Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Wolfsburgo’

Mandzukic podia ter sido o "pinheiro" do Sporting

Quando me lembrei de criar a rubrica “Olho Clínico”, pensei que pudesse ter dupla função no panorama desportivo português. Em primeiro lugar, pensei no normal adepto de futebol, que gosta de conhecer mais e melhor e que, certamente, teria todo o interesse em descobrir novos valores das paragens mais distantes do planeta futebol, mas, por outro lado, também acreditei que pudesse ser uma boa plataforma para que os clubes portugueses, muitas vezes presos a clichés de mercado, pudessem alargar horizontes e abandonar, de vez, o mesmo mercado saturado que já não lhes permite trazer “peixe graúdo”.

Desde dia 30 de Dezembro de 2009, apresentei, neste blog, 53 jogadores, sendo que nenhum deles actuava nas principais ligas europeias e, mesmo de campeonatos de média dimensão, como o francês, o grego, o belga ou o escocês, foram muitos poucos os jogadores que referenciei, limitando-me a mostrar talentos de primeiro plano como o Eden Hazard, o Sotiris Ninis, o Lukaku ou o Aiden McGeady.

Nesta rubrica, o meu interesse foi sempre viajar para países sul-americanos, do leste europeu e até países em grande expansão futebolística como o Japão ou, numa escala inferior, Chipre e Israel. Na verdade, fiz isso porque sei que aí os atletas ainda são acessíveis aos clubes portugueses, tendo, inclusivamente, o cuidado de mostrar jogadores para a bolsa dos três grandes, mas sem descurar outros que pudessem estar ao alcance de clubes médios do nosso futebol.

Infelizmente, verifiquei que dos 53 jogadores que apresentei, apenas um se transferiu para Portugal, curiosamente um dos mais badalados pela imprensa nos últimos tempos, ainda que tenha sido apresentado no “A Outra Visão” bem antes do início do Mundial 2010 (Otamendi). Assim sendo, fui fazer um pequeno estudo à rubrica e verificar quais os jogadores que permaneciam nos clubes desde que o “A Outra Visão” havia falado deles e, dos que se tinham transferido, quais o haviam feito para um clube superior ao clube onde jogavam.

Assim sendo, dos 53 jogadores referenciados, 19 trocaram de clube, sendo que destes, dezoito se transferiram para um clube e/ou campeonato superior. A única excepção foi o arménio: Edgar Manucharyan, que, perseguido por lesões, regressou à Arménia para jogar no Pyunik Erevan.

As dezanove transferências pós “Olho Clínico”

Jackson Martinez (COL): do Independiente Medellín (COL) para o Jaguares (MEX)

Eliran Atar (ISR): do Bnei Yehuda (ISR) para o Maccabi Telavive (ISR)

Emad Moteab (EGI): do Al-Ahly (EGI) para o Standard Liège (BEL)

Emilio Izaguirre (HON): do Motagua (HON) para o Celtic (ESC)

Aiden McGeady (IRL): do Celtic (ESC) para o Spartak Moscovo (RUS)

Mario Mandzukic (CRO): do Dinamo Zagreb (CRO) para o Wolfsburgo (ALE)

Robert Lewandowski (POL): do Lech Poznan (POL) para o Borussia Dortmund (ALE)

Nicolás Otamendi (ARG): do Velez Sarsfield (ARG) para o FC Porto (POR)

Georgios Tzavelas (GRE): do Panionios (GRE) para o E. Frankfurt (ALE)

Atsuto Uchida (JAP): do Kashima Antlers (JAP) para o Schalke 04 (ALE)

Seydou Doumbia (CMA): do Young Boys (SUI) para o CSKA Moscovo (RUS)*

Aleksandr Bukharov (RUS): do Rubin Kazan (RUS) para o Zenit (RUS)

Giovanni Moreno (COL): do Atlético Nacional (COL) para o Racing Club (ARG)

Domagoj Vida (CRO): do Osijek (CRO) para o Bayer Leverkusen (ALE)

Andreas Avraam (CHI): do Apollon Limassol (CHI) para o Omónia Nicósia (CHI)

Jong Tae-Se (COR): do Kashima Antlers (JAP) para o Bochum (ALE)

Artur Sobiech (POL): do Ruch Chorzow (POL) para o Polónia Varsóvia (POL)

Pablo Armero (COL): do Palmeiras (BRA) para a Udinese (ITA)

Edgar Manucharyan (ARM): do Ajax (HOL) para o Pyunik Erevan (ARM)

*Quando fizemos o “Olho Clínico” dedicado ao Seydou Doumbia, este já tinha acordado uma transferência futura para o CSKA Moscovo.

Estas transferências mostram que, mais do que mostrar bons valores aos adeptos do futebol e fazer com que estes possam alargar, cada vez mais, os seus horizontes futebolísticos, o “Olho Clínico” pode funcionar como plataforma de descoberta de valores para os nossos clubes e para que estes possam, igualmente, alargar horizontes e desprenderem-se dos clichés que, muitas vezes, apenas lhes dão prejuízo financeiro e desportivo.

Da minha parte, irei continuar a fazer o meu melhor para vos mostrar as melhores promessas que caminham pelo mundo do futebol, mesmo que tenha de vasculhar pelos cantos mais recônditos do planeta, esperando que, um dia, a maior parte desses talentos apareça, aqui, no nosso campeonato, ao invés de tantos estrangeiros sem qualidade que, época após época, inundam as nossas ligas profissionais.

Read Full Post »

Tacticamente rigoroso e competente

A chamada de Ricardo Costa foi uma surpresa na convocatória para o mundial da África do Sul e, à partida, o seu espaço na equipa seria reduzido. Apesar de alguma dificuldade em ser imprescindível nos clubes por onde passa, conta com uma carreira recheada de títulos e experiência em equipas vencedoras.

Começou por jogar nas camadas jovens do Boavista, mas transferiu-se para o FC Porto ainda nos escalões de formação. A sua incursão no futebol sénior começou por uma passagem pela equipa B do FC Porto, onde defendeu a camisola azul e branca, na Segunda Divisão B, nas temporadas 1999/00 e 2000/01. Integrou o plantel principal na temporada 2001/02, actuando simultaneamente na equipa B. Mas, foi em 2002/03, pela mão de José Mourinho, que começou a conhecer o sabor da vitória, fazendo parte da magnífica equipa que conquistou dois campeonatos nacionais, uma Taça UEFA, uma Liga dos Campeões e uma Taça de Portugal. Continuou no clube portista e voltou a conquistar títulos (uma Taça Intercontinental, um campeonato nacional e uma Taça de Portugal), mas apesar de fazer parte do plantel até 2007, nunca se impôs como uma peça fundamental na equipa, acabando por rumar ao estrangeiro para jogar no Wolfsburg (2007/08). Na Alemanha, jogou duas temporadas e meia voltou a conhecer a vitória com a conquista do campeonato na época 2008/09, transferindo-se para o Lille a meio da temporada transacta e ajudando o clube francês a alcançar o 4º lugar na liga francesa. Na próxima época irá jogar no Valência de Espanha.

Fez o percurso das camadas jovens somando 23 internaticonalizações sub-21 e marcando presença na equipa olímpica que disputou os Jogos Olímpicos de Atenas (2004). Na selecção principal, estreou-se em 2005 e fez parte das escolhas de Scolari para o Mundial 2006, na Alemanha. Quatro anos depois, volta a marcar presença numa campeonato do mundo e já deu o seu contributo à equipa, no empate frente ao Brasil.

Ricardo Costa não é um central alto (1,83m), nem é especialmente rápido ou tecnicamente dotado. O seu estilo é o de um central duro e de marcação. A sua polivalência, fruto de uma boa capacidade táctica, é uma das suas maiores mais valias no apoio à equipa, podendo, sempre que necessário, desempenhar qualquer posição na defesa – seja como central ou como um lateral mais defensivo que fecha o corredor, como o vimos actuar algumas vezes. Frente ao Brasil jogou fora da sua posição habitual e apesar de sentir dificuldades em alguns lances, contribuiu para a consistência defensiva que a equipa demostrou.

Quando olhamos para os vinte e três escolhidos por Queirós, Ricardo Costa poderá aparentar ser apenas uma opção de recurso, mas a sua experiência e polivalência poderão ser importantes para a consistência da equipa.

Read Full Post »

Os helvéticos já participaram em oito campeonatos do mundo, todavia, nunca passaram dos quartos de final e, a última vez que alcançaram essa fase da prova, foi há 56 anos (1954). Nas últimas duas participações (1994 e 2006), a selecção suíça cumpriu com os serviços mínimos, passando a fase de grupos e caindo, logo a seguir, nos oitavos de final. Agora, na África do Sul, com uma selecção mediana e num agrupamento com espanhóis, chilenos e hondurenhos, a dúvida é se conseguem voltar a cumprir os serviços mínimos (oitavos de final), ou se, ao invés, não passam da primeira fase da prova.

A Qualificação

Inseridos num grupo acessível com Grécia, Letónia, Israel, Luxemburgo e Moldávia, os suíços começaram muito mal a fase de apuramento com um empate em Israel (2-2) e, bem pior, com uma derrota caseira com o Luxemburgo (1-2).

Temeu-se o pior, mas os helvéticos, até final da fase de qualificação, estiveram bem melhor e apenas concederam dois empates (Letónia, fora, 2-2 e Israel, casa, 0-0), vencendo todas as restantes partidas.

Nesse percurso vitorioso, temos de destacar a dupla vitória diante da selecção helénica (2-0 e 2-1), decisiva para alcançarem o primeiro lugar do Grupo 2 e consequente apuramento directo para o Mundial sul-africano.

Grupo 2 – Classificação

  1. Suíça 21 pts
  2. Grécia 20 pts
  3. Letónia 17 pts
  4. Israel 16 pts
  5. Luxemburgo 5 pts
  6. Moldávia 3 pts

O que vale a selecção helvética?

A equipa suíça vale, essencialmente, por ter um colectivo forte e, acima de tudo, muito experiente. Sem grandes estrelas, os helvéticos colocam todas as suas fichas na boa organização táctica e na eficácia.

O sector mais recuado da equipa de Ottmar Hitzfeld é composto por um grande guarda-redes, bem conhecido dos portugueses (Diego Benaglio) e por um quarteto defensivo muito sólido e seguro. Nessa defesa, a dupla de centrais será formada por Senderos e Grichting, dois jogadores que se completam, pois o jogador do Auxerre é muito forte pelo chão e o antigo defesa do Arsenal é poderoso no jogo aéreo. Por outro lado, nas laterais, deverão aparecer Zygler (à esquerda) e Lichtsteiner (à direita), dois defesas que correm o campo todo, defendendo e atacando com a mesma competência.

Depois, num meio campo típico do 4-4-2 clássico, deverão jogar Huggel e Inler como duplo pivot. Neste esquema, Huggel será um trinco puro, muito forte fisicamente e com a capacidade de encostar aos centrais sempre que necessário, enquanto Inler será um box to box, muito criativo, que sabe aparecer com perigo nas zonas mais adiantadas do terreno. Por outro lado, nas alas, deverão jogar Barnetta (à esquerda) e Padalino (à direita), dois jogadores criativos (principalmente Barnetta), mas que sabem defender, dando, assim, muita consistência à equipa helvética.

Por fim, no ataque, deverão jogar os veteranos: Nkufo e Frei. Tratam-se dois elementos bem diferentes, pois Nkufo é um avançado muito forte fisicamente, que desgasta muito os defesas e serve de elemento de referência ofensiva, enquanto Frei, é mais leve e móvel, ainda que se trata de um finalizador nato, que raramente falha no momento de definição. Ainda assim, se Hitzfeld pretender um ataque com dois elementos móveis, pode sempre abdicar de Nkufo e lançar o também veterano jogador do Lucerna: Hakan Yakin.

O Onze Base

A equipa helvética deve apresentar um 4-4-2 clássico com Diego Benaglio (Wolfsburgo) na baliza; Zygler (Sampdória), Senderos (Everton), Grichting (Auxerre) e Lichtsteiner (Lázio) na defesa; Barnetta (Leverkusen), Huggel (Basileia), Inler (Udinese) e Padalino (Sampdória) no meio campo; Nkufo (Twente) e Frei (Basileia) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Num grupo com Espanha, Chile e Honduras, o primeiro lugar estará, desde logo, totalmente de parte, pois salvo um escândalo, esse irá pertencer à pátria de Cervantes. Assim sendo, tendo em conta que as Honduras deverão ficar na última posição, caberá aos suíços disputar o segundo lugar com os chilenos, num duelo que se advinha muito equilibrado e intenso.

Calendário – Grupo H (Mundial 2010)

  • 16 de Junho: Suíça vs Espanha
  • 21 de Junho: Suíça vs Chile
  • 25 de Junho: Suíça vs Honduras

Read Full Post »

O Paraguai já esteve presente em sete campeonatos do mundo, todavia, nunca conseguiu passar dos oitavos de final. Apesar de se tratar de uma das boas equipas sul-americanas, continua a viver na sombra dos gigantes de sempre (Argentina e Brasil) e, também, de uma equipa que não passa uma das melhores fases, mas que terá sempre dois títulos mundiais para se orgulhar (Uruguai). Ainda assim, a última fase de qualificação pode ser um sinal de que o Paraguai está a dar o salto para o patamar superior, pois a equipa guarani qualificou-se sem problemas de maior para a fase final, ficando mesmo à frente de equipas como a Argentina e o Uruguai. Assim sendo, veremos se, na África do Sul, o Paraguai reforça a ideia de que está, realmente, a evoluir.

A Qualificação

O Paraguai não teve quaisquer problemas em apurar-se para o campeonato do mundo, terminando a zona sul-americana de qualificação na terceira posição com uma vantagem de nove pontos sobre a primeira equipa que não se apurava directamente (Uruguai).

Durante o seu percurso, os guaranis obtiveram resultados vistosos como a vitória no Chile (3-0) e na Colômbia (1-0) e o facto de não terem perdido um único jogo diante dos argentinos (1-1 e 1-0).

Assim sendo, tratou-se de uma qualificação justíssima e, até, surpreendentemente fácil para a selecção paraguaia.

Zona sul-americana – Classificação

  1. Brasil 34 pts
  2. Chile 33 pts
  3. Paraguai 33 pts
  4. Argentina 28 pts
  5. Uruguai 24 pts
  6. Equador 23 pts
  7. Colômbia 23 pts
  8. Venezuela 22 pts
  9. Bolívia 15 pts
  10. Peru 13 pts

O que vale a selecção paraguaia?

Apesar de terem perdido um dos maiores obreiros da qualificação, Cabañas, um atleta que foi baleado na cabeça e que, apesar de sobreviver, teve de terminar a sua carreira futebolística, os paraguaios têm uma equipa de qualidade e com talento suficiente para discutir o apuramento para os oitavos de final.

Mais do que uma equipa cheia de estrelas, o Paraguai tem no colectivo a sua principal arma, pois é um conjunto muito unido e homógeneo, em que todos os elementos sabem muito bem o que têm de fazer dentro de campo.

No último reduto, o Paraguai conta com um guarda-redes seguro e experiente: Villar. Depois, apresenta um quarteto defensivo com uma dupla de centrais muito competente e quase insuperável nos lances de um contra um (Paulo da Silva-Júlio Cáceres) e dois defesas laterais com missões preferencialmente defensivas, que garantem o equilíbrio táctico do Paraguai, Cañiza, à esquerda, e Darío Verón, à direita.

No meio campo, a equipa guarani costuma actuar com um duplo-pivot composto por Ortigoza e Santana. Tratam-se de dois box to box, que atacam e defendem com a mesma competência, tendo, ambos, uma curiosidade, nasceram na Argentina. Depois, nas alas, o Paraguai deverá utilizar Riveros, na esquerda, e Barreto na direita. Apesar de não serem alas puros, adaptam-se muito bem a essa posição, tendo ainda a capacidade de fazerem muito bem as diagonais para o centro de forma a criarem situações de desequilíbrio nas defesas contrárias.

Por fim, as principais estrelas da equipa estão no ataque e são, claramente, a dupla Óscar Cardozo-Valdez. Estes dois atletas são o complemento um do outro, pois Valdez é um atacante móvel, rápido e desequilibrador, enquanto o Tacuara é um elemento mais fixo e que serve de referência atacante no esquema guarani. No entanto, a equipa paraguaia não fica por aqui em termos de poder ofensivo, pois, no banco, conta ainda com o atacante do Dortmund: Barrios e o experiente avançado do Manchester City: Roque Santa Cruz.

O Onze Base

Partindo do princípio que o Paraguai deverá apresentar um 4-4-2 conservador com laterais defensivos e falsos alas, o onze deverá ser o seguinte: Villar (Valladolid) na baliza; Cañiza (Léon), Paulo da Silva (Sunderland), Júlio Cáceres (Atl. Mineiro) e Darío Véron (Pumas) na defesa; Riveros (Cruz Azul), Santana (Wolfsburgo), Ortigoza (Argentinos Juniors) e Barreto (Atalanta) no meio campo; Cardozo (Benfica) e Valdez (Dortmund) no ataque.

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Inferior à selecção azzurra e bastante superior à Nova Zelândia, o Paraguai deverá discutir o segundo posto e consequente apuramento para os oitavos de final com a Eslováquia. Tratam-se de duas equipas de qualidade muito similar e será, por certo, um duelo muito intenso.

Calendário – Grupo F (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Paraguai vs Itália
  • 20 de Junho: Paraguai vs Eslováquia
  • 24 de Junho: Paraguai vs Nova Zelândia

Read Full Post »

A Eslováquia estreia-se num campeonato do mundo, ainda que possa sempre fazer referência às oito presenças mundialistas da Checoslováquia. Com uma equipa jovem e com muito talento, os eslovacos surpreenderam na fase de apuramento ao deixarem para trás selecções do gabarito da República Checa e Polónia, vencendo o grupo e conseguindo o apuramento directo para a África do Sul. Veremos, agora, se atletas como Hamsik, Stoch ou Sestak continuam a brilhar e ajudam a Eslováquia a ultrapassar Itália, Paraguai e Nova Zelândia, apurando-a para os oitavos de final do campeonato do mundo de futebol.

A Qualificação

Integrada no Grupo 3 da zona europeia de qualificação com Eslovénia, Rep. Checa, Irlanda do Norte, Polónia e São Marino, não se previa uma tarefa nada fácil para os eslovacos.

Contudo, a equipa eslovaca surpreendeu tudo e todos e venceu o agrupamento com sete vitórias, um empate (Rep. Checa, casa, 2-2) e duas derrotas (Eslovénia 0-2 e 1-2).

Apesar das duas derrotas com a Eslovénia, a Eslováquia fez um excelente apuramento e bons exemplos são as vitórias na Rep. Checa (2-1), Irl. Norte (2-0) e, principalmente, na Polónia (1-0), que foi o último jogo e o que significou o apuramento directo do eslovacos para a África do Sul.

Grupo 3 – Classificação

  1. Eslováquia 22 pts
  2. Eslovénia 20 pts
  3. Rep. Checa 16 pts
  4. Irlanda do Norte 15 pts
  5. Polónia 11 pts
  6. São Marino 0 pts

O que vale a selecção eslovaca?

A equipa da Eslováquia tem um colectivo forte, mas também tem talentos individuais que se destacam como os extremos Weiss e Stoch e, ainda, o médio ofensivo: Hamsik.

O sector mais frágil do conjunto europeu é claramente a defesa e a prova disso foram os dez golos sofridos na fase de qualificação. Apesar disso, trata-se de um reduto com jogadores de qualidade e que, com um bom trabalho do seleccionador Vladimir Weiss, pode evoluir e catapultar a Eslováquia para um plano superior.

A baliza será, quase de certeza, entregue a Mucha, um guarda-redes seguro e talentoso, que, na próxima época, jogará no Everton. Depois, a Eslováquia apresentará a dupla de centrais: Skrtel-Durica. São dois atletas muito fortes pelo ar e com boa leitura posicional, mas que pecam um pouco nos confrontos um contra um, pois não são propriamente rápidos e são duros de rins. Por fim, nas laterais, a Eslováquia deverá apresentar Zabavnik (à esquerda) e Pekarik (à direita). São dois atletas que apresentarão, principalmente, preocupações defensivas, pois como os alas são muito ofensivos, só assim conseguirão equilibrar o sistema táctico.

No meio campo, a Eslováquia deverá apresentar um esquema em losango. Nesse sistema, Strba será o trinco, pois trata-se de um atleta muito alto, que é um experiente destruidor de jogo e que encosta aos centrais sempre que é necessário. Depois, nas alas deverão actuar Weiss e Stoch, dois atletas muito rápidos, tecnicistas e desequilibradores. Por fim, a nº 10, jogará a estrela da equipa, o fabuloso médio ofensivo do Nápoles: Hamsik. Trata-se de um jovem de 22 anos, que rapidamente se distinguiu no exigente futebol italiano pela sua criatividade e maturidade competitiva.

Concluímos a análise à Eslováquia nos dois elementos que jogam no ataque: Sestak e Vittek. São dois atletas que se completam, pois apesar de serem dois finalizadores e que não perdoam no momento chave, são bastante diferentes na forma como se posicionam no campo. Sestak é um elemento mais móvel, que gosta de flectir nas alas e que tenta confundir as marcações, enquanto Vittek é um ponta de lança puro, um elemento fixo que funciona como elemento de referência tanto para os cruzamentos dos alas, como das aberturas de Hamsik e, inclusivamente, do próprio Sestak.

Integrada no Grupo F com Itália, Paraguai e Nova Zelândia, a Eslováquia, pela qualidade do seu conjunto, deverá disputar o segundo lugar com os sul-americanos.

O Onze Base

A Eslováquia deverá apresentar, tal como foi referido anteriormente, um esquema 4-4-2 losango com Mucha (Légia Varsóvia) na baliza; Uma defesa com Zabavnik (Mainz), Skrtel (Liverpool), Durica (Hannover) e Pekarik (Wolfsburgo); Depois, no meio campo, Strba (Xanthi) será o vértice defensivo, Stoch (Twente) o ala esquerdo, Weiss (Bolton) o ala direito e Hamsik (Nápoles) o número 10; Por fim, no ataque, deverá jogar a dupla: Sestak (Bochum) e Vittek (Ankaraguçu).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

A inexperiência normal de uma equipa que nunca participou num campeonato do mundo deverá impedir a Eslováquia de colocar em causa o primeiro lugar dos italianos no Grupo F. Ainda assim, a boa disciplina táctica do colectivo, aliada à boa qualidade individual de grande parte dos jogadores eslovacos deverá ser mais do que suficiente para a Eslováquia lutar, de igual para igual, com a selecção paraguaia na luta pelo acesso aos oitavos de final.

Calendário – Grupo F (Mundial 2010)

  • 15 de Junho: Eslováquia vs Nova Zelândia
  • 20 de Junho: Eslováquia vs Paraguai
  • 24 de Junho: Eslováquia vs Itália

Read Full Post »

Trata-se apenas da quarta presença do Japão num campeonato do mundo. Nas três anteriores, a equipa ficou pela fase de grupos em duas ocasiões (1998 e 2006) e chegou aos oitavos de final em 2002, ainda que, nessa ocasião, o factor casa foi crucial. Apesar de ser a quarta presença consecutiva da selecção nipónica no Mundial, faltam sinais de evolução à equipa do sol nascente. O Japão demonstra ser uma equipa que trata bem a bola, que tem um ou outro bom jogador, mas falta-lhe sempre algo para dar o passo para o nível seguinte. Este ano, na África do Sul, num grupo com Holanda, Dinamarca e Camarões, veremos se os japoneses dão o passo em frente, ou se, ao invés, veremos mais do mesmo, que é como quem diz, uma eliminação precoce na primeira fase.

A Qualificação

Os japoneses não tiveram dificuldades para se apurarem na zona asiática de apuramento para o Mundial 2010, todavia, fizeram-no sem grande brilho.

Na 3ª Fase, integrados no Grupo 2 com Bahrain, Omã e Tailândia, os nipónicos terminaram na primeira posição, mas sofreram uma derrota inesperada no Bahrain (0-1) e ainda empataram na deslocação a Omã (1-1). Ainda assim, os japoneses foram claramente superiores e venceram o grupo com três pontos de avanço sobre o Bahrain (2º).

Depois, na última fase, apesar de se terem apurado sem dificuldades, foram incapazes de vencer a Austrália (0-0 e 1-2) e ainda tiveram empates comprometedores em casa com selecções como a do Uzbequistão (1-1) e Qatar (1-1).

Ainda assim, o país do sol nascente terminou na segunda posição (última que dava acesso directo ao Mundial) com cinco pontos de vantagem sobre o Bahrain (3º).

3ª Fase: Grupo 2 – Classificação

  1. Japão 13 pts
  2. Bahrain 11 pts
  3. Omã 8 pts
  4. Tailândia 1 pt

4ª Fase: Grupo A – Classificação

  1. Austrália 20 pts
  2. Japão 15 pts
  3. Bahrain 10 pts
  4. Qatar 6 pts
  5. Uzbequistão 4 pts

O que vale a selecção nipónica?

A equipa japonesa é uma selecção de topo no panorama futebolístico da Ásia, ainda assim, em provas como o campeonato do mundo, denota alguma inexperiência e falta de talento para ombrear com as boas e, até, razoáveis selecções europeias e sul-americanas.

O país do sol nascente tem alguns talentos como o excelente lateral direito: Atsuto Uchida, o experiente médio: Shunsuke Nakamura ou os atacantes: Honda e Okazaki, mas, se pensarmos na equipa em termos globais, é provável que termine o seu grupo mundialista na última posição.

Não se pode dizer que a defesa não tenha qualidade, mas esta é composta na sua totalidade por jogadores que actuam na J-League e que têm pouca experiência na alta roda do futebol mundial. Ainda assim, temos de destacar o lateral direito Uchida. Um jogador de apenas 22 anos, muito rápido, excelente no capítulo do cruzamento e que ataca e defende com a mesma competência.

Depois, no meio campo, a equipa nipónica sobe tanto em termos de qualidade como de experiência internacional. Actuando com os quatro médios em linha, o Japão coloca Endo e Hasebe como duplo pivot. Endo é um jogador experiente, mais defensivo e excelente recuperador de bolas, enquanto Hasebe é polivalente e funciona como box to box. Por outro lado, nas alas, aparecem os dois Nakamura. Shunsuke, na direita, dispensa apresentações, pois trata-se de um criativo com experiência europeia (jogou no Reggina, Celtic e Espanhol), que vai procurar tanto a linha como as diagonais para o centro para criar desequilíbrios no um contra um. Kengo, por sua vez, actua na esquerda e é um atleta que é mais interior, fechando muito no centro do terreno. No banco, a equipa ainda conta com a qualidade do experiente Inamoto, um jogador talentoso e com anos de futebol europeu.

Por fim, no ataque, o Japão deve utilizar Honda como avançado de suporte. Trata-se de um jogador talentoso, muito veloz e tecnicista, que cria desequilíbrios e gosta de flectir para as alas, nomeadamente a esquerda, para compensar o facto de Kengo Nakamura ser um atleta mais interior. Depois, na frente de Keisuke Honda, surge o finalizador: Okazaki, um atleta frio, rápido e que marca muitos golos. O ataque também tem opções de qualidade no banco, sendo um bom exemplo: Okubo, outro avançado móvel e com experiência de futebol europeu.

O Onze Base

O Japão deverá apresentar uma espécie de 4-4-1-1 com Narazaki (Nagoya Grampus Eight) na baliza; Uma defesa com Nagamoto (FC Tokyo) a lateral esquerdo, Uchida (Kashima Antlers) a lateral direito e a dupla de centrais: Marcos Tanaka (Nagoya Grampus Eight) e Nakazawa (Yokohama Marinos); Depois, no meio campo, surge o duplo pivot: Endo (Gamba Osaka) e Hasebe (Wolfsburgo) e os alas: K. Nakamura (Kawasaki Frontale) e S. Nakamura (Yokohama Marinos); Por fim, no ataque, Honda (CSKA Moscovo) será o atacante mais móvel e jogará nas costas do ponta de lança: Okazaki (Shimizu S-Pulse).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

A equipa nipónica não parece apresentar condições suficientes para se apurar para a próxima fase, pois, na sua globalidade, é inferior à Holanda e, até, à Dinamarca. Ainda assim, diante dos Camarões, poderá ser capaz de surpreender, pois a equipa africana é capaz do oito e do oitenta e se, no Mundial, apresentar a sua pior face, os nipónicos podem aproveitar para se superiorizarem.

Em suma, no Grupo E, tanto o quarto como o terceiro lugar serão lugares naturais, mas um segundo lugar terá de ser sempre encarado como uma grande surpresa e um grande feito da equipa do seleccionador: Takeshi Okada.

Calendário – Grupo E (Mundial 2010)

  • 14 de Junho: Japão vs Camarões
  • 19 de Junho: Japão vs Holanda
  • 24 de Junho: Japão vs Dinamarca

Read Full Post »

Em 1982, a Argélia escandalizava o Mundo após vencer a República Federal da Alemanha por duas bolas a uma. Jogadores como Madjer ou Assad tornavam-se conhecidos do grande público e percebeu-se que, pela primeira vez, uma equipa magrebina podia passar à segunda fase do Mundial. Contudo, após perderem com a Áustria, acabaram eliminados após uma estranha vitória germânica diante dos austríacos por uma bola a zero. Nesse jogo, ambas as equipas não forçaram, pois sabiam que aquele resultado apurava as duas para a 2ª fase. Assim, a Argélia despediu-se do campeonato do mundo, mas o perfume daquele futebol perdurou até hoje, à espera que, um dia, volte a renascer. Veremos se esse dia chegará, este ano, na África do Sul…

A Qualificação

A Argélia teve uma caminhada muito difícil para a África do Sul. Na 2º Fase, integrada no Grupo 6, a Argélia sofreu bastante para se impor a Gâmbia e Senegal, superando esses dois rivais por apenas um ponto.

Depois, na 3ª Fase, num grupo com Egipto, Zâmbia e Ruanda, os argelinos chegaram ao último jogo (no campo do Egipto) a precisarem de perder por menos de dois golos para se apurarem para o campeonato do mundo. No entanto, nesse desafio, acabaram por sofrer o 2-0 no minuto 95, ficando as duas selecções norte-africanas empatadas em diferença de golos e confronto directo.

Assim sendo, argelinos e egípcios tiveram de fazer um desempate, no Sudão, para decidir quem iria ao Mundial. Aí, os argelinos foram mais felizes, vencendo por 1-0 (golo de Yahia) e apurando-se para o Mundial sul-africano.

2ª Fase: Grupo 6 – Classificação

  1. Argélia 10 pts
  2. Gâmbia 9 pts
  3. Senegal 9 pts
  4. Libéria 3 pts

3ª Fase: Grupo C – Classificação

  1. Argélia 13 pts
  2. Egipto 13 pts
  3. Zâmbia 5 pts
  4. Ruanda 2 pts

Playoff

Argélia 1-0 Egipto

O que vale a selecção argelina?

A equipa esteve bem na última Taça de África, onde alcançou as meias finais e tem alguns elementos de qualidade como o médio-ala Matmour e o trinco Yebda. Ainda assim, integrada num grupo com Inglaterra, Estados Unidos e Eslovénia, a Argélia parece ser a selecção mais frágil do agrupamento.

A equipa magrebina costuma jogar num esquema de 3-4-3, com três centrais competentes (Bougherra-Halliche-Yahia), mas que podem ter dificuldades diante de selecções com avançados rápidos e fortes no um contra um. Apesar de terem sofrido poucos golos na fase de qualificação (8 em 12 jogos), irão, no Mundial, encontrar um nível de exigência muito maior e, como não são centrais muito rápidos, poderão criar um grave problema à selecção argelina.

Por outro lado, o meio campo é, provavelmente, o ponto mais forte da equipa magrebina. Costumam jogar com um duplo pivot (Yebda-Mansouri) que sabe defender e atacar com a mesma qualidade e, também, com dois alas muito rápidos: Belhadj (à esquerda) e Matmour (à direita). Os dois alas são muito criativos, criando bastantes situações de desequilíbrios e, principalmente no caso de Belhadj, também defendem muito bem, dando alguma segurança defensiva à Argélia.

Por fim, no ataque, as raposas do deserto apresentam dois jogadores plenos de mobilidade: Djebbour (avançado esquerdo) e Ziani (avançado direito)  e, também, um ponta de lança finalizador: Ghezzal. Apesar de tanto Djebbour como Ziani jogarem nas alas, veremos provavelmente o avançado esquerdo mais no apoio a Ghezzal e Ziani a funcionar, muitas vezes, como quinto elemento do meio campo, transformando o esquema argelino em 3-5-2.

Globalmente os argelinos têm uma equipa de alguma qualidade, todavia, o seu esquema bastante ofensivo, a fragilidade dos centrais no jogo pelo chão e alguma indisciplina táctica deverão condenar os magrebinos ao último lugar do Grupo C.

O Onze Base

A equipa argelina deve, tal como foi dito anteriormente, apresentar um esquema em 3-4-3 com Gaouaoui (ASO Chief) na baliza; Bougherra (Rangers), Halliche (Nacional) e Yahia (Bochum) na defesa; Yebda (Portsmouth) e Mansouri (Lorient) como duplo pivot, Belhadj (Portsmouth) como ala esquerdo, Matmour (Borussia M’Gladbach) como ala direito; e três avançados: Djebbour (AEK), Ghezzal (Siena) e Ziani (Wolfsburgo).

Classificação – Previsão “A Outra Visão”

Aparentemente, os argelinos deverão ser favoritos a ocuparem o último lugar do Grupo C. No entanto, se o seleccionador Rabah Saadane conseguir limar algumas arestas e tornar as raposas do deserto um pouco mais matreiras, poderão surpreender eslovenos e, quiçá, até os norte-americanos. Ainda assim, a possibilidade disso acontecer é muito reduzida

 Calendário – Grupo C (Mundial 2010)

  •  13 de Junho – Argélia vs Eslovénia 
  •  18 de Junho – Argélia vs Inglaterra 
  •  23 de Junho – Argélia vs EUA

Read Full Post »