pontos, mais quatro que o segundo, o Lille.

Read Full Post »

Older Posts »