Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Taça da Liga’

Eduardo será o nº2 para a baliza

Provável segunda escolha para a baliza de Portugal no campeonato da Europa, é um dos casos mais curiosos nesta convocatória, pois trata-se de um guarda-redes que mal jogou ao longo da época 2011/12, devido a estar tapado no Benfica pelo brasileiro Artur Moraes. Ainda assim, mereceu a confiança de Paulo Bento para estar no Euro 2012, talvez por este ainda se recordar das brilhantes actuações de Eduardo ao longo do Mundial 2010, competição onde o ainda guarda-redes encarnado fez a totalidade dos 360 minutos que Portugal somou na África do Sul e apenas sofreu um golo, fatídico, diga-se, de David Villa.

Percurso desportivo

Eduardo dos Reis Carvalho nasceu a 19 de Setembro de 1982 em Mirandela, Portugal, e é um produto das escolas de formação do Sporting Clube de Braga. Entre 2000/01 e 2005/06, o guarda-redes português foi conquistado o seu espaço no Braga B, clube secundário dos arsenalistas onde Eduardo efectuou 110 jogos, tendo, nessa fase, se sentado no banco da equipa principal dos bracarenses várias vezes.

Em 2006/07, os responsáveis do Sp. Braga, perceberam que Eduardo já não poderia continuar a competir convenientemente numa pouco exigente II Divisão nacional e, como tal, emprestaram-no ao Beira-Mar, clube onde o guarda-redes somou 20 jogos oficiais. Na temporada seguinte, Eduardo voltaria a ser cedido, desta feita ao Vitória de Setúbal, onde, sob o comando de Carlos Carvalhal, fez a sua primeira grande época, somando 41 jogos e sendo peça fundamental na conquista da Taça da Liga, após defender três grandes penalidades na final diante do Sporting.

Essa excelente época, valeu-lhe o regresso ao Sp. Braga, clube onde durante duas temporadas foi titular indiscutível, destacando-se a segunda, onde apenas sofreu 20 golos no campeonato, contribuindo para o excelente segundo lugar dos bracarenses nessa edição da Liga Zon Sagres.

No defeso de 2010/11, transferiu-se para o Génova, onde jogou com regularidade durante a época transacta (37 jogos), mas onde nunca convenceu verdadeiramente responsáveis e adeptos do clube da Ligúria. Essa falta de confiança nas suas qualidades foram decisivas para o empréstimo de Eduardo ao Benfica, todavia, aí, o guarda-redes português não foi feliz, tendo somado apenas um jogo no campeonato e oito nas taças domésticas.

Qualidades e Lacunas

Curiosamente Eduardo é um guarda-redes parecido com Rui Patrício, nomeadamente na principal lacuna, pois, tal como o guarda-redes leonino, Eduardo sempre teve problemas com os cruzamentos. A principal diferença é que, ao contrário do habitual titular verde-e-branco, Eduardo nunca conseguiu corrigir tão bem esta deficiência.

Pouco espectacular mas eficaz entre os postes, Eduardo é um guarda-redes que responde com rapidez e eficiência aos problemas que lhe são postos, pois, não sendo especialmente elástico, sabe ocupar com mestria a sua zona de acção, acabando por ser efectivo na defesa da baliza.

Para além disso, trata-se de um líder que sabe comandar muito bem o sector recuado e partilha com Rui Patrício uma especialidade: a defesa de grandes penalidades, sendo, por tudo isto, uma alternativa válida para a baliza caso Rui Patrício se magoe ou seja castigado ao longo do campeonato da Europa.

Read Full Post »

Fernando Gomes ainda pode vetar o alargamento

Uma vez mais pressiona-se pelo alargamento do principal escalão do futebol português. Após o chumbo de um campeonato sem descidas por parte da Federação Portuguesa de Futebol, hoje foi aprovada a liguilha entre os dois últimos da Liga Zon Sagres e o terceiro e quarto da Liga Orangina, como forma de aumentar o campeonato de 16 para 18 equipas como é pretendido de forma quase cega por inúmeros iluminados do nosso futebol.

Ainda a necessitar de validação por parte do organismo presidido por Fernando Gomes, este alargamento, na minha opinião, não vai beneficiar em nada o futebol português, pois o que se percebe é que existem cada vez menos clubes capazes para estarem no principal escalão do futebol luso como é fácil de perceber pela situação deplorável que vive a União de Leiria.

De facto, o campeonato beneficiava muito mais com uma redução e não com o alargamento, sendo que, na minha opinião, o melhor sistema contemplaria 12 equipas no principal escalão, disputando-se uma primeira fase a duas voltas (22 jogos) e uma segunda fase em que as equipas se dividiriam nos seis primeiros (iriam com metade dos pontos da primeira fase) para a luta pelo título e competições europeias e seis últimos (iriam também com metade dos pontos da primeira volta) para evitarem cair nos dois últimos lugares da tabela que garantiam descida de divisão.

Este modelo, garantia 32 jogos no principal escalão e, garantidamente, 12 jogos entre Benfica, FC Porto, Sporting , com todos os benefícios que isso traria. Para além disso, os outros clubes que conseguissem ficar entre os seis primeiros também garantiriam mais jogos com os “grandes” e, assim, mais receitas.

No segundo escalão, dividia a competição em duas zonas (norte e sul), cada uma com 10 equipas. Esta medida, diminuía o custo de deslocações aos clubes, além de que motivaria a existência de mais interesse na prova, pois motivaria mais rivalidades locais do que jogos entre clubes que têm pouca ligação entre eles como, por exemplo, Penafiel e Portimonense.

A prova disputaria-se a quatro voltas (36 jogos) subindo os líderes de cada zona à primeira divisão e descendo os dois últimos de cada zona à II divisão B. Essa II Divisão B, seria dividida em quatro zonas também (norte, norte-centro, centro-sul e sul-ilhas) subindo então o primeiro de cada zona ao segundo escalão. Terminavam-se os playoffs e sabia-se sempre que quem era campeão tinha o direito de subir.

Depois, optava-se pela reformulação da Taça de Portugal, transportando os patrocínios da Taça da Liga para a prova rainha do futebol português. A prova seria sempre disputada por eliminatórias de jogo único até aos quartos de final, altura em que a competição começaria a ser disputada a duas mãos. Os clubes da primeira e segunda divisão entrariam nos 32/final (32 apurados das II divisão B, III divisão e distritais +32 equipas do primeiro e segundo escalão), com a nuance de que nessa e nas duas eliminatória seguintes, jogaria sempre em casa a equipa da divisão inferior, a exemplo do que se faz em Espanha.

Perante as dificuldades do calendário, a Taça da Liga passaria a ser uma competição de início de época (disputada em finais de Julho e Agosto), numa medida que traria muitos benefícios para as equipas envolvidas, pois ao invés de estarem a disputar jogos de preparação sem importância competitiva, poderiam ter logo jogos importantes. Essa medida, seria especialmente benéfica para os clubes que disputassem os playoffs da Liga dos Campeões/Liga Europa, pois daria ritmo competitivo que, normalmente, nunca têm nessa fase da época.

Todas estas medidas, na minha opinião, potenciariam muito mais o futebol português do que qualquer alargamento que nos querem impor de forma cega e que, possivelmente, apenas irá criar mais tristes casos como o da União de Leiria.

Read Full Post »

Ricardo Sá Pinto tirou o Sporting do poço

Devo, à priori, admitir que torci um pouco o nariz à contratação de Ricardo Sá Pinto para a posição de treinador principal do Sporting Clube de Portugal. Tratava-se de um treinador com pouca experiência e iria pegar num clube verde-e-branco que, valha a verdade, tem se assumido como um verdadeiro triturador de responsáveis técnicos.

Por outro lado, Ricardo Sá Pinto tinha uma vantagem, o Sporting estava muito perto de embater com estrondo no fundo de um poço competitivo. Eliminado da Taça da Liga e em quinto lugar no campeonato nacional, restava ao Sporting a consolação do apuramento para a final da Taça de Portugal e para os 16/final da Liga Europa, feitos, ainda assim, pouco relevantes, tendo em conta a (excelente) qualidade do plantel e as paupérrimas exibições que os leões realizavam desde há imenso tempo.

Consciente das dificuldades, o jovem treinador português teve a capacidade de compreender que o Sporting não poderia passar do 8 ao 80 de forma imediata e, assim, foi capaz de definir um caminho progressivo no seu percurso como treinador verde-e-branco. Primeiro, seria necessário devolver a confiança aos próprios jogadores e, depois, tentar-se ia melhorar de forma progressiva a qualidade futebolística.

Isso é notório nos próprios resultados. Tirando a estreia em Varsóvia, e onde o Sporting até foi feliz no empate (2-2) obtido, os leões nunca marcaram mais do que um tento até ao sétimo jogo de Sá Pinto (5-0 ao V. Guimarães), destacando-se, principalmente, por só terem sofrido três golos e por terem vencido quatro dos seis duelos, com realce óbvio para aquele que foi o jogo que provocou o ponto de viragem neste Sporting 2011/12: o 1-0 ao Manchester City.

De facto, num jogo em que até a maioria dos leões ficaria contente com uma derrota digna, o Sporting foi capaz de surpreender o então líder do campeonato inglês, criando as bases para outro “milagre” posterior: o 2-3 de Manchester que garantiu o apuramento leonino para os quartos de final da Liga Europa. Nesse duplo duelo com o Manchester City, também se percebeu outra coisa, o Sporting tinha encontrado o modelo perfeito para os confrontos com adversários iguais ou superiores: defender com bloco baixo, pressionar a zona de construção do oponente e desenvolver rapidamente o contra-ataque. Foi assim com os milionários ingleses, mas também foi assim que os pupilos de Ricardo Sá Pinto eliminaram o Metalist e superaram o Benfica.

Com o modelo defensivo praticamente definido e bem afinado (vejam o quanto melhorou Anderson Polga com a chegada de Ricardo Sá Pinto), caberá agora a Ricardo Sá Pinto fazer evoluir algo que ainda é uma grande lacuna deste Sporting: a dificuldade em ser incisivo e efectivo perante adversários que esperam pacientemente que os leões assumam as rédeas do jogo. Ou seja, o jovem treinador já tem a poção para quando o Sporting surge em campo como “lobo disfarçado de cordeiro”, mas tem ainda que encontrar o antídoto certo para quando são os adversários a encararem o conjunto verde-e-branco dessa forma.

Com poucos jogos até final da temporada e sendo muitos deles de grau de exigência muito elevado (FC Porto, Sporting de Braga, Athletic Bilbau (duas vezes) e, espera-se, final da Liga Europa), serão poucas as oportunidades de afinar essa nova concepção estratégica ainda em 2011/12, restando então a Sá Pinto manter a sua (eficaz) postura de “lobo na pele de cordeiro” na tentativa de obter títulos (lembre-se que o Sporting ainda está em duas frentes) e esperar a pré-época pacientemente, para, depois, afinar um Sporting de duas caras para enfrentar 2012/13.

Read Full Post »

Ghilas com a camisola do Moreirense

Um jogador que começou a época em algum anonimato mas que, devagarinho, vai conquistando o seu espaço no ataque do Moreirense é o avançado-centro Nabil Ghilas.

Nascido a 20 de Abril de 1990 em Marselha, França, Nabil Ghilas destacou-se no modesto Carnoux, clube gaulês do qual saltou para o Moreirense, tendo depois sido emprestado ao Vizela no início da temporada transacta.

No Vizela, em plena II Divisão B, o atacante de origem magrebina marcou seis golos em vinte e seis jogos, destacando-se pela mobilidade, velocidade e boa técnica e garantindo o regresso ao Moreirense no final da temporada.

Chegou à ribalta com golo ao Sporting

Em Moreira de Cónegos desde o início de 2011/12, Nabil Ghilas não começou a temporada como titular, mas foi garantindo mais oportunidades a meio da época, tendo saltado definitivamente para o estrelato quando marcou um golo ao Sporting num encontro da Taça da Liga.

Desde que marcou esse célebre tento, o avançado tem começado a assumir a titularidade absoluta no ataque do Moreirense, assumindo-se como um jogador muito promissor e que, por certo, terá condições para outros voos no contexto futebolístico português.

Rápido, com boa técnica e bom finalizador, será um jogador ideal para ser usado como avançado de suporte num esquema 4x4x2, actuando ao lado de outro jogador rápido num sistema mais virado para o contra-ataque ou ao lado de um mais fixo quando a equipa preferir actuar em ataque continuado.

Read Full Post »

Hugo Vieira é a coqueluche do Gil Vicente

Agora que a Liga de Honra terminou com a vitória do Gil Vicente, interessa falar de uma das grandes revelações da equipa de Barcelos, o avançado Hugo Vieira.

Nascido a 5 de Julho de 1988 em Barcelos, Hugo Vieira iniciou a sua carreira futebolística no Santa Maria, tendo, aos 18 anos, a oportunidade de emigrar, ao transferir-se para o Bordéus, onde, todavia, não se adaptou.

De regresso a Portugal, representou o Estoril na temporada 2007/08, mas também não se conseguiu impor, abandonando os canarinhos no final da época sem qualquer honra nem glória.

48 golos ao serviço do Santa Maria valeram-lhe transferência para o Gil Vicente

Após os fracassos de Bordéus e Estoril, Hugo Vieira acabou por recomeçar quase do zero, ou seja, regressando ao Santa Maria, um pequeno clube do concelho de Barcelos. Nesse clube, então a disputar o campeonato distrital da AF Braga, Hugo Vieira brilhou ao mais alto nível, tendo marcado 48 golos e contribuindo, de forma inequívoca, para a subida do Santa Maria à terceira divisão nacional.

Esses números, impressionaram o Gil Vicente que o contratou no defeso de 2009/10, sendo que a primeira época de Hugo Vieira no clube mais representativo de Barcelos acabou por ser uma temporada de adaptação, com o avançado centro a fazer três golos em 325 minutos de utilização.

Contudo, na actual temporada, o avançado-centro mostrou todo o seu valor e capacidade finalizadora, sendo utilizado pelo Gil Vicente em 28 partidas e marcando 12 golos. Assim sendo, podemos dizer que a subida do clube de Barcelos à primeira liga, também teve um dedo importante do jovem avançado português.

Ponta de lança com faro de golo invejável

Conhecido por muita gente por ter feito dois golos ao FC Porto num jogo da Taça da Liga, Hugo Vieira é um atacante com um faro de golo impressionante, sabendo-se posicionar nos melhores sítios para facturar com qualidade e frieza.

Avançado rápido e de capacidade técnica invejável, Hugo Vieira também é um jogador com mobilidade, sabendo deambular pelas zonas avançadas do terreno e dificultando a tarefa de marcação aos defesas.

Neste momento, com 22 anos, trata-se de um jovem valor que todos devemos acompanhar e acarinhar, até pela escassez de bons pontas de lança no espectro do futebol português.

Read Full Post »

Liedson quererá despedir-se com vitória

A principal atracção da ronda 18 do campeonato nacional é a mais que previsível despedida de Liedson que, possívelmente, irá fazer o último jogo de verde-e-branco, em Alvalade, diante da Naval, ainda que os leões ainda tentem prolongar a sua estadia até ao final de Fevereiro, em virtude do Corinthians ter sido eliminado precocemente da Taça dos Libertadores. Nos outros jogos da jornada, destaque para a recepção do líder FC Porto ao aflito Rio Ave a para a deslocação do Benfica a Setúbal para defrontar os pupilos de Manuel Fernandes.

FC Porto – Rio Ave

Apesar da excelente campanha no campeonato nacional, o percurso do FC Porto nas taças não tem sido tão famoso, pois os dragões já foram eliminados da Taça da Liga e, com a derrota caseira (0-2) diante do Benfica na primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, também estão bem perto de abandonarem a prova rainha do futebol português. Assim sendo, perante um aflito Rio Ave, torna-se importantíssimo para que o FC Porto vença para manter os níveis de confiança elevados e impedir que o Benfica se aproxime na luta pelo título nacional.

V. Setúbal – Benfica

Moralizado pelo recente triunfo no Dragão (2-0), o Benfica desloca-se a Setúbal, onde irá defrontar uma equipa relativamente tranquila pelos sete pontos que tem de avanço em relação à linha de água. Trata-se de um jogo complicado para os encarnados, mas o Benfica é obrigado a vencer para continuar a ter hipóteses de revalidar o título nacional, pois, apesar de ter uma partida a menos, as águias já estão a onze pontos do FC Porto.

Sporting – Naval

Ao Sporting já pouco mais resta que defender o terceiro lugar e terminar o campeonato com o máximo de dignidade possível. Neste jogo com a equipa da Figueira da Foz, o principal motivo de interesse é mesmo a mais do que provável despedida de Liedson, que deverá querer despedir-se de Alvalade e do Sporting com um triunfo perante uma equipa da Naval que pena no último lugar da tabela classificativa.

Os outros jogos da jornada 18

Outro dos grandes jogos da ronda dezoito é a recepção do V. Guimarães, quarto classificado, ao Nacional, sexto. Um jogo entre duas equipas separadas por três pontos e que lutam pelo acesso às competições europeias. A jornada conclui-se com o Marítimo-Sp. Braga, Portimonense-Paços de Ferreira, Académica-Beira-Mar e União de Leiria-Olhanense.

Read Full Post »

Na época de 1984/85, após um brilhante percurso em que eliminou os checoslovacos do Dukla de Praga, os franceses do Paris SG, os jugoslavos do Partizan, os ingleses do Manchester United e os jugoslavos do Zeljeznicar, os húngaros do Videoton atingiam a final da Taça UEFA, onde iriam defrontar o todo poderoso Real Madrid. Nessa final, a equipa de Székesfehérvár não teve quaisquer hipóteses, acabando vergada com uma derrota caseira (0-3) e uma insuficiente vitória fora (1-0). Apesar do desaire, esse momento acabou por ser um momento mágico na vida de um clube que, apesar de ter quase setenta anos, nunca conquistou, sequer, um campeonato da Hungria.

Videoton precisou de 26 anos para alcançar a primeira divisão húngara

O Videoton foi fundado em 1941 como Székesfehérvári Vadásztölténygyár SK por uma empresa que fabricava armas para o exército húngaro. No entanto, o clube só teve a felicidade de alcançar a promoção ao principal campeonato da Hungria em 1967, quando terminou o campeonato da segunda divisão em segundo lugar.

Nessa estreia no escalão principal (1968), foi a primeira vez que usaram a denominação: Videoton, graças a um patrocínio de uma fábrica de produtos eléctricos com o mesmo nome. Contudo, em termos desportivos, a época não correu muito bem, pois o Videoton terminou em penúltimo lugar e acabou por descer de divisão.

O Videoton actua no Estádio Sóstoi

Após regressar ao escalão principal, cimentou-se na primeira divisão

Apesar da primeira estadia no principal campeonato húngaro não ter corrido da melhor forma, o regresso a esse mesmo escalão não tardou, pois, após descer à segunda divisão, conquistou esse mesmo campeonato (1968/69) e subiu novamente à primeira divisão.

A partir daqui, o Videoton cimentou-se como clube de primeiro escalão, garantindo classificações que variaram entre o décimo e o quarto lugar, até que, em 1975/76, alcançou a melhor classificação de sempre no campeonato húngaro, o segundo lugar.

Ainda assim, esse excelente classificação não gerou crescimento no clube húngaro, pois este, nos anos seguintes, teve classificações modestas, apenas voltando à ribalta em 1982, quando atingiu a final da Taça da Hungria, perdendo com o Újpest por duas bolas a zero.

R. Madrid foi mais forte na final da Taça UEFA

Surpreendente carreira na Taça UEFA valeu-lhe histórica final

Após ter terminado o campeonato húngaro de 1983/84 na terceira posição, o Videoton conquistou, por direito próprio, o acesso à Taça UEFA da época seguinte. Nessa competição, a equipa húngara apenas pretendia fazer uma participação digna, mas acabou por superar todas as expectativas.

Na primeira eliminatória, afastou a equipa do Dukla Praga (1-0 e 0-0), seguindo-se o Paris Saint-Germain (4-2 e 1-0) e o Partizan (0-2 e 5-0). Apesar de já se poder considerar um feito digno de registo ter eliminado esses clubes de renome e atingir os quartos de final, o mais surpreendente surgiu aí, quando sorteados com o todo poderoso Manchester United, acabaram por eliminar os “red devils” nos penaltis (5-4).

Assim sendo, faltava apenas um passo para chegar à final e, motivados pela eliminação do forte clube inglês, os húngaros acabaram por ser mais fortes que os jugoslavos do Zeljeznicar (3-1 e 1-2) e alcançar uma histórica presença no jogo decisivo da terceira competição mais importante da UEFA.

Nessa final, acabou por ser decisiva a derrota caseira do Videoton, que, no seu Estádio, não resistiu ao poder do Real Madrid e perdeu por 3-0 com golos de Míchel, Santillana e Jorge Valdano. Na segunda mão, o Videoton até foi vencer ao Santiago Bernabéu por 1-0, mas o golo de Májer foi curto para as ambições húngaras e o Real Madrid conquistou a Taça UEFA.

André Alves é a estrela do actual Videoton

Sucesso só regressou nos tempos recentes

Após a histórica presença na final da Taça UEFA, o Videoton regressou a classificações modestas e a épocas de pouco brilho. Contudo, foi se mantendo na primeira divisão até 1998/99 quando desceu à segunda divisão vinte e nove anos depois.

Essa descida, porém, foi o início da renovação do clube, que conquistou a segunda divisão em 1999/00 e regressou novamente ao primeiro escalão, alcançando, no ano seguinte, a final da Taça da Hungria pela segunda vez, ainda que, tal como na primeira final, tenha saído derrotado (2-5 com o Debrecen).

Em 2006, depois de ter mudado a sua denominação para FC Fehérvar, o clube conquistou o seu primeiro título importante, a Taça da Húngria, após vencer o Vasas (2-2 e 6-5 g.p.) na final.

Dois anos depois, o clube húngaro haveria de conquistar a Taça da Liga (1-0 e 2-0 na final diante do Debrecen), título que haveria de revalidar no ano seguinte, após vencer o Pécsi Mecsek FC (3-1).

Em 2009/10, além de ter reassumido a denominação de Videoton FC, igualou a melhor classificação no campeonato húngaro, terminando na segunda posição.

Read Full Post »

Older Posts »