Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Udinese’

Naldo actuou no Getafe em 2014/15

Naldo actuou no Getafe em 2014/15

Parece iminente a contratação de um defesa-central pelo Sporting, mais concretamente o brasileiro Edinaldo Gomes Pereira “Naldo”, futebolista que se encontrava vinculado aos italianos da Udinese, mas que esteve emprestado na última temporada aos espanhóis do Getafe.

Nascido a 28 de Agosto de 1988 em Santo André, Brasil, Naldo cresceu no modesto Cascavel, tendo representando posteriormente o Linense, Oeste e União de São João, clube onde, em 2010, somou 21 jogos (dois golos) no principal campeonato paulista.

Explodiu no Ponte Preta

Sempre por empréstimo do União de São João, Naldo haveria posteriormente de conhecer uma interessante carreira no futebol brasileiro, tendo somado 34 jogos e dois golos pelo Ponte Preta (2010); 22 jogos pelo Cruzeiro (2011); e 34 jogos e quatro golos pelo Grémio (2012).

Graças a esse bom impacto no espectro futebolístico canarinho, o defesa-central haveria de saltar para o futebol europeu em Janeiro de 2013, vinculando-se ao Granada, ainda que tenha sido imediatamente emprestado ao Bolonha, onde somou cinco jogos até ao Verão.

Percurso passou por Udinese e Getafe

Na temporada 2013/14, Naldo haveria de mudar novamente de ares, tornando-se jogador da Udinese, clube onde somou 17 jogos, em números que se justificam pelo facto do brasileiro ter sido a terceira opção para o eixo defensivo do emblema italiano.

Perante esse estatuto de menor importância, acabou por não surpreender que Naldo tenha mudado novamente de ares em 2014/15, época onde foi emprestado ao Getafe. Aí, no clube espanhol, o brasileiro conseguiu assumir-se como um esteio da defesa, somando um total de 32 jogos oficiais.

Será útil ao leão

É inegável que Naldo não está no mesmo patamar qualitativo de outros defesas-centrais apontados ao Sporting como Dedé, Douglas ou Rhodolfo, mas é igualmente verdade que este jovem de 26 anos apresenta qualidades que poderão vir a ser úteis aos leões.

Afinal, com 1,88 metros, trata-se de um futebolista muito forte no jogo aéreo, sendo que essa dimensão não o prejudica em termos de velocidade, uma vez que Naldo é um jogador relativamente rápido, isto tanto em corrida propriamente dita como em execução.

Agressivo no bom sentido

De realçar, igualmente, que Naldo é forte nos capítulos da antecipação e do desarme, conseguindo ser agressivo nos duelos individuais, isto sem nunca ser excessivamente violento, algo facilmente compreendido quando percebemos que poucos cartões viu ao longo da carreira.

Quanto a aspectos a limar, o brasileiro terá de corrigir alguns erros posicionais que por vezes ainda apresenta, assim como tornar-se um pouco mais efectivo na construção ofensiva, algo onde terá de progredir para se adaptar na perfeição a uma equipa com as ambições do Sporting.

Read Full Post »

Gelson é reforço para o meio-campo leonino

Na temporada passada, todos se aperceberam das dificuldades que o Sporting teve para contrariar a lesão de Rinaudo, tendo passado inúmeros jogadores pela posição “seis”, sem que ninguém conseguisse fazer esquecer verdadeiramente o argentino. Assim sendo, nesta pré-época, o Sporting tratou de precaver essa situação com a aquisição do médio-centro helvético Gelson Fernandes.

Gelson Tavares Fernandes nasceu a 2 de Setembro de 1986 na Praia, Cabo Verde, mas é um internacional suíço que foi formado no FC Sion, clube onde se estreou no futebol profissional em 2004/05. No FC Sion, o médio-defensivo cumpriu quatro temporadas, sendo apenas a última no principal escalão helvético. Nessa período, Gelson Fernandes somou 93 jogos (1 golo) e chamou à atenção de vários clubes de outra nomeada, sendo que o Manchester City contratou o suíço para a temporada 2007/08.

Nos “citizens”, depois de duas temporadas onde foi jogando com alguma regularidade (52 jogos, 3 golos no combinado das duas épocas), acabou por sair do clube devido, também, ao reforço constante do plantel do Manchester City com grandes nomes do futebol mundial.

Nesse seguimento, o médio-defensivo acabou por transferir-se para os gauleses do Saint-Etienne, clube onde fez 33 jogos em 2009/10. Após essa temporada, ainda que ligado ao clube francês, Gelson Fernandes acabou emprestado ao Chievo (29 jogos, 2 golos em 2010/11), Leicester City (15 jogos, 1 golo em 2011/12) e Udinese (14 jogos, 1 golo, também em 2011/12), chegando agora o suíço ao Sporting a custo zero.

Como joga?

Gelson Fernandes é um verdadeiro guerreiro, um médio-defensivo de grande raça e que nunca dá um lance por perdido, lutando constantemente até à última gota de suor por cada jogada.

Com boa capacidade física, trata-se de um jogador relativamente alto, que, por isso, é importantíssimo nos confrontos corpo a corpo e, também, na ajuda à defesa em lances pelo ar.

Posicionalmente, o internacional suíço também é extremamente inteligente, mostrando-se, igualmente, muito forte na antecipação e no desarme. Para além disso, apesar do seu maior perfil defensivo, também é um jogador que sabe subir com critério no terreno, não sendo inoperante nesse aspecto específico do jogo.

Read Full Post »

Mandzukic podia ter sido o "pinheiro" do Sporting

Quando me lembrei de criar a rubrica “Olho Clínico”, pensei que pudesse ter dupla função no panorama desportivo português. Em primeiro lugar, pensei no normal adepto de futebol, que gosta de conhecer mais e melhor e que, certamente, teria todo o interesse em descobrir novos valores das paragens mais distantes do planeta futebol, mas, por outro lado, também acreditei que pudesse ser uma boa plataforma para que os clubes portugueses, muitas vezes presos a clichés de mercado, pudessem alargar horizontes e abandonar, de vez, o mesmo mercado saturado que já não lhes permite trazer “peixe graúdo”.

Desde dia 30 de Dezembro de 2009, apresentei, neste blog, 53 jogadores, sendo que nenhum deles actuava nas principais ligas europeias e, mesmo de campeonatos de média dimensão, como o francês, o grego, o belga ou o escocês, foram muitos poucos os jogadores que referenciei, limitando-me a mostrar talentos de primeiro plano como o Eden Hazard, o Sotiris Ninis, o Lukaku ou o Aiden McGeady.

Nesta rubrica, o meu interesse foi sempre viajar para países sul-americanos, do leste europeu e até países em grande expansão futebolística como o Japão ou, numa escala inferior, Chipre e Israel. Na verdade, fiz isso porque sei que aí os atletas ainda são acessíveis aos clubes portugueses, tendo, inclusivamente, o cuidado de mostrar jogadores para a bolsa dos três grandes, mas sem descurar outros que pudessem estar ao alcance de clubes médios do nosso futebol.

Infelizmente, verifiquei que dos 53 jogadores que apresentei, apenas um se transferiu para Portugal, curiosamente um dos mais badalados pela imprensa nos últimos tempos, ainda que tenha sido apresentado no “A Outra Visão” bem antes do início do Mundial 2010 (Otamendi). Assim sendo, fui fazer um pequeno estudo à rubrica e verificar quais os jogadores que permaneciam nos clubes desde que o “A Outra Visão” havia falado deles e, dos que se tinham transferido, quais o haviam feito para um clube superior ao clube onde jogavam.

Assim sendo, dos 53 jogadores referenciados, 19 trocaram de clube, sendo que destes, dezoito se transferiram para um clube e/ou campeonato superior. A única excepção foi o arménio: Edgar Manucharyan, que, perseguido por lesões, regressou à Arménia para jogar no Pyunik Erevan.

As dezanove transferências pós “Olho Clínico”

Jackson Martinez (COL): do Independiente Medellín (COL) para o Jaguares (MEX)

Eliran Atar (ISR): do Bnei Yehuda (ISR) para o Maccabi Telavive (ISR)

Emad Moteab (EGI): do Al-Ahly (EGI) para o Standard Liège (BEL)

Emilio Izaguirre (HON): do Motagua (HON) para o Celtic (ESC)

Aiden McGeady (IRL): do Celtic (ESC) para o Spartak Moscovo (RUS)

Mario Mandzukic (CRO): do Dinamo Zagreb (CRO) para o Wolfsburgo (ALE)

Robert Lewandowski (POL): do Lech Poznan (POL) para o Borussia Dortmund (ALE)

Nicolás Otamendi (ARG): do Velez Sarsfield (ARG) para o FC Porto (POR)

Georgios Tzavelas (GRE): do Panionios (GRE) para o E. Frankfurt (ALE)

Atsuto Uchida (JAP): do Kashima Antlers (JAP) para o Schalke 04 (ALE)

Seydou Doumbia (CMA): do Young Boys (SUI) para o CSKA Moscovo (RUS)*

Aleksandr Bukharov (RUS): do Rubin Kazan (RUS) para o Zenit (RUS)

Giovanni Moreno (COL): do Atlético Nacional (COL) para o Racing Club (ARG)

Domagoj Vida (CRO): do Osijek (CRO) para o Bayer Leverkusen (ALE)

Andreas Avraam (CHI): do Apollon Limassol (CHI) para o Omónia Nicósia (CHI)

Jong Tae-Se (COR): do Kashima Antlers (JAP) para o Bochum (ALE)

Artur Sobiech (POL): do Ruch Chorzow (POL) para o Polónia Varsóvia (POL)

Pablo Armero (COL): do Palmeiras (BRA) para a Udinese (ITA)

Edgar Manucharyan (ARM): do Ajax (HOL) para o Pyunik Erevan (ARM)

*Quando fizemos o “Olho Clínico” dedicado ao Seydou Doumbia, este já tinha acordado uma transferência futura para o CSKA Moscovo.

Estas transferências mostram que, mais do que mostrar bons valores aos adeptos do futebol e fazer com que estes possam alargar, cada vez mais, os seus horizontes futebolísticos, o “Olho Clínico” pode funcionar como plataforma de descoberta de valores para os nossos clubes e para que estes possam, igualmente, alargar horizontes e desprenderem-se dos clichés que, muitas vezes, apenas lhes dão prejuízo financeiro e desportivo.

Da minha parte, irei continuar a fazer o meu melhor para vos mostrar as melhores promessas que caminham pelo mundo do futebol, mesmo que tenha de vasculhar pelos cantos mais recônditos do planeta, esperando que, um dia, a maior parte desses talentos apareça, aqui, no nosso campeonato, ao invés de tantos estrangeiros sem qualidade que, época após época, inundam as nossas ligas profissionais.

Read Full Post »

Um criativo do D. Zagreb

“El Pokemón” é um médio ofensivo chileno de 25 anos que seria uma excelente adição para qualquer clube português interessado em adquirir um nº10 imaginativo, criativo e com excelente capacidade finalizadora. Um jogador perdido na Liga Croata no Dínamo Zagreb e que, por certo, não seria muito caro para os cofres de qualquer um dos três grandes do futebol nacional.

Depois de ter percorrido todas as camadas jovens do Huachipato, Pedro Morales estreou-se, em 2004, ao serviço da equipa sénior de esse clube chileno, permanecendo lá até 2007, fazendo 88 jogos e 15 golos. Nesse período, o médio ofensivo chileno participou no Mundial de Sub-20 de 2005, onde chamou à atenção de vários clubes internacionais pela sua técnica, criatividade e visão de jogo.

Ainda assim, foi apenas no verão de 2007 que Morales deu o salto para um clube com maiores pergaminhos: Universidad de Chile, onde esteve exactamente um ano e onde reforçou os seus instintos goleadores, pois fez os mesmos 15 golos que havia feito no Huachipato, mas em apenas 37 jogos.

Esses números impressionaram vários clubes europeus como o Bétis ou a Udinese, mas “El Pokemón” acabou por optar, no verão de 2008, pelo histórico clube croata: Dínamo Zagreb. Nesse importante emblema, fez, em duas temporadas, 20 golos em 42 jogos e cotou-se sempre como um dos mais importantes jogadores do clube.

Agora, aos 25 anos, o internacional chileno (9 jogos, 1 golo) está no momento certo para dar o salto para um clube de maior nomeada. Jogador criativo, com técnica acima da média, inteligente tacticamente e que faz muitos golos tanto por ser um exímio marcador de livres como por ser muito oportuno na área contrária, será, por certo, uma grande aquisição para qualquer dos grandes clubes portugueses.

Deixo vos um vídeo dos seus tempos do Universidad de Chile para terem uma ideia do enorme talento de Pedro Morales.

Read Full Post »

O Chile já participou em sete campeonatos do mundo, todavia, tirando um terceiro lugar conquistado em casa (1962), o melhor que conseguiu foi alcançar os oitavos de final no França 98, numa competição em que, curiosamente, não venceu nenhum jogo (três empates e uma derrota). Ainda assim, a equipa chilena está bastante motivada para o Mundial da África do Sul, pois tem uma das melhores gerações de jogadores de sempre e, para além disso, fez uma excelente fase de qualificação, terminando na segunda posição, apenas um ponto atrás do vencedor do agrupamento: Brasil. Agora, em terras sul-africanas, tudo o que seja abaixo dos oitavos de final terá de ser encarado como uma grande desilusão para os sul-americanos.

A Qualificação

Os chilenos fizeram uma fase de apuramento de grande qualidade na zona sul-americana de qualificação, acabando na segunda posição a apenas um ponto do Brasil (1º) e terminando o agrupamento com uma vantagem de nove pontos em relação à primeira equipa que não se qualificou directamente para a África do Sul (Uruguai).

Durante o seu percurso, o Chile teve resultados brilhantes como a dupla vitória diante da Colômbia (4-2 e 4-0) ou triunfos em campos difíceis como o do Paraguai (2-0), Bolívia (2-0) ou Venezuela (3-2).

Assim sendo, foi mesmo com algum brilhantismo que a selecção chilena garantiu o passaporte para o Mundial 2010.

Zona sul-americana – Classificação

  1. Brasil 34 pts
  2. Chile 33 pts
  3. Paraguai 33 pts
  4. Argentina 28 pts
  5. Uruguai 24 pts
  6. Equador 23 pts
  7. Colômbia 23 pts
  8. Venezuela 22 pts
  9. Bolívia 15 pts
  10. Peru 13 pts

O que vale a selecção chilena?

A equipa chilena é uma equipa de grande qualidade,vocacionada para o ataque e usando um esquema muito ofensivo em 4-3-3 será, por certo, garantia de futebol atractivo em terras sul-africanas.

A baliza deverá estar entregue a Bravo, guarda-redes de qualidade. Depois, o quarteto defensivo deverá ser composto pela dupla de centrais: Medel-Vidal e pelos laterais: Ponce (à esquerda) e Isla (à direita). Neste sector, temos de destacar a curiosidade de os dois centrais serem, normalmente, usados como médios defensivos nos seus clubes. Tratam-se de dois jogadores de excelente qualidade pelo chão, mas que, por vezes, têm alguma dificuldade no jogo aéreo, nomeadamente Medel que é muito baixo. Por outro lado, nas laterais, encontramos dois jogadores muito diferentes, pois Ponce é mais defensivo, ajudando muitas vezes o centro da defesa, enquanto Isla é muito ofensivo, sendo, muitas vezes, quase um extremo.

No meio campo, a equipa chilena deverá optar por um duplo-pivot composto por dois jogadores que tanto sabem defender e recuperar bolas como iniciar o processo ofensivo: Carmona e Millar. Depois, mais à frente, deverá jogar o bem conhecido Mátias Fernández. No esquema da selecção sul-americana, o papel do jogador do Sporting é extremamente importante, pois é por ele que passa quase toda a construção ofensiva do Chile.

Por fim, no ataque, os chilenos deverão optar por dois extremos: Beauséjour (à esquerda) e Alexis Sánchez (à direita). Estes dois atletas devem ter missões ligeiramente diferentes, pois enquanto Beauséjour será um extremo puro, que se preocupará mais em criar desequilíbrios no flanco esquerdo, Sánchez será um falso extremo que aproveitará o facto de Isla subir muito pelo flanco direito para fazer diagonais para o centro e aparecer, muitas vezes, colado ao ponta de lança. Esse avançado centro será, obviamente, a estrela do futebol chileno (Humberto Suazo), um atacante rápido e explosivo, que, na hora da verdade, raramente falha.

Em suma, podemos dizer que o Chile apresenta, neste mundial, uma equipa equilibrada e talentosa com reais condições de fazer uma excelente campanha.

O Onze Base

Como referido anteriormente, a selecção sul-americana deverá apresentar um 4-3-3 de pensamento ofensivo com Bravo (Real Sociedad) na baliza; Ponce (Universidad Católica), Medel (Boca Juniors), Vidal (Leverkusen) e Isla (Udinese) na defesa; Carmona (Reggina), Millar (Colo Colo) e Mátias Fernández (Sporting) no meio campo; Beauséjour (América), Alexis Sánchez (Udinese) e Humberto Suazo (Saragoça) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Integrada no Grupo H com Espanha, Suíça e Honduras e partindo do principio que o primeiro lugar (Espanha) e o último (Honduras), parecem, aparentemente entregues, espera-se que a selecção de Marcelo Bielsa lute com a Suíça pelo segundo posto. Nessa disputa, apesar da boa qualidade helvética, o Chile, com mais talento natural, deverá ter uma ligeira vantagem.

Calendário – Grupo H (Mundial 2010)

  • 16 de Junho: Chile vs Honduras
  • 21 de Junho: Chile vs Suíça
  • 25 de Junho: Chile vs Espanha

Read Full Post »

Os helvéticos já participaram em oito campeonatos do mundo, todavia, nunca passaram dos quartos de final e, a última vez que alcançaram essa fase da prova, foi há 56 anos (1954). Nas últimas duas participações (1994 e 2006), a selecção suíça cumpriu com os serviços mínimos, passando a fase de grupos e caindo, logo a seguir, nos oitavos de final. Agora, na África do Sul, com uma selecção mediana e num agrupamento com espanhóis, chilenos e hondurenhos, a dúvida é se conseguem voltar a cumprir os serviços mínimos (oitavos de final), ou se, ao invés, não passam da primeira fase da prova.

A Qualificação

Inseridos num grupo acessível com Grécia, Letónia, Israel, Luxemburgo e Moldávia, os suíços começaram muito mal a fase de apuramento com um empate em Israel (2-2) e, bem pior, com uma derrota caseira com o Luxemburgo (1-2).

Temeu-se o pior, mas os helvéticos, até final da fase de qualificação, estiveram bem melhor e apenas concederam dois empates (Letónia, fora, 2-2 e Israel, casa, 0-0), vencendo todas as restantes partidas.

Nesse percurso vitorioso, temos de destacar a dupla vitória diante da selecção helénica (2-0 e 2-1), decisiva para alcançarem o primeiro lugar do Grupo 2 e consequente apuramento directo para o Mundial sul-africano.

Grupo 2 – Classificação

  1. Suíça 21 pts
  2. Grécia 20 pts
  3. Letónia 17 pts
  4. Israel 16 pts
  5. Luxemburgo 5 pts
  6. Moldávia 3 pts

O que vale a selecção helvética?

A equipa suíça vale, essencialmente, por ter um colectivo forte e, acima de tudo, muito experiente. Sem grandes estrelas, os helvéticos colocam todas as suas fichas na boa organização táctica e na eficácia.

O sector mais recuado da equipa de Ottmar Hitzfeld é composto por um grande guarda-redes, bem conhecido dos portugueses (Diego Benaglio) e por um quarteto defensivo muito sólido e seguro. Nessa defesa, a dupla de centrais será formada por Senderos e Grichting, dois jogadores que se completam, pois o jogador do Auxerre é muito forte pelo chão e o antigo defesa do Arsenal é poderoso no jogo aéreo. Por outro lado, nas laterais, deverão aparecer Zygler (à esquerda) e Lichtsteiner (à direita), dois defesas que correm o campo todo, defendendo e atacando com a mesma competência.

Depois, num meio campo típico do 4-4-2 clássico, deverão jogar Huggel e Inler como duplo pivot. Neste esquema, Huggel será um trinco puro, muito forte fisicamente e com a capacidade de encostar aos centrais sempre que necessário, enquanto Inler será um box to box, muito criativo, que sabe aparecer com perigo nas zonas mais adiantadas do terreno. Por outro lado, nas alas, deverão jogar Barnetta (à esquerda) e Padalino (à direita), dois jogadores criativos (principalmente Barnetta), mas que sabem defender, dando, assim, muita consistência à equipa helvética.

Por fim, no ataque, deverão jogar os veteranos: Nkufo e Frei. Tratam-se dois elementos bem diferentes, pois Nkufo é um avançado muito forte fisicamente, que desgasta muito os defesas e serve de elemento de referência ofensiva, enquanto Frei, é mais leve e móvel, ainda que se trata de um finalizador nato, que raramente falha no momento de definição. Ainda assim, se Hitzfeld pretender um ataque com dois elementos móveis, pode sempre abdicar de Nkufo e lançar o também veterano jogador do Lucerna: Hakan Yakin.

O Onze Base

A equipa helvética deve apresentar um 4-4-2 clássico com Diego Benaglio (Wolfsburgo) na baliza; Zygler (Sampdória), Senderos (Everton), Grichting (Auxerre) e Lichtsteiner (Lázio) na defesa; Barnetta (Leverkusen), Huggel (Basileia), Inler (Udinese) e Padalino (Sampdória) no meio campo; Nkufo (Twente) e Frei (Basileia) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Num grupo com Espanha, Chile e Honduras, o primeiro lugar estará, desde logo, totalmente de parte, pois salvo um escândalo, esse irá pertencer à pátria de Cervantes. Assim sendo, tendo em conta que as Honduras deverão ficar na última posição, caberá aos suíços disputar o segundo lugar com os chilenos, num duelo que se advinha muito equilibrado e intenso.

Calendário – Grupo H (Mundial 2010)

  • 16 de Junho: Suíça vs Espanha
  • 21 de Junho: Suíça vs Chile
  • 25 de Junho: Suíça vs Honduras

Read Full Post »

A Itália dispensa apresentações. Campeã do mundo por quatro ocasiões (1934, 38, 82 e 2006) e vice campeã por duas vezes (1970 e 1994), a selecção azzurra é sempre uma equipa a ter em conta. Com a habitual e quase sempre perfeita mistura entre experiência (Cannavaro, Pirlo, Camoranesi…) e jovens talentos (Marchisio, Criscito, Chiellini…), a equipa transalpina não teve dificuldades em apurar-se para o Mundial sul-africano e também não deverá ter problemas em conquistar o primeiro lugar no Grupo F. Se tudo correr pelo normal, com adversários como a Eslováquia, o Paraguai e a Nova Zelândia, o verdadeiro mundial dos italianos apenas começará nos oitavos de final.

A Qualificação

O apuramento dos italianos para o campeonato do mundo foi um autêntico passeio. Integrados no Grupo 8, com República da Irlanda, Bulgária, Chipre, Montenegro e Geórgia, os azzurri garantiram o primeiro lugar com sete vitórias e três empates, ou seja sem concederem qualquer derrota.

No entanto, há que destacar o facto dos italianos terem sido incapazes de surpreender a Irlanda de… Trapattoni, pois empataram em casa (1-1) e fora (2-2).

Ainda assim, o facto de terem terminado o agrupamento com seis pontos de avanço sobre os irlandeses (2º) é a prova cabal da superioridade italiana neste grupo da zona europeia de qualificação.

Grupo 8 – Classificação

  1. Itália 24 pts
  2. República da Irlanda 18 pts
  3. Bulgária 14 pts
  4. Chipre 9 pts
  5. Montenegro 9 pts
  6. Geórgia 3 pts

O que vale a selecção italiana?

A selecção italiana apresenta, neste campeonato do mundo, os seus habituais pontos fortes. Experiência, organização, talento e, acima de tudo, a sua habitual eficácia e frieza no momento da verdade.

A baliza transalpina será entregue aquele que, provavelmente, é o melhor guarda-redes do Mundo: Buffon. Trata-se de um jogador experiente, elástico e que é uma voz de comando para toda a defesa.

No sector recuado, a squadra azzurra deverá apresentar um quarteto com dois centrais: Cannavaro-Chiellini, sendo que o experiente Fabio Cannavaro será o patrão do centro da defesa, um jogador forte no um contra um e imbatível pelo chão, enquanto Chiellini será um central mais posicional, mais de choque e importante na segurança aérea do último reduto italiano. Por outro lado, nas alas, os azzurri deverão apresentar Criscito (à esquerda) e Zambrotta (à direita). Neste esquema, o atleta do Milan deverá ser um lateral que fará todo o corredor, enquanto Criscito será um verdadeiro defesa-esquerdo, mais defensivo e com a obrigação de encostar aos centrais sempre que necessário.

No meio campo, a Itália deverá apresentar o duplo-pivot: Marchisio-De Rossi. Tratam-se de dois elementos de enorme pulmão e com condições tanto para assegurar a segurança defensiva como a construção ofensiva. Depois, à frente deles, deverá actuar Pirlo. Mais que um médio ofensivo puro, Pirlo aparecerá um pouco mais recuado que um número 10, mas essa será uma estratégia para o libertar das marcações e criar condições para os seus magníficos passes de ruptura. Por fim, nas alas do meio campo, deverão aparecer Di Natale (à esquerda) e Camoranesi (à direita). Tratam-se de dois elementos com missões bastante diferentes, pois enquanto Di Natale funcionará como falso extremo, aproveitando o facto de Criscito ser um lateral muito defensivo para praticamente só atacar e fazer imensas diagonais para o centro, Camoranesi será um ala direito que irá aparecer muitas vezes no ataque, mas também irá fechar ao centro e compensar as subidas de Zambrotta pelo flanco destro.

Por fim, no ataque, a Itália deve optar por actuar apenas com Gilardino, um avançado rápido, com muita mobilidade e com excelente capacidade de finalização. Ainda assim, não será de colocar de parte a hipótese de Lippi abdicar de Marchisio, recuar Pirlo para o duplo-pivot e lançar Iaquinta ou Quagliarella ao lado de Gilardino.

Em suma, trata-se de uma equipa experiente e talentosa, que não deverá dar hipóteses aos seus adversários no Grupo F do Mundial 2010.

O Onze Base

A Itália deverá usar o esquema: 4-2-3-1 com Buffon (Juventus) na baliza; Criscito (Génova), Cannavaro (Al Ahli), Chiellini (Juventus) e Zambrotta (Milan) na defesa; Marchisio (Juventus), De Rossi (Roma), Pirlo (Milan), Camoranesi (Juventus) e Di Natale (Udinese) no meio campo; Gilardino (Fiorentina) será o ponta de lança.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

A equipa italiana é muito mais experiente que os seus adversários. Para além disso, a squadra azzurra é muito evoluída tacticamente e, mesmo em termos de talento puro, superioriza-se a Paraguai e Eslováquia e está anos luz acima da Nova Zelândia. Assim sendo, se os italianos não terminarem o Grupo F no primeiro lugar, será uma enorme surpresa.

Calendário – Grupo F (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Itália vs Paraguai
  • 20 de Junho: Itália vs Nova Zelândia
  • 24 de Junho: Itália vs Eslováquia

Read Full Post »

Older Posts »