Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Scolari’

A saída de Queiroz surgiu com meses de atraso

Antes de mais, devo admitir que esperei pela inevitabilidade do despedimento de Carlos Queiroz para, finalmente, dar a minha opinião sobre uma novela que, infelizmente, se arrastou demasiado com os terríveis custos de dois desaires incompreensíveis em termos desportivos, como foi o empate caseiro com Chipre (4-4) e a derrota na Noruega (0-1).

O agora ex-seleccionador nacional é, na minha opinião, um profissional competente e com grande talento na criação e implementação de projectos de fundo em termos organizacionais como foi bem patente no projecto de futebol jovem que, nos anos 80, foi criado e com o sucesso que se reconhece. No entanto, durante muito tempo, caiu-se, perigosamente, no erro de  esse talento organizacional de Queiroz ser confundido, várias vezes, com uma suposta capacidade técnica acima do comum, situação que, na verdade, o ex-adjunto de Alex Ferguson não tem.

Queirós, tirando os dois títulos mundiais de sub-20, foi, ao longo da sua carreira, um treinador que pouco conquistou, tendo, inclusivamente, ficado ligado a uma das mais humilhantes derrotas dos leões diante do seu eterno rival Benfica (3-6) e a perda de dois campeonatos por parte do Sporting, em duas temporadas (1993/94 e 1994/95) em que os verde e brancos tiveram dos melhores plantéis da sua história com nomes como Balakov, Figo, Valckx, Paulo Sousa, entre outros. Antes disso, Queirós já havia falhado o apuramento para o Mundial 94, ao serviço da selecção nacional, tendo, nessa altura, sido superado pela Itália e pela…Suíça.

Depois do insucesso total em Portugal em termos de futebol sénior, Queirós encetou um percurso pelo Mundo do futebol, onde passou por campeonatos e selecções menores e onde teve o único momento de algum sucesso na África do Sul, quando apurou os “bafana bafana” para o Mundial 2002. Essa proeza levou-o ao Manchester United, onde permaneceu bastante tempo como adjunto de Alex Ferguson, apenas quebrando essa ligação na temporada 2003/04, quando abraçou a liderança do Real Madrid, numa temporada em que fez os “merengues” terminarem a Liga Espanhola na quarta posição.

Curiosamente, apesar de nunca ter sido um treinador de grande sucesso, Queiroz conseguiu sempre criar uma imagem de grande prestígio no mundo do futebol como treinador e, assim, encarou-se com naturalidade a sua chamada para seleccionador nacional para a caminhada para o Mundial 2010.

Na minha opinião, nunca se deve dar uma segunda hipótese a um treinador que já falhou ao serviço de uma selecção, até porque a pressão dos adeptos sobre ele será sempre superior a um estreante. Ainda assim, quis esperar para ver se Queiroz, para além de por a equipa a jogar (bom) futebol conseguia criar elan, tanto com a equipa, como com os portugueses, situação que Scolari, mesmo não sendo um grande treinador, sempre soube fazer na perfeição.

Na verdade, o percurso de Queiroz na fase de qualificação roçou o medíocre, com Portugal a empatar com a Albânia em casa e a ser incapaz de vencer um simples jogo dos quatro que fez com Suécia e Dinamarca. Ainda assim, uma feliz combinação de resultados fez com que garantíssemos o segundo lugar no grupo e, posteriormente, num playoff diante da pouco cotada da Bósnia, conseguimos o apuramento para o Mundial da África do Sul.

Curiosamente, até acho que os resultados de Portugal no Mundial 2010 foram dignos, pois empatámos com duas boas selecções, goleámos a Coreia do Norte e apenas perdemos, nos oitavos de final, diante da equipa que se sagraria campeã do Mundo: Espanha.

Ainda assim, as exibições, tirando a segunda parte diante da Coreia, foram sempre muito pobres, percebendo-se que Queiroz não havia conseguido incutir na selecção o bom futebol que os adeptos esperam e que, ao longo dos tempos, sempre foi a imagem da equipa lusa.

Mas, se o percurso desportivo no Mundial até podia garantir a Queiroz a permanência na equipa das quinas, os acontecimentos ocorridos na Covilhã com o comité anti-dopagem, obrigavam a que, mal Portugal terminasse a presença no campeonato do Mundo, fosse feita uma reunião de emergência na Federação. Se antes do Mundial, essa situação não se podia por em causa, pois iria colocar em xeque a nossa participação no Mundial 2010, era necessário que se tomassem medidas logo após o certame, pois o apuramento para o Euro iniciava-se logo em Setembro e havia que criar condições para que a equipa portuguesa tivesse sucesso.

Infelizmente, foi tudo mal feito, arrastando-se o caso Queirós por meses a fio e custando-nos, em dois jogos, que Portugal fosse orientado por telemóvel e à distância, por um seleccionador que, na verdade, todos sabíamos que deixaria de o ser.

Agora, após termos feito dois resultados deploráveis e de estarmos, à segunda jornada, a fazer contas para chegarmos ao Euro 2012, é que se tomou a decisão de despedir Queiroz, numa decisão que, além de tardia, apenas prova que a Federação Portuguesa de Futebol é uma organização totalmente desorganizada e que, tal como a selecção, necessita de uma mudança de 180º para que possa, novamente, merecer o respeito dos portugueses.

Vamos esperar pelas eleições e, sinceramente, por sangue novo que possa dar outra alma à Federação. Até lá, esperemos que a escolha do novo treinador seja criteriosa e, acima de tudo, de risco baixo, pois, neste momento, o apuramento para o europeu já se encontra, infelizmente, na corda bamba.

Read Full Post »

Tacticamente rigoroso e competente

A chamada de Ricardo Costa foi uma surpresa na convocatória para o mundial da África do Sul e, à partida, o seu espaço na equipa seria reduzido. Apesar de alguma dificuldade em ser imprescindível nos clubes por onde passa, conta com uma carreira recheada de títulos e experiência em equipas vencedoras.

Começou por jogar nas camadas jovens do Boavista, mas transferiu-se para o FC Porto ainda nos escalões de formação. A sua incursão no futebol sénior começou por uma passagem pela equipa B do FC Porto, onde defendeu a camisola azul e branca, na Segunda Divisão B, nas temporadas 1999/00 e 2000/01. Integrou o plantel principal na temporada 2001/02, actuando simultaneamente na equipa B. Mas, foi em 2002/03, pela mão de José Mourinho, que começou a conhecer o sabor da vitória, fazendo parte da magnífica equipa que conquistou dois campeonatos nacionais, uma Taça UEFA, uma Liga dos Campeões e uma Taça de Portugal. Continuou no clube portista e voltou a conquistar títulos (uma Taça Intercontinental, um campeonato nacional e uma Taça de Portugal), mas apesar de fazer parte do plantel até 2007, nunca se impôs como uma peça fundamental na equipa, acabando por rumar ao estrangeiro para jogar no Wolfsburg (2007/08). Na Alemanha, jogou duas temporadas e meia voltou a conhecer a vitória com a conquista do campeonato na época 2008/09, transferindo-se para o Lille a meio da temporada transacta e ajudando o clube francês a alcançar o 4º lugar na liga francesa. Na próxima época irá jogar no Valência de Espanha.

Fez o percurso das camadas jovens somando 23 internaticonalizações sub-21 e marcando presença na equipa olímpica que disputou os Jogos Olímpicos de Atenas (2004). Na selecção principal, estreou-se em 2005 e fez parte das escolhas de Scolari para o Mundial 2006, na Alemanha. Quatro anos depois, volta a marcar presença numa campeonato do mundo e já deu o seu contributo à equipa, no empate frente ao Brasil.

Ricardo Costa não é um central alto (1,83m), nem é especialmente rápido ou tecnicamente dotado. O seu estilo é o de um central duro e de marcação. A sua polivalência, fruto de uma boa capacidade táctica, é uma das suas maiores mais valias no apoio à equipa, podendo, sempre que necessário, desempenhar qualquer posição na defesa – seja como central ou como um lateral mais defensivo que fecha o corredor, como o vimos actuar algumas vezes. Frente ao Brasil jogou fora da sua posição habitual e apesar de sentir dificuldades em alguns lances, contribuiu para a consistência defensiva que a equipa demostrou.

Quando olhamos para os vinte e três escolhidos por Queirós, Ricardo Costa poderá aparentar ser apenas uma opção de recurso, mas a sua experiência e polivalência poderão ser importantes para a consistência da equipa.

Read Full Post »

É um jogador talentoso, , mas não era certo que estivesse entre os eleitos do seleccionador. Ainda assim, a sua chamada não deixou ninguém surpreendido.

Miguel Veloso, de 24 anos, é um jogador polivalente (actua a defesa central ou lateral), mas é no centro do terreno que demonstra todo o seu talento.

Após ser campeão de juniores nas camadas jovens do Sporting (2004/05), foi emprestado ao Olivais e Moscavide (2005/06), onde ajudou a promover o clube à Liga de Honra e ganhou o seu primeiro título nacional. Na época seguinte (2006/07) regressou ao Sporting e cedo demonstrou capacidades para ser titular e afirmar-se na primeira equipa, despertando o interesse de grandes clubes de outros campeonatos.

Na selecção, estreou-se pela mão de Scolari, em 2007, e esteve presente no Euro2008. Este ano volta a marcar presença numa grande competição de selecções, mesmo tanto sido pouco utilizado na fase de apuramento.

Veloso é um jogador de técnica apurada, bom toque de bola e uma capacidade de passe fora do comum – sendo os passes longos uma das suas qualidades. Tem um remate forte e preciso e um posicionamento em campo muito interessante, que lhe permite preencher os espaços de forma a compensar a sua falta de velocidade. As bolas paradas são também um dos seus trunfos – sejam cantos ou livres, e o seu pé esquerdo, nesse aspecto, a ser uma mais valia para a selecção.

Pode desempenhar outras funções dentro de campo, mas, perante as suas características e o esquema táctico da selecção, Miguel Veloso deverá ser utilizado, por Queirós, no meio campo, à frente do trinco (Pepe ou Pedro Mendes) e atrás do Nº10 (Deco). Veloso será um número (8) que trará equilíbrio ao meio campo defensivo e procurará desequilibrar nas transições ofensivas – pela sua visão de jogo e remate de meia distância.

Existem dúvidas se o seleccionador o irá premiar com a titularidade, mas perante a má forma de Meireles (o mais usado nessa posição durante a qualificação) e a dúvida sobre a possibilidade de utilizar Tiago (devido a lesão), Veloso pode ter a hipótese de se afirmar em definitivo como uma pedra chave na selecção nacional, convencer de vez quem ainda tenha dúvidas sobre o seu valor e valorizar a sua (aparentemente inevitável) ida para um campeonato de maior dimensão.

Read Full Post »

Uma peça de equilíbrio táctico

Uma peça de equilíbrio táctico

Com a impossibilidade de Bosingwa estar presente na fase final do campeonato do mundo, a discussão pelo lugar de lateral direito ficou em aberto.

Vários nomes surgiram em agenda para além dos que acabaram por ser convocados: Ruben Amorim, João Pereira ou mesmo Miguel Lopes. Jogadores dos três grandes nacionais e que integraram a pré-convocatória do seleccionador. No entanto, Queirós optou por jogadores com experiência na selecção (Miguel e Paulo Ferreira), com quem já tinha trabalhado e que sabia com o que podia contar – um critério válido e coerente quando existe pouco tempo de trabalho para integrar jogadores novos numa área que necessita de aprendizagem de rotinas, o sector defensivo.

Analisemos então Paulo Ferreira. Nascido em Janeiro de 1979, o jogador de 31 anos é um lateral polivalente que tanto pode jogar na ala direita, como na ala esquerda da defesa.

Iniciou a sua carreira no Estoril, onde jogou até 1999/00, tendo-se transferido posteriormente para o Vitória de Setúbal. Em Setúbal jogou duas épocas com grande regularidade, chegando a despertar o interesse do Sporting. Mas, seria o Porto a assegurar a sua contratação, pela mão de José Mourinho. No Porto, Paulo Ferreira jogou duas temporadas foi sempre titular, fez exibições de grande regularidade, dando equilíbrio e segurança à equipa e ganhou quase tudo o que podia ganhar: dois campeonatos, uma taça de Portugal, uma Supertaça Portuguesa, um Taça UEFA e uma Liga dos Campeões. Mais uma vez pela mão de Mourinho, transfere-se para o Chelsea, em 2004, onde joga actualmente. Apesar de começar a sua aventura em Londres como titular, Paulo Ferreira foi perdendo lugar na equipa do Chelsea a partir da sua segunda temporada.

Apesar de perder o fulgor no seu clube, na selecção foi sempre uma opção válida para Scolari e para Queirós, jogando à direita e à esquerda sempre que necessário e marcou presença em todas as competições internacionais desde 2004.

Paulo Ferreira é um lateral que agrada mais aos técnicos com quem trabalha do que aos adeptos que o vêm jogar. Não é um lateral rápido e desiquilibrador que entusiasma a plateia com rasgos individuais ou desequilíbrios na parte ofensiva do jogo – apesar de ser ser bom nos cruzamentos para a área. O seu grande talento é a regularidade e capacidade táctica, cumprido à risca com as ordens que vêm do banco e dando consistência defensiva à equipa. Não sendo um gigante, é um jogador alto para a posição de lateral (1,82m), o que pode ser útil para compensar o défice de altura que a nossa selecção, por regra, tem em relação a alguns adversários.

Numa equipa que deverá jogar com três jogadores de tarefas claramente ofensivas e um lateral esquerdo de características atacantes (tanto Duda como Fábio Coentrão são laterais ofensivos), Paulo Ferreira pode desempenhar um papel muito importante no equilíbrio da equipa, libertando o génio dos alas Cristiano Ronaldo, Simão ou Nani.

Pela sua regularidade, experiência e “encaixe no sistema táctico” deverá ser o titular da selecção – pelo menos em jogos mais equilibrados e que requerem maiores cuidados defensivos. No entanto, parece-nos uma opção limitada do ponto de vista ofensivo, pelo que em jogos ou situações em que for necessário um forcing atacante mais acentuado faz todo o sentido que seja uma peça a sacrificar.

Read Full Post »

Hoje, em pleno aeroporto da Portela, e em vésperas do sorteio de qualificação para o Euro 2012, Carlos Queiroz (esse mesmo, o seleccionador nacional) e o comentador Jorge Baptista envolveram-se em confrontos, que, segundo o comentador, incluiram agressões do actual timoneiro da equipa das quinas.
Infelizmente, verificamos que o caso entre Sá Pinto e Liedson não é nada isolado, mas sim um sintoma do nosso futebol. Um desporto sem lei, regras e em que tudo passa impune, mesmo quando existem filmagens e gravações a comprová-lo.
Depois da célebre “defesa do menino” de Scolari, estou, neste momento, bastante curioso por ver qual será a argumentação de Carlos Queiroz e ainda estou mais curioso por saber quais serão as medidas da Federação em relação a mais este caso.
Infelizmente, quase que posso apostar que vão apostar no branqueamento… e vocês?

Read Full Post »