Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘UEFA’ Category

CSKASPode dizer-se que, no que diz respeito ao sorteio do playoff da Liga dos Campeões, o Sporting poderia ter melhor fortuna (Rapid Viena ou Club Brugge), mas também poderia ter apanhado adversários mais espinhosos (Mónaco ou Lazio), acabando por surgir em sorte um meio-termo, mais concretamente o CSKA Moscovo, vice-campeão russo que, lembre-se, até já cometeu a proeza de ganhar uma Taça UEFA aos leões em pleno Alvalade XXI. Ora, apresentando muitos predicados mas também algumas lacunas, este emblema orientado por Leonid Slutsky será sempre um osso duro de roer, ainda que ao alcance da esperada melhor face do Sporting de Jorge Jesus.

O CSKA joga no Arena Khimki

O CSKA joga no Arena Khimki

Quem é o CSKA Moscovo?

O CSKA Moscovo foi fundado em 1911, isto quando a sociedade do desporto amador do exército russo decidiu criar uma secção de futebol, sendo que o novo emblema haveria de assumir-se como uma das boas formações do campeonato da União Soviética, tendo somado, entre o primeiro campeonato da URSS (1936) e o último (1991), sete títulos, e sendo ainda de destacar a conquista de cinco Taças da URSS.

A partir de 1992, com a dissolução da União Soviética, o CSKA Moscovo passou a participar naturalmente no campeonato russo, prova que já conquistou por cinco vezes, tendo o último título surgido na temporada de 2013/14. Para além disso, há ainda que destacar a conquista de sete Taças da Rússia; cinco Supertaças da Rússia; e obviamente a Taça UEFA conquistada em Alvalade, diante do Sporting (3-1), em 2004/05.

Ainda assim, na temporada transacta, a equipa de Leonid Slutsky acabou por ganhar apenas a Supertaça da Rússia, tendo terminado a Liga Russa na segunda posição, e sendo eliminada da Liga dos Campeões na fase de grupos e da Taça da Rússia nas meias-finais.

Eremenko é muito talentoso

Eremenko é muito talentoso

Um ataque de impor respeito

O CSKA Moscovo costuma apresentar um onze num sistema de 4x3x3, mais concretamente na variante de 4x2x3x1, isto com: Akinfeev; Mário Fernandes, A. Berezutski, V. Berezutski e Nababkin; Wernbloom e Natcho; Tosic, Eremenko e Dzagoev; Musa.

Quanto ao principal perigo deste conjunto da capital russa, esse surge essencialmente no ataque, uma vez que o trio de médios-ofensivos (Tosic, Eremenko e Dzagoev) é muito móvel e criativo, havendo que estar especialmente atento à visão de jogo e qualidade de passe do internacional finlandês Eremenko, que actua pelo centro, e às diagonais de os falsos-alas Dzagoev e Tosic, que procuram constantemente o eixo para desequilibrarem e abrirem espaço aos muito ofensivos laterais: Mário Fernandes (direita) e Nababkin (esquerda).

Sozinho na frente, por outro lado, costuma actuar o perigosíssimo ponta de lança nigeriano Ahmed Musa, um futebolista baixinho que apresenta como principais valências a sua velocidade, explosividade e capacidade de finalização, sendo pródigo em ganhar as costas às defesas contrárias.

Os irmãos Berezutski estão na fase descendente da carreira

Os irmãos Berezutski estão na fase descendente

Uma defesa permeável

Mas se muitos são os elogios a apontar ao ataque do CSKA Moscovo, imensas são igualmente as críticas que podem ser rotuladas ao seu sector recuado, devendo estar inclusivamente aqui o segredo para que o Sporting supere este playoff de acesso à Liga dos Campeões.

Apresentando normalmente um duplo-pivot à frente da defesa, composto pelo internacional sueco Wernbloom (mais fixo e defensivo) e pelo internacional israelita Natcho (mais móvel e ofensivo), a verdade é que falta dinâmica ao mesmo para se assumir como uma verdadeira garantia de segurança para o CSKA Moscovo, isto sem esquecer o contributo que Natcho se preocupa em dar no início do processo ofensivo dos russos e o esforço que Wernbloom tem para tentar minimizar os problemas sentidos pelos muitas vezes abandonados à sua sorte irmãos Berezutski.

É que a juntar ao facto deste duplo-pivot não ser propriamente pródigo a defender, nomeadamente no já referido capítulo da dinâmica de jogo, mas também do controlo de profundidade, há ainda que sublinhar as subidas desenfreadas dos dois laterais, muitas vezes em simultâneo, algo que deixa demasiado vulnerável a dupla de centrais, composta pelos irmãos Berezutski, assim como o trinco Wernbloom, ainda para mais quando este trio está muito longe de apresentar uma boa qualidade técnica e é lento e duro de rins.

Musa é uma seta venenosa

Musa é uma seta venenosa

Quem é que o Sporting deve ter debaixo de olho? Ahmed Musa

Qualidade não falta no meio-campo e ataque do CSKA Moscovo, ainda que uma menção especial deve ser feita ao nigeriano Ahmed Musa, futebolista nascido a 14 de Outubro de 1992 em Jos, Nigéria, e que já actua no clube russo desde Janeiro de 2012, sendo proveniente dos holandeses do VVV Venlo, clube pelo qual somou 42 jogos e 10 golos em temporada e meia.

Em cerca de três temporadas e meia ao serviço do CSKA Moscovo, o internacional nigeriano soma 39 tentos em 130 jogos oficiais, mas não nos podemos centrar apenas no seu registo goleador, que nem sequer é brilhante, mas por tudo o resto que Musa oferece à equipa, nomeadamente os buracos que causa nas defesas contrárias em função da sua velocidade e capacidade técnica.

É que essas suas características, aliadas à elevada criatividade do trio Tosic-Eremenko-Dzagoev, e sem esquecer a brilhante visão de jogo e qualidade de passe de Natcho, tornam-se merecedoras da total atenção de Jorge Jesus e restante equipa equipa técnica leonina, que terá de trabalhar muito bem a equipa verde-e-branca para responder da melhor forma às complicações que certamente irão surgir.

CSKAAs possibilidades do Sporting

Se o Sporting estivesse com o campeonato português relativamente adiantado, tal como acontece com o russo, era até legítimo colocar a equipa portuguesa com um ligeiro favoritismo em relação ao CSKA Moscovo, mas o facto do emblema que eliminou o Sparta Praga (2-2 e 3-2) atingir este playoff já com alguns jogos nas pernas permitir-lhe-á pelo menos colocar as suas chances em 50%.

Por outro lado, e ao contrário do que muitos defendem, até acredito que o Sporting poderá beneficiar de ter a primeira mão em Alvalade, nomeadamente se conseguir vencer esse encontro, uma vez que o CSKA Moscovo é muito permeável a contra-ataques, podendo então os verde-e-brancos, se se deslocarem à Rússia com vantagem na eliminatória, aproveitarem essas lacunas para “matarem” rapidamente e definitivamente o CSKA.

Ainda assim, e antes de mais, é preciso começar por ganhar em Lisboa, o que não será nada fácil…

Read Full Post »

CFBVSCTerminado o campeonato nacional, as contas referentes aos clubes portugueses estão todas concluídas. O Sporting de Braga está automaticamente apurado para a fase de grupos, onde garantidamente será cabeça de série, enquanto que o Vitória de Guimarães e o Belenenses terão de ultrapassar duas pré-eliminatórias para fazerem companhia aos arsenalistas.

Ainda assim, se ambos terão de ultrapassar dois adversários para atingirem a fase de grupos da Liga Europa e o sempre apetecível prémio de 1,3 milhões de euros, a verdade é que a perspectiva de ambos é completamente diferente.

Afinal, os vimaranenses, com um coeficiente de 17.776 pontos, terão a garantia de serem cabeças de série na 3.ª pré-eliminatória e playoff, enquanto os azuis do Restelo, com um coeficiente de 12.276 pontos, apenas serão garantidamente cabeças de série na 3.ª pré-eliminatória, precisando de uma improvável conjugação de resultados nas eliminatórias anteriores para repetirem o feito na ronda seguinte.

Nesse seguimento, enquanto o Vitória de Guimarães terá como adversários potenciais no playoff equipas como o Sheriff (Moldávia), Zarja (Ucrânia), Asteras Tripolis (Grécia), Omónia de Nicósia (Chipre) ou Atromitos (Grécia), o Belenenses poderá ver-se obrigado a defrontar clubes como o Borussia Dortmund (Alemanha), Athletic de Bilbau (Espanha), AZ Alkmaar (Holanda), Dínamo de Moscovo (Rússia) ou Sampdória (Itália).

Assim sendo, será sempre necessário colocar as expectativas de sucesso destes dois clubes lusos em patamares completamente diferentes, devendo o Belenenses precisar de um verdadeiro momento de superação para chegar à fase de grupos da Liga Europa.

Read Full Post »

O caminho para a "Champions" promete ser espinhoso para o leão

O caminho para a “Champions” promete ser espinhoso para o leão

Já se sabia que era complicado que o Sporting  fosse cabeça de série no playoff de acesso à Liga dos Campeões, mas a derrota caseira do Dnipro diante do Zorya (0-2), isto em jogo do campeonato ucraniano, complicou ainda mais o cenário, sendo que os verde-e-brancos podem descer ainda mais uma posição se o Nápoles acabar por ultrapassar a Lazio na Serie A.

Neste momento o panorama é simples, cabeças de série:

Manchester United Ing 103,078
Valencia Esp 99,742
Bayer Leverkusen Ale 87,825
Shakhtar Donetsk Ucr 85,933
Ajax Hol 66,195

Não cabeças de série:

Sporting Por 56,276
Lazio Ita 49,035
Anderlecht Bel 47,440
AS Monaco Fra 31,483
Young Boys Sui 31,375

De qualquer maneira, existe uma outra esperança, independentemente das classificações dos vários campeonatos europeus e que passa pela 3.ª pré-eliminatória para não campeões, ronda imediatamente anterior à fase em que entram os verde-e-brancos.

Aí entram em campo duas equipas com coeficiente superior ao Sporting, mais concretamente o Shakhtar e o Ajax.

Nesse seguimento, se uma delas for eliminada nessa ronda, o Sporting saltaria um lugar na lista, alcançando o tal posto de cabeça de série. De qualquer maneira, se o Nápoles ultrapassar a Lazio, por exemplo, já será necessário que tanto ucranianos e holandeses tropecem.

A lista de equipas não cabeça de série nessa terceira pré-eliminatória são:

Sparta Praga Che 30,825
Fenerbahçe Tur 30,020
Panathinaikos Gre 19,880
Rapid Viena Aut 15,635
FK Krasnodar Rus 15,099

Por fim, é importante fazer a comparação entre os ganhos financeiros caso o Sporting perca ou vença o playoff, sendo de destacar que a mera presença no playoff já permite um ganho financeiro considerável.

No cenário desejado, se o Sporting superar o playoff, a equipa verde-e-branca encaixará imediatamente: 14 milhões de euros (dois milhões do playoff e 12 milhões do acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões).

No pior cenário, se o Sporting for eliminado no playoff, a equipa verde-e-branca encaixará 4,3 milhões de euros, uma vez que a UEFA paga agora 3 milhões de euros a quem é eliminado no playoff, sendo os outros 1,3 milhões referentes ao acesso à fase de grupos da Liga Europa.

Read Full Post »

Costuma-se dizer que o bater das asas de uma borboleta num extremo do globo terrestre pode provocar uma tormenta no extremo completamente oposto e essa teoria pode se aplicar a inúmeras coisas na vida. O Marítimo, por exemplo, estava condenado a não ser cabeça de série no playoff da Liga Europa e a lista de possíveis adversários era extensa e pouco apetecível, contudo, a oito minutos do final do Anorthosis-Dila Gori, com os georgianos a vencer 3-0, dá-se uma invasão de campo por parte dos adeptos cipriotas e o jogo foi interrompido. Essa interrupção evitou que, a tempo do sorteio, se confirmasse o inevitável, ou seja, o Dila Gori como clube apurado para o playoff e, assim, a dupla Anorthosis/Dila Gori apareceu no sorteio como cabeça de série, ficando ambos com o maior coeficiente, o dos cipriotas. Na verdade, esse factor tornou a dupla (Na verdade, todos sabiam que seria o Dila Gori o adversário…) o principal rebuçado para os não cabeças de série, mas podia essa sorte sair a um clube português? Podia… E saiu ao que mais precisava, o Marítimo.

O Marítimo jogará no Estádio Tengiz Burjanadze

Quem é o Dila Gori?

Fundado em 1949, o Dila Gori é um clube com pouca história, mesmo no modesto contexto do futebol georgiano, tendo como único título importante a conquista da Taça da Geórgia em 2011/12, troféu, que, valha a verdade, é o que permitiu que este conjunto participasse agora nas competições europeus.

Desde a fundação do campeonato georgiano, o Dila Gori participou maioritariamente na primeira divisão, mas as suas classificações foram sempre modestas, sendo que o clube disputou mesmo a segunda divisão em 2001/02, 2008/09 e 2010/11 e a terceira em 2009/10.

Curiosamente, a melhor classificação de sempre do clube georgiano surgiu mesmo na temporada transacta (5º lugar) e apareceu num ano de regresso do Dila Gori à primeira divisão, depois de uma subida vertiginosa da terceira divisão ao principal escalão em apenas duas épocas.

Temur Shalamberidze é o treinador do Dila Gori

Como joga?

Os comandados de Temur Shalamberidze actuam normalmente em 4x2x3x1 e, não sendo uma equipa com grande qualidade técnica, são fortes nas transições ofensivas rápidas, sabendo jogar a toda a largura do terreno e em velocidade.

Depois, como é tradicional nestas equipas da ex-URSS, trata-se de um conjunto com grande alma e raça, nunca dando um lance por perdido e nunca virando a cara à luta.

Como principais elementos, destaca-se o seguríssimo guarda-redes croata Skender, o experiente e líder da defesa Salukvadze e o goleador Vatsadze.

Nesse seguimento, o Dila Gori deverá jogar com o seguinte onze, escalado em 4x2x3x1: Skender; Shashiashvili, Salukvadze, Oniani e Kvirkvelia; Bechvaia e Grigalashvili; Guruli, Kakhelishvili e Gvalia; Vatsadze.

Vatsadze é o goleador dos georgianos

Quem é que o Marítimo deve ter debaixo de olho? Vatsadze

Um dos melhores elementos do Dila Gori é o seu ponta de lança Mate Vatsadze, um atacante de 23 anos que brilhou nos quatro primeiros jogos do Dila Gori nesta Liga Europa, marcando cinco golos.

Produto das escolas do Dínamo Tblissi pelo qual marcou 21 golos em 53 jogos pela equipa secundária e 42 tentos em 96 partidas pelo principal conjunto, Vatsadze passou depois, em 2011/12, por um clube russo, o FC Volga, mas não teve grande sucesso, regressando em 2012 à Geórgia para representar o Dila Gori.

No Dila Gori, o ponta de lança já leva 17 golos em 20 jogos, assumindo-se como grande estrela da sua equipa, pela velocidade, inteligência na desmarcação e excelente capacidade finalizadora. Muito móvel e esperto nas movimentações, trata-se, claramente, de um jogador que o Marítimo deve vigiar de perto.

Como chegou ao playoff?

2ª pré-eliminatória: AGF (Dinamarca) 1-2/1-3 Dila Gori

3ª pré-eliminatória: Dila Gori 0-1/3-0 Anorthosis (Chipre)

As possibilidades do Club Sport Marítimo

Num confronto entre o quinto classificado do campeonato português e a equipa que se classificou na mesma posição no campeonato georgiano, é óbvio que o Marítimo tem de se assumir como favorito, pois tem melhor equipa, melhores individualidades e, acima de tudo, maior experiência internacional.

Ainda assim, apesar do favoritismo dos madeirenses ser claro, é necessário que o Marítimo encare este desafio com seriedade, pois, AGF e Anorthosis também eram claramente favoritos a eliminarem este Dila Gori. 

Read Full Post »

João Manuel marcou o primeiro golo leiriense na Taça UEFA

Derrotado pelo FC Porto (0-1) de José Mourinho na final da Taça de Portugal de 2002/03, o União de Leiria conseguiu um histórico apuramento para a Taça UEFA da época seguinte. Também motivados pelo quinto lugar obtido na Liga Portuguesa de 2002/03, a equipa lusitana foi com boas aspirações a fazer uma boa campanha europeia, todavia, acabou por esbarrar precocemente num adversário norueguês que todos os analistas indicavam que estava completamente ao alcance dos pupilos de Vítor Pontes.

Expulsão de Maciel não justificou desaire de Coleraine

Na época, Portugal estava numa posição bem mais baixa no ranking UEFA e, mesmo só levando duas equipas à Taça UEFA, uma delas tinha de disputar a pré-eliminatória da prova. Nessa ronda, o Leiria teve como adversário um frágil Coleraine, equipa norte-irlandesa que, supunha-se, não criaria quaisquer problemas aos portugueses.

Todavia, na Irlanda do Norte, um fraco jogo da equipa portuguesa acabou por redundar numa derrota (1-2) inesperada, sendo que nem a expulsão de Maciel (55 min.) justifica tudo, pois, nessa altura, já o Coleraine vencia por 2-1. Nesse desafio, valeu o golo do já falecido João Manuel para que o U. Leiria mantivesse boas aspirações de apuramento para a primeira eliminatória.

De facto, na segunda mão, o U. Leiria acabou por vencer por 5-0, num jogo em que a expulsão precoce de um defesa norte-irlandês também ajudou e muito a equipa portuguesa. Apesar de tudo, os golos portugueses só surgiram na segunda metade, cabendo a Ludemar (2), Edson (2) e Caíco.

Aventura leiriense esbarrou no pragmatismo escandinavo

Ao contrário da ronda com o Coleraine, o U. Leiria ia começar a primeira eliminatória a jogar em casa diante do Molde BK, um conjunto norueguês que, sendo mais forte que os norte-irlandeses, não assustava a equipa portuguesa.

Na primeira mão, num jogo amplamente dominado pelo Leiria, faltou eficácia para que os portugueses saíssem da partida com um resultado mais gordo que o 1-0 averbado. Nesse jogo, a diferença ficou vincada num extraordinário golo de Caíco (55 min.), através de um potente remate de longe.

Infelizmente, na segunda mão, a equipa portuguesa acabou por não resistir ao poderio físico do Molde, chegando ao minuto 51 a perder por 2-0, devido aos golos de Hoseth e Hestad.

Seis minutos depois, um golo de Maciel reduzia a desvantagem e colocava mesmo o Leiria em posição de se apurar para a ronda seguinte, todavia, a doze minutos do término da partida, Hoseth bisou e terminou, dessa forma, a aventura leiriense na Taça UEFA 2003/04.

Read Full Post »

O último obstáculo verde-e-branco no sonho de chegar à final da Liga Europa é uma forte e dinâmica equipa basca que já teve o condão de ultrapassar equipas como o Manchester United ou o Schalke 04: Athletic Bilbau. Bandeira da comunidade basca (apenas podem actuar jogadores bascos, de origem basca ou formados desde cedo no escalões de formação do Athletic), “Los Leones” são um dos clubes com mais títulos em Espanha, sendo o quarto clube com mais ligas espanholas (oito) e o segundo com mais taças do rei (vinte e quatro). A nível europeu, todavia, o melhor que conseguiram foi uma final da Taça UEFA em 1976/77, feito que, espera-se, não voltem a repetir na actual temporada.

O San Mamés é um inferno

Quem é o Athletic Bilbau?

Fundado em 1898, o Athletic Bilbau é um clube com 114 anos de história e de títulos, tendo desde cedo se assumido como um dos grandes clubes de Espanha.

Desde que foi criado, o clube baseia a sua política na utilização exclusiva de jogadores bascos, sejam eles do País Basco, Navarra ou País Basco Francês, ainda que nos últimos tempos essa política tenha sido aligeirada e jogadores de origem basca mas de outros locais, assim como atletas não bascos mas formados desde muito cedo nas camadas jovens do Athletic também possam ser chamados à equipa principal.

Apesar dessa política restrita, o Athletic assumiu-se sempre como uma equipa que ombreava de igual para igual com os maiores de Espanha, tendo conquistado oito campeonatos domésticos e vinte e quatro taças do rei. Ainda assim, desde 1983/84, “Los Leones” nunca mais conseguiram conquistar um título, situação que também foi agravada com o advento da Lei Bosman e a proliferação de estrangeiros no seio da Liga Espanhola.

Tendo uma história rica em termos domésticos, o Athletic Bilbau, todavia, nunca conseguiu grandes feitos a nível europeu, sendo que a sua melhor campanha surgiu em 1976/77, quando alcançou a final da Taça UEFA, mas perdeu no duelo decisivo com a Juventus (2-1 e 0-1).

Bielsa é dos melhores treinadores do Mundo

Como joga?

Treinado pelo mago argentino Marcelo Bielsa, o Athletic Bilbau é uma equipa de grande qualidade individual e colectiva que, pelo seu estilo de jogo, é muitas vezes considerada uma espécie de pequeno barça.

Actuando num 4x3x3 pleno de mobilidade e criatividade, “Los Leones” são extremamente fortes do meio-campo para a frente, onde jogadores como o médio-ofensivo De Marcos, os extremos Susaeta e Muniain e o ponta de lança Llorente formam um quarteto de enorme qualidade atacante.

Mais atrás, a equipa basca tem menos qualidade individual, todavia, jogadores como o lateral-direito ofensivo Iraola e o trinco Javi Martinez (não pode jogar em Alvalade) também garantem talento ao conjunto de Bielsa.

Equipa sem medo de ter a bola e de assumir o jogo, é fortíssima nas transições, sendo assim um conjunto híbrido que tanto se sente à vontade numa estratégia de ataque continuado, como sabe ser letal em lances de contra-ataque.

Nesse seguimento estratégico e com essa ideologia de futebol de qualidade, o Athletic deverá aparecer em Alvalade com o seguinte onze: Gorka Iraizoz; Iraola, Ekiza, Amorebieta e Aurtenetxe; Iturraspe, Ander Herrera e De Marcos; Susaeta, Llorente e Muniain.

Fernando Llorente é um matador

Quem é que o Sporting deve ter debaixo de olho? Llorente

Aquele que talvez seja o jogador mais decisivo da equipa de Bilbau é um ponta de lança alto e possante que funciona como referência ofensiva do conjunto basco: Fernando Llorente.

Aos 27 anos, o avançado basco já soma 20 internacionalizações (7 golos) pela selecção espanhola e leva (quase) todo o seu percurso desportivo ao serviço do Athletic Bilbau, clube onde concretizou por 81 vezes em 232 jogos da liga espanhola.

Jogador com 1,95 metros, trata-se, naturalmente, de um jogador com forte presença na área, sendo muito difícil de marcar e que em cada duas ocasiões que lhe chegam aos pés ou à cabeça, factura pelo menos uma.

Ainda assim, caso o seu marcador directo esteja atento na marcação e não deixe que o esférico chegue em condições ao poderoso avançado basco, este não reúne características que lhe permitam contornar essa situação, acabando por desaparecer um pouco do jogo. Para bem do Sporting, esperemos que assim aconteça.

Como chegou às semi-finais?

Playoff: Athletic Bilbau vs Trabzonspor (TUR) 0-0, não se realizando a segunda mão, pois o Trabzonspor foi repescado para a “Champions”

Fase de grupos:

  • Athletic Bilbau vs PSG (FRA) 2-0 e 2-4
  • Athletic Bilbau vs Red Bull Salzburgo (AUT) 2-2 e 1-0
  • Athletic Bilbau vs Slovan Bratislava (ESL) 2-1 e 2-1

Classificação:

  1. Athletic Bilbau 13 pontos
  2. Red Bull Salzburgo (AUT) 10 pts
  3. PSG (FRA) 10 pts
  4. Slovan Bratislava (ESL) 1 pt

16/Final: Athletic Bilbau (ESP) vs Lokomotiv Moscovo (RUS) 1-0 e 1-2

8/Final: Athletic Bilbau vs Manchester United (ING) 2-1 e 3-2

4/Final: Athletic Bilbau vs Schalke 04 (ALE) 2-2 e 4-2

As possibilidades do Sporting Clube de Portugal

O último obstáculo para o Sporting chegar à final da Liga Europa é um osso duro de roer, mas o grande Sporting que eliminou o Manchester City e Metalist terá condições mais que suficientes para superar uma equipa que, apesar da excelente campanha europeia, se encontra apenas na sétima posição da Liga Espanhola e a quarenta!! pontos do líder Real Madrid.

Será, no entanto, necessário manietar a linha de construção ofensiva do Athletic composta por jogadores como Muniain e De Marcos, mas, também, anular o forte ponta de lança internacional espanhol Llorente. Depois, se os leões aliarem esse factor à exploração da mais frágil linha defensiva, nomeadamente o lateral-esquerdo Aurtenetxe, tudo poderá estar alinhado para vermos os verde-e-brancos na final de Bucareste.

Read Full Post »

Saganowski era a estrela deste Vitória

A única vez em que os vimaranenses participaram na fase de grupos de uma grande competição europeia foi em 2005/06, quando alcançaram a fase de grupos da Taça UEFA. Num ano em que Sporting, Sp. Braga e Vitória de Setúbal foram eliminados no playoff de acesso a essa mesma fase de grupos, coube aos minhotos defenderem a honra portuguesa, ainda que o agrupamento, com Bolton, Besiktas, Zenit e Sevilha previsse dificuldades que, valha a verdade, se concretizaram, pois o conjunto de Guimarães acabaria por ser incapaz de superar os adversários e passar à fase seguinte da prova.

Wisla de Cracóvia foi um obstáculo bastante acessível

Para chegar à fase de grupos da Taça UEFA, o Vitória de Guimarães teve de ultrapassar o conjunto polaco do Wisla Cracóvia, equipa se previa difícil para os minhotos. Contudo, na primeira mão disputada no Minho, os vimaranenses mostraram um poderio muito superior ao Wisla e venceram por 3-0 (golos de Cléber, Mário Sérgio e Benachour), deixando a eliminatória quase sentenciada.

Na segunda mão, disputada em Cracóvia, o conjunto polaco cedo percebeu ser incapaz de dar a volta aos acontecimentos, baixando os braços e facilitando a vida ao conjunto português. De facto, o Vitória até foi capaz de vencer na Polónia, graças a um golo de Saganowski já perto do apito final.

Grupo mostrou-se demasiado forte para os vitorianos  

Superado o obstáculo polaco, o V. Guimarães ficou integrado num grupo com Zenit, Bolton, Sevilha e Besiktas, adivinhando-se muitas dificuldades para o conjunto português.

No primeiro jogo, disputado em São Petersburgo, o Vitória até fez uma boa exibição, no entanto, quando estava por cima do jogo, um penalti deitou tudo a perder, permitindo a vantagem russa. Mais tarde, o Zenit ainda aumentou para 2-0, sendo que o golo solitário de Neca apenas minimizou a derrota (1-2).

Com uma derrota no primeiro jogo, o Vitória era obrigado a superar o Bolton na segunda partida, sendo que o golo de Saganowski a seis minutos do fim parecia aproximar os vimaranenses desse objectivo. Todavia, um grande golo de Vaz Té três minutos depois garantiu o empate (1-1) aos ingleses e deixou a equipa portuguesa quase eliminada.

Com apenas um ponto em dois jogos, o Vitória precisava de um milagre, que passaria por vencer o Sevilha em Espanha. Todavia, na Andaluzia, o conjunto português perdeu por 3-1, tornando o último jogo com o Besiktas um mero cumprir de calendário. Nessa partida, um conjunto português bastante desmotivado havia de perder com os turcos por 3-1, terminando assim sem grande glória o Grupo H e surgindo um mau pronúncio para o que vinha aí de temporada doméstica: a surpreendente descida de divisão.

Read Full Post »

Older Posts »