Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘William Carvalho’

Bradaric

Bradarić é internacional croata

A imprensa desportiva portuguesa tem dado conta do interesse do Sporting em atacar em força o mercado croata, sendo que um dos alvos que já foi referenciado por mais do que um meio de comunicação social é precisamente o médio-defensivo Filip Bradarić.

Criado na famosa escola de futebol do Hajduk Split, trata-se de um dos grandes destaques da equipa do Rijeka que acabou de surpreender a Europa ao conquistar o título croata e acabado com o domínio crónico do Dínamo de Zagreb nessa prova.

Aos 25 anos, estará com um bom nível de maturidade para dar o salto para um campeonato mais competitivo, ainda que naturalmente gere algumas dúvidas que tenha a capacidade se assumir como um substituto imediato de William Carvalho, isto, obviamente, se o internacional português abandonar Alvalade neste Verão.

Subiu todos os patamares

Filip Bradarić nasceu a 11 de Janeiro de 1992 em Split, Croácia, sendo um produto das escolas do Hajduk Split, emblema que representou entre 2003 e 2015, ainda que a sua estreia no futebol sénior se tenha dado no Primorac 1929, onde esteve por empréstimo entre 2011 e 2013.

Aí, somou um total de 55 jogos (oito golos), tendo representado o modesto clube na terceira e segunda divisão croata com grande destaque, ou não tivesse merecido o regresso ao Hajduk Split para a temporada 2013/14.

No histórico clube da Dalmácia, o “seis” haveria de actuar na época e meia seguinte, somando um total de 48 jogos (três golos) e merecendo uma transferência em Fevereiro de 2015 para o Rijeka, emblema que vivia uma ascensão interessante no futebol croata.

Um esteio do Rijeka

Filip Bradarić haveria de se tornar automaticamente num dos principais esteios do Rijeka, sendo titularíssimo desde que chegou à equipa orientada desde 2013 pelo esloveno Matjaž Kek.

Afinal, nas últimas duas épocas e meia, Filip Bradarić somou um total de 88 jogos e cinco golos, tendo sido fundamental no título croata conquistado pelo Rijeka na temporada que agora termina, assim como nos vice-campeonatos de 2015 e 2016.

Para além disso, o jovem de 25 anos conseguiu também chegar à selecção croata, pela qual soma duas internacionalizações e na qual se estreou num particular diante da Irlanda do Norte (3-0) a 15 de Novembro de 2016.

Mais “seis” que William

Filip Bradarić actuou a época transacta num duplo-pivot de meio campo na companhia de Josip Mišić, sendo que este último funcionava como box-to-box enquanto o ex-jogador do Hajduk Split actuava como “seis” puro.

Aí, admita-se, o seu perfil aproxima-se pouco de William Carvalho, pois Filip Bradarić é um trinco mais de contenção, actuando de forma mais posicional e conservadora, enquanto o internacional português gosta mais de ter a bola e dar profundidade ofensiva ao seu jogo.

Com bom pulmão, forte no jogo aéreo, inteligente na ocupação dos espaços e bom na recuperação, Filip Bradarić não deixa igualmente de ser competente com a bola nos pés, ainda que a transição ofensiva não seja o seu aspecto mais forte.

Pelas suas características, seria um jogador que até funcionaria melhor na companhia de um médio-centro com características mais ofensivas do que Adrien Silva, não surpreendendo que a sua eventual contratação prepare não só a saída de William Carvalho como também a do luso-francês.

Anúncios

Read Full Post »

Guido Pizarro poderá ter impacto imediato no leão

Guido Pizarro poderá ter impacto imediato no leão

Um importante aspecto que este estágio na África do Sul transmitiu ao Sporting passou pela necessidade imperiosa dos verde-e-brancos assegurarem um “seis” no mercado, alguém que consiga suprimir a ausência de William Carvalho, jogador a contas com uma fractura de stress na tíbia e que só deverá regressar aos relvados em dez semanas.

Ora, um dos jogadores que aparentemente está na linha da frente para reforçar essa zona específica do terreno será o argentino Guido Pizarro, futebolista de 25 anos que vai evoluindo nos mexicanos do Tigres, emblema que irá disputar brevemente a final da Taça dos Libertadores, diante do River Plate.

Trata-se de um médio-defensivo nascido a 26 de Fevereiro de 1990 em Buenos Aires, Argentina, e que iniciou a sua carreira no Lanús, emblema pelo qual somou 135 jogos e oito golos entre 2009/10 e 2012/13. De há duas temporadas para cá, contudo, tem sido na Liga MX que vem desenvolvendo o seu futebol e com grande qualidade, ou não fosse ele uma das referências do Tigres, clube pelo qual soma 83 jogos e três golos até ao momento.

Um “seis” à JJ

Guido Pizarro parece ter sido desenhado à imagem daquilo que Jorge Jesus costuma apreciar num médio-defensivo do seu sistema, uma vez que alia uma acentuada eficácia defensiva a uma igualmente relevante capacidade de construção, sendo inclusivamente um jogador indicado para iniciar o processo ofensivo a partir dos centrais como o experiente técnico costuma exigir de um trinco.

Alto, inteligente em termos posicionais e rápido, parece muitas vezes omnipresente na cabeça da área, sendo extremamente importante para manter os equilíbrios defensivos da equipa que representa, sendo ainda relevante sublinhar que é um jogador forte no desarme e na antecipação.

Depois, ao nível ofensivo, Guido Pizarro é um jogador que pode oferecer ao Sporting algo do qual os leões têm sido especialmente orfãos nesta pré-época e que passa pela dificuldade do “seis” ou dos defesas-centrais em iniciarem o processo atacante em posse. Aí, o argentino, graças à sua visão de jogo e boa técnica individual poderia ser um reforço importantíssimo, pelo menos até à chegada de William Carvalho.

Read Full Post »

Palhinha estará a impressionar JJ

Palhinha estará a impressionar JJ

Para além de colocar Gelson Martins e Wallyson Mallmann na rota da equipa principal do Sporting, a imprensa desportiva lusa é igualmente unânime em afirmar que existe outro jogador da equipa B verde-e-branca a impressionar o novo técnico Jorge Jesus, mais concretamente o médio-defensivo João Maria Lobo Alves Palhinha Gonçalves.

Trata-se de um futebolista nascido a 9 de Julho de 1995 em Lisboa, Portugal, e que iniciou a sua carreira desportiva no Alta de Lisboa, tendo passado posteriormente pelo Sacavenense, isto antes de chegar ao Sporting em 2012/13, então para a equipa de juniores.

Pela equipa B, o médio-defensivo estreou-se em 2013/14 (dois jogos), sendo que a sua esperada explosão definitiva, que estaria marcada para a temporada seguinte, acabou travada por uma Mononucleose, enfermidade que acabou por limitar a sua utilização em 2014/15, onde ainda assim conseguiu somar 17 jogos (um golo) e merecer a atenção de Jorge Jesus, que parece conquistado pelas suas qualidades.

Um novo Javi?

João Palhinha é um “seis” diferente de William Carvalho e não estamos aqui só a falar da natural maior experiência e traquejo do internacional A português, mas também das próprias características futebolísticas de ambos os atletas.

Afinal, enquanto William Carvalho consegue aliar eficácia no equilíbrio defensivo a uma capacidade inata para iniciar o processo de construção, fruto da sua superior técnica e qualidade de passe, João Palhinha é um futebolista mais à imagem de Javi García (salvem-se as actuais distâncias), apresentando maior dimensão física e intensidade de jogo do que o luso-angolano, mas apresentando-se como um trinco mais posicional, preocupando-se principalmente nas tarefas defensivas, o que acaba por libertar os companheiros de miolo para outras funções.

Esta postura no relvado, ainda assim, também é resultado da própria maturidade do jovem de 19 anos, que, consciente de que não é propriamente um prodígio técnico, tem a inteligência de dedicar-se quase em exclusivo a funções que realcem aquelas que são as maiores qualidades, que, além das supra-citadas, passam pela sua inteligência táctica e qualidade na marcação e contenção.

Read Full Post »

William mostra-se cansado

William mostra-se cansado

No rescaldo do Inglaterra-Portugal (0-1), a contar para a primeira jornada do Campeonato da Europa de sub-21, choveram elogios nas redes sociais à exibição de William Carvalho, sendo que a maior parte das mesmas foram oriundas precisamente das Ilhas Britânicas.

Frases como: “Porque é que ainda ninguém pagou todo o dinheiro pelo William Carvalho”; “William Carvalho esteve acima de qualquer outro médio no relvado”; “William é uma besta”; “William é um monstro” ou “Espero que alguém do Manchester United tenha visto o jogo com um cheque na mão e preparado para pagar o que for preciso para comprar William Carvalho” foram elucidativas da forma entusiástica como foi recebida a exibição do jogador do Sporting, mas o curioso é que este esteve longe daquele que é o seu melhor nível.

Aliás, em Portugal, onde muito melhor se conhecerá as qualidades de William Carvalho, até se assistiu ao fenómeno inverso, com os principais jornais desportivos a classificarem a exibição do “seis” com notas bastante fracas, na minha opinião também de forma exagerada, uma vez que o desempenho do internacional português não mereceu a histeria inglesa, mas também dispensava o desdém luso.

É notório que William Carvalho, depois de uma época em que fez 42 jogos pelo Sporting e mais uns quantos pelas selecções portuguesas se encontra fatigado e isso, num jogador que já não é propriamente rápido ou intenso, acaba por notar-se ainda mais, prejudicando o aparecimento daquilo que são as principais valências do médio-defensivo.

Afinal, sendo inegável que “Sir William” poderia e deveria ganhar intensidade de jogo, é igualmente um facto que o jovem de 23 anos apresenta valências fantásticas para a sua posição, nomeadamente ao nível do superior posicionamento, excelente visão de jogo, boa técnica individual e inteligência na antecipação e no desarme.

Continuando a progressão e mantendo uma consistência exibicional ao nível de 2013/14 (ele caiu um pouco na transição de Leonardo Jardim para Marco Silva), penso que não há quaisquer dúvidas que William Carvalho será um jogador que justificará a tal proposta milionária desejada por Bruno de Carvalho e que será certamente superior a 35 milhões de euros.

Agora, há que dizê-lo com frontalidade: Este William, o do Europeu de sub-21, está longe de ser o melhor William. E se alguns clubes ingleses estão mesmo dispostos a aproximarem-se dos 45 milhões de euros da cláusula de rescisão pelo seu desempenho nessa prova, nem quero imaginar o que estariam dispostos a oferecer caso vissem o internacional português no auge das suas capacidades.

Read Full Post »

Iñíguez tem potencial para vingar na Europa

Iñíguez tem potencial para vingar na Europa

Com o cenário de potencial transferência de William Carvalho a ser novamente real para o próximo defeso, é natural que o Sporting esteja a abordar o mercado com vista a encontrar um médio-defensivo que se possa assumir como um potencial sucessor do internacional português.

Nesse seguimento, segundo alguma da imprensa desportiva lusa, um dos alvos referenciados pelos verde-e-brancos é Gaspar Emanuel Iñíguez, futebolista nascido a 26 de Março de 1994 em Buenos Aires, Argentina, e que representa desde sempre o Argentinos Juniors.

Ao todo, afinal, e desde que se estreou profissionalmente em 2011, Gaspar Iñíguez já soma 87 jogos e dois golos pelo clube da primeira divisão argentina, onde, aliás, o “seis” é uma das principais referências.

Completamente distinto de William Carvalho

Mesmo actuando na mesma posição de William Carvalho, a verdade é que Gaspar Iñíguez tem características bem diferentes do internacional português e que começam naturalmente pelo físico, uma vez que o argentino mede apenas 1,72 metros, algo que o torna naturalmente menos efectivo no jogo aéreo.

Iñíguez é, contudo, mais móvel do que o luso-angolano, o que, em teoria, lhe permitiria ocupar um espaço territorial mais amplo do que William Carvalho, algo que acaba por não suceder pelo facto do jogador do Sporting ter na inteligência posicional um dos seus pontos fortes.

Boa margem de progressão

O argentino de 21 anos, aliás, ainda está algo cru nesse aspecto posicional, onde precisa de alguma evolução, embore mostre potencial para uma acentuada evolução, uma vez que já apresenta inúmeras valências como a raça, pulmão e qualidade na recuperação defensiva e no desarme.

Depois, há ainda que realçar que Iñíguez apresenta qualidade no início do processo ofensivo, sabendo sair muito bem a jogar e apresentando boa qualidade de passe. Ou seja, bem trabalhado, e se nunca for visto como um William Carvalho 2.0, mas, ao invés, num outro tipo de trinco, o argentino terá potencial para vingar na Europa.

Read Full Post »

LigaAinda a uma jornada do final da Liga, mas com quase todas as contas referentes à prova resolvidas, importa escolher aqueles que foram, para mim, as principais figuras individuais da prova, tanto ao nível do treinador como de um hipotético melhor onze do campeonato nacional.

Treinador: Jorge Jesus (Benfica) – Penso que será unânime esta escolha, isto sem esquecer que, perante as condições colocadas à sua disposição, também Marco Silva fez uma excelente campanha. Afinal, o treinador das águias ganhou mesmo o bicampeonato e isto perdendo inúmeras das figuras de 2013/14 e diante de um FC Porto que tinha mais e melhores soluções.

Guarda-Redes: Júlio César (Benfica) – Muita gente torceu o nariz à contratação deste internacional brasileiro, que chegava a Portugal numa fase descendente da carreira e já com um espectro de lesões. A verdade, contudo, é que o “Imperador” conseguiu dar sempre segurança e confiança ao sector recuado, impedindo que os encarnados sentissem em demasia a saída de Jan Oblak.

Lateral-Direito: Danilo (FC Porto) – Na sua última temporada em Portugal, isto antes de dar o salto para o Real Madrid, o internacional brasileiro fez uma fantástica campanha, sendo sempre importante na profundidade ofensiva que oferecia pelo flanco direito, e isto sem nunca colocar em causa a segurança defensiva do seu flanco.

Defesa-Central: Luisão (Benfica) – Juntamente com Júlio César, foi o grande responsável pela segurança defensiva dos encarnados em 2014/15, assumindo-se sempre como a verdadeira voz de comando da defesa do Benfica e tendo inclusivamente tempo para ajudar Jardel a crescer do seu lado.

Defesa-Central: Aderlan Santos (Sporting de Braga) – Surpreende que este defesa-central brasileiro ainda não tenha dado o salto para um clube com outros pergaminhos, uma vez que, jogo após jogo, mostra que é a grande referência do eixo defensivo arsenalista, onde parece muitas vezes intransponível. Mais uma excelente época.

Lateral-Esquerdo: Alex Sandro (FC Porto) – Diz-se que estará igualmente a caminho do FC Porto, tal como sucede com o compatriota e ainda colega Danilo e percebe-se claramente porquê, uma vez que o internacional brasileiro é sempre seguro no processo defensivo e consegue ainda ser fulcral no ataque, onde consegue desequilíbrios com e sem bola, fruto da sua técnica apurada e inteligência posicional.

Médio-Defensivo: William Carvalho (Sporting) – Demorou a engrenar e, mesmo no auge, esteve algo longe dos melhores momentos de 2013/14, vítima que foi da mudança estratégica que Marco Silva implementou no leão. Ainda assim, foi claramente o melhor “seis” do campeonato, conseguindo equilibrar defensivamente o leão, isto ao mesmo tempo que era muitas vezes igualmente o “oito” e o “dez”.

Médio-Centro: Óliver Torres (FC Porto) – Emprestado pelo Atlético de Madrid, é quase garantido que a passagem do internacional sub-21 espanhol pelo futebol português se resumirá apenas a esta temporada. Afinal, o prodigioso médio mostrou imaginação, inteligência táctica, criatividade e uma superior visão de jogo, num cocktail que só poderá parar brevemente na titularidade num colosso europeu.

Ala/Extremo-Direito: André Carrillo (Sporting) – Nani chegou esta temporada a Alvalade para dar a tal capacidade de desequilíbrio que havia faltado ao leão em 2013/14, mas acabou por ser “La Culebra” a decidir saltar para a ribalta e ofuscar inclusivamente o internacional português. Foram incontáveis as assistências do internacional peruano e isto sem esquecer as igualmente incontáveis vezes em que o extremo leonino conseguiu assumir-se como o verdadeiro abre-latas do ataque. Será uma grande perda para o Sporting se sair mesmo no Verão.

Ala/Extremo-Esquerdo: Nico Gaitán (Benfica) – Com “La Culebra” a assumir-se como o mais entusiasmante “extremo puro” desta Liga, ressurgiu novamente no flanco oposto o melhor “falso extremo” da prova. Afinal, Nico Gaitán, que joga como ala e pensa como um “dez”, voltou a ser o principal criador do meio-campo ofensivo encarnado, naquele seu superior futebol que alia a capacidade desequilibradora de um ala com a visão de jogo e a construção de um “dez”.

Avançado-Centro: Jonas (Benfica) – Tal como Júlio César, chegou ao Benfica sob o espectro de alguma desconfiança, mas a verdade é que quebrou rapidamente com a mesma, assumindo-se, juntamente com Nico Gaitán, como a principal figura deste campeonato. Afinal, naquela zona híbrida entre o “dez” e o “nove”, o internacional brasileiro conseguiu ser criador e finalizador, chegando à 33.ª jornada com 18 golos e participação em muitos outros mais.

Ponta de Lança: Jackson Martínez (FC Porto)  Todo o segundo avançado anseia pela companhia ideal e num Mundo perfeito a companhia de Jonas seria “Cha Cha Cha”, atacante que se prepara para ser novamente o melhor marcador do campeonato. Fabuloso finalizador, que alia esse factor a uma fantástica capacidade física e inteligência posicional, Jackson Martínez promete deixar muitas saudades quando abandonar o Dragão.

Read Full Post »

William Carvalho é um talentoso "box to box"

O clone de Patrick Vieira actua nos juniores do Sporting e na selecção nacional de sub-19, sendo, claramente, um médio-centro criado para vingar no futebol moderno, com um enorme talento e um futuro risonho pela frente: William Carvalho.

Nascido em Angola a 7 de Abril de 1992, começou a sua carreira desportiva no Algueirão, passando, posteriormente, para o Mira-Sintra, onde era o patrão e o “dono da bola” da equipa. Nesse clube, chamou a atenção dos responsáveis leoninos, admirados pela sua maturidade, boa técnica e excelente capacidade física.

William Carvalho chegou à equipa de iniciados dos leões na época 2005/06 e, desde essa data, tem evoluído no Sporting, tanto em termos técnico-tácticos como, inclusivamente, em termos físicos, contando, neste momento, com 1,87 metros de altura e uma estampa física que fazem dele uma parede no centro do meio-campo. Excelente recuperador de bolas e de pulmão inesgotável, o médio-centro é também um jogador que sabe tratar bem o esférico, subindo sempre com critério e qualidade e sendo, sem sombra de dúvida, um grande “box to box” em potência.

Apesar de ter nascido em Angola, William Carvalho tem jogado nas selecções nacionais desde o escalão de sub-17 e tem trabalhado bastante para conquistar o seu lugar.

Procurem-no num jogo dos juniores verde e brancos ou, provavelmente, no Mundial sub-20 do próximo ano e confirmem a minha tese.

Read Full Post »