Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Tottenham’

Greaves era um prolífico goleador

Greaves era um prolífico goleador

Tal como sucedia com o germânico Gerd Müller, era um daqueles pontas de lança que valiam, acima de tudo, pelos golos que marcava, merecendo inclusivamente uma definição perfeita de Bill Nicholson: “Tudo o que ele fez esta tarde foi marcar aqueles quatro golos…” Aliás, é sintomático que tenha sido, na sua época, e com apenas 21 anos, o mais jovem futebolista a atingir os 100 golos na Liga, podendo ainda gabar-se de ter sido campeão do Mundo pela Inglaterra em 1966 e de ter participado num dos períodos mais gloriosos da história do Tottenham.

Explodiu no Chelsea

James Peter “Jimmy” Greaves nasceu a 20 de Fevereiro de 1940 em Essex, Inglaterra, tendo começado a sua carreira profissional no Chelsea, clube onde somou 132 golos em 169 jogos, isto entre 1957/58 e 1960/61.

Esse excelente desempenho no clube londrino, aliás, valeu-lhe o acesso à selecção inglesa e uma transferência para o AC Milan no Verão de 1961, ainda que Jimmy Greaves nunca se tenha adaptado verdadeiramente ao futebol italiano, abandonando os “rossoneri” após marcar “apenas” nove golos em 14 jogos.

Momentos de glória no Tottenham

Afinal, ainda a meio dessa temporada de 1961/62, Jimmy Greaves regressou a Inglaterra, mas para representar um grande rival do Chelsea, mais concretamente o Tottenham, clube no qual jogaria até 1969/70.

Nessa fase, aliás, contribuiu para uma época gloriosa dos “spurs”, somando 268 golos em 381 jogos e ajudando o emblema londrino a conquistar duas Taças de Inglaterra, uma Taça das Taças e duas Supertaças.

Campeão do Mundo pela Inglaterra

Nesse período em que se assumia como grande goleador do Tottenham, o ponta de lança viveu também momentos verdadeiramente épicos pela selecção inglesa, tendo ganho o Mundial 1966 e participado ainda no Mundial 1962 e no Euro 1968.

Ao todo, os seus números pela selecção dos “três leões” são mesmo impressionantes, uma vez que Jimmy Greaves somou 57 internacionalizações e apontou 44 golos, numa média de 0,77 golos/jogo.

West Ham e o declínio

Abandonando os “spurs a meio da temporada 1969/70, Jimmy Greaves rumou ao West Ham, onde na época e meia seguinte ainda haveria de somar 13 golos em 40 jogos.

Nessa fase, contudo, começou por perder a motivação para jogar futebol, acabando por retirar-se e enveredar pelo alcoolismo. Alguns anos mais tarde, ainda voltaria aos relvados, mas apenas em representação de clubes modestos como o Brentwood, Chelmsford City, Barnet e Woodford Town, e isto quando obviamente era apenas uma sombra do outrora grande goleador dos anos 60…


Anúncios

Read Full Post »

Taarabt é um talento do QPR

No Queens Park Rangers da Premier League actua um médio-ofensivo marroquino de enorme qualidade e que pode rapidamente dar o salto para um clube de maior impacto no espectro do futebol mundial: Adel Taarabt.

Nascido a 24 de Maio de 1989 em Fez, Marrocos, Adel Taarabt mudou-se cedo para França, onde começou a sua carreira ao serviço do Lens. Em 2007, após apenas ter feito um jogo pela equipa principal do clube gaulês, Taarabt mudou-se para Inglaterra, onde foi representar o Tottenham.

No clube londrino, Taarabt permaneceu durante duas épocas e meia, mas apenas fez 16 jogos oficiais pelos “spurs”, tendo naturalmente saído do Tottenham a meio de 2008/09, mudando-se para o QPR, onde começou por estar por empréstimo, mas onde acabou por se transferir de forma definitiva.

Peça fundamental da subida do QPR à Premier League

Chegado ao Queens Park Rangers a meio de 2008/09, o médio criativo haveria de começar a criar impacto em 2009/10, quando fez 44 jogos e marcou 7 golos pelo clube londrino, ajudando-o a atingir um tranquilo décimo terceiro lugar no “Championship.”

No entanto, se essa temporada já tinha sido positiva, 2010/11 haveria de ser a temporada da explosão do internacional marroquino, que capitaneou o QPR para a conquista do “Championship” e consequente subida à Premier League. Nessa época, Taarabt marcou 19 golos em 44 jogos e foi eleito o melhor jogador do escalão secundário inglês.

No defeso de 2011/12, o internacional marroquino teve inúmeros clubes interessados no seu concurso, mas acabou por permanecer no QPR, onde, no início da época, pareceu algo afectado por esse assédio e por ter perdido a braçadeira de capitão para o recém-contratado Joey Barton. Nesse seguimento, o jogador vem fazendo uma temporada abaixo de 2010/11, não tendo ainda marcado nenhum golo na Premier League, ainda que, nos últimos desafios, se note um claro crescendo de forma do internacional marroquino.

Médio criativo talentoso que faz duas posições

Adel Taarabt é um internacional marroquino (12 internacionalizações, 4 golos) que actua preferencialmente na posição “dez”, mas também pode actuar tranquilamente nas alas como extremo.

Rápido, tecnicamente evoluído e com uma estupenda capacidade de drible, trata-se de um desequilibrador nato, mostrando também excelente capacidade de passe, boa visão de jogo e um poderoso remate de meia-distância. Sem medo de enfrentar os adversários, trata-se de um jogador corajoso e que procura sempre assumir o jogo, mesmo quando as coisas não lhe estão a correr bem.

Neste momento, é o cérebro de todo o jogo ofensivo do QPR, mostrando, aos 22 anos, capacidade para dar um salto para um clube de muito maiores dimensões.

Read Full Post »

O primeiro adversário do Sport Lisboa e Benfica na sua caminhada para a fase de grupos da Liga dos Campeões é o maior clube turco a actuar fora de Istambul, o Trabzonspor. Ofuscado pela grandeza dos três gigantes da cidade que faz a fronteira entre a Europa e a Ásia, o clube de Trabzon, cidade nas margens do Mar Negro, é um dos históricos da Turquia, tendo conquistado seis campeonatos, oito taças e oito supertaças. Para além disso, participou inúmeras vezes nas competições da UEFA, tendo como melhor registo a participação nos oitavos de final da Taça UEFA em 1991/92 (eliminado pelos dinamarqueses do FC Copenhaga) e 1994/95 (eliminado pelos italianos da Lázio).

O Hüseyin Avni Aker é o Estádio do Trabzonspor

Quem é o Trabzonspor?

O Trabzonspor foi fundado em 1967 por fusão de dois clubes de Trabzon, o Idmangücü e o Idmanogagi. Esta união foi forçada pela Federação turca que, na altura, procurava criar uma Liga de futebol mais competitiva.

A Tempestade do Mar Negro (alcunha do clube) permaneceu na segunda divisão até à época 1973/74 quando venceu o campeonato secundário e foi promovido à primeira divisão turca.

A partir desse momento, o Trabzonspor viveu o momento mais alto da sua história, pois entre 1975 e 1984 foi campeão turco por seis vezes e, quando não venceu o campeonato, acabou na segunda posição. Foi uma época gloriosa em que a equipa teve jogadores do calibre de Senal Günes e Turgay Semircioglu e em que também conquistou três taças da Turquia.

Todavia, desde 1984, o Trabzonspor decaiu de rendimento e nunca mais voltou a ser campeão. Ainda assim, venceu cinco taças da Turquia e jogou inúmeras vezes nas competições europeias, mantendo-se como um dos quatro gigantes do campeonato turco. Na última temporada, o clube do Mar Negro esteve muito perto de conquistar o título nacional, mas perdeu-o no confronto directo com o Fenerbahçe (3-2 e 0-2) após ambas as equipas terem terminado o campeonato turco com 82 pontos.

Como joga?

A equipa do Trabzonspor é um conjunto tipicamente turco, ou seja, denota uma qualidade técnica razoável e é muito aguerrido, disputando cada bola como se a sua vida dependesse disso.

Em termos tácticos, a Tempestade do Mar Negro costuma alternar entre o 4x4x2 e o 4x3x3, sendo que normalmente é do meio-campo para a frente que se verificam mais alterações no onze.

Apesar de terem perdido jogadores muito importantes como o brasileiro Jajá Coelho e o internacional turco Umut Bulut, a equipa de Trabzon continua com um conjunto bastante forte, conseguindo ainda se reforçar com excelentes jogadores como o médio-ofensivo Halil Altintop, o trinco marfinense Didier Zokora e o avançado brasileiro Paulo Henrique.

No último jogo particular, o Trabzonspor empatou (1-1) com o Charleroi e apresentou a seguinte equipa: Bora; Celustka, Mustafa (Sezer, 79m), Aykut e Ferhat (Piotr Brozek, 46m); Mehmet Cakir, Colman (Zokora, 46m), Baris (Glowacki, 46m) e Sercan (Serkan, 46m); Pawel Brozek (Paulo Henrique, 46m) e Halil Altintop (Adrian, 68m).

Zokora com a camisola da Costa do Marfim

Quem é que o Benfica deve ter debaixo de olho? – Didier Zokora

O reforço mais sonante do vice-campeão da Turquia para esta temporada é claramente o médio-centro marfinense ex-Sevilha: Didier Zokora.

Nascido a 14 de Dezembro de 1980 em Abidjan, Costa do Marfim, Alain Didier Zokora-Déguy iniciou a sua carreira no Mimosas do seu país natal, tendo chegado ao campeonato belga e ao Genk em 1999. No Racing Genk permaneceu até 2004, tendo inclusivamente ganho o campeonato da Bélgica em 2001/02.

Após essa primeira experiência no futebol europeu, Zokora haveria de jogar duas épocas no St. Étienne, três no Tottenham e duas no Sevilha, tendo-se assumido sempre como uma peça fulcral em todos esses importantes clubes do Velho Continente até chegar, esta temporada, ao Trabzonspor.

Neste momento, com 30 anos, Zokora é um médio-centro muito experiente e de perfil defensivo, caracterizando-se pela raça e inteligência posicional que pautam o seu jogo. Importantíssimo nos equilíbrios defensivos da sua equipa, é um jogador apenas mediano em termos técnicos, arriscando pouco em termos de passe ou de drible e raramente festejando um golo.

Ainda assim, a sua função dentro de campo é mais destrutiva que construtiva e, assim, as suas limitações técnicas são pouco importantes para o principal objectivo do internacional marfinense dentro das quatro linhas que passa por equilibrar a sua equipa e contrariar os criativos do adversário.

No último jogo oficial com uma equipa turca (Galatasaray) o Benfica perdeu (0-2)

As hipóteses do Benfica

Apesar do Trabzonspor ser um adversário com qualidade, tenho a certeza que, em comparação com a equipa portuguesa, está uns bons furos abaixo em termos de qualidade colectiva e individual.

No entanto, não nos podemos esquecer que no último desafio que o Benfica fez com uma equipa turca a contar para as provas da UEFA (Taça UEFA 2008/09), saiu derrotado pelo Galatasaray (0-2), em pleno Estádio da Luz.

Assim sendo, o Benfica terá de encarar o desafio com profissionalismo e o seu sector recuado terá de estar mais próximo daquele que os encarnados esperam e anseiam para 2011/12, de forma a que não tenha dificuldades em superar este obstáculo turco e siga para o último degrau até à fase de grupos da “Champions League”.

Read Full Post »


O momento do golo decisivo de Tevez

O Chelsea esta definitivamente em baixo de forma, com mais um empate comprometedor em Stamford Bridge frente ao Everton. Pior foi que nem sequer mereceram a vitória. Os visitantes entraram com toda a força e poderiam ter-se adiantado no marcador cedo. Após a surpresa, os anfitriões recuperaram a compostura e equilibraram os acontecimentos, pressionaram e falharam uma série de oportunidades. Aos 41 minutos, depois de uma distracção de Neville, Tim Howard viu-se forçado a cometer uma grande penalidade e Drogba não desperdiçou.

No segundo tempo, manteve-se o equilíbrio que foi pendendo para os de Liverpool com o passar do tempo. Já muito perto do final, Jermaine Beckford restabeleceu a igualdade e a justiça no marcador. O Chelsea é agora terceiro com apenas mais um ponto que Manchester City, que é quarto. Dias difíceis para o actual campeão com apenas uma vitória nos últimos 6 jogos.

O Arsenal foi o grande beneficiado da jornada, com o empate do Chelsea e o jogo do Manchester United adiado por causa dos nevões, a vitória sobre o Fulham coloca-os temporariamente em primeiro com mais 1 ponto que o Manchester. A exibição não foi convincente, mas o mais importante foram os 3 pontos e o grande jogo de Nasri. A moral está melhor, mas têm pela frente importantes desafios. Esta equipa ainda não está afinada, mas, neste momento, nenhuma da Premier League está. As apostas para adivinhar o futuro campeão estão agora todas baralhadas.

O Manchester City recebeu e ganhou a uma das equipas sensação do momento, o Bolton. Com uma exibição segura e dominante. Um golo madrugador de Carlos Tevez foi o suficiente para ganhar, ficou, no entanto, a sensação de ter sido pouco. Os citizens aproximaram-se assim dos primeiros, estando a escassos 3 pontos do Arsenal.

Finalmente, o Tottenham, para não destoar, também continua a ter performances irregulares. Se no ano passado jogar em Birmingham era sinónimo de não ganhar, este ano nem por isso, excepto para o Tottenham. Os Spurs são melhor equipa e isso notou-se durante o jogo. Os da casa conseguiram o empate graças a uma exibição muito esforçada e de garra. O 1-1 final penaliza os visitantes mas não escandaliza. Ainda a 6 pontos do primeiro, o Tottenham continua na luta, nem que seja por um lugar na Liga dos Campeões.

Read Full Post »


Berbatov foi o herói da jornada

Desde que se formou a nova Premier League, que apenas três jogadores tinham marcado cinco golos na mesma partida e, no passado fim-de-semana, foi a vez de Dimitar Berbatov se juntar a esta restrita elite. O Manchester United recebeu, venceu e humilhou o Blackburn por expressivos 7-1, com 5 golos do avançado búlgaro. A juntar a isto, o facto de que esta vitória valeu o primeiro lugar isolado. Esta situação, pode também ser um incentivo extra para o futuro próximo, pois avizinham-se jogos complicados para os homens de Alex Ferguson, nomeadamente os confrontos com Arsenal e Chelsea. Quanto ao jogo, não há muito a dizer, como se pode adivinhar pelos números foi um domínio absoluto do Manchester.

Em Villa Park, os locais parecem um pouco longe da forma que apresentaram na época passada, encontrando-se num modesto e um tanto desconfortável décimo quinto lugar. Defrontaram o Arsenal e acabaram por dar aos visitantes 45 minutos de avanço que estes aproveitaram para marcar 2 golos. Já na segunda parte, apareceram com outra disposição e quase faziam ao Arsenal o mesmo que o Tottenham. O resultado final de 2-4 não espelha as dificuldades que os Gunners passaram, valeram-lhes os primeiros 45 minutos e alguma eficácia nos segundos. Depois de uma semana amarga, com a derrota frente aos Spurs seguida de outra frente ao Braga, voltaram aos resultados positivos e estão colados ao Chelsea em segundo lugar.

No Manchester City mais do mesmo, com mais um empate e uma exibição pouco convincente. Em casa do Stoke, tiveram muitas dificuldades na etapa inicial e podem mesmo dar-se por satisfeitos pelo nulo ao intervalo. A segunda parte foi mais equilibrada com oportunidades para os dois lados. O City acabaria mesmo por marcar, aos 81 minutos, por Micah Richards e parecia ter sentenciado o jogo. No entanto, os homens da casa não baixaram os braços e, nos nove minutos que lhes restaram, marcaram o golo do empate. Teria sido muito injusto se o City tivesse levado os 3 pontos. Mancini que se cuide, pois esta equipa está muito longe do potencial que tem.

White Hart Lane, 90 minutos, Tottenham e Liverpool empatados a 1 golo após Martin Skrtel, defesa do Liverpool ter marcado os dois golos e Jermain Defoe ter falhado um penalti. Tudo parecia indicar um empate num jogo emotivo e de futebol espetáculo. Errado, Lennon já em tempo de descontos, trás injustiça ao jogo e marca o segundo para o Tottenham. A haver um vencedor seria o Liverpool que esteve muito perdulário. Mais uma boa exibição de Raúl Meireles que visou várias vezes a baliza adversária, parecendo estar a crescer a importância do português no Liverpool. Esta vitória deixa os Spurs ainda na luta pelo título.

Finalmente, o Chelsea, de visita a Newcastle onde a equipa local recém promovida tem dado bem conta de si. A provar o anterior, ficou a exibição e o resultado frente aos actuais campeões: 1-1. Na verdade, foi mais um empate decepcionante e comprometedor para Ancelotti que vê o primeiro lugar a fugir-lhe para os rivais de Manchester. Muito pouco fez esta equipa perante um Newcastle bem arrumado e combativo, valendo Kalou para evitar males maiores. Para quem parecia fugir isolado no inicio de época, tudo parece ter mudado em pouco tempo, não só o Chelsea perdeu a liderança mas parece ter perdido também a motivação. A ver vamos como seguirá a corrida para o título.

Read Full Post »


Defoe foi decisivo na reviravolta dos spurs

Com apenas seis pontos a separar as 6 primeiras equipas, o campeonato está ao rubro. No entanto isto deve-se mais ao demérito dos habituais candidatos que à competitividade da liga. Todas os favoritos esta época têm perdido, pode-se mesmo dizer com uma certa frequência, com equipas notoriamente inferiores. As casas de apostas é que beneficiam.

Comecemos pelo Arsenal, que perdeu com o Tottenham. Ora o Tottenham não se insere no grupo das equipas “notóriamente inferiores“, mas depois de estar a ganhar por 2-0 em casa e deixar que o adversário dê a volta, quando a vitória significaria o primeiro lugar, não é normal. Uma entrada de rompante por parte dos gunners valeu-lhes 2 golos em 30 minutos e os spurs, meios surpreendidos e totalmente subjugados. Na segunda parte, com a entrada do recuperado Jermaine Dafoe, tudo se inverteu. A produção ofensiva do Tottenham aumentou e a sorte também e com 3 golos sem resposta venceram em casa do Arsenal pela primeira vez em 17 anos.

Ancelotti parece estar a colecionar recordes negativos esta época da mesma forma que colecionou positivos na época passada. Há mais de 4 anos que o Chelsea não perdia dois jogos seguidos, todavia, com a derrota em Birmingham no passado fim-de-semana e a derrota caseira no anterior frente ao Sunderland, isso voltou a acontecer. Para piorar a situação, perdeu com equipas “notóriamente inferiores“. Pela positiva, esta última derrota foi injusta e só um Ben Folster inspirado e a defender tudo, em conjunto com muito azar causaram tal derrota. Já se começa a falar de o lugar de Ancelotti estar em perigo, afinal isto do futebol viver exclusivamente de resultados pode ser bastante ingrato.  No final, a derrota do Chelsea por 1-0 fez com que o Manchester o apanhasse. Os dois clubes partilham agora o primeiro lugar com os mesmos pontos.

Manchester United, Manchester City e Liverpool obteram três vitórias naturais e fáceis. Manchester United em casa contra o Wigan venceu e bem por 2-0. Dois destaques neste jogo: primeiro, para o regresso de Rooney. Depois da saga que começou com um amuo, passou por uma ameaça e acabou com uma renovação de contracto fazendo dele o jogador mais bem pago do mundo. Será que ele merece? Segundo destaque e este de grande importância, o United alcançou o Chelsea no primeiro posto passando tambem o Arsenal. De certeza que será um bom tónico para os tempos que se seguem.

Com Mancini e a sua equipa em altos e baixos de forma, esta vitória frente à equipa do antecessor do italiano era, por si só, embora ninguém o admitisse, um duelo particular. A jogar fora contra uma equipa tradicionalmente dificil, a vitória acabou por chegar naturalmente. Começaram cedo os citizens com um golo por Tevez logo aos 6 minutos e so terminaram aos 56 com o quarto. Depois relaxaram e permitiram ao Fulham o seu tento de honra. 1-4 foi o resultado final.

Do Liverpool o que dizer? Depois do pior começo de época em varias dezenas de anos, lá vão devagar mas com segurança, recuperando na tabela. O West Ham, que se encontra em último lugar, era a equipa ideal para testar este Liverpool sem Steven Gerrard. O capitão dos reds vai estar afastado dos relvados por um mês. Sabem quem preencheu o lugar? E razoalvelmente bem? Nem mais nem menos que Raúl Meireles, jogou finalmente na posição que mais gosta, ao centro. Uma primeira parte demolidora elevou o resultado a 3-0 com a uma segunda parte demasiado relaxada que deixou tudo igual à primeira. Quando já se faziam apostas em que o Liverpool ia descer de divisão esta época, eis que já se encontram a apenas 9 pontos dos primeiros. Não está nada mau, embora ainda aquém das ambições de um clube da sua grandeza.

Por último o destaque para a equipa sensação este ano, o Bolton. Recebeu e venceu facilmente o Newcastle, que tem vindo a fazer uma boa época tendo em conta que na temporada passada militava no escalão inferior. 5-1 é um resultado que fala por si. O Bolton está, para já, muito seguro nos lugares da Europa, em quinto lugar, e apenas a 6 pontos dos dois primeiros.

Read Full Post »


Gunter quando estava nos Spurs

Todos temos sido bombardeados com a grande evolução do lateral-esquerdo galês Gareth Bale, mas, no País de Gales, a qualidade não se extingue no jogador do Tottenham, como é prova o lateral-direito do Nottingham Forest: Chris Gunter.

Criado nas escolas do Cardiff City, onde chegou com apenas oito anos de idade, estreou-se pela equipa principal desse clube galês com apenas 17 anos, na época 2006/07, mantendo-se na equipa principal do Cardiff City por temporada e meia. Nesse clube do segundo escalão do futebol inglês, Gunter começou a mostrar ser um lateral muito ofensivo e com grande talento, chamando a atenção de equipas como o Everton e o Tottenham, sendo que foram os spurs a ganharem a corrida do jovem galês.

Em White Hart Lane, esteve cerca de um ano, mas perante a elevada concorrência, raramente foi opção, apenas fazendo cinco jogos nesse período. Assim sendo, foi sem surpresa que acabou por se transferir para o Nottingham Forest em Março de 2009. Primeiro, chegou por empréstimo, mas, no defeso de 2009/10, foi adquirido em definitivo pelo Forest.

Desde que está no clube do segundo escalão de Inglaterra, o lateral-esquerdo tem sido sempre titular, assumindo-se como um lateral de qualidade, muito ofensivo e, curiosamente, parecido na forma de jogar com o seu compatriota Bale. Rápido, com boa técnica e bom pulmão, é ideal para um esquema com laterais ofensivos, seja em 4-4-2, 4-3-3 ou, até, em 5-3-2. Capitalizando todas as suas qualidades no flanco direito, também pode jogar no lado esquerdo da defesa, cumprindo sem qualquer problema.

Neste momento, com apenas 21 anos e já internacional galês por 25 vezes, trata-se de um jogador muito interessante para clubes portugueses interessados num lateral rápido, inteligente e que defende e ataca sempre com grande intensidade e entrega ao jogo.

Read Full Post »

Older Posts »