Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Sp. Braga’

PM

O Vitória de P. Martins já está na Liga Europa

A fraca temporada que Portugal fez nas competições europeias em 2016/17, potenciada pelo facto de Sporting e Sporting de Braga terem estado muito abaixo das expectativas, faz com que o nosso país vá perder uma equipa nas competições europeias em 2018/19.

Ou seja, nessa temporada, teremos apenas duas equipas na Liga dos Campeões (uma na 3.ª pré-eliminatória e outra na fase de grupos) e outras três na Liga Europa (uma na fase de grupos, uma na 3ª pré-eliminatória e outra na 2.ª pré-eliminatória).

Este infortúnio, porém, poderá (e deverá) começar a ser revertido já na próxima época, uma vez que Portugal teve a “sorte” de (quase) tudo lhe correr no âmbito das equipas que se apuraram para as competições europeias, seja ao nível de quem se qualificou, como inclusivamente da fase da prova para a qual seguirão.

FC Porto no playoff seria teoricamente melhor para Portugal

Na Liga dos Campeões, por exemplo, seguem as três melhores equipas portuguesas (Benfica e FC Porto na fase de grupos e Sporting no playoff), sendo que o cenário apenas poderia melhorar caso os dragões fossem ao playoff ao invés dos leões. É que os azuis-e-brancos, com 98,866 de coeficiente, seriam garantidamente cabeças de série nessa fase da prova, algo que maximizaria a possibilidade de termos novamente três equipas na fase de grupos da Liga dos Campeões.

O Sporting, afinal, fruto de fracas campanhas europeias recentes, tem um coeficiente de apenas 36,866, números que só por milagre lhe permitirão chegar ao estatuto de cabeça de série no playoff e, como tal, diminuirão em muito as possibilidades dos leões ultrapassarem essa fase da prova.

Neste momento, e olhando para os potenciais adversários do Sporting, podemos vislumbrar equipas como o Sevilha, Nápoles ou Liverpool, sendo que só sendo cabeças de série é que os verde-e-brancos poderão escapar a estes emblemas. E para isso, é preciso que quatro equipas com melhor ranking sejam eliminadas na 3.ª pré-eliminatória, num cenário que, convenhamos, é bastante improvável.

Pontos de bónus na Champions são relevantes

Até há pouco tempo, e em termos de ranking UEFA, beneficiava-se muitas vezes de se jogar na Liga Europa ao invés da Liga dos Campeões. Afinal, a contagem dos pontos era semelhante e o grau de dificuldade dos mesmos era completamente diferente, sendo muito mais fácil robustecer o ranking nessa prova do que na Champions.

Consciente de que isso era algo injusto, a UEFA fez algumas modificações, sendo a mais relevante a atribuição de quatro pontos de bónus só pela passagem à fase de grupos da Liga dos Campeões, a que há de juntar outros cinco pela eventual passagem aos oitavos de final da prova. Assim sendo, uma equipa portuguesa que atinja os oitavos de final desta prova sabe que independentemente dos seus resultados irá sempre somar nove pontos para o seu ranking, algo que equivale a quatro vitórias e um empate.

Ou seja, uma equipa que se apure para os oitavos de final da Liga dos Campeões com, imaginemos, três vitórias e dois empates, irá somar 17 pontos para o ranking, enquanto uma equipa que ganhe o grupo da Liga Europa com seis vitórias e vença os dois jogos dos 16/final irá somar “apenas” 16 pontos. Nesse seguimento, e aliado ao factor financeiro, é agora unânime que existirá sempre o maior dos benefícios em jogar a Liga dos Campeões me detrimento da Liga Europa.

Quinto lugar do Sp. Braga é teoricamente positivo na UEFA

Tirando os “três grandes”, apenas uma equipa portuguesa tem um ranking UEFA relevante, mais concretamente o Sporting de Braga, emblema que até se superioriza ao Sporting nesse aspecto, acumulando um total de 37,366 pontos.

Nesse seguimento, acaba por ser positivo para Portugal que os bracarenses tenham caído para o quinto lugar, uma vez que, assim, levamos às pré-eliminatórias uma equipa que, garantidamente, será sempre cabeça de série num eventual caminho até à fase de grupos.

Ora, esse cenário é igualmente muito importante na segunda prova mais importante do futebol europeu, uma vez que, no playoff, já se vislumbram equipas muito fortes com o estatuto de cabeça de série, sendo exemplos o PSV, AC Milan, Marselha, Galatasaray, Zenit ou Real Sociedad, tudo equipas que entram logo na 3.ª pré-eliminatória.

Marítimo pode sonhar

Quanto aos outros dois clubes portugueses presentes na Liga Europa, sabemos de antemão que o Vitória de Guimarães tem presença garantida na fase de grupos, num cenário bastante positivo para os vimaranenses (e para o ranking luso), que, em teoria, dificilmente seriam cabeças de série no playoff.

Com os mesmos 14,866 pontos de ranking encontra-se o Marítimo, sendo que a equipa madeirense, em teoria, será cabeça de série na 3.ª pré-eliminatória, o que lhe permitirá fugir aos “tubarões” que referenciei para o caso arsenalista.

No playoff, contudo, já não é expectável que o Marítimo consiga esse estatuto, ainda que os madeirenses não devam já se resignar com a fatalidade de terem de defrontar um cabeça de série nessa fase da prova. É que, se não houver grandes surpresas na Liga dos Campeões, será “apenas” necessário que sete equipas com melhor ranking que o Marítimo sejam eliminadas entre a 1.ª e 3.ª pré-eliminatória, algo que está muito longe de ser impossível.

Read Full Post »

LigaAinda a uma jornada do final da Liga, mas com quase todas as contas referentes à prova resolvidas, importa escolher aqueles que foram, para mim, as principais figuras individuais da prova, tanto ao nível do treinador como de um hipotético melhor onze do campeonato nacional.

Treinador: Jorge Jesus (Benfica) – Penso que será unânime esta escolha, isto sem esquecer que, perante as condições colocadas à sua disposição, também Marco Silva fez uma excelente campanha. Afinal, o treinador das águias ganhou mesmo o bicampeonato e isto perdendo inúmeras das figuras de 2013/14 e diante de um FC Porto que tinha mais e melhores soluções.

Guarda-Redes: Júlio César (Benfica) – Muita gente torceu o nariz à contratação deste internacional brasileiro, que chegava a Portugal numa fase descendente da carreira e já com um espectro de lesões. A verdade, contudo, é que o “Imperador” conseguiu dar sempre segurança e confiança ao sector recuado, impedindo que os encarnados sentissem em demasia a saída de Jan Oblak.

Lateral-Direito: Danilo (FC Porto) – Na sua última temporada em Portugal, isto antes de dar o salto para o Real Madrid, o internacional brasileiro fez uma fantástica campanha, sendo sempre importante na profundidade ofensiva que oferecia pelo flanco direito, e isto sem nunca colocar em causa a segurança defensiva do seu flanco.

Defesa-Central: Luisão (Benfica) – Juntamente com Júlio César, foi o grande responsável pela segurança defensiva dos encarnados em 2014/15, assumindo-se sempre como a verdadeira voz de comando da defesa do Benfica e tendo inclusivamente tempo para ajudar Jardel a crescer do seu lado.

Defesa-Central: Aderlan Santos (Sporting de Braga) – Surpreende que este defesa-central brasileiro ainda não tenha dado o salto para um clube com outros pergaminhos, uma vez que, jogo após jogo, mostra que é a grande referência do eixo defensivo arsenalista, onde parece muitas vezes intransponível. Mais uma excelente época.

Lateral-Esquerdo: Alex Sandro (FC Porto) – Diz-se que estará igualmente a caminho do FC Porto, tal como sucede com o compatriota e ainda colega Danilo e percebe-se claramente porquê, uma vez que o internacional brasileiro é sempre seguro no processo defensivo e consegue ainda ser fulcral no ataque, onde consegue desequilíbrios com e sem bola, fruto da sua técnica apurada e inteligência posicional.

Médio-Defensivo: William Carvalho (Sporting) – Demorou a engrenar e, mesmo no auge, esteve algo longe dos melhores momentos de 2013/14, vítima que foi da mudança estratégica que Marco Silva implementou no leão. Ainda assim, foi claramente o melhor “seis” do campeonato, conseguindo equilibrar defensivamente o leão, isto ao mesmo tempo que era muitas vezes igualmente o “oito” e o “dez”.

Médio-Centro: Óliver Torres (FC Porto) – Emprestado pelo Atlético de Madrid, é quase garantido que a passagem do internacional sub-21 espanhol pelo futebol português se resumirá apenas a esta temporada. Afinal, o prodigioso médio mostrou imaginação, inteligência táctica, criatividade e uma superior visão de jogo, num cocktail que só poderá parar brevemente na titularidade num colosso europeu.

Ala/Extremo-Direito: André Carrillo (Sporting) – Nani chegou esta temporada a Alvalade para dar a tal capacidade de desequilíbrio que havia faltado ao leão em 2013/14, mas acabou por ser “La Culebra” a decidir saltar para a ribalta e ofuscar inclusivamente o internacional português. Foram incontáveis as assistências do internacional peruano e isto sem esquecer as igualmente incontáveis vezes em que o extremo leonino conseguiu assumir-se como o verdadeiro abre-latas do ataque. Será uma grande perda para o Sporting se sair mesmo no Verão.

Ala/Extremo-Esquerdo: Nico Gaitán (Benfica) – Com “La Culebra” a assumir-se como o mais entusiasmante “extremo puro” desta Liga, ressurgiu novamente no flanco oposto o melhor “falso extremo” da prova. Afinal, Nico Gaitán, que joga como ala e pensa como um “dez”, voltou a ser o principal criador do meio-campo ofensivo encarnado, naquele seu superior futebol que alia a capacidade desequilibradora de um ala com a visão de jogo e a construção de um “dez”.

Avançado-Centro: Jonas (Benfica) – Tal como Júlio César, chegou ao Benfica sob o espectro de alguma desconfiança, mas a verdade é que quebrou rapidamente com a mesma, assumindo-se, juntamente com Nico Gaitán, como a principal figura deste campeonato. Afinal, naquela zona híbrida entre o “dez” e o “nove”, o internacional brasileiro conseguiu ser criador e finalizador, chegando à 33.ª jornada com 18 golos e participação em muitos outros mais.

Ponta de Lança: Jackson Martínez (FC Porto)  Todo o segundo avançado anseia pela companhia ideal e num Mundo perfeito a companhia de Jonas seria “Cha Cha Cha”, atacante que se prepara para ser novamente o melhor marcador do campeonato. Fabuloso finalizador, que alia esse factor a uma fantástica capacidade física e inteligência posicional, Jackson Martínez promete deixar muitas saudades quando abandonar o Dragão.

Read Full Post »

Miguel Lopes foi uma surpresa

Uma das grandes surpresas da convocatória de Paulo Bento para este campeonato da Europa é, claramente, Miguel Lopes, lateral-direito do Sporting de Braga que poucos esperavam que estivesse nos 23 elementos que vão representar Portugal no Euro 2012. Produto das escolas de clubes como o Oriental, Olivais e Moscavide ou Alverca, Miguel Lopes iniciou a sua carreira profissional no Benfica, todavia, teve de dar alguns passos atrás na carreira até conseguir, este ano, o momento mais alto da sua carreira desportiva, sendo titular no Sp. Braga e conseguindo a viagem para a Polónia e Ucrânia.

Percurso Desportivo

Hugo Miguel Almeida Costa Lopes nasceu a 19 de Dezembro de 1986 em Lisboa, Portugal, tendo iniciado a sua carreira no Oriental e passado pelo Olivais e Moscavide e Alverca, antes de se transferir para o Benfica. Nos encarnados, representou a equipa B em 2005/06, tendo realizado 24 jogos e marcado 4 golos. Ainda assim, não convenceu os responsáveis encarnados, tendo se transferido depois para o Operário na época seguinte.

Nos açorianos, em plena II Divisão B, Miguel Lopes jogou com regularidade (23 jogos, 7 golos), garantindo, sem surpresa, uma transferência para o Rio Ave, clube que representou entre 2007 e 2009 e onde  foi peça importante no regresso dos vilacondenses ao primeiro escalão.

Esse bom desempenho no Rio Ave permitiu novo salto ao jovem lateral, sendo que Miguel Lopes se mudou para o FC Porto no início de 2009/10. Todavia, nessa época, o lateral português não se impôs totalmente, acabando emprestado ao Betis em 2010/11.

Depois de uma época de bom nível na equipa andaluza (22 jogos), Miguel Lopes preparava-se para ser novamente emprestado a outro clube espanhol (Saragoça) em 2011/12, contudo, vários problemas inerentes a essa cedência acabaram por fazer com que o internacional português ficasse parado durante os primeiros seis meses da última temporada.

Como tal, Miguel Lopes apenas voltou à acção na segunda metade de 2011/12, desta feita, num empréstimo ao Sp. Braga, clube onde terminou a época em excelente nível, tendo garantido a titularidade e, também, um lugar no Euro 2012.

Como joga?

Miguel Lopes é preferencialmente um lateral-direito que defende com critério e sabe subir com coerência pelo seu flanco, criando desequilíbrios no ataque.

Raçudo e inteligente em termos posicionais, não é um portento de técnica, contudo, tem assinalável qualidade de passe e cruza com qualidade quando ganha a linha.

Apesar de tudo, e havendo João Pereira e, até, Ricardo Costa como opção para a lateral-direita, será difícil que Miguel Lopes tenha grandes ocasiões para jogar no Euro 2012.

Read Full Post »

João Pereira será o lateral-direito titular

Aos 28 anos, João Pereira estreia-se numa grande competição internacional e logo como provável titular, dado ao afastamento da selecção portuguesa daquele que seria o seu mais sério concorrente na posição de lateral-direito: José Bosingwa. Inicialmente um extremo-direito, mas que, com o tempo, foi recuando no terreno, João Pereira é um jogador de sangue na guelra e que nunca dá nenhum lance por perdido, acabando muitas vezes traído pelo seu feitio algo conflituoso que o levam a somar acções disciplinares e, também, algumas desconcentrações fatais.

Percurso desportivo

João Pedro da Silva Pereira nasceu em Lisboa a 25 de Fevereiro de 1984 e é um produto das escolas do Benfica, clube para onde se transferiu, ainda no escalão de escolas, oriundo do Domingos Sávio.

Nos encarnados, fez toda a formação e estreou-se na equipa principal em 2003/04, como extremo-direito, tendo jogado com interessante regularidade com José António Camacho (35 jogos, 5 golos). No ano seguinte, com Trapattoni, os índices de utilização mantiveram-se altos (34 jogos, 1 golo)

Os problemas, no Benfica, começaram em 2005/06, quando após um incidente com Koeman acabou inclusivamente na equipa B das águias, tendo se transferido para o Gil Vicente a meio da época, clube onde acabou a temporada como titular.

No clube de Barcelos, João Pereira manteve-se na temporada seguinte, uma campanha de 2006/07 que acabou por ser na Liga de Honra devido à descida do Gil Vicente, situação motivada pelo caso Mateus. Nesse ano, o internacional português fez 25 jogos e garantiu a transferência para o Sp. Braga, regressando, dessa forma, ao primeiro escalão do futebol português.

Nos arsenalistas, esteve duas épocas e meia, onde se destacou pela regularidade (93 jogos, 2 golos) e qualidade exibicional, acabando por ser natural o salto para o Sporting.

Ora, nos verde-e-brancos, e mesmo numa fase complicada destes em termos desportivos, João Pereira tem sido um dos intocáveis, somando impressionantes 105 jogos nas últimas duas temporadas e meia.

Qualidades e Lacunas

Inicialmente um extremo-direito, João Pereira mantém algumas características dessa posição, pois continua a ser um jogador muito ofensivo, que encara os adversários sem medo e que procura tanto o cruzamento como as diagonais para o centro do terreno.

Todavia, esse perfil demasiado ofensivo expõe em demasia as suas costas, sendo que, no Sporting, esses problemas se tornavam mais visíveis quando, ao invés de Izmailov ou Pereirinha, actuava à sua frente um jogador com menos consciência defensiva como Carrillo.

Para além disso, João Pereira é um jogador demasiado agressivo, sendo isso muitas vezes positivo na forma como intimida e desarma os adversários, mas também existindo a outra face da moeda, que passa por inúmeras admoestações que o condicionam no seu desempenho.

Em suma, trata-se de um jogador que poderá oferecer profundidade ofensiva ao futebol da equipa das quinas, mas que terá de se mostrar especialmente concentrado, para que esse incremento de qualidade atacante não signifique igualmente o ruir do castelo defensivo que está a ser preparado por Paulo Bento.

Read Full Post »

Ricardo Sá Pinto tirou o Sporting do poço

Devo, à priori, admitir que torci um pouco o nariz à contratação de Ricardo Sá Pinto para a posição de treinador principal do Sporting Clube de Portugal. Tratava-se de um treinador com pouca experiência e iria pegar num clube verde-e-branco que, valha a verdade, tem se assumido como um verdadeiro triturador de responsáveis técnicos.

Por outro lado, Ricardo Sá Pinto tinha uma vantagem, o Sporting estava muito perto de embater com estrondo no fundo de um poço competitivo. Eliminado da Taça da Liga e em quinto lugar no campeonato nacional, restava ao Sporting a consolação do apuramento para a final da Taça de Portugal e para os 16/final da Liga Europa, feitos, ainda assim, pouco relevantes, tendo em conta a (excelente) qualidade do plantel e as paupérrimas exibições que os leões realizavam desde há imenso tempo.

Consciente das dificuldades, o jovem treinador português teve a capacidade de compreender que o Sporting não poderia passar do 8 ao 80 de forma imediata e, assim, foi capaz de definir um caminho progressivo no seu percurso como treinador verde-e-branco. Primeiro, seria necessário devolver a confiança aos próprios jogadores e, depois, tentar-se ia melhorar de forma progressiva a qualidade futebolística.

Isso é notório nos próprios resultados. Tirando a estreia em Varsóvia, e onde o Sporting até foi feliz no empate (2-2) obtido, os leões nunca marcaram mais do que um tento até ao sétimo jogo de Sá Pinto (5-0 ao V. Guimarães), destacando-se, principalmente, por só terem sofrido três golos e por terem vencido quatro dos seis duelos, com realce óbvio para aquele que foi o jogo que provocou o ponto de viragem neste Sporting 2011/12: o 1-0 ao Manchester City.

De facto, num jogo em que até a maioria dos leões ficaria contente com uma derrota digna, o Sporting foi capaz de surpreender o então líder do campeonato inglês, criando as bases para outro “milagre” posterior: o 2-3 de Manchester que garantiu o apuramento leonino para os quartos de final da Liga Europa. Nesse duplo duelo com o Manchester City, também se percebeu outra coisa, o Sporting tinha encontrado o modelo perfeito para os confrontos com adversários iguais ou superiores: defender com bloco baixo, pressionar a zona de construção do oponente e desenvolver rapidamente o contra-ataque. Foi assim com os milionários ingleses, mas também foi assim que os pupilos de Ricardo Sá Pinto eliminaram o Metalist e superaram o Benfica.

Com o modelo defensivo praticamente definido e bem afinado (vejam o quanto melhorou Anderson Polga com a chegada de Ricardo Sá Pinto), caberá agora a Ricardo Sá Pinto fazer evoluir algo que ainda é uma grande lacuna deste Sporting: a dificuldade em ser incisivo e efectivo perante adversários que esperam pacientemente que os leões assumam as rédeas do jogo. Ou seja, o jovem treinador já tem a poção para quando o Sporting surge em campo como “lobo disfarçado de cordeiro”, mas tem ainda que encontrar o antídoto certo para quando são os adversários a encararem o conjunto verde-e-branco dessa forma.

Com poucos jogos até final da temporada e sendo muitos deles de grau de exigência muito elevado (FC Porto, Sporting de Braga, Athletic Bilbau (duas vezes) e, espera-se, final da Liga Europa), serão poucas as oportunidades de afinar essa nova concepção estratégica ainda em 2011/12, restando então a Sá Pinto manter a sua (eficaz) postura de “lobo na pele de cordeiro” na tentativa de obter títulos (lembre-se que o Sporting ainda está em duas frentes) e esperar a pré-época pacientemente, para, depois, afinar um Sporting de duas caras para enfrentar 2012/13.

Read Full Post »

Saganowski era a estrela deste Vitória

A única vez em que os vimaranenses participaram na fase de grupos de uma grande competição europeia foi em 2005/06, quando alcançaram a fase de grupos da Taça UEFA. Num ano em que Sporting, Sp. Braga e Vitória de Setúbal foram eliminados no playoff de acesso a essa mesma fase de grupos, coube aos minhotos defenderem a honra portuguesa, ainda que o agrupamento, com Bolton, Besiktas, Zenit e Sevilha previsse dificuldades que, valha a verdade, se concretizaram, pois o conjunto de Guimarães acabaria por ser incapaz de superar os adversários e passar à fase seguinte da prova.

Wisla de Cracóvia foi um obstáculo bastante acessível

Para chegar à fase de grupos da Taça UEFA, o Vitória de Guimarães teve de ultrapassar o conjunto polaco do Wisla Cracóvia, equipa se previa difícil para os minhotos. Contudo, na primeira mão disputada no Minho, os vimaranenses mostraram um poderio muito superior ao Wisla e venceram por 3-0 (golos de Cléber, Mário Sérgio e Benachour), deixando a eliminatória quase sentenciada.

Na segunda mão, disputada em Cracóvia, o conjunto polaco cedo percebeu ser incapaz de dar a volta aos acontecimentos, baixando os braços e facilitando a vida ao conjunto português. De facto, o Vitória até foi capaz de vencer na Polónia, graças a um golo de Saganowski já perto do apito final.

Grupo mostrou-se demasiado forte para os vitorianos  

Superado o obstáculo polaco, o V. Guimarães ficou integrado num grupo com Zenit, Bolton, Sevilha e Besiktas, adivinhando-se muitas dificuldades para o conjunto português.

No primeiro jogo, disputado em São Petersburgo, o Vitória até fez uma boa exibição, no entanto, quando estava por cima do jogo, um penalti deitou tudo a perder, permitindo a vantagem russa. Mais tarde, o Zenit ainda aumentou para 2-0, sendo que o golo solitário de Neca apenas minimizou a derrota (1-2).

Com uma derrota no primeiro jogo, o Vitória era obrigado a superar o Bolton na segunda partida, sendo que o golo de Saganowski a seis minutos do fim parecia aproximar os vimaranenses desse objectivo. Todavia, um grande golo de Vaz Té três minutos depois garantiu o empate (1-1) aos ingleses e deixou a equipa portuguesa quase eliminada.

Com apenas um ponto em dois jogos, o Vitória precisava de um milagre, que passaria por vencer o Sevilha em Espanha. Todavia, na Andaluzia, o conjunto português perdeu por 3-1, tornando o último jogo com o Besiktas um mero cumprir de calendário. Nessa partida, um conjunto português bastante desmotivado havia de perder com os turcos por 3-1, terminando assim sem grande glória o Grupo H e surgindo um mau pronúncio para o que vinha aí de temporada doméstica: a surpreendente descida de divisão.

Read Full Post »

Rodrigo Galo com a camisola do Gil Vicente

No Gil Vicente, por empréstimo do Sp. Braga, evolui um defesa/médio-direito de grande qualidade individual e que pode conquistar um espaço de destaque no futebol português: Rodrigo Galo.

Nascido a 19 de Setembro de 1986 em Rio Branco, Brasil, Rodrigo Galo Brito começou a sua carreira nas camadas jovens do Atlético Clube Juventus, tendo passado depois para o Avaí, clube pelo qual se estreou como sénior.

Chegou ao futebol português pela porta do Gil Vicente

Em 2008/09, Rodrigo Galo transferiu-se para o Gil Vicente, clube que representaria até ao final da temporada transacta. Em Barcelos, o jovem brasileiro havia de fazer 86 jogos (12 golos) e conquistar a atenção de vários clubes de maior nomeada, sendo um deles o Sp. Braga, conjunto que o adquiriu para a época 2011/12.

No Sp. Braga, todavia, o polivalente atleta não foi capaz de se impor, jogando apenas um duelo para a Taça de Portugal diante do 1º Dezembro. Com naturalidade, Rodrigo Galo mudou de ares a meio da temporada, regressando ao Gil Vicente, agora por empréstimo.

Neste regresso a Barcelos, Rodrigo Galo voltou a jogar com regularidade, marcando inclusivamente um golo ao Sporting no triunfo da equipa minhota diante dos leões por 2-0.

Defesa ou ala-direito de qualidade

Rodrigo Galo é um atleta de 1,76 metros e 66 quilos que tanto pode actuar como lateral-direito de perfil ofensivo como ala no mesmo flanco, mostrando-se competente em ambas as posições.

Rápido, raçudo e com excelente técnica, o brasileiro é um jogador que defende bem, mas destaca-se acima de tudo pela forma como sabe subir no seu flanco com critério e inteligência.

Com bom remate de meia distância e uma excelente intensidade de jogo, Rodrigo Galo é, aos 25 anos, um jogador com perfil para vingar no plantel do Sp. Braga, precisando apenas de oportunidades para tal.

Read Full Post »

Older Posts »