Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Olho Clínico (Clubes)’ Category

AstanaAo contrário do que sucedeu na temporada passada e que haveria de vir a revelar-se fatal nas ambições europeias dos encarnados, a verdade é que o Benfica não se pode queixar muito do sorteio referente à fase de grupos da Liga dos Campeões, tendo merecido inclusivamente a presença no agrupamento de um clube que deverá garantir, no mínimo, o apuramento das águias para os dezasseis avos de final da Liga Europa, mais concretamente o emblema cazaque do Astana, claramente o elo mais fraco deste Grupo C.

O bonito e moderno Astana Arena

O bonito e moderno Astana Arena

Quem é o Astana?

O FC Astana é um clube extremamente jovem, ou não tivesse sido fundado em 2009, isto após uma fusão entre dois clubes de Almaty, mais concretamente o FC Alma-Ata e o FC Megasport, sendo que a sua primeira designação foi de FC Lokomotiv Astana, tendo em 2011 deixado cair o termo “Lokomotiv” e ficado apenas como FC Astana.

Desde a sua génese, este clube da capital cazaque tem se esforçado para assumir um papel de destaque no futebol deste país encaixado entre a Europa e a Ásia, começando por contratar alguns jogadores de renome como o ex-internacionais russos: Titov e Tikhonov e crescendo muito rapidamente nas provas locais, onde conquistou a Taça do Cazaquistão em 2010 e 2012, a Supertaça em 2012 e 2015 e a Liga em 2014.

Ora, esse primeiro título nacional obtido no ano passado permitiu ao FC Astana assegurar a primeira participação na Liga dos Campeões em 2015/16, sendo que esta presença tem sido de pleno sucesso, uma vez que a equipa cazaque conseguiu voar até à fase de grupos, isto após eliminar sucessivamente os eslovenos do Maribor (0-1 e 3-1); os finlandeses do HJK Helsínquia (0-0 e 4-3); e os cipriotas do Apoel Nicósia (1-0 e 1-1).

Os jogadores do Astana festejam o apuramento para a fase de grupos da

Os jogadores do Astana festejam o apuramento para a fase de grupos da “Champions”

Como joga o Astana?

Pegando naquilo que foram a generalidade das partidas do FC Astana nesta fase preliminar da “Champions”, podemos dizer que o emblema cazaque privilegia o 4x2x3x1, isto com um ataque desconcertante e com um duplo-pivot onde estão talvez os dois mais fascinantes futebolistas do elenco: o sérvio Maksimovic e o colombiano Roger Cañas.

O Kairat é dono de um ataque muito móvel, composto pelo médio-ofensivo Zhukov, que consegue aliar muito bem o excelente trabalho de construção ofensiva a um bom índice de trabalho defensivo; o extremo-esquerdo Kéthévoama, dono de uma grande velocidade e capacidade de desequilíbrio; e os atacantes: Nursebayev, finalizador que joga preferencialmente na posição “nove” mas também cai na direita, e o ala-direito Dzholchiyev, que faz a movimentação exactamente oposta, num contexto de claro falso-extremo.

O duplo-pivot, ainda assim, e tal como reforcei ao início, é a zona do terreno onde habitam os elementos mais fascinantes do elenco, especialmente o jovem sérvio Maksimovic, futebolista que se sagrou recentemente campeão do Mundo de sub-20 e que sabe aliar a capacidade de equilibrar defensivamente a equipa, com um excelente início de construção ofensiva, mas também o colombiano Cañas, futebolista que também alinha no mesmo diapasão do sérvio, sendo muito inteligente na forma como ocupa os espaços defensivos, mas nunca deixando de avançar de forma confiante no terreno assim que a oportunidade o permite. Aliás, tanto Maksimovic como Cañas marcam golos com regularidade, numa prova viva da importância ofensiva da dupla.

Menos emblemático e cintilante, por outro lado, apresenta-se a defesa do FC Astana, que tem sido composta pelo guarda-redes: Nenad Eric, e o quarteto: Ilic (lateral-direito), Shomko (lateral-esquerdo), e Anicic e Postnikov (defesas-centrais). Ainda assim, há que destacar a grande experiência do internacional esloveno Ilic, futebolista de 32 anos com muitos jogos pela sua selecção e que oferece grande competência e fiabilidade no flanco direito da defesa do FC Astana.

Maksimovic é já uma certeza do futebol sérvio

Maksimovic é já uma certeza do futebol sérvio

Quem é que o Benfica deverá ter debaixo de olho? Nemanja Maksimovic

O internacional sérvio do FC Astana é claramente o elemento mais valioso do FC Astana, isto tanto ao nível do valor de mercado do internacional sub-20 sérvio, assim como da própria importância que este assume no meio-campo do emblema do Cazaquistão.

Trata-se de um futebolista nascido a 26 de Janeiro de 1995 em Banja Koviljača, Sérvia, sendo um produto das escolas do Estrela Vermelha de Belgrado, isto apesar da sua estreia profissional ter sido feita na Eslovénia, com a camisola do Domzale, em 2013.

Aí, até meados de 2015, somou 30 jogos e quatro golos, isto antes de se mudar para o FC Astana, clube que representa desde 7 de Fevereiro, acumulando um total de 24 partidas e seis golos.

Inteligente em termos posicionais e forte fisicamente (189 cm e 81 quilos), o sérvio é muito forte no jogo aéreo, sendo ainda poderoso nos confrontos individuais, onde sabe aplicar o seu corpo em seu benefício. Depois, fruto de uma técnica apreciável e boa capacidade de passe, é competente na forma como inicia o processo ofensivo do FC Astana, alternando essa função com o seu inseparável companheiro Cañas.

CLQuais são as perspectivas do Benfica?

Apesar de ser improvável que o FC Astana entregue de mão beijada os seis pontos ao Benfica, é igualmente inegável que este emblema do Cazaquistão está a anos de luz da qualidade da equipa portuguesa, ou não fosse talvez o mais frágil clube presente nesta edição 2015/16 da Liga dos Campeões.

Nesse seguimento, acredito que o clube da Luz terá todas as condições para somar os seis pontos em disputa com o FC Astana, isto mesmo acreditando que a partida do Cazaquistão, tanto pela viagem como pelo próprio ambiente que os encarnados irão encontrar, poderá apresentar algumas dificuldades ao Benfica.

Certo, de qualquer maneira, é que a chave para um eventual apuramento dos encarnados para os oitavos de final da Liga dos Campeões poderá estar mesmo neste duplo-confronto com o FC Astana, uma vez que se prevê um duelo titânico para a qualificação com os turcos do Galatasaray e, nesse tête-à-tête, a perda de pontos com o clube cazaque pode ser a “morte do artista”.

Anúncios

Read Full Post »

CSKASPode dizer-se que, no que diz respeito ao sorteio do playoff da Liga dos Campeões, o Sporting poderia ter melhor fortuna (Rapid Viena ou Club Brugge), mas também poderia ter apanhado adversários mais espinhosos (Mónaco ou Lazio), acabando por surgir em sorte um meio-termo, mais concretamente o CSKA Moscovo, vice-campeão russo que, lembre-se, até já cometeu a proeza de ganhar uma Taça UEFA aos leões em pleno Alvalade XXI. Ora, apresentando muitos predicados mas também algumas lacunas, este emblema orientado por Leonid Slutsky será sempre um osso duro de roer, ainda que ao alcance da esperada melhor face do Sporting de Jorge Jesus.

O CSKA joga no Arena Khimki

O CSKA joga no Arena Khimki

Quem é o CSKA Moscovo?

O CSKA Moscovo foi fundado em 1911, isto quando a sociedade do desporto amador do exército russo decidiu criar uma secção de futebol, sendo que o novo emblema haveria de assumir-se como uma das boas formações do campeonato da União Soviética, tendo somado, entre o primeiro campeonato da URSS (1936) e o último (1991), sete títulos, e sendo ainda de destacar a conquista de cinco Taças da URSS.

A partir de 1992, com a dissolução da União Soviética, o CSKA Moscovo passou a participar naturalmente no campeonato russo, prova que já conquistou por cinco vezes, tendo o último título surgido na temporada de 2013/14. Para além disso, há ainda que destacar a conquista de sete Taças da Rússia; cinco Supertaças da Rússia; e obviamente a Taça UEFA conquistada em Alvalade, diante do Sporting (3-1), em 2004/05.

Ainda assim, na temporada transacta, a equipa de Leonid Slutsky acabou por ganhar apenas a Supertaça da Rússia, tendo terminado a Liga Russa na segunda posição, e sendo eliminada da Liga dos Campeões na fase de grupos e da Taça da Rússia nas meias-finais.

Eremenko é muito talentoso

Eremenko é muito talentoso

Um ataque de impor respeito

O CSKA Moscovo costuma apresentar um onze num sistema de 4x3x3, mais concretamente na variante de 4x2x3x1, isto com: Akinfeev; Mário Fernandes, A. Berezutski, V. Berezutski e Nababkin; Wernbloom e Natcho; Tosic, Eremenko e Dzagoev; Musa.

Quanto ao principal perigo deste conjunto da capital russa, esse surge essencialmente no ataque, uma vez que o trio de médios-ofensivos (Tosic, Eremenko e Dzagoev) é muito móvel e criativo, havendo que estar especialmente atento à visão de jogo e qualidade de passe do internacional finlandês Eremenko, que actua pelo centro, e às diagonais de os falsos-alas Dzagoev e Tosic, que procuram constantemente o eixo para desequilibrarem e abrirem espaço aos muito ofensivos laterais: Mário Fernandes (direita) e Nababkin (esquerda).

Sozinho na frente, por outro lado, costuma actuar o perigosíssimo ponta de lança nigeriano Ahmed Musa, um futebolista baixinho que apresenta como principais valências a sua velocidade, explosividade e capacidade de finalização, sendo pródigo em ganhar as costas às defesas contrárias.

Os irmãos Berezutski estão na fase descendente da carreira

Os irmãos Berezutski estão na fase descendente

Uma defesa permeável

Mas se muitos são os elogios a apontar ao ataque do CSKA Moscovo, imensas são igualmente as críticas que podem ser rotuladas ao seu sector recuado, devendo estar inclusivamente aqui o segredo para que o Sporting supere este playoff de acesso à Liga dos Campeões.

Apresentando normalmente um duplo-pivot à frente da defesa, composto pelo internacional sueco Wernbloom (mais fixo e defensivo) e pelo internacional israelita Natcho (mais móvel e ofensivo), a verdade é que falta dinâmica ao mesmo para se assumir como uma verdadeira garantia de segurança para o CSKA Moscovo, isto sem esquecer o contributo que Natcho se preocupa em dar no início do processo ofensivo dos russos e o esforço que Wernbloom tem para tentar minimizar os problemas sentidos pelos muitas vezes abandonados à sua sorte irmãos Berezutski.

É que a juntar ao facto deste duplo-pivot não ser propriamente pródigo a defender, nomeadamente no já referido capítulo da dinâmica de jogo, mas também do controlo de profundidade, há ainda que sublinhar as subidas desenfreadas dos dois laterais, muitas vezes em simultâneo, algo que deixa demasiado vulnerável a dupla de centrais, composta pelos irmãos Berezutski, assim como o trinco Wernbloom, ainda para mais quando este trio está muito longe de apresentar uma boa qualidade técnica e é lento e duro de rins.

Musa é uma seta venenosa

Musa é uma seta venenosa

Quem é que o Sporting deve ter debaixo de olho? Ahmed Musa

Qualidade não falta no meio-campo e ataque do CSKA Moscovo, ainda que uma menção especial deve ser feita ao nigeriano Ahmed Musa, futebolista nascido a 14 de Outubro de 1992 em Jos, Nigéria, e que já actua no clube russo desde Janeiro de 2012, sendo proveniente dos holandeses do VVV Venlo, clube pelo qual somou 42 jogos e 10 golos em temporada e meia.

Em cerca de três temporadas e meia ao serviço do CSKA Moscovo, o internacional nigeriano soma 39 tentos em 130 jogos oficiais, mas não nos podemos centrar apenas no seu registo goleador, que nem sequer é brilhante, mas por tudo o resto que Musa oferece à equipa, nomeadamente os buracos que causa nas defesas contrárias em função da sua velocidade e capacidade técnica.

É que essas suas características, aliadas à elevada criatividade do trio Tosic-Eremenko-Dzagoev, e sem esquecer a brilhante visão de jogo e qualidade de passe de Natcho, tornam-se merecedoras da total atenção de Jorge Jesus e restante equipa equipa técnica leonina, que terá de trabalhar muito bem a equipa verde-e-branca para responder da melhor forma às complicações que certamente irão surgir.

CSKAAs possibilidades do Sporting

Se o Sporting estivesse com o campeonato português relativamente adiantado, tal como acontece com o russo, era até legítimo colocar a equipa portuguesa com um ligeiro favoritismo em relação ao CSKA Moscovo, mas o facto do emblema que eliminou o Sparta Praga (2-2 e 3-2) atingir este playoff já com alguns jogos nas pernas permitir-lhe-á pelo menos colocar as suas chances em 50%.

Por outro lado, e ao contrário do que muitos defendem, até acredito que o Sporting poderá beneficiar de ter a primeira mão em Alvalade, nomeadamente se conseguir vencer esse encontro, uma vez que o CSKA Moscovo é muito permeável a contra-ataques, podendo então os verde-e-brancos, se se deslocarem à Rússia com vantagem na eliminatória, aproveitarem essas lacunas para “matarem” rapidamente e definitivamente o CSKA.

Ainda assim, e antes de mais, é preciso começar por ganhar em Lisboa, o que não será nada fácil…

Read Full Post »

247px-SC_Rheindorf_Altach.svgNuma fase tão embrionária das pré-eliminatórias da Liga Europa, não se pode dizer que o Vitória de Guimarães tenha tido propriamente sorte por apanhar o Altach, sendo certo que, de entre as outras possibilidades presentes no seu agrupamento, haveriam melhores alternativas como eram exemplos os vencedores dos duelos entre Slovan Bratislava (ESL) e UCD (IRL); FH (ISL) e Inter Baku (AZE); ou Jelgava (LET) e Rabotnicki (MAC). Ainda assim, e independentemente da sorte poder ter sorrido de outra forma aos vimaranenses, é inegável que o favoritismo para esta ronda será luso.

O Vitória jogará no Cashpoint Arena

O Vitória jogará no Cashpoint Arena

Quem é o Altach?

O SC Rheindorf Altach foi fundado a 26 de Dezembro de 1929, então como secção de futebol do Turnerbund Altach, tendo tido uma existência algo atribulada nas duas primeiras décadas. Em 1949, contudo, quando a secção de modalidades deixou de existir, a facção do futebol acabou por continuar o seu percurso de forma mais sustentada e de forma independente.

Ainda assim, foram necessários muitos anos para que o Altach chegasse à primeira divisão do futebol austríaco, feito apenas alcançado em 2006/07, isto depois de ter sido campeão do segundo escalão em 2005/06. Essa permanência no primeiro escalão, contudo, haveria de durar três temporadas, sendo que a descida acabou por surgir em 2008/09, com o Altach a permanecer mais cinco temporadas na segunda divisão, isto até ter sido novamente campeão em 2013/14.

Ora, na temporada passada, que marcou o regresso à Bundesliga austríaca, esperava-se uma batalha do Altach pela permanência, mas a verdade é que o emblema de Voralberg acabou por surpreender, terminando a prova numa fantástica terceira posição que lhe garantiu o apuramento para a 3.ª pré-eliminatória da Liga Europa.

Damir Canadi é o treinador do Altach

Damir Canadi é o treinador do Altach

Como joga?

Ainda sem jogos oficiais disputados em 2015/16, temos que nos centrar naquele que era o esquema táctico do técnico Damir Canadi na temporada transacta, sendo que esse passava preferencialmente por um 4x4x2 clássico, num futebol que privilegiava imenso as lateralizações, isto usando como flanqueadores preferenciais o líbio Tajouri (transferiu-se para o Áustria de Viena), o croata Kovacec (agora no Ulsan Hyundai), o camaronês Mahop e o austríaco Seeger. Já no eixo do meio-campo, o alemão Felix Roth sempre foi o elemento mais imaginativo e ofensivo, ficando as tarefas mais defensivas preferencialmente nas mãos do capitão Netzer.

Na frente de ataque, a referência foi sempre o veterano Hannes Aigner (34 anos), futebolista que marcou 13 golos na temporada transacta e cuja experiência e capacidade finalizadora foram sempre aspectos temidos pelos adversários que o defrontaram na Áustria. Ao seu lado, foram alternando vários jogadores, sendo que na parte final da época foi Darko Bodul (actualmente sem clube) o jogador que mais vezes o acompanhou.

Por fim, no sector recuado, a baliza alternou entre Kobras e Lukse, sendo que o quarteto defensivo mais vezes utilizado foi composto pelos centrais: OrtizZwischenbrugger e pelos laterais: Schreiner (esquerda) e Lienhart (direita).

Aigner oferece experiência e golos

Aigner oferece experiência e golos

Quem é que o Vitória de Guimarães deve ter debaixo de olho? Hannes Aigner

A principal referência ofensiva do Altach certamente que continuará a ser este austríaco nascido a 16 de Março de 1981 em Schwaz, ponta de lança que tem a experiência acumulada de passagens pelo Wacker Tirol (89 jogos, 16 golos), Áustria Viena (72 jogos, 14 golos), SC Wiener Neustadt (88 jogos, 39 golos) e LASK Linz (34 jogos, 15 golos).

Afinal, desde que chegou ao Altach, em 2012/13, tem sido peça fundamental na nova ascensão deste clube austríaco, sendo que já soma um total de 57 tentos em 98 jogos oficiais.

Longe de ser um prodígio técnico ou propriamente rápido, Hannes Aigner destaca-se pela sua ampla mobilidade em zonas ofensivas, apresentando depois um excelente faro de golo, sendo efectivo na finalização com a cabeça (onde é especialmente letal) ou com o pé direito. Em suma, um perigo à solta que terá de ser devidamente vigiado pelos vimaranenses.

ELAs possibilidades do Vitória de Guimarães

Antes de mais, temos de ter em conta que esta eliminatória diante do Vitória de Guimarães apresentar-se-á como a estreia europeia do Altach, algo que coloca o emblema austríaco numa posição de clara inferioridade perante um emblema luso com grande traquejo europeu.

Depois, e mesmo que esta equipa austríaca tenha de facto excelentes jogadores nos seus quadros como Aigner, Roth, Mahop ou Ortiz, a verdade é que o Altach não deixa de ser inferior colectivamente e individualmente ao conjunto português, que perdeu alguns elementos importantes como André André, mas está a saber-se reforçar.

Assim sendo, penso que, com maior ou menor dificuldade, o conjunto vimaranense irá conseguir ultrapassar este obstáculo e seguir para o playoff da Liga Europa. Mas, obviamente, terá de haver o máximo respeito por este conjunto austriaco.

Read Full Post »

FC_BaselEm primeira instância, teremos todos a tendência de pensar que, ao FC Porto, terá saído o principal brinde deste sorteio dos oitavos de final da Liga dos Campeões, mas a verdade é que existiam equipas bem mais acessíveis neste pote de não cabeças de série, nomeadamente o Shakhtar Donetsk, que não poderia sair aos azuis-e-brancos, ou o Schalke 04, que não mostrou ser superior ao Sporting no Grupo G. Afinal, o Basileia, muito bem orientado por Paulo Sousa, é uma equipa que sabe o que quer, não tendo deixado o Liverpool para trás por acaso. Baseando o seu jogo num 4x2x3x1 muito dinâmico e aguerrido, certamente obrigará os pupilos de Julen Lopetegui a estarem no seu melhor nível para superarem esta eliminatória e passarem aos quartos de final da prova.

O FC Porto jogará no St. Jakob-Park

O FC Porto jogará no St. Jakob-Park

Quem é o Basileia?

Fundado a 15 de Novembro de 1893, o Basileia é um histórico clube suíço que, ainda assim, viveu essencialmente dois períodos dourados no seu percurso, sendo o primeiro entre a segunda metade dos anos 60 e os anos 70, quando conquistou sete dos seus 17 campeonatos, e outro desde o início do século XXI, quando reafirmou-se como o principal gigante helvético, somando, desde aí, mais nove campeonatos.

Aliás, o Basileia apenas conquistou uma Liga Suíça fora desse espaço temporal, mais concretamente em 1952/53, sendo ainda relevante lembrar que tem 11 Taças da Suíça na sua sala de troféus. Já ao nível das competições europeias, o melhor que conseguiu foi atingir os quartos de final da Taça dos Campeões em 1973/74 e as meias-finais da Liga Europa em 2012/13.

Actual pentacampeão suíço, o Basileia encontra-se em muito boa posição para alcançar o hexa, uma vez que já é lider isolado do actual campeonato local, somando mais oito pontos que o segundo classificado, o FC Zurique.

Paulo Sousa colocou o Basileia a praticar excelente futebol

Paulo Sousa impôs futebol positivo e dominador

Como joga?

O Basileia aposta essencialmente num 4x2x3x1 com claras dinâmicas posicionais, embora Paulo Sousa tenha a capacidade de alterar esse sistema, seja no início ou no decorrer do jogo, caso o perfil do adversário a isso obrigue.

Ainda assim, mais relevante do que a forma como as peças são colocadas no relvado, é falar do ADN deste Basileia, que passa por uma equipa que pratica um futebol com elevada nota artística, que prefere construir o jogo de trás e que impõe muita dinâmica e acutilância de processos no seu jogo, parecendo encontrar sempre soluções, mesmo perante adversários mais complicados.

Gostando de fazer pressão alta, poderá estar aqui um dos calcanhares de Aquiles do conjunto helvético, uma vez que esse factor, aliado a alguma tendência para perder o esférico na zona média de construção, expõe em demasia o seu sector defensivo, que não é propriamente rápido e sofre com as bolas colocadas nas suas costas.

De sublinhar, por fim, que o onze tipo deste Basileia de Paulo Sousa, esquematizado em 4x2x3x1, é o seguinte: Vaclik; Xhaka, Schar, Suchy e Safari; Fabian Frei, Elneny e Zuffi; Derlis González, Streller e Gashi.

Derlis é o desequilibrador do Basileia

Derlis é o principal desequilibrador do Basileia

Quem é que o FC Porto deve ter debaixo de olho? Derlis González

O Basileia tem inúmeros jogadores claramente acima da média, como os internacionais suíços: Schar (defesa-central), Fabian Frei (médio-centro) e Streller (ponta de lança), assim como o muito promissor atacante e recentemente naturalizado suíço, Embolo, de apenas 17 anos, mas a verdade é que o jogador que começa a assumir-se como estrela mais cintilante é o internacional paraguaio Derlis González.

Contratado este Verão ao Benfica, onde apenas jogou pelos juniores, o atacante de 20 anos havia passado as últimas duas temporadas emprestado ao Guaraní (36 jogos, 15 golos, em 2013) e Olímpia (20 jogos, nove golos, em 2014) do seu país natal, não tendo tido quaisquer problemas de adaptação ao principal campeonato helvético, onde soma 21 jogos, quatro golos e quatro assistências desde o início de 2014/15.

Partindo essencialmente do lado direito do ataque, Derlis González é, afinal, um desequilibrador nato, que se destaca pela sua velocidade e capacidade de drible, sendo um autêntico terror para os defesas em lances de um contra um. Para além disso, pela sua mobilidade, consegue ser híbrido na forma como executa o seu jogo, uma vez que tanto pode ser vertical num contexto de extremo mais puro, como mais diagonal, procurando desequilibrar em zonas centrais num contexto de falso-ala.

Como é que o Basileia chegou aos oitavos de final da Liga dos Campeões

O conjunto orientado por Paulo Sousa foi 2.º classificado no Grupo B com sete pontos, fruto de duas vitórias (1-0 ao Liverpool e 4-0 ao Ludogorets), um empate (1-1 com o Liverpool) e três derrotas (1-5 e 0-1 com o Real Madrid e 0-1 com o Ludogorets)

LCAs possibilidades do FC Porto

Apesar do Basileia ser uma equipa com maior qualidade do que pode aparentar à primeira vista, a verdade é que o FC Porto não deixa de ser favorito a ultrapassar esta eliminatória, uma vez que tem muito maior talento individual do que este conjunto suíço, podendo isso ser fulcral no desequilíbrio do duelo.

Ainda assim, todo o cuidado é pouco por parte da turma azul-e-branca, uma vez que o Basileia é uma equipa colectivamente muito forte e homogénea, estando aqui num patamar superior aos comandados de Julen Lopetegui, cujo colectivo ainda parece estar longe daquilo que a soma das suas individualidades parecia prometer.

Read Full Post »

Costuma-se dizer que o bater das asas de uma borboleta num extremo do globo terrestre pode provocar uma tormenta no extremo completamente oposto e essa teoria pode se aplicar a inúmeras coisas na vida. O Marítimo, por exemplo, estava condenado a não ser cabeça de série no playoff da Liga Europa e a lista de possíveis adversários era extensa e pouco apetecível, contudo, a oito minutos do final do Anorthosis-Dila Gori, com os georgianos a vencer 3-0, dá-se uma invasão de campo por parte dos adeptos cipriotas e o jogo foi interrompido. Essa interrupção evitou que, a tempo do sorteio, se confirmasse o inevitável, ou seja, o Dila Gori como clube apurado para o playoff e, assim, a dupla Anorthosis/Dila Gori apareceu no sorteio como cabeça de série, ficando ambos com o maior coeficiente, o dos cipriotas. Na verdade, esse factor tornou a dupla (Na verdade, todos sabiam que seria o Dila Gori o adversário…) o principal rebuçado para os não cabeças de série, mas podia essa sorte sair a um clube português? Podia… E saiu ao que mais precisava, o Marítimo.

O Marítimo jogará no Estádio Tengiz Burjanadze

Quem é o Dila Gori?

Fundado em 1949, o Dila Gori é um clube com pouca história, mesmo no modesto contexto do futebol georgiano, tendo como único título importante a conquista da Taça da Geórgia em 2011/12, troféu, que, valha a verdade, é o que permitiu que este conjunto participasse agora nas competições europeus.

Desde a fundação do campeonato georgiano, o Dila Gori participou maioritariamente na primeira divisão, mas as suas classificações foram sempre modestas, sendo que o clube disputou mesmo a segunda divisão em 2001/02, 2008/09 e 2010/11 e a terceira em 2009/10.

Curiosamente, a melhor classificação de sempre do clube georgiano surgiu mesmo na temporada transacta (5º lugar) e apareceu num ano de regresso do Dila Gori à primeira divisão, depois de uma subida vertiginosa da terceira divisão ao principal escalão em apenas duas épocas.

Temur Shalamberidze é o treinador do Dila Gori

Como joga?

Os comandados de Temur Shalamberidze actuam normalmente em 4x2x3x1 e, não sendo uma equipa com grande qualidade técnica, são fortes nas transições ofensivas rápidas, sabendo jogar a toda a largura do terreno e em velocidade.

Depois, como é tradicional nestas equipas da ex-URSS, trata-se de um conjunto com grande alma e raça, nunca dando um lance por perdido e nunca virando a cara à luta.

Como principais elementos, destaca-se o seguríssimo guarda-redes croata Skender, o experiente e líder da defesa Salukvadze e o goleador Vatsadze.

Nesse seguimento, o Dila Gori deverá jogar com o seguinte onze, escalado em 4x2x3x1: Skender; Shashiashvili, Salukvadze, Oniani e Kvirkvelia; Bechvaia e Grigalashvili; Guruli, Kakhelishvili e Gvalia; Vatsadze.

Vatsadze é o goleador dos georgianos

Quem é que o Marítimo deve ter debaixo de olho? Vatsadze

Um dos melhores elementos do Dila Gori é o seu ponta de lança Mate Vatsadze, um atacante de 23 anos que brilhou nos quatro primeiros jogos do Dila Gori nesta Liga Europa, marcando cinco golos.

Produto das escolas do Dínamo Tblissi pelo qual marcou 21 golos em 53 jogos pela equipa secundária e 42 tentos em 96 partidas pelo principal conjunto, Vatsadze passou depois, em 2011/12, por um clube russo, o FC Volga, mas não teve grande sucesso, regressando em 2012 à Geórgia para representar o Dila Gori.

No Dila Gori, o ponta de lança já leva 17 golos em 20 jogos, assumindo-se como grande estrela da sua equipa, pela velocidade, inteligência na desmarcação e excelente capacidade finalizadora. Muito móvel e esperto nas movimentações, trata-se, claramente, de um jogador que o Marítimo deve vigiar de perto.

Como chegou ao playoff?

2ª pré-eliminatória: AGF (Dinamarca) 1-2/1-3 Dila Gori

3ª pré-eliminatória: Dila Gori 0-1/3-0 Anorthosis (Chipre)

As possibilidades do Club Sport Marítimo

Num confronto entre o quinto classificado do campeonato português e a equipa que se classificou na mesma posição no campeonato georgiano, é óbvio que o Marítimo tem de se assumir como favorito, pois tem melhor equipa, melhores individualidades e, acima de tudo, maior experiência internacional.

Ainda assim, apesar do favoritismo dos madeirenses ser claro, é necessário que o Marítimo encare este desafio com seriedade, pois, AGF e Anorthosis também eram claramente favoritos a eliminarem este Dila Gori. 

Read Full Post »

O último obstáculo verde-e-branco no sonho de chegar à final da Liga Europa é uma forte e dinâmica equipa basca que já teve o condão de ultrapassar equipas como o Manchester United ou o Schalke 04: Athletic Bilbau. Bandeira da comunidade basca (apenas podem actuar jogadores bascos, de origem basca ou formados desde cedo no escalões de formação do Athletic), “Los Leones” são um dos clubes com mais títulos em Espanha, sendo o quarto clube com mais ligas espanholas (oito) e o segundo com mais taças do rei (vinte e quatro). A nível europeu, todavia, o melhor que conseguiram foi uma final da Taça UEFA em 1976/77, feito que, espera-se, não voltem a repetir na actual temporada.

O San Mamés é um inferno

Quem é o Athletic Bilbau?

Fundado em 1898, o Athletic Bilbau é um clube com 114 anos de história e de títulos, tendo desde cedo se assumido como um dos grandes clubes de Espanha.

Desde que foi criado, o clube baseia a sua política na utilização exclusiva de jogadores bascos, sejam eles do País Basco, Navarra ou País Basco Francês, ainda que nos últimos tempos essa política tenha sido aligeirada e jogadores de origem basca mas de outros locais, assim como atletas não bascos mas formados desde muito cedo nas camadas jovens do Athletic também possam ser chamados à equipa principal.

Apesar dessa política restrita, o Athletic assumiu-se sempre como uma equipa que ombreava de igual para igual com os maiores de Espanha, tendo conquistado oito campeonatos domésticos e vinte e quatro taças do rei. Ainda assim, desde 1983/84, “Los Leones” nunca mais conseguiram conquistar um título, situação que também foi agravada com o advento da Lei Bosman e a proliferação de estrangeiros no seio da Liga Espanhola.

Tendo uma história rica em termos domésticos, o Athletic Bilbau, todavia, nunca conseguiu grandes feitos a nível europeu, sendo que a sua melhor campanha surgiu em 1976/77, quando alcançou a final da Taça UEFA, mas perdeu no duelo decisivo com a Juventus (2-1 e 0-1).

Bielsa é dos melhores treinadores do Mundo

Como joga?

Treinado pelo mago argentino Marcelo Bielsa, o Athletic Bilbau é uma equipa de grande qualidade individual e colectiva que, pelo seu estilo de jogo, é muitas vezes considerada uma espécie de pequeno barça.

Actuando num 4x3x3 pleno de mobilidade e criatividade, “Los Leones” são extremamente fortes do meio-campo para a frente, onde jogadores como o médio-ofensivo De Marcos, os extremos Susaeta e Muniain e o ponta de lança Llorente formam um quarteto de enorme qualidade atacante.

Mais atrás, a equipa basca tem menos qualidade individual, todavia, jogadores como o lateral-direito ofensivo Iraola e o trinco Javi Martinez (não pode jogar em Alvalade) também garantem talento ao conjunto de Bielsa.

Equipa sem medo de ter a bola e de assumir o jogo, é fortíssima nas transições, sendo assim um conjunto híbrido que tanto se sente à vontade numa estratégia de ataque continuado, como sabe ser letal em lances de contra-ataque.

Nesse seguimento estratégico e com essa ideologia de futebol de qualidade, o Athletic deverá aparecer em Alvalade com o seguinte onze: Gorka Iraizoz; Iraola, Ekiza, Amorebieta e Aurtenetxe; Iturraspe, Ander Herrera e De Marcos; Susaeta, Llorente e Muniain.

Fernando Llorente é um matador

Quem é que o Sporting deve ter debaixo de olho? Llorente

Aquele que talvez seja o jogador mais decisivo da equipa de Bilbau é um ponta de lança alto e possante que funciona como referência ofensiva do conjunto basco: Fernando Llorente.

Aos 27 anos, o avançado basco já soma 20 internacionalizações (7 golos) pela selecção espanhola e leva (quase) todo o seu percurso desportivo ao serviço do Athletic Bilbau, clube onde concretizou por 81 vezes em 232 jogos da liga espanhola.

Jogador com 1,95 metros, trata-se, naturalmente, de um jogador com forte presença na área, sendo muito difícil de marcar e que em cada duas ocasiões que lhe chegam aos pés ou à cabeça, factura pelo menos uma.

Ainda assim, caso o seu marcador directo esteja atento na marcação e não deixe que o esférico chegue em condições ao poderoso avançado basco, este não reúne características que lhe permitam contornar essa situação, acabando por desaparecer um pouco do jogo. Para bem do Sporting, esperemos que assim aconteça.

Como chegou às semi-finais?

Playoff: Athletic Bilbau vs Trabzonspor (TUR) 0-0, não se realizando a segunda mão, pois o Trabzonspor foi repescado para a “Champions”

Fase de grupos:

  • Athletic Bilbau vs PSG (FRA) 2-0 e 2-4
  • Athletic Bilbau vs Red Bull Salzburgo (AUT) 2-2 e 1-0
  • Athletic Bilbau vs Slovan Bratislava (ESL) 2-1 e 2-1

Classificação:

  1. Athletic Bilbau 13 pontos
  2. Red Bull Salzburgo (AUT) 10 pts
  3. PSG (FRA) 10 pts
  4. Slovan Bratislava (ESL) 1 pt

16/Final: Athletic Bilbau (ESP) vs Lokomotiv Moscovo (RUS) 1-0 e 1-2

8/Final: Athletic Bilbau vs Manchester United (ING) 2-1 e 3-2

4/Final: Athletic Bilbau vs Schalke 04 (ALE) 2-2 e 4-2

As possibilidades do Sporting Clube de Portugal

O último obstáculo para o Sporting chegar à final da Liga Europa é um osso duro de roer, mas o grande Sporting que eliminou o Manchester City e Metalist terá condições mais que suficientes para superar uma equipa que, apesar da excelente campanha europeia, se encontra apenas na sétima posição da Liga Espanhola e a quarenta!! pontos do líder Real Madrid.

Será, no entanto, necessário manietar a linha de construção ofensiva do Athletic composta por jogadores como Muniain e De Marcos, mas, também, anular o forte ponta de lança internacional espanhol Llorente. Depois, se os leões aliarem esse factor à exploração da mais frágil linha defensiva, nomeadamente o lateral-esquerdo Aurtenetxe, tudo poderá estar alinhado para vermos os verde-e-brancos na final de Bucareste.

Read Full Post »

Apesar da maioria dos portugueses tratarem esta equipa ucraniana com certo desdém, o certo é que só um Sporting ao seu melhor nível será capaz de ultrapassar este Metalist Kharkiv. Com um plantel recheado de estrelas sul-americanas como Cristian Villagra, Taison, José Ernesto Sosa, Cleiton Xavier ou Sebastián Blanco, o clube de Kharkiv está a reduzir bastante a outrora gritante diferença de qualidade perante os gigantes ucranianos: Dínamo Kiev e Shakhtar Donetsk, sendo a extraordinária campanha que está a fazer na Liga Europa um perfeito exemplo do poderio do próximo obstáculo europeu dos leões.

O bonito "Metalist Stadium"

Quem é o Metalist Kharkiv?

Fundado em 1925, o Metalist Kharkiv apenas chegou ao primeiro escalão do futebol soviético em 1960, tendo depois passado por um difícil período que o fez voltar aos escalões secundários da URSS.

Em 1982, o clube ucraniano voltou à primeira divisão, tendo, desta feita, se mantido por lá até à dissolução da União Soviética e conseguindo, inclusivamente, o seu único título importante de toda a sua história: uma Taça da URSS conquistada em 1988, após vitória na final diante do Torpedo Moscovo (2-0).

Desde que a Ucrânia se separou da URSS, o Metalist integrou-se naturalmente na pirâmide futebolística daquele país da Europa de leste, nunca tendo, contudo, conquistado qualquer título ucraniano. Ainda assim, o recente investimento de Oleksandr Yaroslavsky, (um dos donos de um dos mais importantes bancos da Ucrânia) fez com que o clube de Kharkiv começasse a aproximar-se de Shakhtar e Dínamo Kiev, tornando-se presença assídua nas competições europeias e tendo terminado os últimos cinco campeonatos ucranianos na terceira posição.

Myron Markevych é o treinador do Metalist

Como joga?

O Metalist é uma equipa sediada na Ucrânia, todavia, de ucraniano apenas tem o nome. Com inúmeros jogadores sul-americanos e um sistema táctico 4x2x3x1 que privilegia a criatividade e a fantasia, o conjunto de Kharkiv seria facilmente confundido com uma qualquer equipa que disputa a Taça dos Libertadores.

Perigosíssimo nas transições defesa/ataque, o Metalist é uma equipa matreira que gosta de oferecer o comando do jogo ao adversário para depois ser letal em lances de contra-ataque, apoiando aí o seu jogo no elevado índice criativo dos muitos sul-americanos que tem ao seu dispor.

Hoje, em Alvalade, o Metalist deverá se apoiar nesses princípios tácticos e estratégicos, surgindo no relvado com o seguinte onze: Dišljenković; Gueye, Pshenychnykh, Torsiglieri e Villagra; Sosa e Torres; Taison, Cleiton Xavier e Blanco; Devych.

Cleiton Xavier é um desequilibrador

Quem é que o Sporting deve ter debaixo de olho? Cleiton Xavier

No meio de um conjunto bastante talentoso, salta à vista um  médio-ofensivo brasileiro de grande qualidade e que até podia ter se transferido para o Sporting: Cleiton Xavier.

De facto, aquando da transferência de Tinga para o Brasil, o Sporting teve a possibilidade de escolher entre Cleiton e Marcelo Labarthe, tendo acabado por optar pelo segundo com o (in)sucesso que se sabe.

Neste momento, com 29 anos, o antigo jogador do Internacional e do Palmeiras é o cérebro de todas as acções ofensivas do Metalist, destacando-se pela elevada qualidade técnica, superior visão de jogo e enorme qualidade nos lances de bola parada.

Como tal, um dos primeiros passos a dar pelos verde-e-brancos na tentativa de passar esta eliminatória europeia deverá passar por anular as qualidades deste excelente médio-ofensivo brasileiro.

Como chegou aos 4/final?

Playoff: Metalist Kharkiv vs Sochaux (FRA) 0-0 e 4-0

Fase de grupos:

  • Metalist Kharkic vs AZ Alkmaar (HOL) 1-1 e 1-1
  • Metalist Kharkiv vs Áustria Viena (AUT) 4-1 e 2-1
  • Metalist Kharkiv vs Malmö (SUE) 3-1 e 4-1

Classificação:

  1. Metalist Kharkiv 14 pontos
  2. AZ Alkmaar (HOL) 8 pontos
  3. Áustria Viena (AUT) 8 pontos
  4. Malmö (SUE) 1 ponto

16/Final: Metalist Kharkiv vs Red Bull Salzburg (AUT) 4-0 e 4-1

8/Final: Metalist Kharkiv vs Olympiakos (GRE) 0-1 e 2-1

As possibilidades do Sporting Clube de Portugal

O Metalist não tem obviamente a qualidade do Manchester City, todavia, só um Sporting ao seu melhor nível conseguirá afastar uma equipa ucraniana que, lembre-se, tem um orçamento muito superior à equipa verde-e-branca.

Ainda assim o Sporting, pela sua maior experiência internacional, pela embalagem motivacional que conseguiu por ter afastado o Manchester City e pela qualidade do seu plantel terá boas condições de seguir para as meias-finais da Liga Europa, devendo, para isso, encarar o Metalist com o máximo respeito e muita, muita concentração.

Read Full Post »

Older Posts »